Poema de agora: PANDEMÔNIO – Ori Fonseca

PANDEMÔNIO

Quem já pensava o mundo todo acuado
Por quase um nada a nos fazer mais fracos
Não imagina em quanto descompasso
Pode um só monstro a nos deixar de lado.

O amor, o ódio, é tudo inacabado,
Pessoas somem como fossem rastros
Puro algarismo para quem os fatos
São só um destino atroz …. Determinado.

Tudo está escrito, Deus, pobre coitado,
Já não se importa com o fiel pacato.
Fecha seus olhos mil, nega seus braços.

Enquanto o monstro avança em passo largo
Cuspindo ódio e dor no pobre-diabo
Que, por má sorte, lhe cruzar os passos.

Ori Fonseca

*Soneto em decassílabo escrito com rimas toantes, ou seja, quando há conformidade apenas da vogal tônica, ou das vogais a partir da tônica. Para este poema, escolhi as vogais A e O, com a tônica recaindo sobre o A. Como exemplos de trabalhos que se valem dessa técnica há um poema belíssimo da Cecília Meireles, Romance LIII ou Das Palavras Aéreas, do Romanceiro da Inconfidência, e a letra da canção Oração ao Tempo, do Caetano Veloso (Ori Fonseca).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *