SECULT GARANTE A REALIZAÇÃO DO CARNAVAL 2011

O secretário de Estado da Cultura, Zé Miguel, anunciou, nesta terça-feira, 25, que, apesar da decisão da Liga das Escolas de Samba do Amapá (Liesa), em não promover o desfile das agremiações, o Carnaval 2011 será realizado no Estado, no período previsto para a quadra carnavalesca. Inclusive no interior.

A Secretaria de Estado da Cultura (Secult) é o órgão responsável pelo repasse às entidades ligadas ao carnaval, como a Associação de Blocos do Amapá (Abloca); Liga Independente dos Blocos do Amapá (Liba); “Aiô Folia”, realizada na zona Norte de Macapá; “Congozada”, que ocorrerá na zona Sul da capital; Caldeirão do Pavão; Afoxé do Formigueiro; e “A Banda”, que acontece todo ano no centro da cidade. A Secult também dá suporte à temporada carnavalesca nos municípios de Santana, Ferreira Gomes e Oiapoque.

Segundo o titular da Secretaria da Cultura, Zé Miguel, o governador Camilo Capiberibe entende que a festa gera emprego, aquece a economia e o turismo no Estado, além de difundir a cultura amapaense e brasileira.

“O investimento no carnaval é válido, pois fomenta nossa cultura. O recolhimento de encargos, a criação de empregos temporários, movimentação do comércio formal e informal e o aumento do turismo justificam o apoio do governo. É fato de que o Carnaval 2011 não terá desfile das Escolas de Samba, mas apoiaremos os blocos e entidades ligadas ao setor. Fortaleceremos a festa na capital e no interior. Realizaremos uma festa dentro de nossas limitações financeiras, trabalhando com seriedade”, explica Zé Miguel.

Cancelamento do Desfile das Escolas de Samba

De acordo com o secretário Zé Miguel, inicialmente, o governador Camilo Capiberibe iria repassar R$ 1,5 milhão para a realização do Carnaval. Deste montante, R$ 1 milhão seria destinado à Liesa (responsável pelo Desfile das Escolas de Samba do Estado) e o restante seria dividido entre as outras entidades carnavalescas.

Mas, após uma reunião ocorrida nesta segunda-feira, 24, a Liga decidiu por não realizar o desfile das agremiações. Segundo a Liesa, o montante é insuficiente para a ação e o órgão decidiu cancelar o desfile.

“Se a Liesa resolver que fará alguma programação nas duas noites que estavam destinadas ao Desfile das Escolas de Samba, com a bateria das escolas, nós apoiaremos. Vamos esperar a decisão da Liga”, pontua Zé Miguel.

Turismo, emprego e aquecimento da economia

De acordo com dados da Secretaria de Estado do Turismo (Setur), no Carnaval 2010 foram contabilizados 133 novos hospedes, em sete hotéis de Macapá, sendo 56 brasileiros e 77 estrangeiros, números que confirmam o aumento durante a temporada carnavalesca.

Conforme números da Secretaria de Estado do Trabalho e Empreendedorismo (Sete), durante o carnaval de 2010, 1.202 empregos temporários foram gerados. A Sete também divulgou o faturamento no Sambódromo de Macapá na temporada carnavalesca passada, no mercado formal e informal, um total de R$ 250.840,00.

“O Carnaval, além de ser a maior festa cultural do Amapá e do Brasil, gera empregos e aquece a economia”, afirma a coordenadora do trabalho da Sete, Nadilma Flexa.

A visão do empresariado

Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares do Amapá (Sindbar), Gilmar Marra, o período do carnaval oxigena o mercado e aumenta o faturamento dos estabelecimentos comerciais de Macapá.

Para ele, o carnaval é tão importante para o seguimento, quanto a quadra junina e a Expofeira do Amapá. De acordo com Gilmar Marra, o calendário do entretenimento deve ser cumprido pelo Governo do Estado.

“Os benefícios do carnaval para os comerciantes do nosso Sindicato é vital. A temporada carnavalesca movimenta a economia no setor hoteleiro, gastronômico e entretenimento. Nós do seguimento ganhamos também, já que a festa não se resume ao Sambódromo de Macapá”, conclui Gilmar.

Elton Tavares
Assessor de Comunicação
Secretaria de Estado da Comunicação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.