Sebrae e Embrapa firmam acordo para aumentar reprodução do pirarucu, no Amapá

pira

Por Paula Monteiro

O piracuru é um dos peixes símbolos da Amazônia. Para aumentar a reprodução do animal em cativeiro no Amapá, o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) firmaram um acordo de cooperação técnica’, o qual desenvolve ações de pesquisa e transferência de tecnologias executadas parcialmente no ‘Projeto Pirarucu da Amazônia’.

A exemplo de Tocantins, o Amapá também vai realizar estudos que subsidiem o aperfeiçoamento de formulações de dietas para o pirarucu; gerar conhecimentos que auxiliem no aumento da taxa de sobrevivência dos alevinos da espécie em laboratório, na fase de crescimento, e transferir as tecnologias geradas no âmbito do projeto para multiplicadores do Amapá para. “O desenvolvimento técnico, cientifico e biológico da reprodução do pirarucu vai permitir fomentar o empreendedorismo e mostrar resultados positivos na economia do Estado”, falou o presidente do conselho deliberativo do Sebrae/AP, Mateus Silva.

O acordo também permitirá a implantação de uma estação de aquicultura no Campo Experimental da Fazendinha (distante dez quilômetros da capital), pertencente a Embrapa Amapá. O espaço sediará o desenvolvimento das atividades de pesquisa e observação do pirarucu. “O estudo será completo e avaliará desde a nutrição, pesagem, crescimento como também seu comportamento para a reprodução até identificarmos os elementos fatores que são importantes para identificarmos aqueles com maior desempenho na reprodução”, explicou o chefe geral da Embrapa/AP, Jorge Yared.

O tanque que abrigará os pirarucus começará a funcionar em junho deste ano. Os primeiros resultados serão colhidos apenas em 2016, devido ao período de reprodução do pirarucu; peixe considerado o “Bacalhau da Amazônia”.

Fonte: Portal Amazônia

Compartilhe isso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*