Famílias que ocupam área ao longo da Rodovia Norte Sul são cadastradas para inclusão no Conjunto Miracema

13515325_1214030601983302_1192875061_n

O governo do Estado se comprometeu em concluir até a próxima semana o cadastramento das famílias que ocupam a área ao longo da Rodovia Norte/Sul, cuja reintegração de posse foi determinada pela Justiça Federal. O trabalho objetiva incluir as famílias comprovadamente carentes em projetos habitacionais, com prioridade para o Conjunto Miracema, que será construído na área invadida e que vai beneficiar 5 mil famílias com moradia.

As obras do conjunto devem iniciar nos próximos meses. Tanto o projeto quanto a licitação já foram aprovados pelo Ministério das Cidades. O governo do Amapá aguarda apenas a liberação dos recursos.

As medidas foram anunciadas durante reunião ocorrida nesta terça-feira, 21, no prédio da Justiça Federal. A Comissão Mista criada pela Assembleia Legislativa para acompanhar o caso e presidida pela deputada Luciana Gurgel, reuniu com o juiz João Bosco Soares, gestores do governo do Estado e representantes das famílias. Estiveram presentes os deputados Paulo Lemos, Ericláudio Alencar, Augusto Aguiar e o vereador Washington Picanço.

O juiz João Bosco disse entender que muitas pessoas que ocupam a área necessitam de moradia mas argumentou que a ocupação não pode ocorrer de forma desordenada, seguindo critérios pessoais, e sem o acompanhamento do Estado. Há riscos envolvidos pois além de ser parte de um sitio aeroportuário, o local já foi destinado ao Fundo Nacional de Habitação para a construção do Conjunto Miracema.

A deputada Luciana Gurgel pediu aos técnicos do governo que tivessem a preocupação de preparar as famílias para ocupar os apartamentos de modo que não ocorram os problemas atualmente enfrentados nos conjuntos Macapaba e Mucajá, onde tem crescido a violência e a ocorrência de conflitos entre os próprios moradores.

Nesta quarta-feira, 22, a Comissão Mista deve procurar a Advocacia Geral da União (AGU), a pedido do deputado Augusto Aguiar. A proposta é que seja assinado um TAC para a permanência das famílias até o início das obras do Conjunto Miracema.

Texto: Ediana Franklin
Fotos: Renivaldo Costa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *