Hoje rola aniversário de 44 anos do Banco da Amizade

b276e78805e8a73c6acaf606900864fe_L

Construído em 1971, o banco da amizade faz parte da história do bairro do Laguinho. Todos os anos a comemoração de aniversário é animada, há 38 anos é regada a muito marabaixo, samba, churrasco, caldo e atrações regionais. O banco é símbolo de muitas conversas e causos dos moradores que cresceram participando das animadas reuniões entre amigos.

O evento ao redor do banco, espaço criado para a contação de causos e histórias dos moradores do bairro, é uma oportunidade de encontro de velhos e novos moradores, que garantem a importância histórica do local, caracterizado por tradições da cultura negra.

A festa de aniversário dura todo o dia. É tradição a matança de um boi para fazer o famoso guisado e caldo para distribuir à comunidade e convidados. É o que explica Renato Américo, 53 anos, filho de Renato Matos (o Rato), um dos fundadores do banco.

“A gente começa a se programar cerca de seis dias antes, matamos um boi e distribuímos para os convidados e para a comunidade, fazemos um guisado e um caldo, isso até às 16h. A partir desse horário começam as atrações musicais, sempre tem marabaixo, samba, cantores da região. A programação sempre vai até 00:00h do dia 26”, contou o morador do bairro do Laguinho.

História

A proposta de usar um banco para ponto de encontro e conversação entre amigos do bairro do Laguinho surgiu com os moradores Renato Matos, o “Rato” e Raimundo Souza, conhecido, o “Sacaca”, ambos já morreram.

Localizado na Rua General Rondon, entre as avenidas José Antônio Siqueira e Padre Manoel da Nóbrega, o Banco da Amizade foi montado com estrutura em madeira, ao lado direito da via, em 1971. Cinco anos depois, ele foi realocado para o lado esquerdo da rua, e construídos em alvenaria, na calçada da Escola Estadual General Azevedo Costa.

As reuniões aconteciam sempre aos fins de tarde, na saída da escola, ou após uma “pelada” no campinho de futebol que se localizava onde hoje é a Una. Mesmo depois de tantos anos, a tradição não se perdeu, conta Renato.

“São muitas anedotas, histórias. Hoje nós nos reunimos em alguns domingos do mês, a jovem e a velha guarda. Fazemos churrasco, jogamos conversa fora. A tradição continua mesmo somente aos domingos, por conta dos afazeres do dia-a-dia, geralmente a partir de 11h”, pontuou.

Segundo Renato, a comemoração de aniversário do banco é o 2º natal dos amigos do Laguinho, devido a importância da festividade para os moradores. A programação da comemoração deste ano deve ser definida nos próximos dias pelos moradores.

Fonte: Jornal do Dia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *