O Reconhecimento e a Universidade Equatorial – Por Fernando Canto

Foto: arquivo deste site

Por Fernando Canto

Um dia desses aceitei o gentil convite do professor Robert Zamora, diretor do Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas da UNIFAP para que, enquanto artista e membro efetivo da Academia, falasse sobre o reconhecimento, em evento promovido para homenagear servidores docentes, servidores técnicos e discentes da área.

Fiquei feliz com este gesto, pois reconhecer pessoas pelo seu mérito é tê-las comprometidas e engajadas em uma rede dialética e nem sempre suave, mas que concorre para o sucesso e a qualidade da instituição e dos seus produtos, pois trabalha motivações e estímulos para elevar a autoestima e o respeito, objetivando a vontade de trabalhar e de crescer mais, com inovação, responsabilidade e espírito crítico. O reconhecimento é, então, a gratidão emanada sensivelmente para que o crescimento de todos seja uma realidade.

Unifap, Universidade Federal do Amapá, campus Marco Zero, Macapá — Foto: Jorge Abreu/G1

Acrescento, porém, que nestes momentos sombrios e estranhos pelos quais passa o nosso país, é necessário lembrar as palavras de Mahatma Gandhi quando diz: “Aprendi através da experiência amarga a suprema lição: controlar minha ira e torná-la como o calor que é convertido em energia. Nossa ira controlada pode ser convertida numa força capaz de mover o mundo.”

Mas não se enganem: o reconhecimento e o trabalho são paradoxais. E andam juntos. Gandhi ainda diz que “O alvo está sempre se afastando de nós. Quanto maior o progresso, maior o reconhecimento do nosso imerecimento. A satisfação está no esforço, não na realização. O esforço total é a vitória total.”

Universidade Federal do Amapá teve aulas suspensas em março — Foto: John Pacheco/G1

Reconhecer pessoas é dar a elas e trocar com elas todo o arcabouço humano das informações necessárias ao seguimento da vida intelectual, acadêmica e cotidiana, onde se integram processos e valores, desde os antigos filósofos egípcios, babilônicos, chineses, gregos e árabes nas grandes descobertas das ciências para a humanidade, bem como o papel dos cientistas modernos até a grande revolução tecnológica da contemporaneidade. É bom, então, que o reconhecimento público seja celebrado, que seja ritualizado na academia como merece, ao som da “Música das Esferas” de Pitágoras que também dizia “que os números governam o mundo”.

Ao fechar minha participação li alguns textos poéticos do meu livro intitulado Universidade Equatorial – Uma Aventura Acadêmica, ainda inédito, feito em 2018 para as comemorações dos 30 anos da fundação da Unifap em março de 2020. Trata-se, também, de um reconhecimento meu a essa grande instituição acadêmica que me deu oportunidades de crescimento profissional e intelectual, e que testemunhei sua expansão, participando com meu trabalho desde bem antes de sua implantação, pois fui professor no Núcleo de Educação da UFPA, em Macapá, em 1982 e 1985. Eis os textos:

Sobre o fio que guia o coração e a busca do conhecimento

Toda memória tem um fio amarrado no tempo, mergulhado no escuro do labirinto. Todo fio tem um propósito e um elo: o odor das mãos que o teceram e o fizeram novelo. Todo novelo é um apelo finito, uma voz sem ter grito, uma pista e a certeza que voltaremos à luz.

Um novelo é um presente àqueles que se aventuram, e destemidos vão fundo tatear o oculto, procurar o inculto na escuridão de suas almas.

Mas ali no cosmo de brilhantes matérias o conhecimento estala em explosões de átomos, invisíveis nas esfinges do infinito astral.

E aqui também, na tênue luz do entardecer, mistérios nascem com a lua, quando ela surge no rio, num horizonte de marés, vindas do ventre da terra em simbiótico enlevo entre o planeta e o satélite.

Sobre um destino fundado na dúvida

E como explicar o inexplicável aos duendes que estudam as ciências? E como traduzir o óbvio aos semideuses que isolam a deidade e manipulam fórmulas genéticas?

E como, me diga, Casa do Saber, como não tocar no fio da história para acender os inefáveis paradoxos embutidos nas ciências dos homens?

Como não se submeter a paradigmas cruéis que oprimem e rasgam os instrumentos do conhecimento entre ideologias e armas nascidas do medo e da ousadia, a cada instante.

Sobre o que és

Ah, Casa do Conhecimento/ Rugosa cor de batom velho/ Escondido bicho folharal/ Sílex quebrada nos quadrantes do equador/ Áspera palavra aristotélica/ Rosácea osmose do saber.

– Teus discentes choram por tua sina.

Aldeia do cerrado/ límpido aquífero/ reserva para a sede do planeta/ precioso líquido que escorre em nossos pés.

Ainda que ferva na temperatura do equinócio da primavera e refrigere no das lágrimas de março.

Do equador és Casa de Veredas à escolha dos vendados/ Túmulo do ignóbil/ Avalanche de salsugem/ Espanto do gênero/ Fímbria opaca da espécie/ Quarto de mistério e sonhos/ República de pesadelos e prazos/ Aquário de peixes com cirrose que alimentam pássaros e mergulham na cautela do já entristecido fado, previsto há séculos por mártires sobre o estupro cometido na floresta.

 

Sobre estudos e pesquisas

E como andam teus estudos, Casa do Saber? Como saber, me diga, dos sistemas integrados de informação e dos desafios para o desenvolvimento da ciência? Dos financiamentos, da produtividade? E sobre a escusa ordem política estabelecida para conter os avanços prioritários das nossas universidades? A inteligência artificial analisará as decisões humanas?

Foto: Rodrigo Índio.

Quantas doenças se alastrarão em desproporção ao avanço dos inseticidas mais venenosos? O que dizer do condensado de Bose-Einstein, dos supersólidos, da simulação quântica e do Magnetismo Quântico?

E das doenças parasitárias tropicais? Da leishimaniose e da malária, que por séculos matam os irmãozinhos ribeirinhos que esperam tanto de ti e perdem aos poucos a esperança?

Sobre como sair da escuridão

Dentro de teus muros raras vezes o som dos tambores fecunda a identidade do teu povo, pois a fecundidade ecoa no ar e arrebata danças e sorrisos.

Dentro dos teus muros sempre a fertilidade absorve as sementes no húmus que faz nascer a luz dos teus alunos em breu.

– Alunos, a-lunos [seres sem luz], saiam da escuridão pelo poder da palavra e da indicação solene do conhecimento transmitido [como tradição iniludível da cultura e da filosofia].

– Saiam, saiam, saiam já! É a legítima ordem emanada do tempo e da necessidade, sob a quadratura geográfica do Amapá, embaixo do sol do equador.

L’acronimo ARIADNE, che sta per Advanced Research Infrastructure for Archaeological Dataset Networking in Europe

Sobre a busca da redenção

Preservar o senso de justiça, combater a ordem ultrapassada dos que querem reviver a peste, lembrar sempre do temor das guerras, desenhar a utópica felicidade… são apenas linhas que o esquadro traça, seja pelo lápis, seja pelo fio de Ariadne jogado ao labirinto.

Assim sobreviveremos. Assim caminharemos para além dos paradigmas pensando em novas formas de agir, posto que nenhuma fome espera, qualquer doença surge e toda procura fenece se não quisermos a luz que nos a-sombra e nos convida a sair pela floresta em busca de alimento e cura. Por isso vos convoco:

Foto: site da Aline Kaiser

– Saiam! Saiam!

– Festejemos nossos santos e conquistas, estendamos nossas vestes sem temores, sem esquecer, jamais, nossas tragédias, para que elas nunca mais voltem a ocorrer.

Sobre a estrada que já foi um caminho

Eu te diria ainda, Casa do Saber, que assim como o sol brilha nas manhãs ou tal como oculta a vida em suas entranhas, que permaneça claro o ímpeto de ser, de construir e preservar nossas moradas, feitas com as mãos que o trabalho exige.

E que o brilho abarcante de sua luz ilumine as consciências e a fé profunda de nossas utopias, e o desejo de construção de um mundo melhor para todos.

Antes do milênio nasceu a estrada, aquela que já fora a simples trilha e hoje serve aos passantes como garantia de que seguimos juntos em busca dos significantes sóis das descobertas.

O tempo agora é o juiz mais sábio, pois há o contratempo de secreta angústia que nos impele a cuidar da terra e do alimento antes de qualquer ação distópica que o futuro pode produzir, se formos fracos.

– Salve, então, a terra que alimenta os homens e as mulheres! Salve o novo nascer da vida! Salve o livro que ensina o verbo – a voz de quem produz e reproduz o conhecimento às novas gerações.

OBRIGADO!

*Além de sociólogo, escritor, poeta, compositor, Mestre em Desenvolvimento Regional e Doutor em Sociologia, Fernando Canto é integrante do quadro de servidores da Unifap.

Porreta: Ifap vence competição internacional com robô que dança marabaixo

Com robôs construídos a partir de componentes eletrônicos descartados, resultantes do projeto de extensão “Robótica Alternativa na Escola”, o Instituto Federal do Amapá (Ifap) conquista primeiro e segundo lugares em várias categorias da etapa Final Nacional do Torneio Juvenil de Robótica (TJR) e do International Tournament of Robots (ITR-2021), que aconteceu no período de 11 a 15 de dezembro, no Espaço de Convenções do Expo Center Norte, em São Paulo.

Cadastrado como projeto de pesquisa e inovação, no âmbito da Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Inovação (Proeppi), sob a coordenação do técnico administrativo mestre André Luis da Silva e Silva Côrtes, e com execução definida para o período de março de 2019 a dezembro de 2021, o projeto visa o reaproveitamento de componentes descartados para a produção de protótipos de baixo custo. A experiência do projeto deu base para o artigo “O Uso da Robótica Alternativa como Modelo Educacional com Auxílio de Metodologias Ativas e Inovadoras”, de autoria do pós-graduado no curso do Ifap de Informática na Educação, Elender Keuly de Souza.

O artigo tem a orientação do professor mestre André Luiz da Silva Freire (Campus Macapá) e coorientação do técnico com mestrado na área André Luis Côrtes (Campus Santana). A publicação faz parte das ações do grupo de pesquisa em Tecnologia da Informação e Comunicação da Amazônia (GPTICAM). Atualmente, Elender de Souza é estudante do programa de mestrado Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT/Ifap) e coordena o projeto na escola estadual Esther Virgolino, com a colaboração de seus orientadores, do acadêmico de Tecnologia em Alimentos (Campus Macapá), Caio Lemos e com apoio da diretora Francy Cavalcante e da diretora adjunta Solange Correa, ambas gestoras da referida escola.

Contribuição para o meio ambiente

O projeto “Robótica Alternativa na Escola” defende que a utilização de materiais alternativos nos estudos da robótica possibilita o desenvolvimento de habilidades dos conhecimentos na área da mecânica, automação, informática e inteligência artificial, programação e raciocínio lógico, conhecimentos necessários e importantes para o funcionamento de um robô.

O projeto se utiliza de equipamentos de informática que já não estão mais sendo utilizados ou por defeito ou por serem de uma tecnologia já considerada defasada (placas eletrônicas, aparelhos de DVDs e impressoras) para construir carros e robôs educativos autônomos. “Esses equipamentos, uma vez descartados inadequadamente, podem ocasionar riscos para o meio ambiente, pois neles existem elementos químicos como metais pesados altamente tóxicos, prejudiciais à natureza e ao homem”, justificam os autores.

O projeto se utiliza também dos fundamentos da Cultura Maker, que visa o desenvolvimento cognitivo dos alunos e sua autonomia na construção e finalização dos projetos a partir de alguns pilares, como: inovação, meio ambiente, sustentabilidade e inclusão social através da educação. O objetivo é desenvolver a consciência ambiental e ecológica dos estudantes, com a produção de baixo custo, possibilitando o acesso à tecnologia a todos os envolvidos no processo educativo. “É a partir dessa preocupação que surge a robótica construída com sucata eletrônica e materiais alternativos, que vem tomando grande espaço nas escolas amapaenses, melhorando a qualidade de ensino dos alunos, valorizando e respeitando a TI verde, além de baixar os custos, proporcionando aos estudantes com baixa renda acesso aos diversos conhecimentos e saberes.”, afirma o autor Elender de Souza.

Dos resultados dos Torneios

Na disputa nacional do TJR 2021, a equipe alcançou o 1º e 2º lugares no Cabo de Guerra (Nível 4) e no Sumô (Nível 4); 1º lugar no Sumô (Nível 3) e 2º lugar no MMA. Já na disputa internacional do ITR 2021, foram 1º lugar na Dança e 1º lugar no Sumô, credenciando vaga para evento no México.

Ao todo, foram cinco primeiros lugares e três segundos lugares. O acadêmico de Tecnologia de Alimentos e aluno do curso técnico subsequente em Química do Ifap Caio Felipe Lemos se envolveu no projeto robótica alternativa quando foi aluno da escola onde ele é aplicado. Segundo o estudante, a experiência tem representado um divisor de águas. “Esse projeto tem sido um divisor de águas muito grande na minha vida, não só pelos ensinamentos do nosso mentor, professor Elender Keuly, e de outros coordenadores que compõem a equipe do projeto, mas por mostrar o caminho de um curso de graduação na área de tecnologia, por mostrar a nós alunos que podemos chegar a lugares onde nunca imaginamos, como a um mestrado ou doutorado”.

Caio Lemos fala com orgulho das conquistas e da experiência de participar das competições. “Foi o Ifap que me oportunizou participar do evento, por meio do Auxílio [participação em eventos científicos], custeando gastos com relação à estadia, transporte e alimentação. Foi muito gratificante ter a oportunidade de prestigiar e competir com outras instituições, o que nos permitiu adquirir títulos nacionais e internacionais e, paralelo a isso, ter a oportunidade de levar um pouco da nossa cultura do Marabaixo, por meio da dança de robôs, que garantiu o primeiro lugar no torneio internacional. Então eu só tenho a agradecer aos meus mentores e ao Ifap”. Além do acadêmico do Ifap, participaram das competições pelo projeto de robótica alternativa os alunos da Escola Estadual Esther Virgulino Marco Vinício Silva Neves, Luiza Palheta da Gama, Marcelo Ronald Silva de Lima, Letícia Almeida de Barros, Andreyna Claudia dos Prazeres Cabral, Maria Clara Santos Souza.

Torneio Juvenil de Robótica
Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica
Veja o resumo das premiações conquistadas pelo Ifap nessa competição:

• 1º e 2º Lugar no Cabo de Guerra – Nível 4 (Prêmio Nacional- TJR-2021)
• 1º e 2º no Sumô – Nível 4(Prêmio Nacional- TJR-2021)
• 1º Lugar no Sumô – Nível 3(Prêmio Nacional- TJR-2021)
• 2º Lugar no MMA (Prêmio Nacional- TJR-2021)
• 1º Lugar na Dança (Prêmio Internacional- ITR-2021)
• 1º Lugar no Sumô (Prêmio Internacional- ITR-2021)

Credenciamento para evento no México.

Por Keila Gibson, jornalista do Campus Santana

Diretoria de Comunicação – Dicom
Instituto Federal do Amapá (Ifap)
E-mail: [email protected]

Prêmio Inova SENAI 2021 está com inscrições abertas até 23 de outubro

Estão abertas até o dia 23 de outubro, as inscrições para o Prêmio Inova SENAI 2021. O programa busca estimular e valorizar boas ideias que nascem em sala de aula, envolvendo alunos, docentes, técnicos e consultores da instituição para o desenvolvimento de processos e projetos inovadores em gestão e tecnologia, alinhados às necessidades da indústria e do mercado.

Para o gestor de Tecnologia e Inovação do SENAI Amapá, Pedro Fauro, “o Inova consiste em selecionar as melhores ideias e investir em seu desenvolvimento e, assim, criar soluções para a indústria e a população em geral”, detalha.

O Inova SENAI está dividido em duas categorias: Tecnologias Industriais Produto Inovador e Processo Inovador.

Cada equipe deve ser composta por até cinco integrantes, sendo alunos regularmente matriculados ou egressos com até um ano de formados, contando a partir da data de publicação do edital; docentes, técnicos ou consultores do SENAI; colaboradores efetivos e representantes de empresas.

As premiações serão realizadas por equipes até a quarta colocação, que receberão entre outros itens, presentes no edital, a incubação do projeto, certificados, medalhas e cursos no SENAI.

As inscrições devem ser realizadas na plataforma SAGA SENAI disponível em: http://plataforma.sagainovacao.senai.br/plataforma/desafio/703.

Ascom SESI/SENAI – AP
Contato: (96) 3084-8944
E-mail: [email protected]

Senac realiza evento Tecnológico com Batalha de Robôs nesta segunda

O Sistema Fecomércio AP, por meio do Senac Amapá, realiza o “I Encontro Tecnológico: Crie, Invente e Inove”, que acontece no dia 18 de outubro, das 09h às 20h, na sede do Senac Amapá, juntamente com a etapa estadual do Torneio Juvenil de Robótica. O evento acontece de forma hibrida, gratuita e com direito a certificado.

O encontro faz alusão ao Dia do Profissional de Tecnologia da Informação e comemora a excelência e a qualificação desses profissionais que compõem o corpo técnico e pedagógico do Senac Amapá.

Durante a programação, o Senac Amapá, realizará a etapa estadual do “Torneio Juvenil de Robótica”, que ocorre de forma nacional por meio do Instituto TJR, desde 2009, em todas as regiões brasileiras, atingindo a marca de segundo maior evento gratuito de robótica da América Latina.

O objetivo do I Encontro Tecnológico é aproximar os profissionais locais do segmento de tecnologia, e apresentar novas ferramentas aliadas ao comércio amapaense. A ideia é sensibilizar empresários e gestores para investirem em recursos, utilizando a tecnologia como estratégia para evolução de uma marca ou empresa.

A programação do evento conta com palestras, oficinas e torneios, confira:

Dia 18 de outubro

9h – Apresentação Cultural: Dança dos Robôs no Meio do Mundo – Local: Auditório Senac Amapá

10h – Palestra: Inteligência Artificial (Dr. Klenilmar Lopes) – Local: Auditório Senac Amapá

11h – Palestra: Internet das coisas aplicada ao comércio (Me. Luiz Hamilton) – Local: Auditório Senac Amapá

14h – Oficina: Meninas da Computação (UNIFAP) – Local: LAB 2 / LAB 6 do Senac Amapá

14h – Oficina: Montando meu primeiro computador gamer (instrutor do Senac, Fernando Guevara) – Local: LAB 1 do Senac Amapá

14h – Torneio: Torneio Juvenil de Robótica – Local: Quadra Senac Amapá

18h – Entrega da Premiação TJR

19h – Mesa Redonda – “Tecnologias e o Ambiente Profissional Remoto.”

20h – Encerramento

Serviço:

Andréa Maciel
Assessoria de comunicação do Senac Amapá
Contato: (96) 99207-7636 / 991629993

VII Jornada Científica da Embrapa Amapá será realizada de 13 a 15 de outubro

A VII Jornada Científica da Embrapa Amapá (Jorcea) traz este ano palestras sobre temas conectados com os desafios e oportunidades para pesquisa, desenvolvimento e inovação que atendam demandas regionais. O evento será totalmente on line, no período de 13 a 15 de outubro, com parte das apresentações transmitidas pelo canal da Embrapa no Youtube. A palestra master de abertura será realizada a partir das 9h30 desta quarta-feira, 13/10, com o tema “A floresta amazônica como eixo unificador de ciência, tecnologia e inovação, desenvolvimento regional e manutenção de serviços ecossistêmicos”, apresentado pelo pesquisador Marcelino Carneiro Guedes. A programação completa e outras informações estão no site do evento: http://app.cpafap.embrapa.br/jorcea2021

De forma geral, Jornada Científica tem como objetivo a divulgação e avaliação de resultados dos trabalhos da iniciação científica de alunos de graduação. No caso da modalidade realizada pela Embrapa Amapá, serão apresentadas pesquisas de graduandos que participam do Programa de Iniciação Científica que conta com apoio do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), por meio do Pibic (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica). Em 2021, a Jorcea é vinculada À 18ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, que tem como tema central ” A transversalidade da ciência, tecnologia e inovações para o planeta”.

“A iniciação científica é importante para a trajetória dos alunos de graduação, uma oportunidade ímpar de colocar em prática os conhecimentos recebidos na universidade e os conhecimentos adquiridos no contato direto com os pesquisadores. É uma forma também de estimular a juventude a querer se tornar novos cientistas, que vão contribuir com o desenvolvimento da sociedade”, destacou Cristiane Ramos de Jesus, chefe de Pesquisa da Embrapa Amapá e presidente da comissão organizadora da VII Jornada Científica da Embrapa Amapá.

A carreira da maioria dos pesquisadores científicos começou por meio de estágios em projetos de Iniciação Científica desde a época da graduação. Na Embrapa, as oportunidades são oferecidas a acadêmicos em várias áreas do conhecimento. Aluna de Ciências Ambientais da Universidade Federal do Amapá (Unifap), Lauane Monteiro Costa, participa da Jorcea pela terceira vez e vê neste evento uma oportunidade de amadurecimento em vários aspectos. “A gente desenvolve muito o senso de responsabilidade porque temos o dever de apresentar resultados científicos, e acabamos incorporando isso à vida acadêmica e pessoal. Ao apresentar um trabalho para pesquisadores experientes e também para outros bolsistas, com o tempo a gente se sente mais segura para este tipo de apresentação”.

A VII Jornada Científica da Embrapa Amapá vai agregar a realização do XIV Café com Ciência, um evento voltado para bate papo aproximativo entre autores de publicações técnicas e públicos de interesse. Desta vez, será lançado no Café virtual o livro “Floricultura tropical: técnicas e inovações para negócios sustentáveis na Amazônia”, de autoria do pesquisador Jorge Segovia, que estará interagindo com os participantes do chat da transmissão em tempo real. A VII Jorcea será encerrada com o anúncio dos trabalhos de IC vencedores deste ano.

Serviço:

Dulcivânia Freitas, Jornalista DRT/PB 1063-96
Núcleo de Comunicação Organizacional
Embrapa Amapá
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Macapá/AP

Pesquisador da Embrapa Amapá dá dicas de redação científica para iniciantes

 

Detalhes importantes para comunicar de forma eficaz os resultados da pesquisa científica, como clareza, concisão e precisão, fazem parte do conteúdo da palestra do pesquisador da Embrapa Amapá, Ricardo Adaime da Silva, a ser transmitida em formato de live nesta segunda-feira, 4/10, das 15h às 16h (horário de Brasília), como parte da programação comemorativa ao primeiro ano da Revista Entomology Beginners. Este periódico é voltado para a publicação de pesquisas realizadas por estudantes de graduação (iniciação científica, observação científica ou trabalho de conclusão de curso) nas áreas da Entomologia e Acarologia.

A palestra intitulada “Redação Científica para Principiantes” será transmitida pelo link YouTube: https://youtu.be/ZNPIuzGuK6o, e tem o objetivo de discutir os conceitos fundamentais relacionados à redação científica. “Serão abordadas as principais etapas a serem seguidas para garantir a elaboração de artigos científicos de alta qualidade que assegurem a repercussão das pesquisas realizadas”, afirmou o doutor em Agronomia (Entomologia Agrícola) Ricardo Adaime, atuando principalmente nos temas moscas-das-frutas, controle biológico e parasitóides.

Com o tema “o papel do periódico na formação de novos cientistas”, a live comemorativa ao primeiro ano da Revista Entomology Beginners será realizada nos dias 4 e 5 de outubro, sendo organizada pela Revista, por meio de seu corpo editorial, e tem uma parceria do Projeto Entomologistas do Brasil e Embrapa Acre. O debate contará com diferentes instituições, além de editores do periódico. Os participantes do evento podem interagir e esclarecer dúvidas sobre os temas, por meio do envio de mensagens via chat.

“Serão oferecidas palestras sobre diferentes temáticas, como a importância de publicar desde a graduação, redação científica para principiantes e História da Entomologia Agrícola na Amazônia entre outros assuntos de interesse de alunos de graduação e pós-graduação. Além disso, durante a mesa redonda de encerramento, com a participação de membros do Conselho Editorial, vamos discutir o percurso de um ano da Revista, os resultados alcançados, os desafios e perspectivas futuras ”, explica o pesquisador da Embrapa Acre, Rodrigo Santos, editor-chefe da Entomology Beginners.

Sobre o periódico

Lançado em outubro de 2020, o periódico brasileiro Entomologia Iniciantes é dedicado à divulgação científica de resultados de pesquisas desenvolvidas na graduação, em formato de comunicações breves, nos idiomas português, espanhol ou inglês. São divulgados trabalhos acadêmicos como publicações científicas, relatórios de pesquisa, monografias e trabalhos de conclusão de curso, recebidos em fluxo contínuo e sem taxa de publicação para os autores.

A Entomology Beginners é uma revista jovem, mas já possui DOI (Digital Object Identifier), um indexador digital composto por números e letras, que identifica publicações on-line e permite verificar em que repositório o trabalho foi publicado. O DOI atribuído a um trabalho facilita seu acesso e aumenta conforme as chances de aceitação pela comunidade científica.

Dulcivânia Freitas, Jornalista DRT/PB 1063-96
Núcleo de Comunicação Organizacional
Embrapa Amapá
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Macapá/AP

Startup Day 2021 discute demandas do ecossistema de inovação neste sábado (22)

No próximo dia 22 de maio, acontece a 7ª edição do Startup Day, das 13h às 19h, o evento mais esperado pelos empreendedores amantes da tecnologia e inovação. Mais uma vez, as atividades serão gratuitas e realizadas em ambiente 100% online, com a presença de mais de 20 especialistas. Além de tratar das tendências de mercado, o evento discute as principais demandas do ecossistema de inovação no país, como atrair investimentos, oportunidades de negócios, inovação aberta e como buscar novos mercados fora do país.

Essa edição do Startup Day é idealizada pelo Sebrae e co-criada com a comunidade de inovação do país e de todo o Sistema Sebrae. A programação foi elaborada para startups em todos os níveis de maturidade – curiosidade, ideação, operação e tração. A abertura do evento acontece a partir das 13h, com a palestra “Investir no Brasil, por onde começar?”, na plenária virtual com Carol Paiffer, CEO e sócia-fundadora da ATOM Investimentos, sócia do Instituto Êxito de Empreendedorismo e conhecida também como jurada do game show Shark Tank Brasil.

No ano passado, na primeira versão virtual, o Startup Day foi um grande sucesso. O evento ficou entre os ‘top five’ no Brasil. Foram mais de 10 mil inscritos na 6ª edição, com a participação de 54 palestrantes que se revezaram durante 10 horas de evento. A expectativa, conforme aponta Natalia Bertussi, analista de Inovação do Sebrae, é alcançar esse mesmo número de participantes, impactando interessados em todo o país.

Nesta edição diversos conteúdos são apresentados aos participantes para que possam consumir durante o dia 22 de maio e continuar se capacitando após o evento. Tudo isso por meio do Portal Startup Day, que traz conteúdo sobre o mercado de negócios das startups para quem tem apenas uma ideia inovadora ou para aqueles empreendedores que buscam escalar.

Além disso, a nova plataforma traz um ambiente de oportunidades onde o empreendedor pode encontrar iniciativas do Sebrae e de parceiros, como o InovAtiva Brasil, Startout Brasil, Capital Empreendedor, We Ventures, entre outros. Foi criado ainda um espaço para exposição de startups, com a participação de empresas atendidas pelo Sistema Sebrae em todo o país.

Inclusão e bioeconomia

O empreendedorismo negro também ganhou destaque nesta edição do Startup Day com o painel “Black Power” com o convidado Carlos Humberto, CEO Founder da Startup Diáspora Black, reconhecida como uma das seis empresas que mais fazem bem ao país, e Sérgio All, CEO da startup Conta Black, comunidade financeira que se propõe a resolver o desafio da desbancarização e a exclusão financeira. A moderadora convidada é Head Startup Cubo Itaú, Amanda Graciano.

A bieconomia no contexto digital também faz parte da programação com discussão sobre as oportunidades para negócios inovadores a partir do uso sustentáveis dos recursos naturais da Amazônia. A moderação feita pelo diretor técnico do Sebrae, Bruno Quick, com a participação do gerente de inovação do Sebrae, Paulo Renato Cabral; da CEO e cofundadora da Amazônia Hub, Kaline Rossi e da CEO da Startup Manioca e reconhecida como empreendedora do ano pelo Conselho da Mulher Empresária, Joanna Martins.

Amapá

Segundo a diretora técnica do Sebrae no Amapá, Marciane Santo, o Sebrae tem se posicionado como indutor no processo de desenvolvimento do espírito empreendedor e disseminador de conhecimento sobre gestão empresarial, buscando facilitar o desenvolvimento do ecossistema dos pequenos negócios inovadores, por meio da formação de uma grande rede centrada em inovação.

“Em 2017 entrou no planejamento estratégico do Sebrae, o primeiro Projeto Startup em Macapá, com objetivo de fomentar e acelerar o crescimento dos pequenos negócios inovadores de Macapá, bem como, conectar os demais atores que atuam e fomentam a inovação. O projeto foca em capacitações, mentorias, programa de aceleração, missão empresarial e conexão”, explica a diretora técnica do Sebrae no Amapá, Marciane Santo.

Momento atual

O Amapá possui 18 Startups Mapeadas, dentre elas, seis (6) startups estão em tração com oferta de serviços altamente inovador, colocando o Amapá no radar do fomento aos negócios digitais. A proposta para 2021, é estruturar o ecossistema de inovação, contribuir para um centro de aceleração, fomentar o parque tecnológico, apoiar e realizar eventos estratégicos e fortalecer a cultura empreendedora em Startups.

De acordo com a analista de projeto do Sebrae no Amapá, Josseli Pantoja, é necessário mais startups dentro da fase de curiosidade. Para tal, é muito importante a mobilização de instituições de ensino para o fomento a educação empreendedora em startups junto aos alunos.

“A consultoria especializa, é um forte aliado estratégico para uma empresa, pois ajuda a estruturar as principais áreas de um negócio digital, desde a elaboração da estratégia da empresa, construção de um time especializado, consultorias para escalar o negócio, consultoria de finanças para startup dentre outras”, declara a analista de projeto do Sebrae no Amapá, Josseli Pantoja.

Memória

O Sebrae, é um dos principais atores no desenvolvimento das Startups e principalmente, na economia digital no estado do Amapá. Desde 2014, o Sebrae vem realizando ações de fomento, de incentivo a empreendedores no meio digital, na área de tecnologia. Em setembro de 2014, o Sebrae no Amapá, realizou o primeiro Startup Day, que foi um evento com a participação da Proesc, OrçaFascio, ABS Startup, e mais 280 pessoas. Um Marco nesse início de fomento ao desenvolvimento de uma cultura tecnológica.

Em 2015, o Sebrae passou a reunir e a trafegar junto a parceiros no estado, como Universidade Federal do Amapá (Unifap), Instituto Federal do Amapá (Ifap), Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia (Setec) e tantos outros; e junto com a Techstar que é uma instituição de Aceleração das Startups no Brasil e no mundo, criou uma Rede de Parceiros que permitiu que em novembro de 2015, a gente realizasse o primeiro Start-AP na Expofeira de Macapá; foi um dos eventos dentro da Expofeira com o objetivo de selecionar ideias inovadoras, naquela época a Agência Amapá, foi a instituição que capitaneou todo esse processo dentro da Expofeira; e também o Start-AP, foi uma chamada para o Startup Weekend, que é um evento da Techstar, um dos nossos parceiros e que foi realizado no Ifap, em novembro de 2015.

Serviço:

Denyse Quintas
Fonte: Sebrae Nacional
Unidade de Marketing e Comunicação: (96) 3312-2832
Central de Relacionamento: 0800 570 0800

Professor da UNIFAP toma posse como Acadêmico Estrangeiro da Academia Real Nacional de Farmácia de Madrid

O professor José Carlos Tavares Carvalho, coordenador do Laboratório de Pesquisa em Fármacos, Departamento de Ciências Biológicas e da Saúde, da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), irá compor o quadro de Membros Titulares da Real Academia de Farmácia de Madri, Espanha. A solenidade de posse será sediada no Auditório do Conselho Regional de Farmácia (CRF-AP), por videoconferência em razão do momento pandêmico. A transmissão será hoje, 18 de maio, às 14h, no canal do YouTube do Laboratório de Pesquisa em Fármacos pela plataforma Zoom Meetings.

Tavares vai ocupar a cadeira de Acadêmico Correspondente Estrangeiro, com o título: Acadêmico Excelentíssimo Sr. Dr. Bartolomé Ribas Ozonas, que têm um dos tratamentos mais ilustres. A Academia nomeia Delegados em seus respectivos países, de modo a representá-la em todos os atos oficiais para os quais é convidada. A deliberação considera se tratar de personalidade científica de grande prestígio em sua área de atuação. O processo de análise durou 12 meses, considerou os pareceres favoráveis dos Acadêmicos em assembleia extraordinária, conforme estabelecido no Estatuto da entidade.

A Real Academia de Farmácia da Espanha tem a sua origem em 1737, sua função é de incentivar a pesquisa e o estudo das Ciências Farmacêuticas e afins. Aconselhar o Governo da Nação, administrações públicas, organismos públicos, a Agência Espanhola de Medicamentos, Agências Científicas, Tecnológicas e quaisquer instituições públicas ou privadas que o solicitem, em tudo o que se refira a Ciências Farmacêuticas e Medicamentos, e tudo o que se relacione com eles e com a promoção da saúde.

Os membros titulares ocupam cadeiras como cientistas notáveis. A solenidade de posse será sediada no Auditório do Conselho Regional de Farmácia (CRF-AP), com transmissão por videoconferência em razão do momento pandêmico. Na cerimônia, o Prof. Dr. Tavares explanará seu pronunciamento com o tema: “Ser Farmacêutico na Amazônia Brasileira”.

Serviço:

Transmissão: https://www.youtube.com/watch?v=uvKScJGYsZg

ou: https://zoom.us/j/3969667115?pwd=SjhRN29sYkovRElzR2dRVGV3VUhkdz09

ID de reunião: 396 966 7115

Código de acesso: 540095

Ascom Unifap

Encontro virtual “O VALOR DA CIÊNCIA”

Promovido pela Academia Brasileira de Ciências (ABC), em parceria com a Nobel Prize Outreach (braço de comunicação da Fundação Nobel), e com apoio da Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação (SESu/MEC), o seminário Diálogo Nobel no Brasil tem o propósito de reunir representantes da comunidade científica brasileira e estudantes de ensino superior em uma sessão virtual para explanar sobre o tema “O Valor da Ciência”.

O evento será dividido em duas etapas e contará com a participação dos laureados May-Britt Moser (Medicina, 2014) e Serge Haroche (Física, 2012) na primeira etapa. Já na segunda etapa serão realizadas duas mesas-redondas com a participação de 40 estudantes de graduação e pós-graduação que terão a oportunidade de interagir com os referidos ganhadores do Prêmio Nobel.

O evento online ocorrerá no próximo dia 8 de abril (quinta-feira), de 10h às 13h30 (horário de Brasília) com transmissão gratuita pelo canal do Prêmio Nobel no YouTube https://www.youtube.com/watch?v=ffmcJedP6Yg (em português) e https://www.youtube.com/watch?v=h7Q2gcgHZWI (em inglês).

Ascom Unifap

Inscrições para Olimpíada Brasileira de Robótica iniciam nesta quinta, 1

A Olimpíada define os representantes brasileiros da RoboCup, evento mundial de robótica – Foto: Rafael Aleixo

Iniciam nesta quinta, 1, e seguem até o dia 19 de maio as inscrições para o maior evento de robótica do país, a Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR). A competição tem o objetivo de estimular jovens às carreiras científico-tecnológicas, identificar jovens talentosos e promover debates e atualizações no processo de ensino-aprendizagem.

Todos os anos, dezenas de estudantes amapaenses participam da competição, sendo alguns medalhistas e chegando às etapas finais. A Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia (Setec) é parceira do evento e vem apoiando os estudantes com disponibilização de espaço com internet e com orientações sobre as diversas etapas.

Podem participar estudantes do Ensino Fundamental, Médio ou Técnico que complete no máximo 19 anos em 2021. Não é necessário participar da Modalidade Teórica para poder participar da Modalidade Prática.

Desde a última edição, o evento ocorre totalmente de forma virtual por conta da pandemia. A OBR é dividida nas modalidades prática e teórica, oportunizando a troca de conhecimento, como explica o secretário de Ciência e Tecnologia, Rafael Pontes, que também é coordenador local do evento.

“A OBR é um importante instrumento de conexão entre grupos que estudam e que fazem da robótica um caminho para o processo de construção do conhecimento na ciência, tecnologia e inovação. Além de promover de forma lúdica a conexão entre o saber científico e a prática através da competição e da troca de experiência entre os aprendizes e os mais experientes”, explica o secretário e coordenador local do evento.

Um professor ou tutor é responsável pela inscrição dos estudantes, atribuição da modalidade e configuração das informações da equipe. O professor/tutor da equipe deve ser vinculado a uma escola ou ONG com fins educacionais. A instituição da equipe será a mesma do professor/tutor que cadastrar a equipe.

A Olimpíada define os representantes brasileiros da RoboCup, evento mundial de robótica, programado para acontecer em junho de 2021. Mais informações sobre a OBR podem ser acessadas em: www.obr.org.br.

Foto: Rafael Aleixo

Como funciona

Modalidade Prática: é dividida em 3 níveis e conta com as etapas regionais e estaduais que classificam as equipes de estudantes para a final nacional. Nessa, através de um simulador virtual, o robô do participante deve ser ágil para superar terrenos irregulares, transpor caminhos desconhecidos, desviar de escombros e subir montanhas para conseguir salvar as vítimas desse desastre, transportando-as para uma região segura onde os humanos já poderão assumir os cuidados.

Modalidade Teórica: é composta por uma prova escrita, será realizada por professores/tutores regionais. O teste é preparado por uma comissão de professores e pesquisadores da OBR em uma única fase para o Ensino Fundamental (Níveis 0-4) e em duas fases para o Ensino Médio e Técnico (Nível 5).

Sobre a OBR

A OBR é uma das olimpíadas científicas brasileiras apoiadas pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), que possui duas modalidades que procuram adequar-se tanto ao público que nunca viu robótica quanto ao público de escolas que já têm contato com a robótica educacional.

Rafael Aleixo
Ascom GEA

Ciência: Estado lança programa de pesquisa com incentivo para até 18 projetos na área da saúde

Foto: Arquivo Secom

Por Ailton Leite

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Amapá (Fapeap) lançou na última segunda-feira, 27, o edital de chamada pública para a 5ª edição do Programa de Pesquisa para o SUS: Gestão Compartilhada em Saúde – PPSUS no Amapá.

A ideia é apoiar financeiramente o desenvolvimento de pesquisas que buscam contribuir para as prioridades de saúde da população amapaense. A novidade é que, nesta edição, serão financiados até 18 projetos atendendo diferentes eixos – cada um deles com linhas de pesquisa voltadas aos impactos da covid-19 no Amapá.

O PPSUS é um programa do Ministério da Saúde e do Ministério da Ciência e Tecnologia em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Ele é estabelecido por meio de um convênio entre a Fapeap e o CNPq e, envolve uma contrapartida financeira do Governo do Estado. No Amapá, o programa é coordenado pela Fapeap em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde (Sesa).

A diretora-presidente da Fapeap, Mary Guedes, explica que, nesta edição, a ação contará com um investimento de R$ 800 mil – destes, R$ 200 mil são contrapartida do Estado.

“Conseguimos dobrar o valor total dos recursos disponíveis para o programa, que na última edição disponibilizou R$ 386 mil”, destacou.

Os projetos devem atender os seguintes eixos temáticos: doenças transmissíveis; doenças crônicas não transmissíveis; saúde materno infantil; agravos relacionados à violência; trabalho e meio ambiente; e fluxos e processos de gestão.

“‘Devido à pandemia, o Ministério da Saúde solicitou a inclusão, em cada eixo, de uma linha de pesquisa referente a estudos e impactos da covid-19 no Amapá”, acrescentou.

O lançamento da Chamada pública será na página da Fapeap, no endereço eletrônico www.fapeap.ap.gov.br.

Já o envio das propostas deve ser encaminhado por meio de um formulário eletrônico disponível no Sistema de Informação de Ciencia e Tecnologia em Saúde (SISC&T), que pode ser acessado no endereço http://sisct.saude.gov.br/sisct. As propostas devem ser encaminhadas até o dia 4 de setembro.

Para submissão, os candidatos precisam ter mestrado ou doutorado; graduados podem compor a equipe de pesquisa.

PPSUS Amapá

A 1ª edição do Programa de Pesquisa para o SUS: Gestão Compartilhada em Saúde – PPSUS ocorreu em 2004 e financiou 5 projetos. Desde a 1ª edição até a 4ª, lançada em 2016 e que ainda está com alguns projetos em execução, já foram investidos aproximadamente R$ 1,5 milhão em projetos de pesquisas relacionadas a saúde no Amapá.

Café com Ciência: vídeo da apresentação da bibliotecária da Embrapa Amapá em Lisboa (POR), na 9ª Conferência Luso-Brasileiro de Acesso Aberto.

A bibliotecária da Embrapa Amapá, Ade Belém , apresentou a experiência desta instituição chamada “Café com Ciência”, na 9ª Conferência Luso-Brasileiro de Acesso Aberto, em Lisboa (POR). O evento ocorreu no período de 2 a 4 de outubro, no Instituto Universitário de Lisboa. A apresentação está nesse vídeo, fique por dentro! É um belo trabalho de divulgação científica.

Dulcivânia Freitas, assessora de comunicação Embrapa Amapá.

Assista ao vídeo: 

Exposição de projetos no Dia “C” da Ciência

Nesta quarta-feira, 17, acontece o Dia “C” da Ciência: Exposição dos Projetos “Leva Ciência”. Os trabalhos desenvolvidos por acadêmicos de instituições de ensino público e particular vão estar expostos no hall da Universidade do Estado do Amapá (Ueap) das 8h às 12h, em Macapá.

Os visitantes poderão conhecer, entre outros trabalhos, O Biovaso: reaproveitamento de resíduos de biomassa para a produção de vasos ecológicos; Compósito fabricado com resíduo de papel com aplicação designer de produtos; Diálogos sobre a depressão na adolescência: falar é preciso e A bucha vegetal como alternativa sustentável na produção de mudas de plantas.

A programação faz parte da 15ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) que traz como tema em 2018, “Ciência para a Redução das Desigualdades”. O evento é realizado pelo Estado do Amapá em parceria com instituições de ensino e pesquisa de 16 a 21 de outubro. A abertura ocorreu na segunda-feira, 15, no Teatro das Bacabeiras.

A SNCT é uma iniciativa do Ministério da Ciência, Tecnologia Inovações e Comunicações (MCTIC) que busca dar destaque à produção científica no Brasil, envolvendo instituições públicas e particulares de ensino e pesquisa de todo o país, com temáticas diferentes a cada edição.

Serviço:

Diego Diniz
Telefone: (96) 9 8400-2106
Assessoria de comunicação