Povos indígenas da aldeia Curipi recebem equipe do TJAP na segunda edição da Campanha Maio Laranja

Os povos indígenas da aldeia do Curipi, localizada a 46 quilômetros da sede do município de Oiapoque, receberam, na tarde da última sexta-feira (13), a Campanha “Maio Laranja – Viva Sem Violência! Proteja-se!”, desenvolvida pelo Tribunal de Justiça do Amapá. A jornada está em sua segunda edição este ano e pretende conscientizar mais pessoas para atuarem juntamente com as redes de proteção para que o crime de abuso sexual e exploração de crianças e adolescentes não seja mais cometido.

O titular da 1ª Vara da Comarca de Oiapoque, juiz Roberval Pacheco acompanhado de servidores do Judiciário, apresentou a Campanha “Maio Laranja” aos povos indígenas de etnia Karipuna. A equipe do Judiciário foi recebida pelo Cacique da Aldeia, Edimilson dos Santos Oliveira, que mostrou claramente a satisfação em ter a Justiça mais próxima dos povos indígenas.

“Trazer esse debate para a nossa comunidade é fundamental. Cada um de nós está aqui para trabalhar de forma coletiva para que essa situação não aconteça, pois crimes como esses não acontecem dentro de nossa aldeia”, garantiu o cacique. “Muito importante contar com a Justiça perto de nós. Quanto aos que não estão presentes aqui, iremos repassar as informações para que todos nós sejamos multiplicadores”, prometeu o Edimilson Oliveira.

“Hoje como liderança, não vivenciamos esse tipo de crime, queremos que nossa comunidade mantenha um bom exemplo que sempre teve porque trabalhamos de forma conjunta”, concluiu o cacique Karipuna.

O juiz Roberval Pacheco, da 1ª Vara de Competência Geral de Oiapoque, afirmou que a campanha é fundamental para que essa violência contra as crianças e adolescentes não aconteça. “Viemos até aqui para apresentar a Maio Laranja, mas verificar que crimes de exploração sexual e abuso infantojuvenil não acontecem nessa aldeia nos deixa muito felizes”, relatou.

“Mas vamos levar até a Coordenadoria de Proteção e Garantia dos Direitos dos Povos Indígenas do Tribunal outros problemas relatados pelo cacique, como o alcoolismo e o aprendizado das crianças que estão com dificuldade na aldeia”, enfatizou o magistrado.

Para Leandra Ramos Oliveira, que é filha do cacique e professora na comunidade, a campanha é excelente. “É a primeira vez que vejo esse tipo de trabalho aqui, às vezes não temos orientação nenhuma e agora saberemos como resguardar e proteger nossas crianças e jovens”, frisou.

Coordenadoria de Proteção e Garantia dos Direitos dos Povos Indígenas

Criada pela Resolução nº 1500/2021-TJAP, a Coordenadoria de Proteção e Garantia dos Direitos dos Povos Indígenas no âmbito do Poder Judiciário do Amapá tem como coordenador o desembargador Adão Carvalho. A finalidade do órgão é trazer a comunidade indígena para mais perto do Poder Judiciário e preparar os servidores para melhor atender essa população.

Etnia Karipuna

Os Karipuna fazem parte do complexo de povos indígenas da região do baixo rio Oiapoque, que estão inseridos em redes amplas de intercâmbio, que englobam famílias indígenas ou não-indígenas estabelecidas em aldeias e cidades vizinhas, no Brasil e na Guiana Francesa. A Aldeia Curipi tem origem do nome do Rio Curipi.

Serviço:

Texto: Lilian Monteiro/Oiapoque
Fotos: Maurício Gasparini
Central de Atendimento ao Público do TJAP: (96) 3312.3800
Assessoria de Comunicação Social do TJAP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.