Justiça do Amapá une famílias através da adoção

adotar (4) (1)

Um casal de professores é mais um exemplo de sucesso na adoção. Eles procuraram a Justiça, através da Vara da Infância e Juventude da Comarca de Santana, realizaram sua inscrição no Cadastro de Adotantes (CNA), participaram do Encontro Preparatório para Pretendentes à Adoção, seguiram todos os passos e após um ano de espera, receberam o tão esperado telefonema dizendo que existia uma criança para adoção.

Queríamos uma criança a partir de 7 anos de idade, e nossa filha tinha apenas 3 meses quando fomos contactados para a adoção, mas não pensamos duas vezes, pois a vontade de ser pais, de ter uma criança por perto e poder dividir o amor que temos um pelo oadotar (5)utro com ela, nos fez mudar de ideia e adotá-la ainda bebê”, conta o pai.

Agora com 2 anos e 3 meses, é a criança que encontrou no casal o lar e a família que precisava.

O período de espera é um dos pontos que mais preocupam os casais. Para isso, contam com acompanhamento psicológico e psicossocial, e há um cruzamento de dados para garantir maior compatibilidade.

adotar (2)Esse tempo muitas vezes é necessário, pois adotar é semelhante a gestar um filho, o casal precisa estar preparado para as mudanças em seu cotidiano e precisamos ter certeza que eles estão preparados, que não irão desistir no meio do processo, pois isso é um desastre para as crianças também”, explica a juíza Larissa Noronha Antunes, titular da Vara da Infância e Juventude da Comarca de Santana.

A adoção por meio do Cadastro de Adotantes (CNA) é uma das formas legais para casais interessados em iniciar uma família adotando uma criança. A Justiça do Amapá auxilia em todo o processo com encontros, visitas e informações aos casais que aguardam por um filho, além dos trâmites jurídicos.

Texto: Andréa Maciel
Fotos: Kelison Neves
Assessora de Comunicação Social/ TJAP

Compartilhe isso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*