“Sexta Cult” promove interação entre artistas e platéia

A Secretaria de Estado da Cultura (Secult) realizou na sexta-feira, 21, no Sambódromo de Macapá, o projeto “Sexta Cult”. De acordo com o coordenador do evento, Piska Martins, o objetivo da ação foi alcançado.

“A estreia foi gloriosa. O público ultrapassou nossas expectativas. Conseguimos promover nossa cultura com shows de artistas renomados e outras vertentes artísticas. Outro fato que nos deixou felizes, foi à abertura de espaço para novos cantores do Amapá”, pontua Piska Martins.

Conforme o coordenador, a Sexta Cult será realizada também no interior do Amapá. “A meta é expandir para todas as sedes dos municípios. Sabemos da ousadia da proposta. Mas, acreditamos que este será um grande passo para o fortalecimento da cultura em nosso Estado”, afirma o coordenador.

A primeira Sexta Cult

Durante o evento, foram comercializadas comidas típicas e bebidas, com o objetivo de angariar fundos para a continuidade do projeto. Cerca de 30 servidores da Secult trabalharam na ação.

As atrações se apresentaram em um palco desmontável, embaixo das arquibancadas do Sambódromo. Na área destinada a Praça de Alimentação do evento foi criado um espaço para feira de artesanato e feiras de CD/DVD, livros e outros produtos ligados a produção cultural e artística.

A programação contou com som mecânico, estátuas vivas, show do secretário de Cultura, Zé Miguel e banda, espetáculo com o Grupo de Teatro Cores das Rotundas, reunindo dança, música, Cordel do Amor Sem Fim, danças regionais, grupos de dança, Grahn Cia Dança com trechos de Corpo e Alma.

A Sexta Cult apresentou também o Grupo Tatamirô com poesia de Herbet Emanuel interpretada por Adriana Abreu, Zequinha e Haylam Chandra, além de outros artistas que foram prestigiar o evento e passaram da plateia para o palco, numa interação inovadora.

“O Amapá tem um rico e variado elenco cultural em vários segmentos artísticos. E este espaço visa não só revelar esses talentos, como oportunizar espaço e gerar mercado”, explica Piska Martins.

Uma característica do projeto será o cumprimento do horário da programação, como nesta primeira edição, que iniciou pontualmente às 18h30. “A iniciativa é um esforço conjunto da secretaria e dos artistas locais, que abriram mão do pagamento por suas participações no evento. A Sexta Cult será um marco cultural no Amapá. Estimulará e fortalecerá o setor artístico. Então resolvemos iniciar o Projeto Sexta Cult”, conclui o coordenador do evento.

Segundo Piska Martins, a Sexta Cult, além de difundir a cultura, será uma nova opção de lazer para a população amapaense. O evento será realizado quinzenalmente e a entrada será franca.

Elton Tavares
Assessor de Comunicação
Secretaria de Estado da Comunicação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.