Hoje é Dia/Noite de São João! (sobre o santo e a festa junina)

SÃO-JOÃO-BATISTA

Hoje é o Dia de São João. De acordo com a história, João Batista (Judeia, 2 a.C. — 27 d.C.) foi um pregador judeu do início do século I, citado pelo nos Evangelhos da Bíblia. Ele é considerado o santo maissao-joao-batistajpg3572012133138 próximo de Cristo, pois além de ser seu parente de sangue, Jesus foi batizado por João nas margens do rio Jordão.

O Evangelho de Lucas (Lucas 1:36, 56-57) afirma que João nasceu cerca de seis meses antes de Jesus; portanto, a festa de São João Batista foi fixada em 24 de junho, seis meses antes da véspera de Natal. Este dia de festa é um dos poucos dias santos que comemora o aniversário do nascimento, ao invés da morte, do santo homenageado.

Segundo a narração do Evangelho de Lucas, João Batista era filho do sacerdote Zacarias e Is8537sao_joao_batistaabel, prima de Maria, mãe de Jesus. Foi profeta e é considerado, principalmente pelos cristãos, como o “precursor” do prometido Messias.

Em sua missão de adulto, ele pregou a conversão e o arrependimento dos pecados manifestos através do batismo. João batizava o povo. Daí o nome João Batista, ou seja, João, aquele que batiza.

Aliás, ele batizou muitos judeus, incluindo Jesus, no rio Jordão, e introduziu o batismo d13535958_1216500701736292_110298172_ne gentios nos rituais de conversão judaicos, que mais tarde foram adaptados pelo cristianismo.

São João Batista é muito importante no Novo Testamento, pois ele foi o precursor de Jesus, anunciou sua vinda e a salvação que o Messias traria para todos. Ele era a voz que gritava no deserto e anunciava a chegada do Salvador. Ele é também o último dos profetas. Depois dele, não houve mais nenhum profeta em Israel.

Outras religiões

Para alguns Espíritas, Elias reencarnou como João Batista. Mais tarde, teve outras experiências reencarnatórias como sacerdote druida entre o povo celta, na Bretanha. Depois como o reformador Jan Hus (1369-1415), na Boêmia. Na França foi Hippolyte Léon Denizard Rivail (1804-1869), o qual utilizava o pseudônimo Allan Kardec como codificador do Espiritismo. Sua última existência corpórea se deu no Brasil, nascido dia 23 de Fevereiro de 1911 com o nome de Oceano de Sá, mais tarde chamado de Yokaanam:. (fundador da Fraternidade Eclética Espiritualista Universal), reconhecido como tal por diversas escolas sérias e reconhecidas mundialmente, embora o mesmo não assumisse publicamente pois nunca achou necessário e não queria tirar proveito algum de tal reconhecimento.

xan

João Baptista é venerado como messias pelo mandeísmo, também considerado pelos muçulmanos como um dos grandes profetas do Islão. Na Umbanda, este santo é sincretizado como uma das manifestações do orixá Xangô, responsável por um agrupamento de espíritos que trabalha para a saúde e o conhecimento, que congrega médicos e cientistas. Já no Islamismo, é reverenciado pelos muçulmanos sunitas como sendo um dos seus profetas. O santo também é o padroeiro da Maçonaria (por conta da criação da entidade, em 24 de junho de 1717).

Euemano-3

Sobre a festa junina de São João

A festa se originou na Idade Média na celebração dos chamados Santos Populares (Santo António, São Pedro e imagesSão João. Os primeiros países a comemorá-las foram França, Itália, Espanha e Portugal. Anteriormente os festejos ocorriam por conta do solstício de verão, as quais marcavam o início da colheita. Nelas, ofereciam-se comidas, bebidas e animais aos vários deuses em que o povo acreditava. Um deles era Juno, esposa de Júpiter, que era considerada a deusa da fecundida. Nessas festas, chamadas “junônias”, as pessoas dançavam e faziam fogueiras para espantar os maus espíritos.

Os jesuítas portugueses trouxeram os festejos joaninos para o Brasil. As festas de Santo Antônio e de São Pedro só cimages (3)começaram a ser comemoradas mais tarde, mas como também aconteciam em junho, passaram a ser chamadas de juninas.

Nunca gostei de festas juninas, mas sei da importância delas na cultura brasileira. Gosto de algumas comidas típicas do período (vatapá então…nossa!), assim como adorava as bombas. Na época de moleque, era obrigado a dançar quadrilha. Aí ficava mais puto ainda com o mês de junho. Na foto, ali em cima, tô com meu irmão, Emerson Tavares, alegre por ter acabado a tortura infantil do “taran ran ran, taran ranIMG_20150624_022305 ran”.Hoje em dia, até vou, mas só se for a trabalho, para cobrir o evento.

Bom, o Dia de São João é celebrado com festas recheadas de muita dança, comida e alegria. Neste sábado, nas cidades nordestinas, onde a tradição é mais forte, as quadras ferverão ao som do forró (For All). Aqui no Norte, as fogueiras serão acesas também, com quadrilha e brocas legais. Enfim, para quem curte, é onda bacana.

Portanto, minhas homenagens ao santo e uma ótima festa aos amantes da quadra junina. Viva São João!

Elton Tavares
Fontes: Wikipédia, CruzTerraSanta e Calendarr Brasil.

Exibição de filmes marca Semana Mundial Sem Carne em Macapá

Campanha nacional é organizada pela Greenpeace, Sociedade Vegetariana Brasileira e Mercy for Animals.

Por Jorge Abreu

Como parte da campanha Semana Mundial Sem Carne, uma programação com exibições de curtas-metragens, debates e degustações de comidas veganas será realizada na sexta-feira (21), em Macapá.

O evento nacional é promovido pelas ONGs Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB), Mercy for Animals e Greenpeace, com objetivo de discutir e divulgar os principais pontos abordados pelo veganismo.

Além disso, a programação busca levar reflexões voltadas para meio ambiente, como os impactos negativos provocados pela pecuária, desmatamento de florestas, poluição, aquecimento global, entre outros.

Na capital amapaense, o evento acontece entre 15h45 até 17h45, na escola de idiomas Yázigi, que fica localizado na Avenida Clodóvio Coelho, nº 222 – bairro Trem. A entrada é gratuita e qualquer pessoa pode participar.

Semana Mundial Sem Carne

Apesar do nome, a proposta da campanha não é focada somente na restrição alimentar e sim no veganismo, que um movimento social e político a respeito dos direitos animais, por questões éticas e também pela sustentabilidade.

É a primeira vez que a SVB, Mercy for Animals e Greenpeace se juntam para realizar um programação para abordar a causa. Eventos similares acontecem em vários estados do Brasil.

Profissionais alergologistas oferecem curso de gastronomia para pacientes com alergias e intolerâncias, em Macapá

Conhecendo as dificuldades da alimentação de pacientes com alergias e intolerâncias foi criado o 1º curso de Gastronomia para alérgicos e intolerantes, organizado por médicos especializados na área de alergologia e imunologia, surgindo com a proposta de unir gastronomia e saúde. Com duração de 60h, o curso será realizado na Estácio Macapá, com início no dia 10 de junho e duração de oito semanas.

Sua ementa contempla assuntos de como se dá as alergias alimentares, substituições hipoalergênicas, o que ler no rótulo e preparação de diversos pratos, o evento terá aulas teóricas das 18h às 22h e as aulas práticas serão no final de semana em período diurno.

O evento tem como objetivo incluir pessoas que possuem alergias e intolerâncias à cozinha, com dicas de receitas e substituições de potenciais alergênicos nas receitas. O curso dará os fundamentos da culinária para pessoas alérgicas a diferentes tipos de alimentos sem perder a qualidade e o sabor. Como acompanhamento didático do curso, os participantes receberão apostilas com os conteúdos e as receitas que serão ensinadas.

Divididos em módulos e com receitas que contemplam desde a alimentação de bebês com APVL (Alergia à proteína do leite de vaca), crianças, jovens e adultos com alergias alimentares e determinados alérgenos, o curso proporcionará uma nova forma de interação com os alimentos.

Público-alvo: Interessados em técnicas e receitas isentas de potenciais alergênicos (leite, ovos e glúten), pessoas com alergias alimentares e intolerâncias, assim como profissionais do setor alimentício e de saúde.

Valores, inscrições e outras informações: 88 99632-7520 Dr. Matheus Lima/ 96 98106-4240.

Neste final de semana acontece a maior vitrine gastronômica do Amapá, o Festival Brasil Sabor

O evento traz o tema “Original do Brasil e a gastronomia das cinco regiões do país: norte, nordeste, centro-oeste, sudeste e sul, reunidas no meio do mundo, com uma variada programação”.

A 14ª edição do Festival Brasil Sabor acontece de 31 de maio a 2 de junho, das 18h às 23h, no Sebrae. O evento é realizado pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Amapá e os parceiros Sebrae, Prefeitura Municipal de Macapá e Governo do Estado do Amapá. Os pratos em forma de degustação serão servidos ao preço de R$ 12 reais.

Com a temática original do Brasil e a valorização da culinária nacional, os promotores do evento propõem um ‘tour gastronômico’ por meio da degustação de pratos com receitas inovadoras, utilizando insumos e ingredientes das cinco regiões do país: norte, nordeste, centro-oeste, sudeste e sul, ao preço de R$12,00 e divididos em 20 receitas que vão desde os burguers às sobremesas e aos pratos sofisticados. Nesta edição, outra novidade é o livro ‘Segredos dos Chefs’, com distribuição gratuita, contendo as receitas dos pratos do festival; a feirinha de artesanato voltada para gastronomia, com louças Maraca e Cunani e do Maruanum, além de produtos artesanais do Amapá como a gengibirra e os derivados do chocolate produzidos na região; a feira de produtos do campo com os principais insumos da região; a final do Concurso que seleciona o melhor chef de cozinha de 2019, o ‘Chef de Talento’; a participação de chefs de cozinha renomados nacionalmente com apresentações de aulas shows e degustações gratuitas; uma variada programação cultural com música e a entrega do ‘Prêmio Alcilene Cavalcante’, melhores da gastronomia, no Palco Tucupi.

Abrasel no Amapá

Em 2019, a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Amapá, entidade de utilidade pública, comemora o desenvolvimento da gastronomia no estado, com a segmentação do setor, a diversificação e inovação na culinária local, criação de empresas e empregos, além do crescimento do percentual de consumo de alimentos prontos fora do lar, fruto das parcerias entre instituições, dirigentes e profissionais.

Restaurantes

Os restaurantes que participam do Festival Brasil Sabor representando a região norte são: Restaurante Divina Arte, Restaurante Bom Sabor, Restaurante e Churrascaria Sarney, Soul Bistrô, Mayumi Sushi delivery e Delivery Burger. Pela região nordeste: Restaurante Dom Garcia, Restaurante Cantinho Baiano, Rustic Hamburgueria Artesanal e Kátia Buffet. Pela região centro-oeste: Wanted food Master, Salviano Charcutaria, Chopp da Vovó e Japan Restaurante. Já pela região sudeste: Sakaya Poker Bar, Royal Hotel & Gastronomia e Vó Katia. E pela região sul: Haus Bier – chopp artesanal e costelão gaúcho, 313 Restaurante e Kings Chef Hamburgueria.

Programação

1° dia – 31/05 (sexta-feira)
Cozinha Show
18:30h no Palco Tucupi
Chefs André Barros (GO) e Flora Santana (AP)
Cozinha Caipira na Amazônia: arroz de suã com açafrão da terra, tucupi e chicória do norte.

Mini Chefs
18h Oficina de culinária para crianças – Sala Laranjal do Jari

19h Cerimonial de abertura do Festival Brasil Sabor;
19:45h foto oficial com empresários e chefs de cozinha;
20h Prêmio Alcilene Cavalcante – melhores da gastronomia 2018;

18h às 23h Tour gastronômico em 20 stands, feirinha de artesanato e feira de produtos do campo.

2° dia – 01/06 (sábado)
Mini Chefs
18h Oficina de culinária para crianças – Sala Laranjal do Jari

Cozinha Show
19h no Palco Tucupi
Chef Valadares (PE): Sabores do Nordeste
20h Apresentação cultural com MPA e MPB;
18h às 23h Tour gastronômico em 20 stands, feirinha de artesanato e feira de produtos do campo.

3º dia (02/06 – domingo)
17h Concurso Chef de Talento no Palco Tucupi
18h Oficina de culinária para crianças (Mini Chefs) – Sala Laranjal do Jari

Cozinha Show
19h no Palco Tucupi
Sommeliers Isadora Fornari (SP) e Maurício Maia(SP):
Sabores Locais na coquetelaria e Café fora da xícara: utilização e preparo.

20h no Palco Tucupi
Chef Solange Sussuarana e José Bogea (enófilo):
Harmonização da culinária de raiz amapaense com bebidas: uma busca pela valorização de sabores.

21h Apresentação musical (Sertanejo e Pop Rock nacional);
18h às 23h Tour gastronômico em 20 stands, feirinha de artesanato e feira de produtos do campo.
22h Cerimonial de encerramento e Premiação Chef de Talento
23h encerramento.

Abrasel no Amapá
(96) 981357900

Hoje é o Dia Mundial do Hambúrguer (gordice na nossa Sessão Datas Curiosas)

divulgacao

Esse pessoal inventa cada coisa, inclusive dias comemorativos, se é que se pode chamá-los assim. E este site possui uma sessão “datas curiosas”. Bom, hoje, 28 de maio, é celebrado o Dia Mundial do Hambúrguer. uma das comidas mais amadas e consumidas pela população mundial. Principal símbolo do Fast Food, é encontrado no mercado de várias maneiras, desde um simples com pão, carne e queijo, até os mais especiais feitos com filé, picanha e molhos mais trabalhados. No Brasil, o hambúrguer chegou em meados dos anos 1952 e rapidamente ganhou o paladar de toda a população.

Ao contrário do que eu imaginava, apesar de ser um símbolo da culinária americana, o hambúrguer não foi inventado nos EUA. No século XIII, uma tribo chamada Tártaros levou para um açougueiro alemão, da cidade de Hamburgo, seus hábitos alimentares. Eles invadiram a Europa com o costume de transportar, entre a sela e o lombo do cavalo, um bolo de carne moldado em forma de bolas achatadas. Essa carne parecia uma pasta e nem precisava ser temperada pois absorvia o sal do suor do animal.

BLOG-011

O açougueiro europeu havia gostado da ideia, e requintou os bifes usando uma carne bem moída com temperos especiais. Como o resultado era extremamente saboroso e de baixo custo, o prato acabou popularizado em toda a região.

Um pouco depois, no século XVII, quando as pessoas começaram a migrar de Hamburgo para os EUA, o “bife de carne moída” foi adotado com carinho pelos americanos, que passaram a grelhar os discos de carne e colocar no meio do pão, chamando a iguaria de HAMBURGUER. Nascia assim, um dos maiores ícones alimentares da cultura americana, que contribuíram ao adicionar o pão e tornando-o sanduíche.

Pouco tempo depois de sua criação, o hambúrguer foi preparado com todas as guarnições que hoje em dia lhe são tipicamente características—com cebolas, alface e os picles cortados.

Hamburguer

A necessidade de se otimizar tempo, ingerindo pratos rápidos aliado aos diversos sabores e ingredientes, impulsionam este consumo. As pessoas estão ficando com o paladar mais exigente, e por isso o mercado dos “Hambúrgueres Gourmet” se faz cada dia mais presente, levando iguarias e ingredientes especiais aos mais exigentes consumidores.

Com grande popularidade internacional e sua fama mundial certamente representa o maior tipo de globalização do consumo de comida humano, ao lado de outros pratos como o döner kebab turco, a pizza italiana, e o sushi japonês. Espalhou-se facilmente por continentes de diferentes culturas e culinárias devido, segundo alguns, à sua fácil maneira de preparo e entendimento.

Dia-do-Hamburguer-600x467

A cultura global culinária em torno do hambúrguer deu-se pelo conceito de venda de alimentos processados, imaginado de maneira notável na década de 1920 pela cadeia de restaurantes White Castle e que foi posteriormente aperfeiçoado na década de 1940 pelo McDonald’s e por Ray Kroc. Essa expansão mundial tem proporcionado comparações econômicas como o Índice Big Mac que permite a comparação do poder de compra dos diversos países onde o hambúrguer Big Mac é vendido hoje em dia.

Com o desenvolvimento da Gastronomia, foram criados muitos hambúrgueres “sofisticados”, feitos com outros tipos de carne, com queijos especiais, molhos diferentes, saindo um pouco do tradicional fast food. As pessoas estão ficando com o paladar mais exigente, e por isso esse mercado dos “Hambúrgueres gourmet” se abriu.

hamburger-suculento

Enfim, este texto foi somente pra “encher linguiça” (ou hambúrguer) para a sessão “datas curiosas” deste site. E pela silhueta deste jornalista, vocês devem saber: amo hambúrgueres. Quando moleques, eu e meu irmão, Emerson, éramos pior que o personagem “Dudu”, do desenho animado Popeye, grande devorador de sandubas da ficção. Dependendo do bolso e horário, como no pé sujo de rua ou praça, até as hamburguerias requintadas e gourmetzadas. Afinal, gordo é um praga (risos). E fim de papo!

Fontes: General Peppers; Petit Gastrô; Wikipédia e QG Jeitinho.

Com 20 pratos no AP, 14º Brasil Sabor tem ‘tour’ inspirado na gastronomia de cinco regiões

14º Festival Brasil Sabor tem ‘tour’ inspirado na gastronomia de cinco regiões do país — Foto: Abrasel/Divulgação

Por Fabiana Figueiredo

Um dos maiores festivais gastronômicos do país vai apresentar no Amapá 20 pratos inéditos de empreendimentos locais. O 14º Festival Brasil Sabor acontecerá de 31 de maio a 2 de junho, na sede do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), no bairro Laguinho, no Centro de Macapá.

A degustação de cada prato será no valor de R$ 12. A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes do Amapá (Abrasel-AP), organizadora do festival, divulgou as atrações gastronômicas e o G1 fez um “menu digital”, reunindo fotos e descrição de cada prato.

Com o tema “Original do Brasil – as cinco regiões do país no meio do mundo”, a 14ª edição do festival propõe um tour gastronômico, com degustações de pratos inspirados na culinária de cada região brasileira. Espécies de peixes e camarões, macaxeira, diferentes versões de carne e queijos são alguns dos ingredientes que aparecem nos pratos.

Além das degustações dos 20 pratos, o festival também terá atividades como feiras de artesanato e produtos do campo, concurso que elege o melhor chef de cozinha de 2019, “Cozinha Show” com oficinas de chefs de cozinha renomados nacionalmente, e o lançamento do livro “Segredos dos Chefs”, com as receitas dos pratos do festival.

O evento é realizado em parceria com o Sebrae, a Prefeitura Municipal de Macapá e o Governo do Estado do Amapá.

Programação:

14º Festival Brasil Sabor
Horário: das 18h às 23h
Local: Sebrae (Av. Ernestino Borges, nº 740, bairro Laguinho)
Entrada gratuita
Degustação: R$ 12 por prato

1° dia – 31 de maio (sexta-feira)

18h – “Mini Chefs” – Oficina de culinária para crianças – Sala Laranjal do Jari
18h30h – Cozinha Show: “Cozinha Caipira na Amazônia: arroz de suã com açafrão da terra, tucupi e chicória do norte”, com chefs André Barros e Floraci Dias, no Palco Tucupi
19h – Abertura do Festival Brasil Sabor
19h45 – foto oficial com empresários e chefs de cozinha
20h – entrega do Prêmio Alcilene Cavalcante – melhores da gastronomia 2018
18h às 23h – tour gastronômico em 20 stands, feirinha de artesanato e feira de produtos do campo
2° dia – 1º de junho (sábado)

Festival Brasil Sabor acontece no estacionamento do Sebrae, em Macapá — Foto: Rita Torrinha/G1

18h – “Mini Chefs” – Oficina de culinária para crianças – Sala Laranjal do Jari
19h – Cozinha Show: “Cozinhando e educando”, com chef Renato Valadares, no Palco Tucupi
20h – Cozinha Show: “A arte de empreender na equipe”, com chef Danielle Dahoui, no Palco Tucupi
20h – Apresentação cultural com Osmar Jr e Mauro Cotta
18h às 23h – tour gastronômico, feirinha de artesanato e feira de produtos do campo
3º dia – 2 de junho (domingo)

17h – Concurso ‘Chef de Talento’, no Palco Tucupi
18h – “Mini Chefs” – Oficina de culinária para crianças – Sala Laranjal do Jari
19h – Cozinha Show: “Harmonização da culinária de raiz amapaense com bebidas: uma busca pela valorização de sabores”, com chef Solange Sussuarana e enófilo José Bogea, no Palco Tucupi
20h – Cozinha Show: “Sabores Locais na coquetelaria e café fora da xícara: utilização e preparo”, com sommeliers Isadora Fornari e Maurício Maia, no Palco Tucupi
21h – Apresentação musical (sertanejo e pop rock nacional);
18h às 23h – tour gastronômico, feirinha de artesanato e feira de produtos do campo
22h – Resultado final e premiação do concurso “Chef de Talento”
23h – encerramento

Fonte: G1 Amapá

Piquenique em Macapá vai reunir interessados no vegetarianismo

Levar o vegetarianismo de forma clara e agradável é a proposta de um piquenique em Macapá. O “Vegnique” será realizado neste sábado (25), a partir das 15h30, no Parque do Forte, no Centro.

Bolos, lanches e frutas não vão faltar no encontro que espera reunir interessados na causa vegetariana/vegana. Qualquer pessoa pode participar do evento.

A ideia é proporcionar trocas de experiências, conhecimentos, receitas e outros assuntos que podem ajudar quem deseja abrir mão de produtos de origem animal, seja na alimentação ou em peças de roupas e acessórios.

Para contribuir com o piquenique, cada participante pode levar uma comida, basta ser isenta de qualquer tipo de carne, ovo, leite e mel. A colaboração é voluntária.

Serviço:

Vegnique em Macapá
Data: 25 de maio
Horário: a partir de 15h30
Local: Parque do Forte (Centro)
Contato: (96) 98113-1343 – somente WhatsApp

Assessoria de comunicação

Abertas as inscrições do Concurso que premiará o melhor chef de cozinha do Amapá em 2019

Foto: primeira edição em 2016 que consagrou o chef Orazio Cattani como vencedor

Em sua quarta edição, o concurso organizado pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Amapá colocará em destaque o profissional que melhor elaborar e apresentar sua receita para um corpo de jurados especialistas

O Concurso

Com o tema “resgate cultural na culinária amapaense”, o concurso vai definir um cozinheiro ou chef de cozinha como melhor profissional do estado em 2019. O tema desta quarta edição tem como inspiração a evolução da culinária amapaense por meio do resgate cultural. O concurso ocorrerá no dia 01 de junho no SEBRAE Amapá.

Segundo o Turº Sandro Belo, da coordenação do evento, o concurso de culinária tem garantido visibilidade e posicionamento no mercado aos profissionais que participam. As inscrições são gratuitas e o interessados devem cumprir os requisitos do regulamento e se submeterem às etapas de classificação até chegar à final com a defesa prática para uma comissão de jurados especialistas.

Regulamento

O concurso definirá o cozinheiro ou chef de cozinha como o melhor profissional em 2019, com a chancela da Abrasel no Amapá e dos críticos gastronômicos que compõem o júri.

Para participar do Concurso Gastronômico é necessário:

1) Ter ou completar 18 (dezoito) anos até a data do início do concurso (27/04/2019);
2) Ser Amapaense ou residir no estado há pelo menos 02 (dois) anos;
3) Ser cozinheiro, podendo ou não ter formação em curso profissionalizante, técnico superior, ou superior na área de Alimentos, Cozinha ou Gastronomia.
4) Ter pelo menos 02 (dois) anos de experiência profissional, comprovado através de Curriculum Vitae (com endereço eletrônico e número de celular ou de contato inclusos).
a) O candidato responde com a desclassificação do concurso por qualquer informação inverídica.
5) O candidato deverá ter perfil pessoal na rede social facebook.
6) O candidato deverá apresentar 01 (um) prato de sua autoria;
a) Cada candidato só concorre com 01 (uma) única receita (prato);
b) A receita deve conter ingredientes da culinária regional;
c) O candidato deverá descrever ao final da receita, o porquê da escolha dos ingredientes;
7) O candidato deverá enviar seu Curriculum, a receita e a foto do prato escolhido, digitalizado, no período do dia 27 de abril a 10 de maio de 2019, até às 23h, para o seguinte endereço eletrônico: [email protected]
a) Serão desclassificados quaisquer e-mails após o horário estabelecido. O candidato receberá e-mail confirmando sua participação.
A comissão julgadora independente, que será formada por personalidades de relevantes conhecimentos/experiências na área, escolherá 03 (três) finalistas com base nos critérios: apresentação, harmonização e paladar.
a) A Comissão julgará a receita sem saber quem são os autores, para evitar decisões e/ou opiniões tendenciosas.
a) A Comissão avaliará a receita bem como justificativa da escolha dos ingredientes e a foto do prato;
9) Os finalistas receberão a notificação oficial, por e-mail em dia após a realização da pré-seleção.
a) Serão desclassificados os concorrentes que tornarem público, via redes sociais, sua classificação, a receita e a foto do prato concorrente, observando o critério de imparcialidade da banca examinadora adotado por essa comissão.
b) Cada finalista deve levar seus utensílios, instrumentos e pequenos materiais (processador, faca elétrica, liquidificador e panelas para placa de indução). E deverá entrar em contato com a Comissão Organizadora para validar seu material complementar.
c) Cada finalista terá 45 (quarenta e cinco) minutos para executar seu prato.
d) Os finalistas poderão levar os grãos (feijão, grão de bico, lentilha, etc) demolhados.
e) A demonstração do tema imposto deverá ser apresentada em 06 (seis) porções degustação individuais, sendo: 01 (um) para foto e apreciação do público e 05 (cinco) para degustação do Júri.
f) Todos os elementos contidos no prato deverão ser comestíveis, decorativos ou não.
10) Os finalistas deverão arcar com todos os seus insumos e pratos decorativos para a preparação e apresentação dos mesmos, para avaliação de júri especializado.
11) Todos os classificados receberão um certificado de participação no concurso.

Coordenação:

Rafael Salviano
Sandro Belo
Yukio Nagano
Cleyce Miranda
Thiago Santiago

Assessoria de comunicação
Contato
(96) 981357900

Cozinha dos Chefs comercializará pratos ao preço de 10 reais

O Instituto Municipal de Turismo e a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) presenteiam os macapaenses com a Cozinha dos Chefs, nos dias 3 e 4 de fevereiro, na Praça Floriano Peixoto. O evento é montado para servir refeições ao preço de R$ 10,00.

Além da comercialização de pratos sofisticados, preparados por profissionais experientes da gastronomia amapaense, a culinária regional estará presente na área gastronômica como parte de uma extensa programação promovida pela Prefeitura de Macapá para o aniversário da capital.

Serviço:

Data: 03 e 04/02 (domingo e segunda-feira)
Hora: 12h às 14h e das 18h às 20h
Local: Praça Floriano Peixoto
Preço: R$ 10,00

Cássia Lima
Assessora de comunicação/Macapatur
Contato: 98104-9355

261 anos de Macapá: prefeitura e Abrasel promoverão Cozinha dos Chefs com pratos ao preço de R$ 10,00

A programação de aniversário de 261 anos de Macapá está cheia de eventos imperdíveis. O Instituto Municipal de Turismo (Macapatur) e a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) se unem e presenteiam a capital com a Cozinha dos Chefs, nos dias 3 e 4 de fevereiro, na Praça Floriano Peixoto.

O Cozinha dos Chefes é montada para servir refeições ao preço de R$ 10,00, preparadas por profissionais experientes da gastronomia amapaense. Nessa edição, terá o chef Orazio Cattani, italiano, reconhecido pela crítica gastronômica como o melhor profissional no mercado; chef Yukio Nagano, de descendência oriental, proprietário de um renomado restaurante japonês da cidade; chef charcuteiro Rafael Salviano, especialista em defumados; e o chef Burguer Thiago Santiago, proprietário de uma das melhores hamburguerias da capital.

Além da comercialização de pratos sofisticados, a culinária regional estará presente na área gastronômica como parte de uma extensa programação promovida pela Prefeitura de Macapá. Segundo o diretor-presidente do Macapatur, Paulo Brito, a programação será literalmente recheada de delícias para valorizar os produtos da culinária regional e potencializar o setor de gastronomia como um produto legitimamente turístico. “Reunimos grandes profissionais da gastronomia para presentear Macapá com os melhores sabores”, ressalta.

Para o executivo da Abrasel no Amapá, o turismólogo Sandro Belo, a parceria com a prefeitura trará uma programação inovadora, acessível à população, ao colocar insumos e ingredientes sofisticados, preparados pelos principais profissionais do setor, a preços populares, num ambiente aprazível, que é a Praça Floriano Peixoto.

Cássia Lima
Assessora de comunicação/Macapatur
Contato: 98104-9355

A Lenda do Pato no Tucupí – Crônica porreta de Orlando Carneiro

Comecei a criar esta crônica para o Canto de Página do Diário do Pará. Ela veio como numa tempestade cerebral, escrita de uma só digitada. Achei que poderia ser considerada inapropriada, pelos demasiadamente conservadores, para publicação em jornal. Como em livro há maior liberdade, eu a publico aqui, como um Bônus aos meus leitores. Por uma questão de respeito cultural, informo que este texto é ficcional, sendo, pois, uma crônica.

Orlando Carneiro

pato-no-tucupi

A Lenda do Pato no Tucupí

Numa parte isolada da floresta amazônica, havia a tribo Ma’Fu’Xi’co, milenar povo de origem não pesquisada. Vivia da agricultura, da caça e da pesca, tudo muito rudimentar. Dentre os vegetais que plantavam estava a mandioca, da qual era extraída a farinha, feita ao meio dia no calor de ita’Kú (pedra amarela).

O caldo que saía da raladura e da prensagem da mandioca, chamado de tu’Kú (líquido amarelo), era usado para a caça, pois sendo venenoso, era colocado em cabaças nas trilhas dos animais, e estes morriam ao tomar tu’Kú.

Os índios tiravam as vísceras envenenadas e comiam a carne à vontade, pois o veneno não a atingia. Havia muitos veados na mata, e principalmente estes morriam logo que tomavam tu’Kú. Os Ma’Fu’Xi’co estavam pensando em plantar árvores de cuiuda (ou cuieira), pois era cada vez menor o número de trepadeiras cabaçudas (ou cabaceiras) na região, para fazer as cumbu´cas. Quando os Ma’Fu’Xi’co brigavam, eles discutiam muito, e desejavam a morte uns dos outros, gritando bem alto:

– Vão tomar tu’Kú.

Ma’Q’Xi’Xí era um jovem índio que se apaixonou por uma Xo’Xo’ta (índia formosa), filha de K’bi’dela, o pajé, e que era muito namoradeira, namorava com todo mundo mas não queria nada com Xi’Xí (assim era chamado o jovem). O apelido da índia era “ga´linha de K’bi’dela”. Xi’Xí, loucamente apaixonado, tentou conquistá-la:

– Tu pode vir P’í (quente), que eu estar P’á (fervendo).

– Vai tomar tu’Kú, foi a resposta definitiva da jovem.

Xí’Xí, ao ser rechaçado, resolveu se matar. Mas tinha que ser um suicídio diferente, que chamasse a atenção. Resolveu tomar tu’Kú , mas antes o pôs no fogo, até que ele P’á (fervesse). Ele achava que se tomasse P’í (quente, depois da fervura dada),a morte seria mais rápida, indolor. Quando o tu ‘Kú ficou no ponto, ele tomou bem P’í. Surpresa : não morreu. Ao contrário, achou que tomar tu’Kú era até que gostoso. Saiu gritando: “tu’Ku’P’í bom, tu’Ku’P’í bom “.

A mãe de Xi’Xí, ao ver que o filho havia tomado tu’Kú, tentando o suicídio, e estava gritando que o veneno era bom, resolveu tomá-lo, pensando que iria morrer junto com o filho, e teve a mesma surprêsa: não apenas não morreu, como aquele líquido amarelo, fervido sem tempero algum, era bom demais, imagine se bem preparado.

Excelente cozinheira, a índia mãe resolveu preparar alguma coisa para acompanhar o tu’Kú’Pí. Pensou antes em frutas, e procurou todas as que fossem Kú: Ba’Kú’rí, Kú’P’u’Açú, Tu’Kú’ Mã, e até A’bri’Có. (Até hoje não se sabe porque o nome não é A’bri’Kú, pois a fruta é amarela). Não deu certo. pensou em peixes Kú: Pí’Ra’Ru’Kú, Pá’ Kú, Tú’Kú’Na’ré, Kú’ri’ma’tã. Até que ficaram bons, mas ainda não eram os acompanhantes ideais. Tentou os animais: car´nei´ro, vá-ca, gá’los. Destes, os gá’los eram os que mais se aproximavam do ideal. Teve até um fato inusitado:

“K’bi’dela Jr. Emoticon smile”filho de K’bi’dela”) jogou no tú’Kú, a P’ir´qui, (periquita) da sua mãe, e quase foi obrigado a tomar tú’Kú, pois a citada periquita era muito querida, principalmente pelo seu índio pai). Xí’Xí perguntou para a mãe: “porquê tu num experimenta P’á-to´to” (“ave de tesão {tô que tô} fervente (pa), pra jogá no tu´Kú quando tiver pa (fervendo)? Ela experimentou, e os dois acharam que era o ideal, o P’á-to´to no tú’Kú’P’í.

Para ter um verde no prato, ela juntou folhas de uma plantinha que gostava muito, o jam´bú Emoticon smile “folha da tremelicagem”) e xi´có´ria Emoticon smile “folha que está sem estar”).

Chamaram os índios e deram para que eles provassem. Os índios vieram meio ressabiados, mas eram muito curiosos (daqueles que cheiram microfone de repórter), experimentaram e gostaram. A partir daí, o p’á-to´to no tú’Kú’P’í passou a ser o prato típico daquela aldeia perdida na amazônia. Xi’Xí, feliz, dizia para todo mundo que era melhor comer o p’á-to no tú’Kú’P’í era “que a ga´linha de K’bi’dela.”

Felizes com a descoberta e com a fama, Xi’Xí e a mãe passaram a tentar inventar pratos. Tentavam de tudo. Um dia Xi’Xí falou:

Mãe, i si nós juntá Ma’ní (folha da maniva) , com tudo que é Só (gordura animal), e B’a (ferver intensamente, dias infindos), será qui vai ficá uma cumida gostosa e nos deixá mais famôsos ?

– Num sei, Xi’Xí. Ma’ni’Só’B’a ? Acho qui é veneno.

– Será? O tu’Kú num era ? Sei não. Vá tapá (novo prato na aldeia? N.A.) a penela do tu’Kú qui tá P’á. Eu vou colher Ma’ní, juntá muito Só e B’á tudo junto. Sí dé certo a Ma’ni’Só’B’a, vou ter todas as Xo’Xo’tas (índias formosas) da tribo no meu mão.

* Orlando Carneiro já publicou inúmeros livros e é um escritor muito conhecido no Pará. Essa crônica foi uma contribuição do amigo do autor e meu também, Fernando Canto.

“Festival Fartura – Comidas do Brasil” levou atração gastronômica do Amapá para público de 10 mil pessoas em São Paulo

Mais de 75 atrações gastronômicas de todos os estados do Brasil e do Distrito Federal levaram a diversidade da gastronomia do país a 10 mil pessoas em São Paulo, no Festival Fartura – Comidas do Brasil no último fim de semana, dias 4 e 5 de agosto, no Jockey Club.

Foram cerca de 25 mil pratos vendidos, da macaxeira rainha à paella amazônica, com chefs e produtores de todos os estados do Brasil. Um dos principais destaques, representando o Amapá, foi a chef Socorro Azevedo, do restaurante Divina Arte, em Macapá. No espaço Conhecimento, ela preparou seu peixe frito com açaí.

O Festival Fartura integra a Plataforma Fartura – Comidas do Brasil, que tem como objetivo mapear personagens, produtores, cozinheiros, chefs, receitas, produtos e ingredientes – e seu caminho da origem até o prato.

Todas as atrações gastronômicas do evento foram pesquisadas por meio da Expedição Fartura – Comidas do Brasil, que já percorreu todos os Estados brasileiros, mais o Distrito Federal. Foram mais de 70 mil quilômetros, visitando mais de 200 cidades e entrevistando mais de 500 personagens da culinária do país, coletando informações sobre chefs, produtores, produtos, ingredientes, mercados e receitas.

Neste ano, os Festivais acontecem do Sul ao Norte, em todas as regiões do Brasil. Já passou por Porto Alegre, em maio, e além de São Paulo acontecem em Tiradentes (de 24 de agosto a 2 de setembro), Belo Horizonte – nas versões tradicional (22 e 23 de setembro) e Kids (29 e 30 de setembro), Brasília (a informar), Fortaleza (10 e 11 de novembro), e Belém (26 e 27 de janeiro/19). A Plataforma Fartura também expandiu suas fronteiras e foi atrás de suas origens, em Portugal. No início de novembro, acontece a segunda edição do Festival Fartura – Comidas do Brasil em Lisboa.

Fonte: Diário do Amapá

Hoje é o Dia Nacional da Pizza (calórico e inusitado post para nossa sessão “Datas Curiosas”)

173xx7
Esse pessoal inventa cada coisa, inclusive dias comemorativos, se é que se pode chamá-los assim. E este site possui uma sessão “datas curiosas”. Bom, hoje, 10 de julho, é celebrado o Dia Nacional da Pizza, uma das comidas mais amadas e consumidas pela população mundial.

A data foi instituída pelo então secretário de turismo de São Paulo, Caio Luís de Carvalho, em 1985. Naquele ano, foi realizado um concurso estadual que elegeria as 10 melhores receitas de mussarela e margherita. Empolgado com o sucesso do evento, o titular da pasta do Turismo em Sampa escolheu o dia de seu encerramento, 10 de julho, como data oficial de comemoração.

A data homenageia uma das invenções culinárias mais apreciadas por diversas pessoas ao redor do mundo, em especial os brasileiros.

No Brasil, São Paulo é conhecida como a capital nacional da pizza. Neste dia, as pizzarias costumam fazer festas, promoções ou descontos para os clientes.

A pizza é um tipo de comida que é preparada com massa fermentada de farinha de trigo, molho de tomate e outros diferentes ingredientes, variando de acordo com o sabor escolhido.

Estudos indicam que há mais de seis mil anos, hebreus e egípcios já produziam pães que tinham como base a receita da pizza contemporânea, mas existem outros que acreditam que os gregos foram os primeiros a cozinhar o prato, pois eles faziam massas a base de farinha de trigo, arroz, ou grão-de-bico, e as assavam em tijolos quentes.

Essa prática chegou à Itália por causa das cruzadas, e foi lá que ela foi incrementada e se tornou a pizza que conhecemos hoje. Atualmente, encontrada na maioria das cidades brasileiras, e foi por meio dos imigrantes italianos que ela chegou ao país.

A primeira vez que comi pizza foi em 1986. Eu tinha 10 anos (sim, comi muito tarde) e foi da padaria Cometa, em Macapá. De lá pra cá, virei uma criatura devoradora desse tipo de massa. E pela silhueta deste jornalista, vocês devem saber que amo issaê.

O problema é quando crimes de políticos acabam em pizza (expressão pra dizer que crimes de colarinho branco não são punidos).

Enfim, este texto foi somente pra “encher linguiça” (ou calabresa, minha pizza favorita) para a sessão “datas curiosas” deste site. Obviamente, vou comemorar a data comendo muitas fatias de pizza. Afinal, gordo é um praga (risos). E fim de papo!

Fontes: Calendarr Brasil e CalendárioBR

13º Festival Brasil Sabor

Com o tema “Original do Brasil”, a 13ª edição do Festival Brasil Sabor possui 16 pratos inéditos, servidos por restaurantes, hamburguerias e docerias e que foram inspirados na culinária amapaense. A programação iniciou ontem (1º) e segue hoje (2), a partir das 18h, no estacionamento do Sebrae, em Macapá. A entrada é franca.

O evento também terá a 4ª Feira de Produtos do Campo, com a produção local de frutas, vegetais, pescado, polpas de frutas, e até mesmo o açaí. A ideia é aliar a sustentabilidade e a culinária regional, com uso de ingredientes da floresta amapaense.

O festival é uma realização da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes do Amapá (Abrasel-AP) e parceiros.

As degustações desta edição do festival gastronômico vão custar R$ 10 por prato. Além dos pratos, o evento também terá uma palestra com o chef Ofyr Cantuária, oficina de culinária para crianças com a chef Cibelle Iglesias, além de atrações culturais da música, poesia e comédia do Palco Tucupi.

Serviço:

13ª edição do Festival Brasil Sabor e 4ª edição da Feira de Produtos do Campo
Dias: 1 e 2 de junho (sexta-feira e sábado)
Hora: das 18h às 23h
Local: Estacionamento do Sebrae Amapá (Avenida Ernestino Borges, nº 740, bairro Laguinho)
Valor da consumação: R$ 12
Entrada gratuita

Dia: 2 de junho (sábado)

18h às 23h30 – tour gastronômico e venda de produtos do campo
18h às 19h – oficina “Mini Chefs” para crianças com a chef Cibelle Iglesias, na Cozinha Show
19h – Prêmio “Sabores Tucuju”, no Palco Tucupi
20h – Stand up gastro comedy, com Hulk Pão, no Palco Tucupi
21h às 23h30 – MPA, com Ramon Panoli, no Palco Tucupi

Fonte: G1 Amapá