Do bem? Nem tanto… (por @JucaraMenezesAM )

Por Juçara Menezes

Gosto dos do mal, admito. Eles são mais fascinantes, convenhamos, mas há também os anti-herois igualmente encantadores. Os caras fazem o que é certo, com a leve diferença de execução.

Wolverine é do bem, mas nem tanto. Em suas histórias em quadrinhos, ele simplesmente mata seus oponentes. Ora, existe melhor jeito para exterminar esta raça, acabando com o mal pela raiz?

O médico Gregory House, do seriado de mesmo nome, é o melhor profissional do mundo fictício. Ele não desiste até achar a cura das enfermidades de seus pacientes, sempre os tratando com ironia e seus subordinados como tal, além de ter uma paixão nada secreta pela diretora do hospital, com quem vive às turras.

Dexter Morgan apareceu na minha vida e veio para ficar. O oficial forense é um serial killer que segue um código: matar somente assassinos que por falha da justiça, estão a solta. É um rapaz que presta um bom serviço a comunidade, no fim das contas, ajudando a tirar o lixo. Queria como meu vizinho.

E o Poderoso Chefão? Minha frase predileta: “O homem que não tem tempo para a família não é um homem de verdade!”.Na contramão, também tenho tendências a crueldades e coisas afins, mas só em pensamento. Faço de tudo para não prejudicar os outros e morro de medo de ter uma arma. Sabe Deus o que poderia acontecer, num momento de fúria (se bem que na última vez que vi uma, quase tive um troço).

As definições de bem e mal acabam se confundindo com estes personagens. Acho ótimo porque eu não assisto TV para achar o sentido da vida, mas para ter distração e inflar a vontade secreta de fazer igualzinho…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *