Nota de Pesar

O Ministério Público do Amapá (MP-AP) manifesta o mais profundo pesar pelo falecimento, na data de hoje (17), do diretor da Rádio Universitária, professor doutor em Comunicação Aldenor Benjamim dos Santos.

Extremamente inteligente e extrovertido, o padre Aldenor, além da falta que fará aos seus familiares, deixará, essa grande lacuna na formação de jornalistas na Universidade Federal do Amapá (Unifap), onde lecionava e dirigia a emissora, com a qual o MP-AP firmou parceria. E, como pároco de Macapá deixa a lembrança da alegria e espontaneidade das suas celebrações eucarísticas.

Foto: facebook da jornalista Márcia Fonseca

Pedimos a Deus que o receba e conforte o coração dos seus familiares, amigos. jornalistas, e todos os alunos e corpo docente da Unifap e membros da Diocese de Macapá neste momento de dor.

Homenagem ao Quino – Por Marcelo Guido

Por Marcelo Guido

Quino o insuperável ser do traço.

Se vai Quino, um amado argentino, sua criação nos fez pensar e refletir.

Mafalda, era uma bela menina, traços lindos de uma criança. Tão belos que encantava crianças e adultos, a mais de cinquenta anos.

A menina doce, que com ar angelical questionava como poucos, os problemas políticos, científicos e até de gênero, quando ninguém quase falava nisso.

Influenciando, uma série de artistas, pensadores, políticos e pessoas comuns , como esse que lhe escreve.

Se vai a vida, fica a história.

Agradeço por seus traços, por seus escritos e pelo que muito que aprendi com a adorada Mafalda, uma menina de quase 8 anos que odeia sopa.

Sem ser repetitivo, ou com uma pieguice salutar te digo, você sai da vida, mas já se encontrava na história.

O homem permanece vivo em sua obra.

Obrigado por tudo, Quino. 1932 – 2020.

*Marcelo Guido é jornalista.

 

 

 

Morre Quino, criador de Mafalda, aos 88 anos – #RipQuino

Quino em 2014 (Photo by Carlos Alvarez/Getty Images)

Quino, cartunista responsável por animar nossas lições de português com as tirinhas de Mafalda, morreu esta semana aos 88 anos, informou Daniel Divinsky, editor do quadrinista, no Twitter. Por enquanto, não há causas da morte divulgadas.

Joaquín Salvador Lavado – Quino – é criador de Mafalda, a menininha de cabelos escuros e cheias de questionamentos profundos sobre a vida. Os quadrinhos dele foram os mais traduzidos da língua espanhola.

O cartunista é argentino. Nasceu em 1932 em Mendoza. Perdeu os pais ainda adolescente, e começou a trabalhar com desenhos e animações em Buenos Aires. Mafalda veio anos mais tarde, em 1964 (foi criada dois anos antes para uma propaganda que nunca foi para frente). Ele publicou em periódicos até 1973, quando aposentou a personagem.

As tirinhas da criança-prodígio renderam a Quino o posto de um dos maiores quadrinistas da história. Ganhou diversos prêmios pelo mundo, e sua exposição de 50 anos de trabalho viajou pelas maiores capitais da Europa, tendo foco em Milão, Itália, onde morou boa parte da vida.

Quino era casado com Alicia Colombo desde 1960. Ela morreu em 2017, e ele voltou para a cidade natal, Mendoza, onde permaneceu até falecer também.

Meu comentário: a criação de Quino nos deu uma menina preocupada com as desigualdades do mundo. Mafalda nos fez refletir e até mesmo enxergar. O cartunista dizia que ela foi só um desenho que deu certo. Jamais! “Não é que não haja bondade..o que acontece é que ela está incógnita”- Mafalda, do Quino.

Fonte: Revista Rolling Stones.

Que o Bira siga pela luz. Valeu, artilheiro!

Contratado junto ao Remo, Bira fez parte da equipe colorada que conquistou o Brasileirão de forma invicta Juan Carlos Gomez / Agencia RBS

Um dos maiores do futebol amapaense, Ubiratan do Espírito Santo, o popular Bira, subiu hoje. Ele faleceu aos 65 anos, vítima de câncer de fígado. Além de grande artilheiro, ele foi um baita cara porreta.

Bira começou no Esporte Clube Macapá, mas o Fernando Canto disse que eles jogaram juntos no Flamenguinho do Laguinho. Foi campeão de quase tudo que disputou como amador e profissional.

Foto: site do Remo

Bira passou pelo Paysandu, de Belém-PA, mas foi um dos maiores (se não o maior) artilheiro da história do Clube do Remo, também de Belém, e campeão brasileiro invicto com o Internacional de Porto Alegre-RS, em 1979. Ele passou por vários times: Atlético-MG, Juventus-SP, Náutico-PE, Novo Hamburgo-RS, Brasil de Pelotas-RS, Aimoré de São Leopoldo-RS, Tiradentes-PA e encerrou a carreira no Vila Nova, de Castanhal-Pa.

Inter campeão brasileiro 1979 — Foto: Bira Espírito Santo/Arquivo Pessoal

O artilheiro era amigo do meu saudoso pai, Zé Penha. Tem até uma história bacana, de uma das vezes em que ele veio do Sul e fez umas farras legais com papai e com outro amigo nosso, o Augusto Aragão (Nariz). A mãe do Bira foi à casa dos meus avós paternos para que o delegado Espíndola (meu avô que já virou saudade) prendesse um Passat verde zerado que o craque havia acabado de comprar e era a viatura das noitadas. A genitora, com medo de um acidente, fez esse pedido inusitado e foi atendida. O resultado é que o meu pai (goleiro), o Nariz (zagueiro) e o craque seguiram a festejar, de táxi, a vida.

Eu e Bira, em um encontro de trabalho quando ele era administrador do Estádio Zerão, em 2011. Amigo e eterno artilheiro!

Tive o prazer de conviver com o Bira em um período da minha vida, entre 2004 e 2009, e rir bastante dele e com ele, pois o cara era engraçadão, bem-humorado, boa praça e muito gente fina.

Minhas condolências à família e amigos do Bira. Que ele siga pela luz que irradiou por aqui. Valeu, artilheiro!

Elton Tavares

*Fotos: GE/AP – Sites do Remo e Internacional e Jornal do Sul. 

Nota de Pesar da Secult/AP

Foi com muita tristeza e pesar que nós, da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), recebemos neste domingo (13), a notícia do falecimento do músico Laurindo Pereira Trindade, de 86 anos. O popular “Lolito do Bandolim” faleceu na Unidade Básica de Saúde do Zerão, em Macapá, vítima de uma parada cardíaca.

Lolito deixa a esposa, com quem foi casado desde os 18 anos, a senhora Maria das Neves Ferreira Trindade, e seis filhos. Entre eles, os jornalistas Luiz Trindade (que também é ator e humorista) e Leonardo Trindade (também músico, diretor e integrante do Grupo Pilão).

Lolito tocou com grandes nomes, entre eles, Jair Rodrigues, Paulinho da Viola, Altamiro Carrilho e Sebastião Tapajós, além de parceiros como o mago do violão e maestro, Nonato Leal e Sebastião Mont’Alverne. Ele também integrou o grupo Seono, formado por Sena Bastos, Oneide Bastos, Zé Crioulo, Leonardo, Carlinho e Orivaldo. Depois fez parte do Grupo Café com Leite formado por Leonardo, Noé, Sena Bastos, Sobral, Oneide, Carlinhos e Orivaldo.

Além do  grupo Matéria Prima, formado por ele e seus familiares, o filho Leonardo, o sobrinho Dílson, o neto Gillan e o amigo Ruy. Lolito também montou outro grupo chamado Lolito & Banda, com Beto, Lindomar (filho), Leonardo (filho) e Cesar (neto). Além do Amapá, Lolito fez shows Brasil afora e gravou dois CD’s coletivos, além de DVD, todos em homenagem à Macapá.

Nos últimos anos, Lolito se apresentava com o grupo Vou Vivendo, juntamente com  o cantor (e jornalista)Humberto Moreira, e Beto 7 Cordas (Violão).

Lolito foi de uma importância histórica na música amapaense, pois foi parceiro de Noé, Amilar Brenha e Nonato Leal. Sua contribuição para a cultura local é incalculável.

Nesse momento de tristeza, nos solidarizamos com amigos e familiares de Lolito. E agradecemos por tudo que ele fez pela nossa cultura. Que Deus receba este músico criativo, o maior bandolinista do Amapá, com a alegria que ele merece !

Evandro Milhomen
Secretário de Estado da Cultura

Valeu, Lula. Até a próxima vez!

Eu e Lula, em 2015

Hoje perdi um velho e querido amigo. O cantor, compositor e instrumentista, pai de dois caras (um deles muito meu brother, o Brunão), Lula Jerônimo, partiu para as estrelas. O “cabra da peste” bruto, muitas vezes ranzinza e sincero ao extremo e “Painho” dos malucos, boêmios e músicos de Macapá, descansou neste primeiro dia de setembro aos 74 anos.

Lula, nos anos 80 e 90. Fotos encontradas nas páginas de Facebook do Thomé Azevedo e Pat Andrade

O velho marinheiro tocador pintou aqui há mais de 30 anos, com a viola nas costas e música nas mãos. Logo conquistou a admiração e respeito do povo daqui. Mas somente este ano, no último dia 4 de fevereiro, ganhou o título de Cidadão Macapaense, concedido pela Câmara Municipal ao velho cancioneiro. Só que o Lula, que nasceu em Recife (PE), já era daqui do meio do mundo há tempos, em nossos corações.

Lula em 2018, antes de adoecer. Foto: Sal Lima

Sempre guerreiro, Lula lutou muito pela vida. Em dezembro de 2018, ele foi vítima de um Acidente Vascular Cerebral (AVC). De lá pra cá, com a ajuda de sua família e amigos, fez tudo para se recuperar. Até teve uma melhora por um tempo, mas segundo o Brunão, seu filho, de uns tempos para cá, piorou bastante. E em decorrência dessa enfermidade, hoje pela manhã, virou saudade.

Niver do Lula na casa dele. Na foto estão: eu, Sal Lima, Chico Terra, Lula e Bruno Jerônimo, em 2018.

Lula era/é “cabra brabo” e muito gente boa. Humanista, militante de causas sociais e crítico visceral. Foi baita cara legal, trabalhador e guerreiro. Pernambucano de nascimento, ex-marinheiro e amapaense de coração, o artista escolheu Macapá como lar e por aqui viveu por décadas. E que vida!

Jerônimo foi também foi parceiro de boemia do meu falecido pai, José Penha Tavares. Papai nos apresentou em alguma farra do no início dos anos 90, quando comecei a frequentar a noite amapaense. Se duvidar, os caras formam lá do outro lado.

Eu e Lula, quando eu cobria um evento no Sebrae/AP, em 2019.

Me deu um certo arrependimento de não ter ido visitar o Lula em 2020. Mesmo antes da pandemia, não fui. Ele sempre me dava um esculacho por eu estar porrudo de gordo, mas depois voltava a ser o cara carinhoso que sempre foi comigo. A última vez que nos encontramos foi em 2019. E foi muito bom.

Lula com os filhos. Foto: Patrícia Andrade

Ao Bruno e seu irmão Felipe, minhas condolências. Desejo que Deus conforte seus corações. Ao músico da velha guarda que subiu hoje, minha homenagem e agradecimento.

Com o Lula, no bar e restaurante Norte das Águas, no início dos anos 2000

Mestre Lula, valeu pelas cervejas, pelas cantorias e tocadas. Pelos ralhos e pela amizade. Vamos sentir saudades. Eu e esse bando de doidos que te amam. Até a próxima vez, amigo!

Elton Tavares

Nota de Pesar da Secult/AP

Foi com muita tristeza e pesar que nós, da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), recebemos nesta terça-feira (1), a notícia do falecimento do cantor, compositor e violonista Luiz Jerônimo, de 74 anos. O popular “Lula Jerônimo” morreu em uma clínica de Macapá, na manhã de hoje.

Há alguns anos, o artista sofria por conta de um Acidente Vascular Cerebral (AVC). Ele se recuperou por um período, mas seu estado de saúde se agravou nos últimos meses.

Lula era pernambucano de Recife (PE). Ele serviu na Marinha do Brasil e ao deixar de ser militar, seguiu a carreira de músico. Jerônimo aportou no Amapá em março de 1987. Aqui tocou com todos os grandes nomes da música amapaense. O artista chegou a gravar um disco, que imortaliza sua obra.

Aqui tocou em vários locais, mas talvez o mais emblemático, por conta da época, tenha sido Bar Lennon. A contribuição de Lula Jerônimo como músico para o cenário cultural de Macapá, onde se apresentou em incontáveis shows e festivais, é imensa.

O velório de Lula Jerônimo ocorrerá nesta quarta-feira (2), das 13h às 15h, na Capela Renascer, localizada na Avenida Duque de Caxias, Nª 269 – Centro de Macapá, entre Jovino Dinoá e Odilardo Silva. O sepultamento será às 16h, de amanhã, no Cemitério São José de Macapá.

Nesse momento de tristeza, nos solidarizamos com amigos e familiares de Lula Jerônimo. E agradecemos por tudo que ele fez pela nossa cultura. Que o cancioneiro nordestino – que fez do Amapá sua terra e aqui nos encantou com seu violão – siga em paz.

Evandro Milhomen
Secretário de Estado da Cultura

Nota de Pesar

Os sentimentos da nossa família à família do Altamir Rezende, o nosso queridíssimo Mineiro, pela sua prematura partida. Quase 50 anos de convivência e construção de uma profunda e sólida amizade, com carinho e respeito, de parte a parte.

Mineiro, um sonhador, um empreendedor, um gerador de emprego e renda, que ajudou a construir o nosso Território e em seguida o nosso Estado, que adotou como seu, e em particular o município de Tartarugalzinho, do qual foi Prefeito de 1993 a 1996.

Perde o Amapá, perde Tartarugalzinho, perdem os amigos e perdem os familiares deste incansável cidadão Mineiro/Amapaense.

Que ele descanse na Paz de Deus.

Iraçu Colares
Presidente do Sistema Faeap/Senar/Sindicatos Rurais e do Conselho Deliberativo do Sebrae/AP

Boletim oficial 12/08, às 18h: Amapá tem 38.801 casos confirmados de coronavírus; em Macapá são 15.996 casos e 606 óbitos em decorrência do Covid-19 #FicaEmCasa

O Centro de Operações de Emergência em Saúde Pública (COESP) traz novo relatório com dados sobre a covid-19 no Amapá com 165 novos casos confirmados sendo 32 em Macapá, 62 em Santana, 25 em Laranjal do Jari, 14 em Oiapoque, 11 em Pedra Branca, 9 em Vitória do Jari, 2 em Tartarugalzinho, 6 em Ferreira Gomes e 4 em Calçoene.

Também há o registro de dois novos óbitos dos dias 29 de junho e 10 de julho, ambos no município de Macapá. As vítimas, um homem de 69 anos e uma mulher de 68 anos, sem comorbidades declaradas.

Painel geral de casos pela covid-19:

Casos confirmados 38.801 (sendo: Macapá 15.996/ Santana 5.740/ Laranjal do Jari 3.885/ Mazagão 1.286/ Oiapoque 2.196/ Pedra Branca 2.394/ Porto Grande 1.021 / Serra do Navio 568/ Vitória do Jari 1.678/ Itaubal 286 / Tartarugalzinho 832/ Amapá 428 / Ferreira Gomes 526/ Cutias do Araguari 522 / Calçoene 1.107/ Pracuúba 336).

Recuperados: 26.773
Óbitos: 606

Casos confirmados hospitalizados: 70
Sistema público: 61 (18 em leito de UTI /43 em leito clínico)
Sistema privado: 9 (9 em leito de UTI /0 em leito clínico)

Casos suspeitos hospitalizados: 23
Sistema público: 8 (0 em leito de UTI /8 em leito clínico)
Sistema privado: 15 (0 em leito de UTI /15 em leito clínico)

Total em isolamento hospitalar: 93

Isolamento domiciliar: 11.352
Em análise laboratorial: 2.667
Descartados: 23.690

Casos suspeitos declarados pelos municípios:

Macapá: 1.281
Santana: 921
Laranjal do Jari: 0
Mazagão: 207
Oiapoque: 338
Pedra Branca do Amapari: 12
Porto Grande: 380
Serra do Navio: 25
Vitória do Jari: 45
Itaubal: 9
Tartarugalzinho: 10
Amapá: 67
Ferreira Gomes: 0
Cutias do Araguari: 162
Calçoene: 76
Pracuúba: 39

Total: 3.564.

Assessoria de comunicação do GEA

Boletim oficial 07/08, às 17h: Amapá tem 37.964 casos confirmados de coronavírus; em Macapá são 15.805 casos e 599 óbitos em decorrência do Covid-19 #FicaEmCasa

O Centro de Operações de Emergência em Saúde Pública (COESP) traz novo relatório com dados sobre a covid-19 no Amapá com 229 novos casos confirmados, sendo 50 em Macapá, 84 em Santana, 15 em Laranjal do Jari, 22 em Oiapoque, 4 em Pedra Branca, 21 em Porto Grande, 10 em Vitória do Jari, 10 em Itaubal, 9 em Amapá, 1 em Ferreira Gomes, 3 em Calçoene.

Também há o registro de cinco novos óbitos nos municípios de Macapá e Porto Grande. Destes, 4 são casos antigos que estavam em investigação epidemiológica. Um deles aconteceu em maio, dois em junho e um em julho. Não houve registro de óbito nas últimas 24 horas.

Em Macapá: quatro vítimas, entre elas, três mulheres: uma de 45 anos (doente renal e neoplásica), falecida em 30 de julho; uma de 60 anos (com doença pulmonar obstrutiva crônica e lúpus), falecida em 5 de junho; e outra de 79 anos (sem comorbidades declaradas), falecida dia 21 de junho. A vítima do sexo masculino tinha 60 anos (hipertenso, diabético e possuía comorbidade relacionada à obesidade), e faleceu dia 7 de maio.

Em Porto Grande: óbito de um homem de 76 anos (sem comorbidade declarada), falecido dia 5 de agosto.

Painel geral de casos pela covid-19:

Casos confirmados 37.964 (sendo: Macapá: 15.805 / Santana: 5542/ Laranjal do Jari: 3800 / Mazagão: 1.144/ Oiapoque: 2161/ Pedra Branca: 2359/ Porto Grande: 1.006 / Serra do Navio: 560 /Vitória do Jari: 1609/ Itaubal: 284 / Tartarugalzinho: 821/ Amapá: 418 / Ferreira Gomes: 517 / Cutias do Araguari: 522 / Calçoene: 1.080 / Pracuúba: 336).

Recuperados: 26.002
Óbitos: 599

Casos confirmados hospitalizados: 76

Sistema público: 66 (22 em leito de UTI / 44 em leito clínico)
Sistema privado: 10 (10 em leito de UTI / 0 em leito clínico)

Casos suspeitos hospitalizados: 34

Sistema público: 14 (0 em leito de UTI / 14 em leito clínico)
Sistema privado: 20 (1 em leito de UTI / 19 em leito clínico)

Total em isolamento hospitalar: 110

Isolamento domiciliar: 11.287
Em análise laboratorial: 2.681
Descartados: 23.159

Casos suspeitos declarados pelos municípios:

Macapá: 1.727
Santana: 896
Laranjal do Jari: 0
Mazagão: 216
Oiapoque: 342
Pedra Branca do Amapari: 12
Porto Grande: 394
Serra do Navio: 40
Vitória do Jari: 45
Itaubal: 7
Tartarugalzinho: 538
Amapá: 59
Ferreira Gomes: 0
Cutias do Araguari: 162
Calçoene: 76
Pracuúba: 39
Total: 4.553

Assessoria de comunicação do GEA

Boletim oficial 06/08, às 18h: Amapá tem 37.735 casos confirmados de coronavírus; em Macapá são 15.775 casos e 594 óbitos em decorrência do Covid-19 #FicaEmCasa

O Centro de Operações de Emergência em Saúde Pública (COESP) traz novo relatório com dados sobre a covid-19 no Amapá com 408 novos casos confirmados sendo 59 em Macapá, 72 em Santana, 20 em Laranjal do Jari, 22 em Mazagão, 11 em Oiapoque, 7 em Porto Grande, 2 em Serra do Navio, 37 em Vitória do Jari, 10 em Itaubal, 157 em Tartarugalzinho e 11 em Calçoene.

Também há o registro de seis novos óbitos no município de Macapá. Desses, 5 são casos antigos que estavam em investigação epidemiológica, eles ocorreram 4, 17 e 18 de junho e 3 e 17 de julho. O último óbito ocorreu em 6 de agosto.

Entre os óbitos, um homem de 42 anos (com neoplasia). Cinco vítimas do sexo feminino: uma de 61 anos (cardiopata e hipertensa); duas de 68 anos (uma sem comorbidades declaradas e outra doente renal); Além de duas vítimas de 93 anos (uma cardiopata e outra sem comorbidades declaradas).

Painel geral de casos pela covid-19:

Casos confirmados 37.735 (sendo: Macapá 15.755 / Santana 5.458/ Laranjal do Jari 3.785/ Mazagão 1.144/ Oiapoque 2.139/ Pedra Branca 2.355 / Porto Grande 985 / Serra do Navio 560 / Vitória do Jari 1.599 / Itaubal 274 / Tartarugalzinho 821 / Amapá 409 / Ferreira Gomes 516 / Cutias do Araguari 522 / Calçoene 1077 / Pracuúba 336).

Recuperados: 25.864
Óbitos: 594

Casos confirmados hospitalizados: 67

Sistema público: 58 (21 em leito de UTI / 37 em leito clínico)
Sistema privado: 9 (9 em leito de UTI / 0 em leito clínico)

Casos suspeitos hospitalizados: 36

Sistema público: 14 (0 em leito de UTI / 14 em leito clínico)
Sistema privado: 22 (0 em leito de UTI / 22 em leito clínico)

Total em isolamento hospitalar: 103

Isolamento domiciliar: 11.210
Em análise laboratorial: 2.761
Descartados: 23.037

Casos suspeitos declarados pelos municípios:

Macapá: 1.720
Santana: 892
Laranjal do Jari: 0
Mazagão: 216
Oiapoque: 378
Pedra Branca do Amapari: 12
Porto Grande: 387
Serra do Navio: 40
Vitória do Jari: 45
Itaubal: 10
Tartarugalzinho: 538
Amapá: 59
Ferreira Gomes: 3
Cutias do Araguari: 162
Calçoene: 76
Pracuúba: 39

Total: 4.577.

Assessoria de comunicação do GEA

Nota de Pesar da Secult

Mestre Jorge – Foto: Gabriel Penha

É com profundo pesar que todos da Secretaria de Estado da Cultura (Secult) receberam a notícia, nesta quarta (5), do falecimento de Jorge Silva, de 89 anos de idade, ícone da cultura do município de Mazagão Velho e da tradicional Festa de São Tiago. Infelizmente, mais uma vítima do novo coronavírus (Covid-19).

Jorge Silva, conhecido como “Mestre Jorge” deixa a esposa, “tia Flor”, os filhos – entre eles Verônica do Marabaixo e o vereador e presidente da Câmara do Mazagão, José Hosana Silva – e muitos netos.

Folião da festa de Nossa Senhora da Piedade e cantor de marabaixo, Mestre Jorge trabalhou pelas tradições da cidade. Participou da Festa de São Tiago – uma das maiores manifestações culturais do Amapá – por pelo menos 60 anos, como cavaleiro na Batalha entre Mouros e Cristãos. Na encenação, integrava a tropa cristã.

Jorge Silva foi um dos cidadãos mais ilustres de Mazagão Velho e um dos mais antigos fazedores e incentivadores da cultura e tradição da cidade.

O Amapá perde Mestre Jorge, mas fica o seu incalculável legado na contribuição para a existência da festividade de São Tiago através dos anos e da cultura em geral de Mazagão velho.

Todos nós, da Secult, nos solidarizamos com a dor de seus entes queridos. Pedimos a Deus que conforte o coração de familiares e amigos enlutados. Externamos nossas sinceras condolências por sua partida inesperada e nossos agradecimentos ao grande homem que ele foi.

Evandro Milhomen
Secretário de Estado da Cultura

Boletim oficial 05/08, às 18h: Amapá tem 37.318 casos confirmados de coronavírus; em Macapá são 15.696 casos e 588 óbitos em decorrência do Covid-19 #FicaEmCasa

Nota Explicativa

O boletim oficial desta quarta-feira, 5, informa sete óbitos. São todos casos antigos que estavam em investigação. De acordo com o levantamento, foram registrados quatro óbitos nos dias 11, 16 e 17 de junho. Os outros três ocorreram nos dias 7, 15 e 17 de julho. Não houve o registro de óbitos nas últimas 24 horas.

IMPORTANTE: o boletim a seguir contém tanto os dados acima citados quanto os números que são atualizados diariamente pelas equipes da Secretaria de Estado de Saúde (Sesa), Superintendência de Vigilância em Saúde (SVS) e prefeituras.

⚠ Boletim oficial de casos de covid-19 no Amapá | 05.08, às 18h ⚠

O Centro de Operações de Emergência em Saúde Pública (COESP) traz novo relatório com dados sobre a covid-19 no Amapá com 319 novos casos confirmados sendo 56 em Macapá, 55 em Santana, 15 em Laranjal do Jari, 67 em Mazagão, 3 em Oiapoque, 5 em Pedra Branca, 3 em Porto Grande, 50 em Vitória do Jari, 4 em Itaubal, 6 em Tartarugalzinho, 8 em Amapá, 3 em Ferreira Gomes, 5 em Calçoene, 39 em Pracuúba.

Também há o registro de sete novos óbitos município de Macapá e Ferreira Gomes. Eles aconteceram de 11 a 17 de junho e de 7 a 17 de julho. Em Macapá, três vítimas do sexo feminino, uma de 57 anos (cardiopata); outra, de 75 anos (doente renal), e uma idosa de 85 anos (hipertensa). Entre as vítimas do sexo masculino, um de 61 anos, outro de 68 (ambos hipertensos), e um de 79 (doente renal). Em Ferreira Gomes, a vítima foi um homem de 74 anos (com comorbidades relacionadas à obesidade).

Painel geral de casos pela covid-19:

Casos confirmados 37.318 (sendo: Macapá 15.696/ Santana 5.386 Laranjal do Jari 3.765/Mazagão 1.122/ Oiapoque 2.128/ Pedra Branca 2.355/ Porto Grande 978/ Serra do Navio 558/ Vitória do Jari 1.562/ Itaubal 264/ Tartarugalzinho 664/ Amapá 409 / Ferreira Gomes 516 / Cutias do Araguari 513/ Calçoene 1.066/ Pracuúba 336).

Recuperados: 25.492
Óbitos: 588

Casos confirmados hospitalizados: 81

Sistema público: 70 (18 em leito de UTI / 52 em leito clínico)
Sistema privado: 11 (11 em leito de UTI / 0 em leito clínico)

Casos suspeitos hospitalizados: 34

Sistema público: 10 (0 em leito de UTI / 10 em leito clínico)
Sistema privado: 24 (1 em leito de UTI / 23 em leito clínico)

Total em isolamento hospitalar: 115

Isolamento domiciliar: 11.152
Em análise laboratorial: 2.761
Descartados: 22.729

Casos suspeitos declarados pelos municípios:

Macapá: 1.715
Santana: 886
Laranjal do Jari: 0
Mazagão: 229
Oiapoque: 381
Pedra Branca do Amapari: 12
Porto Grande: 374
Serra do Navio: 40
Vitória do Jari: 117
Itaubal: 8
Tartarugalzinho: 681
Amapá: 62
Ferreira Gomes: 0
Cutias do Araguari: 335
Calçoene: 76
Pracuúba: 39

Total: 4.955

Assessoria de comunicação do GEA

Força aos libaneses!

Guardadas as devidas proporções, as imagens de parte da zona portuária de Beirute, a capital do Líbano, emanando um cogumelo explosivo de proporções gigantescas só encontram equivalência nas assustadoras, terríveis, tenebrosas e inauditas imagens das Torres Gêmeas desmoronando, esfarelando-se diante dos olhos do mundo inteiro, naquele fatídico 11 de setembro de 2001.
Por que guardadas as devidas proporções?


Porque, há quase 19 anos, morreram 2.977 pessoas no atentado ocorrido com o uso de aviões em Nova York. Ontem, na tragédia libanesa, temos mais de 100 mortes confirmadas e cerca de 4 mil pessoas feridas.

Se recuarmos mais no tempo, as imagens que nos chegam do Líbano evocam os cogumelos atômicos erigindo-se dos solos de Hiroshima e Nagasaki, há 75 anos, naquela hecatombe que pôs fim à Segunda Guerra Mundial.

Crédito: Karim Sokhn / Instagram / Ksokhn + Thebikekitchenbeirut / via REUTERS

Infelizmente, ninguém – nem mesmo as autoridades libanesas – pode afirmar neste momento se o número de mortes vai subir um pouco mais ou avassaladoramente mais, eis que as condições para o início do monitoramento dos escombros ainda não são ideais.

De qualquer forma, é desalentador, é muito triste, é indescritivelmente horrendo sabermos que um País como o Líbano, com décadas – pelo menos desde os anos 1970 – de conflitos internos e agressões externas, está sendo palco de nova tragédia, e ainda mais num momento como este, em que a crise econômica já está sendo expressivamente agravada por esta pandemia.
Constrange e lancina a alma ouvirmos relatos de tanta gente – brasileiros, inclusive – que, vivendo no Líbano e sob o impacto dessa tragédia, prenuncia dias ainda mais difíceis para o País.


Força aos libaneses. Força, libaneses.Almejar isso para esse povo talvez seja até desnecessário, diante do histórico de conflitos que têm enlutado várias de suas gerações, há décadas.

De qualquer forma, o calor da solidariedade é o mínimo que podemos fazer, independentemente das distâncias que nos separam, para ajudar os libaneses a superar mais essa tragédia.

Fonte: Espaço Aberto.