Hoje é o Dia Mundial de Combate à AIDS

O dia 1ª de dezembro foi internacionalmente instituído como o Dia Mundial de Combate à Aids e é quando o mundo une forças para a conscientização sobre essa doença. Desde o final dos anos 80, tal dia vigora no calendário de milhares de pessoas ao redor do mundo. Segundo a Organização Mundial da Saúde,

Atualmente existem 37 milhões de pessoas no mundo todo vivendo com HIV, destas, 19,5 milhões recebem tratamento, segundo os dados referentes a 2016 do relatório do United Nations Programme on HIV/AIDS (UNAIDS), do programa conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDAS. Segundo o mesmo relatório, no ano passado foram um milhão de pessoas mortas por conta da contaminação com AIDS mundialmente, uma diferença de 48% se comparado a 2005, quando morriam quase 1,9 milhão de pessoas.

No Amapá

De acordo com dados oficiais (de 2019), no Amapá, existem mais de 2.300 pessoas que têm diagnóstico positivo para o vírus do HIV, e que estão devidamente em tratamento, porém a estimativa de pessoas que nunca realizaram um teste é de 630.000 pessoas, e deste número, 400 podem estar infectados.

Entre os anos de 2014 e 2018, 1.065 pessoas foram diagnosticadas portadoras do vírus HIV no Amapá. A maioria era formada por homens, com idades entre 20 e 29 anos. Os dados são da Coordenação Estadual de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs)/Aids, da Superintendência de Vigilância em Saúde (SVS). De 2018 para 2019 já foram confirmados 305 novos casos no Estado.

A Aids

Uma deficiência no sistema imunológico, associada com a infecção pelo vírus da imunodeficiência humana HIV – (Human Immunodeficiency Virus), provocando aumento na susceptibilidade a infecções oportunísticas e câncer.

Transmissão:

– o vírus HIV pode ser transmitido pelo sangue, sêmen, secreção vaginal, leite materno;
– relações sexuais homo ou heterossexuais, com penetração vaginal, oral ou anal, sem proteção da camisinha, transmitem a Aids e outras doenças sexualmente transmissíveis e alguns tipos de hepatite;
– compartilhamento de seringas entre usuários de drogas injetáveis;
– transfusão de sangue contaminado;
– instrumentos que cortam ou furam, não esterilizados;
– da mãe infectada para o filho, durante a gravidez, o parto e a amamentação.

Tratamento:

Atualmente a terapia com os chamados “anti-retrovirais” proporciona melhoria da qualidade de vida, redução da ocorrência de infecções oportunísticas, redução da mortalidade e aumento da sobrevida dos pacientes. (Os anti-retrovirais são medicamentos que suprimem agressivamente a replicação do vírus HIV).

Testes de HIV/Aids

Os Testes do HIV podem ser feitos em qualquer Unidade Básica de Saúde (UBS’s) e Centro de Testagem e Aconselhamento, localizado na Rua Jovino Dinoá, Nª 2004, no centro da capital amapaense (ao lado da maternidade) em Macapá. Após os exames, caso atestado com a doença, a pessoa será encaminhada para tratamento na rede pública de saúde.

Os pacientes que fizerem os testes podem contar com o serviço de aconselhamento antes e depois dos exames para ajudar na interpretação do resultado.

Você não pega :

A Aids não é transmitida pelo beijo, abraço, toque, compartilhando talheres, utilizando o mesmo banheiro, pela tosse ou espirro, praticando esportes, na piscina, praia e, antes de tudo, não se pega aids dando a mão ao próximo, seja ele ou não soropositivo.

Tenho um amigo que é portador do vírus e sei o drama que ele vive. No caso dele, foi transfusão de sangue, mas a maioria dos casos, as pessoas pegam a doença em relações sexuais sem camisinha. Portanto, malandro (a), encape a parada, pois esse negócio mata. Isso serve para as garotas. Nada de descer pra brincar “descalço”.

Elton Tavares

A REVOLUÇÃO – Conto de Mauro Guilherme

Conto de Mauro Guilherme

Eu sabia que aqui seria ruim, mas não sabia que seria tanto. Cheguei aqui há um ano, mas parece que estou aqui há um século. Algumas regras eu entendo, mas outras não tem sentido. Fogo e tridente todo dia tudo bem. Uma vez por semana o caldeirão fervente, nada contra. Mas essa história de proibir festa, bebida e mulher, não tem nenhum sentido.

Questionei o gerente da minha ala, que era a ala justamente dos que gostavam de festa, bebida e mulher, por que lá não havia nada disso. Ele me respondeu que cumpria ordens superiores. Então eu lhe pedi para falar com o seu superior, e ele me disse que o seu superior não atendia ninguém.

Eu me retirei, mas não havia desistido de mudar aquela situação. Nos meses seguintes comecei a planejar uma revolução. Muitos, como eu, não estavam gostando nada da atual gestão. Eles tinham medo do governante do local, mas eu lhe prometia que no meu governo, festa, bebida e mulher estariam liberados.

Fiquei sabendo das justificativas da proibição. O governante não liberava as festas e as bebidas, porque não queria ver ninguém alegre ali. Mulheres existiam, mas estavam na ala feminina. Segundo me disseram, ele não deixava homem e mulher misturados, porque quem juntara Adão e Eva fora Deus, não ele.

O interessante é que enquanto havia aquela proibição, uma vez por mês o governante promovia alguém para o céu, uma regra totalmente absurda, e que me dava medo. Durante toda a minha vida, nunca gostei de padre, igreja ou reza. O meu negócio era bar, bebida e mulher. Eu nunca quis ir para o céu, aquele lugar sem graça.

O nome do escolhido saia pelos autofalantes. Toda vez eu respirava fundo, quando ouvia um nome que não era o meu. Eu estava no lugar certo, onde eu queria estar. Eu só tinha que mudar algumas coisas, e tudo ficaria às mil maravilhas, e estava me preparando para isso.

Depois de um ano de planejamento, explodiu a revolução. Não era só a minha a minha ala que estava insatisfeita, todas as alas estavam. Eu prometi que faria as mudanças necessárias para que todos tivessem o que quisessem, caso chegasse ao poder.

O poder central tinham muitos ajudantes, mas nós éramos era quantidade bem maior. Alguns ajudantes do governo, quando viram que a luta estava perdida, renderam-se. Outros foram convencidos a se unir à nós, sob a promessa de serem anistiados.

Foram dez dias de luta, até que vencemos a peleja. O governante havia fugido, não se sabe para onde. Tomei posse no governo sem muitas formalidades, mas não cumpri algumas promessas feitas. Agora que era governante, tinha que governar com responsabilidade.

Mulher, bebida e festa, só uma vez por mês. Para os outros, porque para mim todo dia. Afinal, eu era o governante. Aboli a regra de promoção para o céu, que não estava entre as reivindicações, porque ali quem mandava era eu. Tive que prender alguns dos meus aliados mais fiéis, porque viviam dando pitaco na minha administração, e assim por diante.

Depois de seis meses da minha administração, comandada com mão de ferro, como era certo se fazer naquele lugar, o clima começou a ficar quente de novo entre os residentes. A insatisfação era gera.

Por isso explodiu uma nova revolução, comandada pelo antigo gestor, que, finalmente, resolvera dar as caras. Ele prometera o dobro do que eu havia prometido, razão pela qual foi deposto facilmente, até porque de tanto prender os meus aliados, acabara ficando sozinho.

Foi a primeira vez que o vi. Ele estava sentado na cadeira executiva para me julgar. Só que eu não estava muito preocupado, pois eu já tinha sido condenado ao fogo eterno. O que poderia ser pior? Ele se levantou, caminhou até onde estava e me olhou fixamente. Depois me promoveu para o céu.

Minhas dezenas de fitas K7 e a nostalgia – Crônica de Elton Tavares

Ilustração de Ronaldo Rony

Crônica de Elton Tavares

Certa vez, há alguns anos, ao procurar meus livros dentro do armário do quarto, dei de cara com minhas duas caixas de sapatos repletas de fitas cassete. Constituída por dois carretéis de fitas magnéticas, a fita cassete é popularmente abreviada como K7. Esse tipo de “tecnologia” foi desenvolvida pela empresa Phillips, em 1963, para substituir a fita de rolo e o formato 8-track, que eram semelhantes, mas muito menos práticos e mais espaçosos.

A tecnologia desse artefato traz uma fita de áudio de 3,15 milímetros de largura, que rodava a uma velocidade de 4,76 centímetros por segundo. Antigamente a gente ouvia tudo na fita K7, no vinil e, muito depois, CD. Hoje, apesar de alguns ainda usarem o “Compact Disc”, quase tudo é no MP3 e MP4.

Minhas caixas, com quase 40 fitas, têm de tudo: Sony, Maxell, Bulk, Basf, Phillips e TDK, de 40, 60 e 90 minutos. A maioria não possui mais capa, mas as que ainda têm estão com os nomes das músicas ordenadamente anotadas no papel interior da fita.

Naquela época, nós caçávamos sons novos como as bruxas eram perseguidas durante a Inquisição, ou seja, incansavelmente. Época de micro system Sanyo (Alguém aí se lembra do que é “rewind”?), walkman Sony e festas de garagem.

Dentro das caixas os velhos companheiros: Depeche Mode, The Smiths, New Order,The Cure, Iron, U2, A-ha, David Bowie, Queen, Pearl Jam e Nirvana (muito Nirvana) Titãs, Ira!,Paralamas, Legião Urbana (muito Legião), Barão Vermelho, Engenheiros… todos esses e outros heróis da juventude. Além de umas do velho Chico Buarque.

Minhas fitas. Tenho dezenas até hoje. Sei que são inúteis, mas é o apego notálgico.

Fizeram sucesso no final de 80, todos os 90 e início dos anos dois mil. Não tenho vergonha de ser tão antiquado. Meu brother André fala sempre, em tom pejorativo, que todo mundo já gravava CDs em 1999 e eu fitas. Bons tempos!

Aliás, gravar fitas era porreta. Quando curtia muito um som, todo um continha somente uma música (podia ser 30 ou 45 minutos de cada lado, com a mesma canção). Às vezes, ficava com o dedo no tape deck, esperando o locutor da FM calar a boca e soltar o som para que eu o tomasse. Oh, saudades!

Enrolar e desenrolar fitas com lápis ou caneta, sem falar em limpar cabeçotes do tape deck, isso sim é nostalgia.

A fita cassete não voltou como o vinil, que hoje é objeto cult. No máximo, estão em forma de adesivos de smarthfones (que acho legal pra cacete).

É, minhas velhas e empoeiradas caixas de sapato não estão somente repletas de fitas cassete, mas de ótimas lembranças. Eu as olhei por dezenas de minutos e as guardei novamente no armário, na memória e no coração…

Elton Tavares

*Texto do livro “Crônicas De Rocha – Sobre Bençãos e Canalhices Diárias”, de minha autoria,lançado no último dia 18 de setembro. A obra tá linda e está à venda na Public Livraria ao preço de R$ 30,00 ou comigo. Contato: 96-99147-4038.

 

Paulinho Bastos e Bárbara Vento apresentam live “Homenagem ao Amapá e ao Marabaixo” neste sábado, 28

Neste sábado (28), a partir das 16h, a  riqueza e a Cultura do Amapá serão homenageados em uma live/encontro dos artistas Paulinho Bastos e Bárbara Vento. O show será transmitido pelo perfil @a.monte.alegre na rede social Instagram.

De acordo com Bárbara, o encontro terá muita música, histórias e energia boa. A Live também contará com a participação de crianças  e o objetivo é valorizar e celebrar a cultura e a arte popular do Amapá.

Sobre Paulinho Bastos

Herdeiro do talento da família Bastos, de cantadores, compositores e tocadores, ele começou em casa, mas estudou música, adquirindo conhecimento técnico para aliar à experiência e dom. Instrumentista, arranjador, aluno e professor, aos poucos ele começou a introduzir suas composições autorais no repertório de cantores locais e hoje, suas canções ecoam nas vozes de grandes talentos brasileiros. A iniciativa de cantar, chegou com a maturidade e segurança, assim como o impulso para realizar projetos – como o Banzeiro do Brilho-de-fogo.

Sobre Bárbara Vento

Bárbara Vento é formada em Artes Cênicas pela Escola Estadual de Teatro Martins Pena (RJ) e em Direção Cinematográfica pela Escola de Cinema Darcy Ribeiro (RJ). Bárbara é atriz, diretora, musicista, cantora, dançarina e arte educadora. Também possui carreiras brilhantes no teatro e cinema nacional.

Serviço:

Homenagem ao Amapá e ao Marabaixo, com Paulinho Bastos e Bárbara Vento
Data: 28 de novembro de 2020
Horário: a partir das 16h.
Transmissão pelo perfil  @a.monte.alegre na rede social Instagram.

Elton Tavares, com informações de Bárbara Vento.

Em Sessão Administrativa Extraordinária Pleno do TJAP elege novo desembargador

Juiz Adão Carvalho, novo desembargador do Tribunal de Justiça do Amapá — Foto: Tjap/Divulgação

Durante a 827ª Sessão Administrativa Extraordinária do Pleno do Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP), realizada nesta sexta-feira (27), a Corte elegeu o juiz Adão Joel Gomes de Carvalho, titular da 2ª Vara de Família, Órfãos e Sucessões da Comarca de Macapá, pelo critério de merecimento e com 454,78 pontos, como o novo desembargador do Judiciário amapaense. A juíza Elayne Cantuária, vice-presidente de Assuntos Legislativos da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), atuou como escrutinadora durante a sessão, que foi transmitida ao vivo pelo canal do TJAP no YouTube.

Assessoria de Comunicação Social do Tjap
Texto: Márcia Corrêa

Macapá registra 22.825 casos confirmados de Covid-19 e 567 óbitos

O município de Macapá tem 22.825 casos positivos de Covid-19, 567 óbitos confirmados e 64 seguem em investigação epidemiológica. Os dados foram atualizados nesta quarta-feira, 25 de novembro. O município tem agora 20.840 casos descartados, 18.795 pessoas recuperadas e 3.374 exames aguardam análise laboratorial de pacientes suspeitos.

A Vigilância Epidemiológica encerrou a investigação de mais 3 óbitos, ocorridos em novembro, sendo 1 registrado nas últimas 24 horas: um homem de 66 anos nesta terça-feira, 24.11.20, no Hospital São Camilo. Ele tinha como comorbidades hipertensão arterial sistêmica e diabete tipo 2. Os outros dois óbitos encerrados são de uma mulher de 63 anos, dia 21.11.20, no Hospital Universitário, sem informações de comorbidade; e um homem de 73 anos, que faleceu em 22.11.20, no Hospital de Emergência, sem informação de comorbidade.

A população pode buscar os serviços nas UBS’s Lélio Silva, Álvaro Corrêa e Unidade de Saúde Covid Santa Inês quando apresentar os sintomas iniciais do vírus, como febre, tosse, dor de garganta e coriza e dificuldade respiratória para receber uma avaliação. Se após o procedimento o profissional entender que o quadro se encaixa em uma suspeita, ele realizará os procedimentos previstos no fluxograma de atendimento adotado pela Saúde municipal.

Secretaria de Comunicação de Macapá
Karla Marques
Assessora de comunicação

Bar e restaurante “Na Maré”: um local porreta demais!

Na Maré, aquele sobrado onde as luzes estão acesas. Foto: Emerson Tavares

Tô em mini-férias em Belém (PA). Vim curtir meus amores que moram aqui: sobrinha, irmão e cunhada. Mas também rola uma rolê de vez em quando, com os devidos cuidados por conta da pandemia. Ontem (22), o Emerson, meu mano e melhor amigo da vida toda, me levou no bar e restaurante “Na Maré”, localizado no bairro Cidade Velha, às margens do Rio Guamá. Para quem não conhece, pense em um local porreta demais!

Na Maré – Foto: Emerson Tavares

No estilo palafita, o Na Maré possui uma vista linda, decoração cabocla que é a lindeza na simplicidade, cervejas enevoadas, cardápio variado e com petiscos e refeições de nomes bem humorados (“Isca de Peixe ao Molho do Cu do Boto” é um deles), no melhor estilo paraense. Ah, a comida é uma delícia. Além de atendimento, música boa e gente feliz. A energia do lugar é positiva ao nível máximo.

Show da banda Soul Sister, ontem, no Na Maré. Foto: Elton Tavares

Quem já conhece sabe o alto nível das programações musicais da casa. Ontem rolou a banda Soul Sister, com um repertório composto por canções de Aretha Franklin, Jame sBrown, Ray Charles, Steve Wonder, Etta James e Amy Whinehouse. Eles arrebentaram em uma apresentação fantástica. E a Luana Almeida? A vocalista estava praticamente entoada, pois era a própria Amy. Um show realmente sensacional!

Téteu, dono do Na Maré, Emerson (meu irmão) e eu.

Sem falar na discotecagem do Téteu, o dono do lugar e também DJ do Na Maré, com setlist mais que escolhido, só com sons que parecem a trilha sonora da felicidade dos malucos. Claro que a companhia do meu irmão ajuda nesses momentos felizes que a gente coleciona juntos.

Até brinquei com meu irmão e amigos que são companheiros de viagens. Disse que já fomos em vários bares muito legais em Sampa, DF, Curitiba, etc, mas que a energia do Na Maré bate todos eles.

Foto: Emerson Tavares

Além disso, o lugar tem um dos mais belos pores do sol de Belém. Tudo com preço justo. Enfim, desde ontem, para mim, o Na Maré é uma parada obrigatória na capital paraense.

Com meu irmão, companheiro dessas ondas firmes.

Em resumo, foi um domingo memorável em um local com uma atmosfera que me fará voltar muitas vezes. Este velho jornalista amapaense, fã de música boa, comida legal e música, recomenda.

É isso!

Elton Tavares

Frente Parlamentar Indígena lança guia prático sobre lei de enfrentamento à pandemia

Frente Parlamentar Indígena lança guia prático sobre lei de enfrentamento à pandemia

A Frente Parlamentar Indígena promove o lançamento do “Guia Prático – Monitoramento da Implementação”, material informativo e educativo sobre a Lei 14.021/2020, referente ao Plano Emergencial de Enfrentamento à Pandemia destinado aos povos indígenas, quilombolas e demais povos e comunidades tradicionais, sancionada no mês de julho, tem a vigência até dezembro, no mesmo período do estado de calamidade pública em decorrência da pandemia da Covid-19. No entanto, a Lei, até o momento não foi implementada pelo governo e nenhuma ação efetivamente foi realizada em favor dos povos indígenas e demais populações incluídas na Lei.

O “Guia Prático – Monitoramento da Implementação” é um material pensado para levar informação aos povos indígenas, quilombolas e povos e comunidades tradicionais, além de pressionar o governo para implementação da Lei 14.021/2020. Organizado pela Frente Parlamentar Indígena, o guia foi construído coletivamente com o apoio de outras frentes parlamentares, como a Quilombolas, Povos e Comunidades Tradicionais, Ambientalista, do Fórum da Amazônia, de organizações indígenas e outras entidades da sociedade civil.

O conteúdo presente no Guia tem a intenção de possibilitar uma forma mais simples de leitura e entendimento das ações previstas na Lei, que propõe meios para o atendimento emergencial dos povos originários e tradicionais do País.Em dez capítulos, são abordados temas como processo e contexto de elaboração da Lei, público beneficiário, plano emergencial para os povos indígenas, plano emergencial para os quilombolas, pescadores artesanais e povos e comunidades tradicionais, garantia e segurança no acesso aos programas sociais, participação e controle social dos povos indígenas e outros temas.

O lançamento virtual do Guia Prático ocorre na próxima quinta-feira (26) com a participação dos membros das Frentes Indígena, Quilombola, Povos e Comunidades Tradicionais, organizações indígenas, sociedade civil, artistas e demais convidados. O evento será transmitido pelas redes sociais da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), da Mídia Índia, da Mídia Ninja, da deputada Joenia Wapichana e dos demais parlamentares membros da Frente.

Após o lançamento, o material estará disponível no site da Frente Parlamentar Indígena (http://frenteparlamentarindigena.com.br/) para organizações da sociedade civil, movimentos sociais, parlamentares, jornalistas, organizações indígenas e populações tradicionais, segmentos que também podem monitorar e exigir o cumprimento da lei por parte dos agentes e órgãos públicos.

Serviço

O que – Lançamento do Guia de Implementação da Lei 14.021/2020
Quando – quinta, 26 de novembro; 10h às 12h (horário de Brasília)
Onde – redes da Frente Parlamentar Indígena, Apib. Mídia Índia e Mídia Ninja

Serviço:

Ascom Apib [email protected]
Ascom Frente Parlamentar Indígena (61) 99153-6819

Ronan Afonso assume direção da Estácio Macapá

Ronan Afonso – Foto: divulgação

Natural de Goiânia (GO) e criado em Araxá (MG), Ronan é formado em Direito, Especialista em Docência do Ensino Superior, em Gestão Empresarial e Tributária e atualmente está cursando MBA em Gestão de Negócios.

Filho de professora do ensino infantil e de um técnico em enfermagem, sua caminhada para chegar onde está não foi nada fácil. No início da adolescência teve sua primeira experiência profissional quando começou a trabalhar em uma farmácia como entregador de medicamentos, passando posteriormente para cobrador e por fim balconista. Mesmo com todas as dificuldades (pois nesse período foi selecionado para prestar o serviço militar obrigatório), seguiu os estudos e concluiu o ensino médio em uma escola pública estadual na cidade onde morava.

Logo em seguida prestou vestibular para o curso de Direito, ficando em 5º lugar na classificação geral. Enquanto cursava o curso noturno na faculdade, Ronan exerceu outra atividade profissional em uma empresa mineradora de grande porte, iniciando como Operador de Produção e depois promovido a Auxiliar de Expedição. Durante o curso de Direito, procurou fazer o curso de inglês, por acreditar que este poderia ser um diferencial no futuro. Ao final do curso de Direito, foi aprovado na prova da OAB, logo de primeira.

Após conclusão do Curso de Direito e com a aprovação de primeira na OAB, mudou-se para Belo Horizonte, onde atuou como Advogado na The Coca-Cola Company (2003-2007) e Banco PanAmericano (2007-2008). Para além da advocacia, na área jurídica ainda atuou como Oficial de Gabinete no Ministério Público do Estado de Mato Grosso (2009-2014).

Ronan Afonso no início da carreira, como entregador – Foto: divulgação

Na área acadêmica possui atualmente 13 anos de experiência, já tendo atuado como Professor Universitário, de Pós-Graduação e Cursos Preparatórios para Concurso Público, em cursos ofertados por Instituições Educacionais localizadas nos Estados de Minas Gerais, Mato Grosso e Pará. Em gestão educacional possuiu experiência como Coordenador de Curso de Direito e Coordenador Acadêmico Geral, com atividades exercidas em faculdades pertencentes a um grande grupo educacional.

Ronan está na Estácio desde julho de 2019, quando assumiu a função de Gerente Acadêmico na Estácio de Belém. Como Gerente Acadêmico, conseguiu aumentar o índice de satisfação acadêmica, bem como os indicadores acadêmicos da unidade. Em 2020, por seis meses, substitui a Gestora Acadêmica Regional (Norte) que estava em licença maternidade, período em que assumiu o desafio de estar à frente de todas as ações e operações acadêmicas envolvendo 14 unidades Estácio, 04 unidades Wyden e ainda participou do processo de integração acadêmica de 05 unidades do grupo Athenas.

Ronan vê com gratidão e orgulho sua trajetória de sucesso. “Olhando para trás sou grato a todos os desafios que um dia foi preciso enfrentar. Cada um deles representa um degrau na minha carreira profissional. Chego aqui na terra de São José de Macapá com o coração aberto, estabelecendo moradia e certo de que junto com todo o time da Estácio iremos desenvolver um trabalho de forma a oferecer uma educação transformadora ao maior número de pessoas, criando impacto positivo para a sociedade Amapaense”. finaliza o Diretor.

Serviço:

Diani Correa Cardoso
Comunicação – Faculdade Estácio de Macapá (Seama)
(96) 2101-5262 | (96) 98802-0396 | VoIP: 99107-5262
what (96) 99129 0844

Pfizer anuncia conclusão de última etapa de testes da vacina com 95% de eficácia

Os laboratórios Pfizer (EUA) e BioNTech (Alemanha) anunciaram na quarta-feira, 16, a conclusão da terceira e última etapa dos testes clínicos da vacina contra o coronavírus.

Segundo comunicado divulgado hoje, a dose tem eficácia de 95% contra a Covid-19. Na análise inicial, as informações eram de que a dose era eficaz em 90% dos casos.

Durante os estudos, dez voluntários tiveram coronavírus e quadro de saúde grave, sendo que nove deles haviam tomado o placebo e apenas um a dose das empresas Pfizer e BioNTech.

O texto diz ainda que a eficácia em adultos acima de 65 anos de idade é de 94%. Nenhum dos voluntários teve qualquer reação grave.

Ontem, o Ministério da Saúde se reuniu representantes da Pfizer, mas a compra da vacina não foi fechada até agora.

Fonte: Diário do Amapá

Vigilância Ambiental de Macapá inicia 6ª etapa do LIRAa

A Divisão Municipal de Controle da Dengue da Vigilância Ambiental de Macapá iniciou nesta terça-feira, 17, e segue até o dia 25 de novembro o 6ª Ciclo do Levantamento Rápido de Índice por Aedes aegypti (LIRAa) 2020. O trabalho consiste na coleta de possíveis focos do mosquito. Para isso, os agentes necessitam fazer visitas nas residências e pedem a colaboração da população.

Nesta etapa, a intenção é visitar aproximadamente 7 mil imóveis, com a finalidade de identificar precocemente a presença dos vetores Aedes aegypti/ Albopictus. Durante as visitas, agentes orientam os moradores sobre a importância de manutenção em caixas d’água e a limpeza destes reservatórios mediante a escovação das paredes internas com bucha e sabão, a fim de eliminar possíveis ovos do mosquito.

Após a conclusão, serão traçadas estratégias para conter a disseminação dos mosquitos e baixar o índice de notificações de agravos como dengue, zica vírus, chikungunya, febre amarela urbana, entre outras doenças. “Devido à pandemia do novo Coronavírus, não entraremos nas residências, apenas observaremos os quintais. Nossa equipe está com EPIs para fazer o trabalho. Mas necessitamos da ajuda da população para realizar as amostragens”, destaca o coordenador do Programa de Combate ao Aedes, Ailson Quaresma.

Para solicitar a visita de um agente de endemias ou fazer denúncias, a prefeitura disponibiliza o Disk Mosquito (98813-3778), com atendimento de segunda a sexta-feira, das 8h às 14h.

Secretaria de Comunicação de Macapá
Karla Marques
Assessora de comunicação

Apagão no Amapá deixa comunidades quilombolas sem água e provoca perdas na produção

Estado do Amapá está há mais de 10 dias sem normalização do fornecimento de energia. Com isso, comunidades quilombolas estão sem acesso à água potável e com perdas consideráveis em suas mercadorias.

Desde o dia 3 de novembro, o Estado do Amapá vem enfrentando diversos problemas de produção, locomoção e falta de água por conta do apagão que atingiu 13 dos 16 municípios. Até o momento, 80% da capacidade elétrica do estado já está operando em sistema de rodízio, porém 258 comunidades quilombolas seguem em apagão total.

“258 das comunidades quilombolas estão sendo atingidas pela questão da energia elétrica. Entre elas, 79 a 80 comunidades estão numa situação ainda mais grave, porque elas não têm água potável e também não têm como refrigerar e guardar alimentos”, explica a liderança quilombola e Coordenadora das Comunidades Quilombolas do Amapá, Núbia Cristina Santana.

A situação é ainda mais emergencial pelo fato de algumas comunidades não terem energia elétrica e agora nem mesmo acesso ao combustível para a bomba d’água, que funciona por meio do gerador. Diante da situação, as comunidades pedem plano emergencial para mitigação do problema. “Até o momento não chegou nada do governo. Nenhuma ação, nenhum grupo, nenhum assistente social foi verificar o que pode ser feito para mitigar esse impacto”, complementa Núbia.

Por falta de resposta por parte das autoridades, Núbia conta que a Coordenação das Comunidades Quilombolas do Amapá (CONAQ-AP) está buscando alternativas para solucionar ou ao menos minimizar os problemas enfrentados pelas comunidades quilombolas.

“Nesse real momento, a maior dificuldade é a perda de equipamentos, a perda de produção, a perda de criação, a perda de alimentos e a falta de água. Hoje, a gente foi na Companhia de Água e Esgoto do Amapá (CAESA), mas a gente não conseguiu ter uma resposta positiva para comprar ou consertar as bombas d’água que acabaram queimando. A gente até foi em algumas lojas para consertar, mas eles não estão consertando, porque não têm energia. Então a ideia é a gente conseguir parcerias para comprar outras bombas para as comunidades”, complementa.

A liderança do Quilombo Cunani, Rosemeire Macedo, do município Calçoene, localizado a 347 km de Macapá, complementa que a situação deixou o seu Quilombo em situação de extrema vulnerabilidade e isolamento: “Enquanto quilombo nós ficamos sem comunicação, ficamos isolados mesmo. Porque não tem como a gente ir e vir para comprar alimento para manter a família no quilombo”.

Até o momento, segundo a Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA), o racionamento deve durar até o dia 26 de novembro, com a chegada de um transformador que está vindo da subestação Laranjal do Jari, localizada no sul do estado. O prazo será confirmado pelo Ministério de Minas e Energia, do Governo Federal.

PREZZ COMUNICAÇÃO
Assessoria de Imprensa
61 98251-9821 61 99514-5393

Frases, contos e histórias do Cleomar (V Edição Especial Coronavírus, Política e Apagão)

Tenho dito aqui – desde fevereiro de 2018 – que meu amigo Cleomar Almeida é cômico no Facebook (e na vida). Ele, que é um competente engenheiro, é também a pavulagem, gentebonisse, presepada e boçalidade em pessoa, como poucos que conheço. Um maluco divertido, inteligente, gaiato, espirituoso e de bem com a vida. Dono de célebres frases como “ajeitando, todo mundo se dá bem” e do “ei!” mais conhecido dos botecos da cidade, além de inventor do “PRI” (Plano de Recuperação da Imagem), quando você tá queimado. Quem conhece, sabe.

Em 2020, assim como a primeira, de março passado, a segunda de maio, a terceira em junho, a quarta em agosto, segue a V Edição Especial Coronavírus (agora com campanha política e apagão), cheia de disparos virtuais do nosso pávulo e hilário amigo sobre situações vividas e legendadas por ele mesmo. Boa leitura (e risos):

Arroz caro

A única certeza em aniversário na casa de pobre é o risoto, nessa caristía, a gente fica como?

Não vem de garfo

Tu pedes aquele combo de sushi, na esperança de que a falta de habilidade da moçada com os “pauzinhos” amenize o desespero na hora de comer, quando tu te espantas, tá todo mundo de garfo. Oh raiva!!

Máquina de lavar

Aqui em casa é assim, se vc esqueceu algum documento no bolso da calça, procure na máquina de lavar, se esqueceu cartão do banco, pen drive, chaves, procure na máquina de lavar. Agora se vc esqueceu algum trocado no bolso, te despede dele meu amigo, já era! Vou trocar essa máquina, ela tá de malandragem pra cima de mim!

Planos frustrados

Fiz tantos planos pra essa semana. Não ganhar no Amapacap jogou todos eles na merda.

Carne e risco de infarto

Aí tu vais cedo no mercado, escolhe aquela paulista bonita, capa de gordura certinha e pede pra patroa fazer um assado de panela ao estilo Ana Maria Braga. Trabalha a manhã toda pensando na gostosura que aquilo vai ficar. Na hora do almoço a decepção, na panela, a carne que vc comprou não existe mais, está limpa, sem um grama de gordura, sem brilho. A explicação: A carne tava muito gorda, tirei a gordura, vc vai acabar infartando. Vou sim, se tiver umas três raivas dessa na semana, com certeza eu infarto.

Calor

Hoje em Macapá a temperatura a tarde era de 39 graus, a sensação térmica era de que o capeta tinha tomado posse de tudo.

Pira

Tem dois dias que tô com uma coceira na palma da mão, minha mulher diz que é dinheiro, eu digo que vou no Dr. Palheta amanhã, acho que é pira mesmo.

Racismo

Só pra vocês ficarem espertos, tem uns preto aí, que tem raiva de preto, tipo aquele preto do DiCaprio no filme Django.

Linguajar

Nortista, quando fica nervoso e não sabe o que falar, manda logo um “eiiiita”.

Vacina

Eu tô parece a vacina de Oxford esse mês, achei que ia arrebentar e já me apareceu um monte de problema.

Sobre tomar ou não a vacina, se vcs não quiserem é até melhor. Menos gente pra vacinar, chega mais rápido pra mim.

Dinheiro e felicidade

Não posso perder o Globo Repórter de hoje, o tema: Menos dinheiro, mais felicidade ! Menos dinheiro eu já tenho…

Tratamento

Homem se apaixona sim pela forma que é tratado. Experimenta tratar que nem um fdp pra ver se a gente não gama.

Balanço do ano

Tivesse eu vinte cus, poucos seriam pra tomar neles em 2020.

Aporrinhação

Aqui em casa não existe esse negócio de “sem aporrinhação”. Aqui a gente resolve as coisas com aporrinhação, e muita.

Apagão

Precisou de um apagão pra tu perceberes que o cara da vendinha do bairro, o dono do posto de combustível, o do grande supermercado e até a dona do salão de beleza, estão cagando pra tua agonia.

Alguém sabe me dizer se a história de “Os humilhados serão exaltados” vale pra amapaense, ou também estamos fora da promoção?

Maior prejudicado fui eu, que perdi 5 kg de tamuatá nessa frescura de ficar sem energia.

Beleza

Se tivessem me falado que essa eleição ia ser na base da belezura, teria me candidatado. Garanto que não ia ser o fona.

Política

Se o Guaracy prometer que vai cuidar da cidade, com o mesmo carinho que cuida dessas sobrancelhas, meu voto tá garantido.

Só a nível de esclarecimento, o debate entre os candidatos à PMM ficou pra depois das eleições? É isso mesmo?

Ninguém lembra do Pastor Everaldo do PSC, aí tu falas: Aquele que peidou! Na hora todo mundo se lembra.

Tem uns candidatos que são até bem mais ou menos, aí tu vais ver os apoiadores, foooolêgo! Dá vontade até de rasgar o título de eleitor.

Auto-conhecimento

Quando vejo as merdas que eu postava a cinco anos, penso que eu era retardado. Quando vejo as que posto hoje, tenho certeza.