Poema de agora: Nem sempre um bom lugar – Ramon Tavares

Nem sempre um bom lugar

Avisto daqui, de longe, mas tão perto
ouço somente um chamado,às vezes verso, às vezes prosa
Minhas memórias travam meus passos
O que consigo, é somente levar a minha alma
Pois ela é leve, sem material, sem o pensar e sem as minhas dores

O chamado fica agora mais longe, mesmo eu estando tão perto
O movimento da alma fica mais lento
Ela se torna material, conseguindo o pensar e o entender de existir
Respira, olha, dissimula, enraivece e entristece

Gritos e gritos, não entendendo do porquê o corpo material ficou para trás
Ficou somente a visão de algo velho, cinzento, e inanimado
Mesmo com a luz do sol das 8
Mesmo com o brilho da lua das 9

Eras e eras, enfim a nova alma amadurece
Entendendo o querer
entendendo o pensar
E viu que o que ficou pra trás nem sempre foi um bom lugar

Ramon Tavares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *