Banzeiro do Brilho-de-Fogo: ensinando a arte de tocar tambores, fazer adereços e instrumentos de percussão

Por Mariléia Maciel

Iniciado há dois meses, o projeto Banzeiro do Brilho-de-Fogo continua formando batuqueiros e ensinado a arte de fabricar instrumentos e adereços artesanais em Macapá. Mais de cem homens e mulheres de todas as idades participam das três oficinas oferecidas e são os primeiros integrantes preparados para o cortejo que sai oficialmente nas ruas em dezembro deste ano. O projeto, coordenado pelo músico Adelson Preto, é inspirado no Arraial do Pavulagem, do Pará, e tem o apoio cultural da Prefeitura de Macapá.

Idealizado para ser a porta de entrada da população nas manifestações culturais, que em Macapá é fortalecida nos tradicionais marabaixo e batuque, o projeto é executado em etapas, que encerra no final do ano. Sob o comando de Adelson, um grupo de instrutores com capacitação técnica e empírica se revezam nas aulas das oficinas Rítmica, de Adereços e Fabricação de Instrumentos. Todas voltadas para o objetivo final, que é apresentar o resultado do projeto no Cortejo do Banzeiro do Brilho-de-Fogo.

“Tudo que ensinamos é aproveitado dentro do projeto. Os instrumentos usados nas oficinas rítmicas são resultado da oficina de fabricação de instrumentos, onde usamos material reciclável, como caixas de madeira e couro de boi, que geralmente são desprezados pelos produtores de animais. Os adereços produzidos nas oficinas de artesanato irão adornar os tambores e roupas dos participantes do Banzeiro”, explica o coordenador. 

As três oficinas, que iniciaram em maio e encerram em junho, estão acontecendo no Quilombo do Curiaú, e somente a Rítmica segue itinerante em pontos onde são formados grupos de aprendizes. Nos meses de agosto e setembro as oficinas retornam, e logo após, começam os ensaios fechados unindo todos os integrantes das oficinas rítmicas para aprenderam a se movimentar com os instrumentos e fazerem a divisão de espaços físicos. Outubro e novembro foram reservados para os ensaios abertos, no total cinco, com  a participação de artistas locais, onde a população vai poder assistir, dançar e se familiarizar com os sons e músicas.

“Em dezembro, com todos afinados e enfeitados, vamos fazer o grande Cortejo do Banzeiro do Brilho-de-Fogo, e sair pelas ruas cantando nossas músicas, tocando nossos tambores e chocalhos. O projeto veio para aproximar a população de nossa cultura, e promover a inclusão social e cultural”, diz o coordenador. Ele fala ainda que o repertório é formado por músicas do cancioneiro regional e populares, como “ladrão” de marabaixo e “bandalho” de batuque.      

A Oficina Rítmica Itinerante já foi realizada no bairro Marco Zero, no Locoreggae, e neste final de semana encerra na Casa Fora do Eixo. De 22 a 27 de junho ela será levada para o Espaço Caos, na Procópio Rola, Centro de Macapá. Em julho está agendada no Projeto Gangapé, no Araxá, e na Sub Prefeitura Zona Norte. As oficinas são de graça e quem tiver interesse deve procurar a coordenação nos fones 9130-5276/8113-6730. 

Fotos: Márcia do Carmo e Mariléia Maciel 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *