SAMBÓDROMO ABANDONADO PELA SECULT (Égua-moleque-tu-é-doido)

12516025_1089933327694474_620181785_n

A Liga Independente das Escolas de Samba do Amapá / Liesap, há meses vem enfrentando dificuldades em cumprir o que rege o Estatuto Social e Regulamento do Carnaval.

Às vésperas de iniciar o processo eleitoral que vai eleger Presidente e Conselho Deliberativo da entidade para o triênio 2017/18 e 19, a Liga está impossibilitada de reunir com sua diretoria executiva e presidentes das agremiações carnavalescas, na sede da Liesap.

A Escola Sambódromo de Artes Populares R. Peixe, onde funciona a Liesap, está há dois meses sem energia elétrica é água. O quadro de abandono do local é assustador. Sob a gerência da Secretaria de Cultura do Estado/Secult, o Sambódromo está “jogado às traças”, em todos os sentidos. Local está sendo invadido pela bandidagem e larápios. Assaltos a estudantes e passantes pela área do estacionamento, são registrados constantemente, a qualquer hora do dia e da noite. Existe apenas um segurança para “guardar” todo o espaço.

Além de não cumprir o objetivo de sua existência, o Sambódromo amapaense está nessa total escuridão por falta de administração comprometida com a cultura tucuju.

A Liesap tem procurado, insistentemente pelo administrador do Sambódromo para que seja tomado providências e exterminar o caos por que passa o berço da cultura amapaense, mas infelizmente não tem obtido êxito. ” As poucas pessoas que frequentam a sala da administração do Sambódromo, dizem não saber nem quem é que manda no local”, relata o diretor da Liesap, Helton Jucá, responsável pela elaboração do processo eleitoral da Liga do Carnaval, e vai a Liesap/ Sambódromo diariamente.

Essa semana, o gerador de energia do Sambódromo foi retirado da casa de forças e levado sem ninguém saber pra onde. Com a palavra, o secretário de Cultura.

A Liesap irá protocolar documento na Secretaria de Cultura, exigindo respeito e providências em relação às péssimas condições do prédio. “Sem água, sem luz e sem segurança. Está impossível trabalhar no Sambódromo”, finalizou o presidente da Liesap, Luiz Mota, o Geléia.

Tica Lemos
Diretora Liesap

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *