Copa do Brasil 1991, a epopeia do Tigre – Crônica de Marcelo Guido

Crônica de Marcelo Guido

O futebol  como já disse  não é esporte é jogo, e dependendo do dia, lua, destino ou sei lá o que muitas vezes o mais fraco ganha do mais forte. Dentre muitos capítulos já escritos pelos Deuses da bola, de certo, um dos mais espetaculares é a conquista do Criciúma na Copa do Brasil em 1991.

Então vamos lá, a Copa do Brasil é realmente um dos campeonatos mais singulares que existem, times de todas as regiões se enfrentam e de lá o campeão ganha a oportunidade única de tentar a conquista da América no ano seguinte.

Em 1991 apenas os campeões e  alguns vices dos estaduais participavam do torneio, o que dava aquela enxugada, nesta edição apenas 32 clubes largaram da primeira fase, não tinha o papo de eliminar o jogo de volta, era torneio raiz.

Dentro de tal contexto, o torneio de 91 apresentava ao mundo um certo Luiz Felipe Scolari e seu esquadrão amarelo, preto e branco que com um futebol vistoso conquistou o titulo inédito e colocou no mapa o futebol catarinense.

O “tigre”, como é chamado carinhosamente o Criciúma, fez uma uma campanha acima da regularidade e com nomes como Sarandi, Roberto Cavalo (craque), Soares e um endiabrado Jairo Lenzi levantou a Copa do Brasil em uma final épica contra o todo favorito Grêmio.

Rezando a cartilha de Felipão, que deixou de lado a Série B, o time sem estrelas ou medalhões mostrou um conhecimento tático superior, um respeito as inevitáveis falhas e aprendeu a fazer valer o mando de campo, se em casa o time tornou-se quase imbatível, fora jogava com inteligência e no esquema fechadinho, dando ênfase ao contra ataque.

Na primeira fase o time arrancou um empate magro contra o Ubiratan (MS) 1×1, e aplicou uma goleada honrosa no segundo jogo (4×1), nas oitavas encarou um Atlético Mineiro, apostando nos erros do adversário duas vitórias, as duas pelo placar mínimo 1×0. Nas quartas veio o Goiás, o esmeraldino contava com Túlio Maravilha em alta, mas conseguiu um 0x0 no Serra Dourada e um 3×0 em casa, o time já começava a chamar atenção.

Nas semifinais o tigre catarinense enfrentou o leão azul da Antônio Baena. Brilhou a estrela do artilheiro Soares, que garantiu o gol da vitória na primeira partida no Pará e ainda fez mais um em casa. Resultados Remo 0x1 Criciúma e Criciúma 2×0 Remo.

A Final.

O capítulo a parte, o Grêmio de Porto Alegre, campeão do mundo. Em má fase com certeza, o tricolor gaúcho tinha acabado de ser rebaixado no nacional semanas antes e via a oportunidade de salvar o ano indo para a libertadores no mesmo ano. A zebra, ou melhor, o tigre mostrou mais uma vez sua força e fora de casa, nos domínios do adversário, segurou o ímpeto do rival e arrancou um suado 1×1.

Em casa, o Criciúma precisava empatar sem gols, para levantar a taça. E assim o fez, 0x0 perante 20 mil torcedores  que comemoraram a conquista inédita em casa, invicto, foram 6 vitórias e 4 empates.

O Criciúma mostrou a todos que camisa, imprensa e falatório não ganhavam jogos e nem torneios, o que até para o mais fervoroso torcedor parecia sonho era a mais linda realidade.

O Time fez bonito na Libertadores, ficou em quinto, meteu uma sacola no São Paulo na primeira fase, e vendeu caro a desclassificação, mas este é um texto de celebração, ficamos com o fantástico título de 91, que mostrou a luta árdua de um dos muitos Davis do futebol, contra os Golias da Bola.

O futebol é incerto e digo, por isso é maravilhoso.

Salve o Criciúma campeão do Brasil em 91.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.