Poema de agora: “Entre girassóis e querubins” – Marven Junius Franklin.

Entre girassóis e querubins

quando eu era assim bem menor
tinha a mania de esquecer minha razão
na gaveta da cômoda do quarto

então
entre girassóis e querubins
atravessava reinos e vales da morte

banhava-me sob luas imaginárias
e guerreava com dragões em terra de gigantes

meus amigos eram os enlouquecidos saltimbancos
que entre atos circenses e prantos
abriam para mim as velas da criatividade

quando chegava o fim da tarde
depois de viagens mágicas ao fim do mundo
minha mãe me despertava para a dura realidade da sobriedade

Marven Junius Franklin.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *