Dia de Luta da Pessoa com Deficiência e em Macapá a locomoção ainda é considerado um grande problema

acessibilidade5

De acordo com informações da Associação de Deficientes Físicos do Amapá (ADEFAP), em Macapá vivem cerca de 120 mil pessoas com alguma deficiência, deste total, 40% são cadeirantes. Todas eles sentem na pele as dificuldades de locomoção. “Desde 1982, 21 de setembro é nosso Dia de Luta, e na nossa capital a preocupação com quem é cadeirante ou tem outra deficiência, ainda é pouca, somos excluídos e ignorados na cidade, que não nos dá condições de mobilidade”, desabafou Fernando Oliveira, cadeirante.

A principal queixa é relacionada à falta de rampas em prédios e locais públicos, calçadas desniveladas, elevadores sem acesso para cadeiras de rodas, ruas esburacadas, que atrapalham a mobilidade de cadeirantes e deficientes visuais, que ainda têm que disputar espaço nas vias e calçadas com veículos. Estas situações, vividas diariamente, são temas de discussões e reclamações, mas que nunca têm solução por parte do poder público.

Outro problema que causa transtorno para pessoas com deficiência é o transporte coletivo, que deixa os usuários muito tempo esperando, a falta de manutenção nos elevadores nos ônibus, e de sensibilidade de motoristas e empresários que não respeitam a lei que garante que os coletivos parem fora dos pontos para que deficientes físicos desçam com mais facilidade (Lei nº 1813/2010-PMM).

“Todo dia eu agradeço por estar chegando vivo em casa, porque são muitas as barreiras, maus tratos, elevadores de ônibus sem manutenção, rua com buraco, e quando chove é rua com lama que danificam cadeiras. Os direitos dos deficientes não são respeitados em Macapá”, continuou Fernando, que é presidente em exercício da ADEFAP.

“Tudo o que nós queremos é respeito aos nossos direitos garantidos em leis, depois de muitas lutas. Aqui não há fiscalização, carros estacionam em lugares próprios para pessoas com deficiência, e ninguém faz nada. As calçadas são um transtorno, temos que disputar a rua com veículos, uma verdadeira calamidade. Parece que não existimos, nem cadeirantes ou qualquer outra pessoa com deficiência. Esperamos que o próximo nos próximos quatro anos sejamos vistos e respeitados em Macapá”, pede Samuel Silva.

Mariléia Maciel
Ascom/Adefap

Compartilhe isso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*