No manicômio (devaneio de Ronaldo Rodrigues)

 

 
De repente, ouviu-se um barulho ensurdecedor. Era a tarde que caía.
 
O diabo do filho do vizinho passou com sua banda, fazendo um barulho dos infernos.
 
O silêncio que imperava pegou sua coroa e saiu de mansinho, já caindo no chão, morto de vergonha.
 
Sentiu-se um forte cheiro de tinta. Era a meninada pintando o sete.
 
Com uma enorme colher, a empregada alimentava a vã esperança de que tudo se ajeitasse.
 
As pessoas atiravam em todas as direções, tentando matar o tempo.
 
Ouviu-se uma pancada e um berro desafinado. O relógio tinha batido a hora errada.
 
O cheiro de comida veio da cozinha armado até os dentes de alho e invadiu a sala prometendo matar todo mundo… de vontade de comer.
 
Ronaldo Rodrigues
Compartilhe isso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*