Discos que Formaram meu Caráter (Parte 49) – “Adiós Amigos” – Ramones (1995) – Por Marcelo Guido

Por Marcelo Guido

Salve moçada!

Todos trancados em seus lares escolhendo quem matar para a economia não parar… O viajante dos sons está de volta para mais uma rodada de discos, músicas e afins.

Com a nave a toda velocidade, som na altura máxima, com orgulho apresento a vocês:

“Adiós Amigos”, o 14º álbum dos Ramones. Todos de pé!

Estamos agora em 1995, e os caras dos Ramones encaravam a velhice. Estava ou não na hora de se aposentar? A relevância da banda nunca esteve em xeque, mas os tempos eram outros.

Passando incólumes pelos tempos da discoteca, pelos anos 80, a “new wave”, o pós-punk, o grunge e outros caralhos, Joey e Jonhy já pareciam cansados da vida que escolheram.

Somando isso aos problemas de saúde de Joey (que teve em toda a sua vida adulta um constante entra e sai de hospitais), a idade e o estilo de vida começavam a cobrar um preço; Joey acabara de ser diagnosticado com um severo câncer linfático e, como bom Ramone que era, deixou a doença em segredo.

Com 13 discos de estúdio e discos ao vivo que pareciam transportar os fãs para os shows, reconhecimento formado por uma legião de fãs no mundo inteiro, sempre citados como referência por vários músicos e banda planeta afora, os caras já tinham salvado o Rock and Roll da ameaça do “Progressivo” com seus solos intermináveis e suas reflexões sem sentido de bons músicos que sabiam ler partituras. Os Ramones não deviam nada a ninguém.

A preocupação maior era não se tornar uma paródia de si mesmo e aceitar de uma vez que a estrada dos tijolos amarelos estava chegando no fim.

Os shows que nos tempos áureos chegavam a 150 no ano, tinham sido reduzidos a um terço, o acolhimento da América do Sul para os caras depois de “Mondo Bizarro” deu um gás na banda, os problemas de saúde de Joey já eram bastante latentes, ausências em parte das apresentações, máscara de oxigênio no palco, o Ramone que mais vestiu a camisa da eterna adolescência parecia realmente querer um descanso.

Os Ramones, estavam realmente em dúvidas quanto ao futuro e, talvez, as crises que todos nós temos tenham também chegado nos caras naquela época. As 13 faixas do disco trazem profundas reflexões sobre amor, dor, ódio e futuro, mas tudo muito rápido e intenso como só eles sabiam fazer e, sendo assim, por respeito a seus muitos admiradores, entraram em estúdio em fevereiro de 1995 e em junho do mesmo ano apresentaram este belo exemplar de som, anunciando que seria o derradeiro trabalho.

Vamos ao que interessa e dissecar essa bolacha:

O disco começa com “I Don`t Want To Grow Up”, cover do Tom Waits é desafiadora, uma franca negação do mundo real, incertezas sobre o futuro, dúvidas sobre a própria vida. “Maki Monsters For My Friends” a autocrítica feita, somos os nossos próprios monstros. “Its Not for Me to Know”, a desistência contra o que não pode ser evitado, você fez tudo o que era possível. “The Crusher”, composta por Dee Ramone, já tinha sido gravada no primeiro disco solo dele, ganhou nova roupagem na voz de Joey, mostra que ainda se tem disposição para lutar contra desafios. “Life`s a Gas”, simples, são daquelas canções que marcam pela intensidade, foi o single do disco. “Take the Pain Away”, pessoal, uma caminhada constante pelo alivio, você só quer acabar com a dor. “I Love You”, cover do Johnny Thunders , a simplicidade em falar de amor. “Cretin Family”, todos contra você uma resposta à o clássico “Pinhead”, se antes os Ramones era o lar dos desajustados, tinha agora tornado parte do Mainstrean. “Have Nice Day”, ironia nas saudações diárias, escuta se sempre um bom dia em uma derrota. “Scattergun”, a segurança que você se propõe a ter. “Got a Lot Say”, tudo a dizer, mas não sabe agora. “She Talks To Rainbows”, triste, mas verdadeira, mostra o lado desesperançoso de quem se entretém com tudo e com todos. “Born To Die in Berlin”, uma significativa ode aos entorpecentes.

Rápido, intenso e formidável que puta disco.

O respeito pelos fãs – algo que sempre foi uma marca dos caras – esteve presente neste álbum. Essencial na discografia de quem pretende gostar de Rock and Roll.

Medalha de ouro. Se tu não conheces, na moral, mereces ser deitado na porrada.

Um disco que, apesar de ter sido anunciado como último trabalho, não perdeu a “aura Ramônica” e, longe de ser um caça-níquéis, feito por caras cansados e desgostosos, soa como um verdadeiro “The best of”, de tanto esmero e vontade.

A capa, uma das mais horríveis e esdrúxulas já feitas, eram dois dinossauros com sombreiros, com o título em espanhol.

É sem dúvida alguma, um daqueles discos verdadeiramente pensados, com canções eternas; um daqueles que tu colocas pra tocar do começo ao fim sem medo.

Sim, foi o último e acabaram em grande estilo. O mundo teve que sobreviver sem os Ramones. “Não queremos nos estender além da conta”, declarou Joey Ramone.

E no final, a saída por cima; “Adiós Amigos” mostrou que máxima de Bruce Wayne é verdadeira: “Ou você morre como um herói, ou vive o bastante para se tornar um vilão”. Os Ramones foram simplesmente fodas do começo ao fim.

Este texto é dedicado a Renato Atayde, Luis “Espalha Lixo” Xavier, Fábio “Macumba” Evangelista e Alex “Skoria” Rodrigues que, assim como eu, também tiveram o caráter formado por Ramones.

Ramones Forever.

*Marcelo Guido é jornalista. Pai da Lanna Guido e do Bento Guido. Maridão da Bia.

Festival On-Line “FicaDiBubuia” segue nesta sexta-feira (27)

Nestas sexta-feira (27), a partir das 16h50, rolará o segundo dia do Festival On-Line “FicaDiBubuia”. Promovido pela produtora Duas Telas, o festival é totalmente independente e conta com artistas voluntários, sem nenhum tipo de remuneração.

A ideia é quebrar a sensação de distância gerada pelo isolamento comunitário por conta da prevenção ao coronavírus (Covid-19), e promover cultura por meio da internet, além de manter vivo o espírito criativo dos artistas locais. De 26 a 29 de março serão dezenas de apresentações ao vivo.

O Festival Cultural On Line será transmitido pelo perfil da Duas Telas na rede social @duastelasproducoesap, onde rolarão shows musicais e performances em formato pocket. Qualquer pessoa poderá acompanhar as programações e interagir com o evento e artistas.

Ontem, na abertura do Festival On-Line “FicaDiBubuia, se apresentaram Poetas Azuis, Joãozinho Gomes, Alan Yared, Enrico Di Miceli, Cley Lunna, Colibris, Roniel Aires, Nani Rodrigues, Laura do Marabaiaxo, Naldo Maranhão, Malabarista Flor, Grupo Guá, Rambolde Campos, João Amorim e Quarteto Casa Nova.

Hoje as aterações são: Kássia Modesto, Carla Nobre, Tem Deck?, MB Pop, Lohan Souza, Jimmy Feiches, André Medeiros, Erick Pureza, Nonato Santos, Val Milhomem, Osmar Jr., Roni Moraes, Amadeu Cavalcante, Negro de Nós e Finéias Nelluty

O festival cultural on-line é uma alternativa de entretenimento na quarentena. Uma maneira de estarmos juntos, conectados em uma corrente de empatia.

Sobre a expressão “dibubuia”

A expressão Bubuia vem do nosso “caboclês”, virou gíria popular, e é uma forma gentil de pedir: fica de boa, fica tranquilo, fica aí parado. É desse jeito jeito que pedimos a todos que fiquem em casa para segurança dos mais vulneráveis…

Então é isso. Vamos combater essa batalha com o melhor que podemos dar, com nosso amor pela cultura e pela responsabilidade de doar o que temos de mais precioso em nosso fazer diário: Nossa produção artística! POR FAVOR FICA EM CASA! #FicaDiBubuia … Não fica mufino! Espia nossa programação! #producao #arte #bubuia #musica #literatura #poesia #artista #amazonia #norte #corona #quarentena #amapa #macapa

E o melhor: é de graça! Assista e prestigie!

Patrícia Andrade e Elton Tavares

TJAP realiza 719ª Sessão Judicial e 801ª Sessão Administrativa por videoconferência para minimizar contaminações pelo novo coronavírus

Como medida para preservar jurisdicionados, advogados, servidores e magistrados dos riscos de contaminação pelo novo coronavírus, o Tribunal de Justiça do Amapá realizou, nesta quarta-feira (25), a 719ª Sessão Ordinária Judicial e a 801ª Sessão Ordinária Administrativa por videoconferência, empregando o aplicativo Zoom. Por meio do recurso, cada magistrado, além das partes dos processos (advogados e procuradores), tiveram a oportunidade de integrar a sessão de espaços mais isolados e sem aglomeração – alguns de suas residências, outros de seus gabinetes.

A iniciativa segue as determinações já publicadas na Resolução Nº 1352-TJAP e no Ato Conjunto Nº 536-TJAP em consonância com as diretrizes da Resolução Nº 313-CNJ – normativas que por sua vez se harmonizam com orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), do Ministério da Saúde do Brasil e do Governo do Estado do Amapá.

O desembargador João Lages, presidente do TJAP e da sessão do Pleno, agradeceu a paciência de todos com as medidas tomadas. “É incansável o trabalho das nossas equipes de Informática, Desis, SGPE, Diretoria-Geral, Corregedoria e Gabinete da Presidência. Vocês não fazem ideia do que eles têm feito e trabalhado para possibilitar que nosso trabalho não pare e nosso povo seja prejudicado o mínimo possível com esta situação”, registrou.

????????????????????????????????????

Registrando que o sistema de videoconferência não funcionou na véspera, impossibilitando a Sessão da Câmara Única prevista, “e por isso peço desculpas à desembargadora Sueli Pini”, e acrescentou: “felizmente hoje conseguimos colocar essa sessão remota em prática, preservando a saúde e integridade de cada um de nós participantes”.

“O Poder Judiciário não parou, mas isso precisa ocorrer dentro das recomendações de segurança e saúde. É natural que nos primeiros dias a coisa não flua da mesma forma, pois é uma adaptação, mas tenho certeza de que nosso ritmo vai se aprimorar e teremos um fôlego recuperado nas próximas semanas”, defendeu o presidente do TJAP.

“Faço um agradecimento especial pela paciência e participação da Procuradora Geral de Justiça do Amapá, Ivana Cei, e do Procurador de Justiça Nicolau Crispino, que nos ajudaram a realizar esta sessão e manter as engrenagens da Justiça em funcionamento”, concluiu o presidente.

Participaram da 719ª Sessão Judicial e da 801ª Sessão Ordinária Administrativa do Pleno do TJAP, conduzidas pelo desembargador-presidente João Lages, os desembargadores: Gilberto Pinheiro (decano), Carmo Antônio de Souza, Agostino Silvério Junior, Sueli Pini, Carlos Tork, Rommel Araújo e Eduardo Contreras (corregedor). Representando a Procuradoria de Justiça e o Ministério Público do Amapá na sessão judicial, participaram a Procuradora Geral de Justiça, Ivana Cei, e o Procurador de Justiça Nicolau Crispino.

Assessoria de Comunicação Social do TJAP

Assistência Social monta novos canais de comunicação com a população de Macapá

Atendendo as medidas preventivas de combate à proliferação do Coronavírus anunciadas pela Prefeitura de Macapá, a Secretaria Municipal de Assistência Social suspendeu por 15 dias todas as atividades de projetos sociais nos residenciais São José, Jardim Açucena, Mestre Oscar Santos e Mucajá.

As atividades da escolinha de futebol, balé, aulas de violão do “Tome Notas” e ginástica, dentre outros projetos sociais, atividades recreativas e culturais estão suspensas a fim de resguardar e prevenir a população dos residenciais quanto à possível disseminação do Covid-19. O plantão social de cada residencial estará sendo efetuado por telefone.

O órgão informa ainda que os serviços de atendimento ao público nos equipamentos deverão ser feitos, preferencialmente, via telefone ou mediante agendamento prévio. A medida visa prevenir a aglomeração de pessoas nos locais de acolhimento ao público.

O atendimento presencial nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) e Especializado de Assistência Social (Creas) será suspenso. Entretanto, a coordenação de cada equipamento estará à disposição para os atendimentos necessários à população, por meio dos telefones relacionados abaixo, das 8h às 12h.

Atendimentos relacionados ao Programa Bolsa Família e Cadastro Único (CadÚnico) para programas sociais serão feitos somente na Casa do Bolsa, limitando-se ao atendimento de casos de extrema urgência, como bloqueio do benefício. Os servidores atuarão em regime de escala de revezamento, tendo sempre funcionário à disposição para prestar informações à população. A Secretaria de Assistência Social mantém os Benefícios Eventuais, assim como o auxílio funeral.

No Centro de Referência Especializado para Pessoas em Situação de Rua (Centro POP) Amizade, ficam suspensas as atividades educativas em grupos e oficinas, sendo mantida todas as refeições servidas diariamente e permitida a higienização da população em situação de rua, obedecendo aos protocolos de prevenção e combate ao Coronavírus.

A Casa Abrigo Marluza Araújo (Cama) suspendeu todas as atividades complementares desempenhadas fora do abrigo e funcionará em regime de plantão, reduzindo o número de servidores na casa de acolhimento. Os Conselhos Tutelares Zona Norte e Zona Sul funcionarão em escala de plantão. Os atendimentos serão feitos por meio dos respectivos números relacionados abaixo.

O Restaurante Popular Ibrahim Ferreira Dias, que já teve seu funcionamento afetado na última semana, permitindo a permanência de apenas 30 pessoas no refeitório, terá suas atividades suspensas a partir desta segunda-feira, 23. De acordo com a secretária de Assistência Social, Mônica Dias, as medidas visão resguardar e prevenir a vida de toda a população. “É importante tomar medidas para evitar que aconteça o que vem acontecendo em outros locais do mundo. O nosso trabalho é de prevenção neste momento”, destaca.

Além das medidas que mudam a rotina de atendimento nos equipamentos da Secretaria Municipal de Assistência Social, a fim de proteger os grupos de risco, a secretaria dispensa as pessoas idosas, diabéticas e hipertensas recomendando que estas permaneçam em casa, assim como aqueles que apresentam sintomas de gripe.

Relação de telefones para atendimento:

Cras Fazendinha: (96) 99970-1079
Cras Pedrinhas: (96) 99970-1074
Cras Nova Esperança: (96) 98802-8377
Cras Felicidade (Santa Inês): (96) 99970-5087
Cras Cidade Nova: (96) 99970-5098
Cras CEU das Artes: (96) 99970-5088
Casa do Bolsa Família: (96) 99970-5089
Conselho Tutelar Zona Norte: (96) 99188-1399
Conselho Tutelar Zona Sul: (96) 99145-2016
Auxílio funeral: (96) 98802-8644

Ligações a cobrar serão atendidas e/ou retornadas.

Sávio Almeida
Assessor de comunicação/ Assistência Social

Música de agora: Until the End of The World (Até o Fim do Mundo) – U2 – *Um conversa entre Judas e Jesus

Until the End of The World (Até o Fim do Mundo) – U2

Já faz um tempo em que não te vejo
Eu estava deprimido, passando o tempo.
Ultima vez que nos vimos foi num quarto escuro
Estávamos tão próximos quanto uma noiva e noivo.
Nos comemos a comida, bebemos o vinho
Todos estavam se divertindo
Menos você
Você estava falando sobre o fim do mundo

Eu peguei seu dinheiro
Eu droguei sua bebida
Você perde muito hoje em dia se parar para pensar
Você me guiou com esses olhos inocentes
Você sabe que eu amo o elemento surpresa
No jardim eu fingia ser vadia
Beijei seus lábios e parti seu coração
Você… Você agia como se fosse
O fim do mundo

(Amor… Amor…)

Em meu sonho eu afogava meus arrependimentos
Mas meus arrependimentos, eles aprenderam a nadar.
Cercando-me, caindo sobre mim,
Transbordando.
Ondas de pesar e ondas de alegria
Eu procuro por Aquele que tentei destruir
Você… Você disse que esperaria
Até o fim do mundo

La la la la la

*Um conversa entre Judas e Jesus, pois pra muitos, traição é um ponto de vista. Pra mim, não.

DE QUE MORREU LÁZARO? – Conto de Luiz Jorge Ferreira

Conto de Luiz Jorge Ferreira

Olhou os dois camelos no chão, lado a lado, babando e estrebuchando, como se picados por cobra. Mas ali, não havia cobras. Adiante, os demais que ele separara de manhãzinha estavam moribundos. Puxou a barba até sentir dor. Era assim que fazia quando muito preocupado. Com esses, já eram seis animais que adoeciam e morriam sem que ele pudesse fazer alguma coisa. Um deles era de Madalena. Nem havia contado para ela. Há dias não via a irmã. Estava apaixonada pelo novo profeta. Andava por toda a Galileia seguindo Nazareno.

Abaixou-se próximo aos animais e fez-lhes beber a infusão que preparara. Ficou apertando os focinhos até que engolissem. Estava sozinho. Todos tinham ido ouvir Nazareno, inclusive sua mãe que fazia oferendas de animais vivos ao Bezerro de Ouro do Templo. Partira com suas irmãs para ouvi-lo pregar.

Afastou-se dos animais, entrou na cabana e deitou-se. Pensou na possibilidade de Nazareno saber um remédio para curar a doença dos camelos e, assim, fazê-los sarar. De uma feita, encontrara o junto com seus seguidores em uma festa de casamento. Pareceu-lhe um homem despojado, apesar da grande fama de profeta. Madalena, em determinado momento, o pegou pela mão e levou-o até onde estavam sentados.

“- Este é Jesus.”- disse. Abraçou-os, como costume da região, mas não ficou entre eles. Soube que a certa altura da festa faltara vinho e ele enchera os tonéis com água e a transformara em vinho. E dos bons, pensou, lembrando se de como saíra da festa. Fora levado, como um menino, pelas mãos de Marta. O engraçado era que toda a vez que se lembrava de Nazareno, era invadido por uma sensação estranha, como se ele estivesse próximo. Podia sentir um cheiro de alfazema, contrastando com o cheiro de camelo que sentia em si mesmo. Passou a mão na cabeça. Suava muito. Estava calor, mas sentia muito frio. Puxou a pele de cabra aos pés por cima do corpo e enrodilhou-se todo. Quando amanheceu de novo, um cheiro fétido veio lá de fora. Com certeza os animais haviam morrido. Tinha que se levantar e enterrá-los. Logo seus corpos atrairiam os abutres. Sentiu que não tinha forças. Olhou para os pés inchados, sentiu a boca seca, e o corpo cheio de nódulos. Estava doente assim como os camelos. Esforçou-se para chamar alguém. Porém estava só. Pensou gritar por Madalena. E gritou em pensamento bem alto!

Dias depois, apreensivas, elas de longe avistaram o redemoinho dos abutres sobre os animais. Os dois camelos sobreviventes deitados moribundos sedentos. E dentro da cabana estava Lazaro. Semi coberto. Hirto. Morto. Devia estar assim há mais de três dias. As feridas já estavam cheias de vermes. As mulheres se desesperaram. Quem as iria sustentar? Mantinham-se pelo trabalho dele no trato com os animais. Trabalho de homens.

Madalena tomou de volta a trilha. Tinha que encontrar o Nazareno e convencê-lo a ver Lazaro. Já o assistira erguer os aleijados, aprumar os tortos, dar luz aos cegos, fazer ouvir os surdos. As outras mulheres ficaram umedecendo Lazaro com óleos numa tentativa inútil de amenizar o ressecamento que lhe apergaminhava. Ela o encontrou na casa de um dos Escribas que lhe dera pernoite, sem cansar de ouvir admirado as palavras que saiam de sua boca. Os guardas levaram Madalena até o interior da casa. Madalena contou o que se passara com os animais e com Lazaro.

“- Descanse um pouco.” – disse-lhe. “- Logo vamos.” Deram-lhe água fresca e alimentos. Partiram antes da quinta hora. O Escriba fez questão de ir. Seguiu com um séquito de mais de trinta empregados. Andaram rápido, porque Nazareno, acostumado a caminhar longos trechos, andava a passos largos. Ao se aproximarem, podiam sentir o cheiro forte dos animais. As mulheres tinham jogado terra sobre eles sem, contudo, enterrá-los. O escriba derramou óleo perfumado sobre as vestes antes de descer na porta da cabana. As mulheres se afastaram e Nazareno sentou-se ao lado de Lazaro que estava escurecido, todo molhado de óleo, encolhido em torno de si. O escriba e todos os outros com panos na mão cobriam o nariz. Ele olhou Lazaro coberto da cabeça aos pés, colocou seu rosto sob a pele de cabra que o cobria e o chamou soprando em seu ouvido, como se lhe contasse um segredo. Um vento trouxe uma poeira fina do terreno ao redor que encheu o cômodo. O cheiro fétido sumiu e surgiu um cheiro de alfazema, estranhamente, vindo do quintal junto com a fina poeira que invadiu o lugar onde estavam. Lazaro continuou a gritar por Madalena. Era como se estivesse com a boca cheia de tâmaras e vinagre em um tempo só. O pior é que tudo estava longe e perto ao mesmo tempo e o olhar parecia olhar e não entender o que olhava. Tudo parecia galopar rapidamente em seu pensamento de frente para trás. Foi ficando mais forte o cheiro de alfazema e quando abriu os olhos, sentiu a presença dele ao seu lado.

Antes de olhar seu rosto, sabia que ele ali estava presente. Abriu os olhos. Ele realmente estava sentado ao seu lado com a cabeça encostada ao seu ouvido. Não o ouvia falar nada. Era como se o chamasse, sem dizer, uma palavra. Logo pensou. Estava surdo! Olhou espantado a multidão. E o que fazia ali toda aquela gente? Até um escriba em sua casa? Olhou para Nazareno, parecia que repetia seu nome, mas não percebia mexer os seus lábios. Os outros movimentavam a boca pareciam dar graças aos céus, aos gritos. Mas ele não escutava suas vozes, só enxergava suas bocas em movimento, seus pescoços túrgidos e suas mãos erguidas. Madalena veio em sua direção. “- Minha irmã!” – falou, mas nenhum som saiu. Estava mudo!

Nazareno levantou se do seu lado e foi em direção a porta. Os outros se ajoelharam. O escriba tomou sua mão e a beijou. Sua mãe e suas irmãs e os outros saíram com ele. Pareciam tão felizes… Sozinho, Lazaro tentou se erguer, mas estava muito cansado parecia ter caminhado muitos dias sem beber e sem comer. Pensou nos animais lá fora. Se Nazareno houvesse chegado antes teria ensinado uma poção para curá-los.

As pessoas foram se afastando no caminho de volta a Vila de Karfun. Porque tinham vindo ter com ele até sua casa? Pensou consigo sem entender nada. Enquanto levantava cambaleante em direção ao poço de água, ouviu o barulho dos camelos agora curados.

*Conto do livro Antena de Arame – Editora Rumo Editorial – 2ª Edição (2018) – São Paulo – Brasil.

Município de Macapá monitora 8 casos suspeitos de Covid-19

Foto: Diário do Amapá

Aumentou para oito o número de casos suspeitos de Coronavírus monitorados pela Secretaria Municipal de Saúde, por meio da Vigilância Epidemiológica. Os dois novos são de uma mulher, de 27 anos, e de um homem, de 39 anos, com histórico de viagem ao exterior e que começaram a apresentar sintomas como coriza, febre e desconforto respiratório no retorno a Macapá.

Em ambos os casos, os pacientes foram atendidos na UBS Lélio Silva e avaliados por profissional médico, onde realizaram a coleta de exame de escarro na própria unidade. Após a realização da coleta, a Secretaria de Saúde encaminhou a amostra ao Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), para que eles façam o envio de material para ser analisado pelo Instituto Evandro Chagas, em Belém/PA, (referência na Região Norte).

Após exame, os pacientes foram liberados para isolamento domiciliar por apresentarem sintomas leves da doença, recebendo kits de máscaras, recomendações sobre cuidados básicos e acompanhamento por meio de contato telefônico pela equipe da vigilância municipal.

A Vigilância Epidemiológica do município tem total autonomia de avaliação e notificação dos casos atendidos nas UBS’s da capital, mas têm enfrentado dificuldades em acessar a plataforma do Ministério da saúde devido a congestionamento do sistema. A notificação só é realizada após a investigação epidemiológica, feita por enfermeiros e médicos, que avaliam se os casos se enquadram nos critérios clínicos.

Foto: Diário do Amapá

O Município recomenda que as pessoas evitem lugares com aglomerações, não viajem e mantenham hábitos de higiene, como lavar constantemente as mãos. A Secretaria Municipal de Saúde orienta que as pessoas com sintomas de febre, dificuldade para respirar, tosse ou coriza, associados a aspectos epidemiológicos como histórico de viagem em área com circulação do vírus ou contato próximo com algum caso suspeito ou confirmado laboratorialmente para Covid-19 procurem o serviço de saúde mais próximo.

Como parte do Plano de Enfrentamento ao Covid-19, a Secretaria Municipal de Saúde apresentou aos profissionais das UBS’s o fluxo de atendimento a casos suspeitos de Coronavírus. O protocolo trata das providências a serem tomadas quando pacientes suspeitos da síndrome respiratória buscarem atendimento em uma unidade do Município.

Jamile Moreira
Assessora de comunicação/Semsa
Contato: 99135-6508

Vereador Ruzivan Pontes pede cumprimento da Lei que cria o Programa “Macapá Jovem”

Secretário Pedro Lourenço – Essa foto é do Jaciguara Cruz / Ascom /CMM

Em Sessão Ordinária, realizada na última terça-feira (17), na Câmara de Vereadores de Macapá, o secretário de Estado de Políticas Públicas para Juventude, Pedro Lourenço da Costa Neto, prestou esclarecimentos sobre a atuação do programa “Amapá Jovem”, que atende cerca de dez mil jovens em todo o estado, entre 15 e 29 anos – a maioria em risco social.

O secretário lembrou aos vereadores presentes que o programa não se restringe apenas em distribuir as bolsas no valor de R$ 120,00 (cento e vinte reais por mês). O programa é uma alternativa para a capacitação e preparação dos jovens para o mercado de trabalho. E chamou a atenção dos parlamentares macapaenses para a necessidade de elaboração de políticas públicas voltadas aos jovens da cidade de Macapá.

O município de Macapá, onde está concentrada a maior parte da população jovem do estado, precisa tratar de forma diferenciada esta questão”, disse o secretário.

Durante seu pronunciamento, o vereador Ruzivan Pontes (SD), agradeceu ao convidado e lembrou aos presentes da importância de políticas públicas que beneficiem o jovem de maneira geral.

Vereador Ruzivan Pontes – Foto: Marcelo Guido

“Investir em entretenimento, educação e cultura ainda é a melhor saída no combate contra a marginalização do jovem em nossa cidade, tirar esse jovem da área de risco na nossa sociedade é a função desses projetos” informou o vereador.

Durante a seção, Ruzivan fez referência a Lei 1998/ 2012, de sua autoria, que foi aprovada pelo parlamento, mas que infelizmente não vem sendo efetivada. A Lei em questão criou o programa “Macapá Jovem” e o portal “Macapá Jovem” em todo o âmbito do município de Macapá.

“Aprovamos muitas leis dentro da Câmara de Vereadores, mas vejo que falta vontade dos gestores em tirar do papel, e com essa lei não é diferente”, falou Pontes.

O vereador falou sobre a dificuldade em regulamentar a lei na atual gestão: “Venho, desde o meu segundo mandato, tentando implementar o programa que inicialmente iria beneficiar mil jovens na cidade de Macapá. Não sei informar se falta interesse por parte da Prefeitura, mas eu estou aqui para cobrar e irei fazer o que a população da cidade espera de mim. O compromisso com o jovem é uma bandeira do nosso mandato”, concluiu.

O que diz a Lei:

A Lei 1998/2012 autorizou o Poder Executivo Municipal a criação do programa “Macapá Jovem” e do portal “Macapá Jovem” em todo âmbito do município de Macapá.

O programa teria como finalidade a criação de agenda para melhoria das políticas públicas voltadas para juventude, como cursos profissionalizantes e eventos culturais. O portal prestaria informações para o público alvo.

Marcelo Guido
Assessoria de comunicação do vereador Ruzivan Pontes

Morre Kleber Duarte, cantor, baixista e líder da banda de Rock amapaense “The End”

Kleber Duarte – Foto: Facebook do Geison Castro

Hoje, por conta da correria do trampo, fui olhar as redes sociais somente depois das 10h. E li a triste notícia na página do Geison Castro: Kleber Duarte, cantor, baixista e líder da banda de Rock amapaense “The End” morreu. Puta merda! O cara era jovem e talentoso. Eu nem sabia que o brother tava doente. Lamento a prematura partida do ilustre e gente fina tocador de roquenrou.

Enfim, estamos tristes pela subida de um cara de imenso talento, vítima de um linfoma (uma espécie de câncer que tem origem nos gânglios linfáticos). Isso que o Bio Vilhena me contou. O Ronaldo (Macarrão) até me marcou em um post no Instagram que fala sobre Kleber e sua fantástica banda. Um pena.

Conheci a “The End” há tempos. A única banda que toca as canções do R.E.M., sempre com a força do Rock e sutileza dos americanos liderados por Michael Stipe. Quem me apresentou o grupo de Rock que tocava numa casa em frente ao Fórum de Macapá, lá na Avenida Fab, foi Guga e o Alan Beatão. Logo virei fã dos moleques.

Banda The End, em 2013, no bar Recanto do Guerreiro – Foto: Blog De Rocha

Depois acompanhei os shows deles no velho Mosaico. A The End até tocou em festas que promovi naquele saudoso bar, onde também tocavam Primos do Brau, Little Big e Drop’s Heroína. Quem foi ali, nunca esquecerá aquelas noites.

Kleber era introvertido no primeiro momento e sempre sério, mas apaixonado por música e por tocar nos piseiros da cidade. Depois que a gente conhecia o cara melhor, ele até brincava e tirava onda. Duarte sempre foi um guerreiro do Rock. Ele e demais integrantes da The End tocavam em todo lugar, sempre pra manter a cena Rock in roll em Macapá.

Uma vez, fiz uma foto de seu contrabaixo, instrumento conhecido por todos os músicos e fãs de rock de Macapá, nas cores vermelho e preto, com o nome The End estampado. Mandei a imagem pra ele e o cara deu maior valor. Eu gostava dele.

Banda The End, em 2013, no bar Recanto do Guerreiro – Foto: Blog De Rocha

Vez ou outra interagíamos pelo Facebook. Algumas eu lhe mandando links sobre o Joy Division e noutras ele me enviando algo da mesma banda.

A última vez que vi a The End tocar foi no Recanto dos Guerreiros (Bar do Márcio), na Praça do Santa Inês, perto da pista de skate na orla de Macapá.

A cultura rocker do Amapá fica um pouco mais pobre e a gente órfão da The End. Agradecemos as noites quentes em que ele e sua banda embalaram nossas aventuras nos piseiros. Que o Kleber siga em paz. Valeu, mano. Até a próxima vez!

Elton Tavares


Atmosphere – Joy Division

Caminhar em silêncio
Não se afaste em silêncio.
Veja o perigo,
sempre perigo,
Conversas infinitas,
Reconstruindo a vida,
Não se afaste.

Caminhar em silêncio,
Não se afaste em silêncio.
Sua confusão,
minha ilusão,
Vestido como uma máscara de ódio próprio,
confrontos e depois mortes.
Não se afaste.

Pessoas como você o acham fácil,
Despidos para ver,
andando sob o ar.
Perseguindo pelos rios,
Através das ruas,
Toda esquina abandonada cedo demais
Colocadas com o devido cuidado.
Não se afaste em silêncio.
Não se afaste.

O menino que roubava livros – Crônica de Ronaldo Rodrigues

Crônica de Ronaldo Rodrigues

Que roubava, não! O menino que rouba livros! E esse menino sou eu! Tá, tudo bem, já estou mais pra velhinho do que menino, mas fiz analogia com o título do filme “A menina que roubava livros” para nomear esta crônica. E por falar em crônica, vamos a ela.

Sou um contumaz ladrão de livros e não me considero criminoso. Pelo contrário, sou um benfeitor da humanidade. Não coloco na condição de crime essa modalidade de roubo. E também não se trata de vício e, sim, de uma virtude. Passemos ao meu ponto de vista sobre o assunto e ao discurso de defesa, caso seja flagrado em algum momento perpetrando o meu “crime”.

Um livro não manuseado perde totalmente sua função. Por isso, não hesito em levar pra casa os que encontro largados, em total abandono e esquecimento. Não me sinto bem ao ver um livro na estante de alguém que o mantém ali apenas para ostentar uma possível erudição ou, pior ainda, para dar ao livro a simples função de ornamento, um objeto de decoração. Aí eu liberto o livro daquela situação vexatória, contrária à sua natureza, que é abrir horizontes, ser o portal de viagens interplanetárias, cruzar oceanos, desbravar novas terras. Ou simplesmente vasculhar o universo que há dentro de cada pessoa.

Na verdade, o Código Penal pode classificar como roubo, mas eu chamo de adoção. Pego o livro que estava destinado a alimentar traças e acumular poeira e o levo pra casa, onde receberá a devida atenção. Eu limpo o livro com todo o carinho e faço uma restauração básica, tipo colar páginas soltas e reforçar a lombada, caso seja necessário. E, depois de lê-lo, guardo-o em um lugar especial, todo pensado para abrigar livros, onde será respeitado e colocado à disposição de quem queira se aventurar por essa viagem fantástica que é a leitura de um livro.

Portanto, meus caros amigos, cuidem bem dos seus livros ou, caso eu tenha uma oportunidade, vou incorporá-los ao meu humilde patrimônio bibliotecário. Mas não tenham medo de me emprestar algum livro, porque faço questão de devolvê-los. E minha pequena biblioteca não é feita somente de livros roubados. Também os compro nas livrarias e sebos e faço girar o mercado editorial. É, pessoal! Esse negócio de roubar livros tem seus critérios muito bem definidos.

“Tropeçavas nos astros desastrada / Quase não tínhamos livros em casa / E a cidade não tinha livraria / Mas os livros que em nossa vida entraram / São como a radiação de um corpo negro / Apontando pra expansão do universo / Porque a frase, o conceito, o enredo, o verso / E, sem dúvida, sobretudo o verso / É o que pode lançar mundos no mundo” (trecho de Livros, música de Caetano Veloso)

Prefeito Clécio suspende aulas nas redes pública e privada e funcionamento do Bioparque da Amazônia

O prefeito de Macapá, Clécio Luís, anunciou nesta segunda-feira, 16, novas medidas preventivas de combate à proliferação do Coronavírus. Foram assinados mais dois decretos relacionados ao Covid-19. O anúncio foi feito na página oficial da Prefeitura de Macapá e no Facebook, e trata sobre a área da Educação e o funcionamento do Bioparque da Amazônia.

O primeiro decreto, nº 1.656/2020, diz respeito à área da educação, onde foi determinada a suspensão das aulas na rede municipal de ensino por 15 dias, a partir desta quarta-feira, 18, como forma de prevenção à doença. O decreto abrange também as escolas da rede privada do município. Fica determinado também que, na terça-feira, 17, a Secretaria Municipal de Educação, juntamente com a comunidade escolar, fará orientação de alunos e pais nas unidades escolares sobre as formas de prevenção da doença.

Já o segundo decreto, nº 1.654/2020, determina a paralisação do funcionamento do Bioparque pelo período de 15 dias, a partir desta terça-feira, 17, mantendo-se apenas o expediente interno administrativo, necessário para a manutenção do parque. O documento também suspende qualquer tipo de evento, oficina, palestra, curso, que estavam previstos para serem realizados no parque.

Segundo o prefeito Clécio Luís, todos os dias serão tomadas medidas necessárias ou que estiverem dentro dos protocolos oficiais para resguardar a população. “Tomamos a decisão de suspender as aulas da rede municipal por 15 dias, para realmente fechar ainda mais a possibilidade de contaminação. Neste caso, nossas crianças e profissionais da educação. Outra medida foi relacionada à visitação do Bioparque da Amazônia, até que nós possamos ter segurança de que as pessoas possam estar nessas áreas novamente. Nossa prioridade é a nossa população. Mas pedimos que as pessoas possam se prevenir, se resguardar e manter os hábitos de higiene frequentemente”, explicou.

O Comitê Municipal de Enfrentamento e Resposta Rápida poderá instituir normas complementares aos decretos, caso haja necessidade de novas mudanças nos prazos de suspensão.

Outros decretos

A Prefeitura de Macapá instituiu recomendações, por meio de decreto, para enfrentamento, combate e prevenção ao Coronavírus no município. A primeira medida foi a criação do Comitê Municipal de Enfrentamento e Resposta Rápida ao Coronavírus, coordenado pela Secretaria Municipal de Saúde, que tem o objetivo de prevenir, controlar e conter os riscos à saúde pública. Também são participantes do comitê as secretarias de Educação; Assistência Social; Gabinete Civil; Planejamento, Orçamento e Tecnologia da Informação; Finanças; Procuradoria do Município; Guarda Civil e Secretaria de Governo de Macapá.

A segunda delimita medidas preventivas em relação ao âmbito administrativo interno do município. Já o terceiro é relativo à prevenção em âmbito externo para todo o município de Macapá. A prefeitura também vedou concessões de licença ou alvarás para eventos privados e com mais de 100 pessoas. Sendo que esta também vale para estabelecimentos comerciais já licenciados pelo município. As decisões têm o prazo de vigência de quinze dias, a partir do dia 15 de março de 2020, podendo ser prorrogado caso ocorra necessidade.

Dicas de prevenção e orientações

• Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, ou usar desinfetante para as mãos à base de álcool quando a primeira opção não for possível;

• Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;

• Ficar em casa quando estiver doente;

• Usar um lenço de papel para cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar, e descartá-lo no lixo após o uso;

• Pessoas que estiverem voltando de locais com grande transmissão devem fazer auto isolamento por sete dias, evitando grandes movimentações em locais com aglomeração de pessoas;

• Não compartilhar copos, talheres e objetos de uso pessoal;

• Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência;

• manter ambientes bem ventilados e higienizar as mãos após tossir ou espirrar.

Secretaria de Comunicação de Macapá

Alterações nos serviços do Sistema de Justiça do Estado foram definidas em reunião com participação do MP-AP

A procuradora-geral de Justiça, Ivana Cei, participou nesta segunda-feira (16), no Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP), de uma reunião com representantes das instituições que compõem o Sistema de Justiça do Amapá, para alinhamento das medidas a serem adotadas visando a prevenção ao contágio do corona vírus (COVID-19) no Estado. A suspensão de prazos processuais por 15 dias e outras providências foram discutidas no encontro, visando adequar o fluxo de trabalho dos serviços do judiciário para contenção da contaminação pelo coronavírus, considerando a classificação de pandemia pela Organização Mundial de Saúde (OMS)

A reunião foi conduzida pelo juiz auxiliar da presidência do TJAP, Paulo Madeira, com participação do titular da 5ª Vara Federal do Trabalho e diretor do Fórum do TRT-8ª Região, juiz Federal Jônatas Andrade; dos procuradores do Estado, Diego Bonilla e Tiago Albuquerque; do presidente da Associação dos Magistrados do Amapá (AMAAP), juiz José Bonifácio da Mata; o defensor-geral do Estado, Diogo Grunho, e defensora pública Giovanna Burgos; o presidente da OAB-AP, Auriney Brito; o diretor-geral do TJAP, Alessandro Rilsoney; e o chefe de gabinete da presidência do TJAP, Veridiano Colares.

Após amplo debate a respeito das medidas a serem adotadas pelas instituições, foram aprovados alguns encaminhamentos, como a suspensão, pelo prazo de 15 (quinzes) dias, dos prazos dos processos físicos e eletrônicos, judiciais e administrativos em todo o Estado do Amapá, salvo quanto às medidas e processos considerados urgentes e de réus presos. Também a suspensão de audiências em geral e sessões de julgamento no primeiro grau de jurisdição, inclusive as do Tribunal do Júri, as designadas pelos CEJUSC’s e NUPEMEC, além das administrativas, pelo mesmo prazo, excetuando-se aquelas em que o Juízo considere imprescindível para não haver prejuízo à parte (Ato Conjunto Nº 535/2020-GP-CGJ).

Em relação as audiências de custódia, as mesmas deverão ser realizadas, preferencialmente, onde houver disponibilidade, por meio de sistema de videoconferência, ressalvado requerimento pessoal da Defesa ou do Ministério Público para sua realização presencial. No encontro, foi determinado, ainda, que todos os órgãos representados na reunião emitam atos administrativos de contenção de contaminação pelo coronavírus, ocasião na qual o representante da presidência do Tjap assumiu compromisso de oficializar os atos discutidos.

A PGJ do MP-AP informou que expediu, no último domingo (15), o Ato Normativo nº 02/2020, que estabelece medidas temporárias de prevenção ao contágio pelo novo coronavírus (COVID-19), considerando a classificação de pandemia pela OMS. O documento regula os procedimentos internos a serem adotados para evitar a propagação da doença, bem como visa contribuir para um ambiente de trabalho mais seguro para membros, servidores, estagiários, terceirizados e também para os cidadãos atendidos pelo órgão.

“Estamos envidando todos os esforços para resguardar os cidadãos dessa pandemia, tanto no atendimento dos serviços no MP-AP, bem como na atuação diária dos membros e servidores nas audiências e outras demandas judiciais e extrajudiciais”, ressaltou Ivana Cei.

Após a reunião, o Tjap publicou uma versão atualizada da Resolução Nº 1351/2020-TJAP, que estabelece medidas temporárias de prevenção ao contágio pelo COVID-19; e o Ato Conjunto Nº 535/2020-GP-CGJ, regulamentando a Resolução nº 1351/2020 – TJAP, visando adequar o fluxo de trabalho e a prestação jurisdicional e administrativa, principalmente nos casos considerados urgentes (www.tjap.jus.br).

O Ministério Público do Amapá, a OAB/AP, a Defensoria Pública do Estado, a Procuradoria-Geral do Estado e a Delegacia Geral de Polícia Civil de Estado do Amapá poderão encaminhar sugestões com vistas ao aprimoramento do Ato Conjunto nº 535/2020, publicado pela presidência e Corregedoria-Geral do Tjap.

SERVIÇO:

Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá
Gerente de Comunicação – Tanha Silva
Texto: Gilvana Santos
Núcleo de Imprensa
Coordenação: Gilvana Santos
Contato: (96) 3198-1616

Coronovírus: Embrapa suspende visitas e eventos técnico-científicos por 30 dias

A Embrapa Amapá suspendeu por 30 dias, a contar de 13 de março de 2020, a realização de eventos de pesquisa e de transferência de tecnologias, como reuniões técnicas, seminários, cursos, dias de campo e similares. Neste período, também está suspenso o recebimento de materiais para análise de solos, como também visitas (individuais e coletivas) a este centro de pesquisa e aos campos experimentais.

O Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC) está restrito ao atendimento virtual, por meio do SAC Embrapa, no link: https://www.embrapa.br/fale-conosco/sac. Está suspensa ainda a participação da Embrapa em feiras e exposições. Estas medidas fazem parte da determinação da Diretoria Executiva da Embrapa, sediada em Brasília, com relação às ações de prevenção do Coronavírus (COVID-19).

Neste período de 30 dias, estão canceladas recepções de comitivas internacionais e nacionais nas instalações dos centros de pesquisas da Embrapa, e viagens nacionais e internacionais, a serviço, dos empregados da empresa, salvo casos imprescindíveis. “Somente aquelas estritamente necessárias, mediante a justificativa do empregado e concordância do chefe-geral, é que deverão ocorrer como, por exemplo, a coleta de um experimento ou a viagem eventual de um técnico da área jurídica ou de gestão para visitar um determinado local”, informou o presidente da Embrapa, Celso Moretti, durante videoconferência com os gestores dos centros de pesquisas.

Medidas internas

Entre as medidas adotadas pelo Comitê Interno da Embrapa Amapá, para tratar do Plano de Continuidade de Atividades de Trabalho, seguindo as determinações da Diretoria Executiva, estão: a disponibilização de álcool em gel ou álcool 70 em pontos estratégicos de grande circulação na sede do centro de pesquisa e campos experimentais, em pontos eletrônicos dos prédios, recepção, guarita, biblioteca e protocolo; disponibilização de sabão em todos os banheiros; recomendação aos empregados para arejar o seu ambiente de trabalho constantemente, mantendo janelas e portas abertas, assim como colaborar com a limpeza constante de equipamentos e mesas individuais de trabalho.

Regulamentação

As orientações da Embrapa aos empregados têm como base a seguinte regulamentação:

– Portaria 356/2020, que dispõe sobre a regulamentação e operacionalização do disposto na Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020, que estabelece as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do Coronavírus (COVID-19);

– Lei federal nº 13.979 de 6 fevereiro de 2020, da Secretaria Geral da Presidência da República que Dispõe sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do Coronavírus responsável pelo surto de 2019;

– Instrução Normativa nº 19, de 12 de março de 2020,, do Ministério da Economia que estabelece orientações aos órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração Pública Federal – SIPEC, quanto às medidas de proteção para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do Coronavírus (COVID-19).


Dulcivânia Freitas, Jornalista DRT/PB 1063-96
Núcleo de Comunicação Organizacional
Embrapa Amapá
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Macapá/AP