O “vate” ou “Uma homenagem esdrúxula para Fernando Canto”

Por Renivaldo Costa (Jornalista, professor, sociólogo e escritor E-mail: tgmafra@gmail.com) 

O “Barba”, como costumo chamar Fernando Canto – Foto: Blog Canto da Amazônia.

Fernando Canto é nosso maior poeta. E como tal, merece uma homenagem fora das convenções, como esta abaixo.


“O Poeta, este fantasma-hermético do Sonho, mestre em delatar a Hipocrisia, o Canalha e a Beleza. Falando, eloqüente; vagante em brumas cuja polpa tem gosto de loucura…

O Poeta, este médium-estrambótico; inato-capaz de vislumbrar o Doce e a Fealdade, o Sonho e a Rea-lidade, respectivamente. Falando, eloqüente, numa psicografia-talentosa do Ser; mastigando as cordas de aço do amor: esse sentimento tão explorado pelas mentes-incapazes de não seguirem os pulsões do inconsciente-selvagem & Belo.

Fernando Canto – Foto: Blog Papel de Seda.
A Arte, suas imagens-tênues, outras, às vezes, suas figuras-fortes, ícones da Tragédia da Existência; fetiches do cômico-existir, gravuras-talhadas com o dedo do amor ao Livre, a Liberdade e a Emoção das criaturas.

O Poeta nos diz seus pesadelos e sonhos com cores tão belas, que até nos persuade e convence a também querer ter sonhos e pesadelos como os dele, a querer ser como ele, que é como Raul.

Fernando e o lendário jornalista Hélio Penafort (1976)- Foto: Acervo Edgar Rodrigues.

O Poeta, muitas vezes, chama-nos ao Suicídio; esse ato-natural dos corpos que em nascimento, já começam a morrer… corpos-suicidas; escondidos e ofuscados… perdidos sob a moita “acolhedora” do tempo, da efemeridade, do famoso-fugaz devir a ser.


O Poeta, anunciador de feelings ditos em palavras-conjugadas em frases, máximas, orações… como em uma espécie d’alquimia-divina e monstruosa: semelhante à cozinheira que faz dos mais azedos-frutos, ácidos-licores e sórdidos-alimentos – faz-los iguaria d’onerosa-cor, divino-aroma e palada-r-altivo.
Os poetas Fernando e Osmar Junior – Foto: Blog Canto da Amazônia.

A Grande-Obra poética de Fernando Canto? Equi Cio. ¿É o nirvana do Vate? …A verve, o insight-transubstanciado em vinho-santo; a contemplação do Cosmos, do Caos; o vislumbrar tudo-isso belamente: o Grande-Mundo, o Hermético-Universo, com poéticos-olhos-nus – estes potentes-telescópios… miúdos-caleidoscópios-carnais; inato-óculos-nato e lúcidos – colorida-retina d’Altivez, Grandeza – Sublimidade.

_______

Publicado no jornal Diário do Amapá, de 01/04/11
Meu comentário: Concordo com Renivaldo, Fernando Canto é nosso maior poeta. Certa vez escrevi sobre ele: “Fernando poetiza e relata as peculiaridades do Amapá com sacadas históricas incríveis”. Bom, todo o resto já foi dito pelo Renivaldo. Abraço Barba!

Compartilhe isso!

Deixe um comentário

Commentários
  1. Jeremias Berdinazzi

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*