O ostranauta

rr

Crônica de Ronaldo Rodrigues

O ostranauta é um cara ensimesmado, circunspecto, sorumbático, meditabundo, que viaja sem rumo ao redor de seu umbigo.

O ostranauta é todo aquele que segue a vida dentro de sua carapaça de tartaruga. Ele ouve os sons ao seu redor, está conectado com o mundo, mas prefere o seu próprio planeta, a sua ostra. Por isso, ele é um ostranauta.

A bordo de sua ostra, ele se imagina dentro do útero, da caixa de fósforos, da gaveta, da concha… Há uma multidão de inadaptados, esquecidos, marginalizados, banidos. Mas o ostranauta, mais do que ser um exilado, é um exilado por opção, um autoexilado. Ele não quer mesmo papo com o mundo exterior. Só o que interessa é o seu grupinho das redes sociais. Ele tem milhões de horas de internet grátis à sua disposição. Tempo e assunto são coisas que não faltam. Não se sabe se os assuntos são interessantes. Na maioria das vezes, quantidade é uma inimiga terrível da qualidade. Alguns aproveitam a modernidade da internet para disseminar ideias racistas, homofóbicas, xenofóbicas, claustrofóbicas… Outros ostranautas ficam apenas se divertindo com piadas bobas, que não precisariam de toda essa tecnologia para existir. Ou postando / compartilhando / curtindo vídeos idiotas. Ou sacaneando saudavelmente seus amiguinhos (reais e virtuais). Ou…

Entre num ônibus e você verá vários ostranautas guardados no seu mundinho. Vá ao shopping e encontre o maior número de ostranautas por metro quadrado. Eu estou me esforçando para ser um ostranauta. Preciso acompanhar os tempos, senão vou acabar falando sozinho. Que nem os ostranautas.

Compartilhe isso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*