Poema de agora: Caixa postal – (@ThiagoSoeiro)

Iluistração: Brunna Mancuso

Caixa postal

mudo as estações do rádio
na esperança de te achar
em alguma canção
ou anúncio publicitário
há dias te procuro nos letreiros da cidade
entre as linhas da minha mão
mas parece que você brinca
de esconde-esconde comigo
quando chego
você já saiu
nem nos meus sonhos você aparece mais
fugiu até a última página de um romance velho
tuas iniciais em tinta vermelha
teu nome guardado pra sempre
na estante do quarto
e esse telefone que não toca.

Thiago Soeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *