Timothy Snyder apresenta 20 lições sobre a vilania

Por Jonatan Silva

“Não somos mais sábios do que os europeus que viram a democracia dar lugar ao fascismo, ao nazismo ou ao comunismo no século XX. Nossa única vantagem é poder aprender com a experiência deles”, disse o historiador norte-americano Timothy Synder em sua conta no Facebook, dias após Donald Trump ser eleito presidente dos Estados Unidos. O texto foi compartilhado à exaustão e deu origem a Sobre a tirania, livro-manifesto publicado recentemente no Brasil pela Companhia das Letras.

Os vinte capítulos curtos que formam a obra, e são chamados de lições pelo autor, esmiuçam a história do século XX, principalmente os anos precedentes à eclosão da Segunda Guerra (1939 – 1945), para traçar paralelos com o cenário atual. Snyder afirma que a chegada de Trump ao poder – que teria recebido uma mãozinha russa – muito se parece com a ascensão do Terceiro Reich. Como George Orwell (1903 – 1950) explicaria em 1944 no ensaio O que é o fascismo?, a política totalitária assume duas faces muito claras: o determinismo puro e a democracia pura – ambas responsáveis pelo caráter excludente e pela formação de castas de uma nação.

Segundo o historiador, a criação da política de exceção – dos judeus, no caso de Hitler; e dos imigrantes, para o governante americano – é uma das principais convergências ideológicas entre os dois líderes. “Quando os políticos de hoje invocam o terrorismo, estão falando, é claro, de um perigo real. Mas, quando tentam nos acostumar a abrir mão da nossa liberdade em nome da segurança, devemos levantar a nossa guarda”, comenta e completa: “não há nenhum conflito de escolha entre os dois valores”.

Sobre a tirania não se propõe a postular axiomas, entretanto, é um alerta contra o cinismo e contra o conformismo que acredita não haver diferença entre o ideário dos políticos. Snyder coloca em xeque certezas e convida à reflexão, usando as armas do dia a dia: como a arte, a mídia e, claro, a própria consciência.

O segredo, detalha o autor, está na narrativa e no discurso sobre o palanque. “Aqueles que matam a linguagem não são puros”, diria Albert Camus (1913 – 1960) logo nas primeiras páginas de A Queda. Snyder dedica uma de suas lições ao cuidado que devemos ter com o idioma e com a língua. É preciso se afastar dos lugares-comuns e das ideias pré-concebidas. “Afasta-se da internet. Leia livros”, indica.

É impossível não pensar na tríade distópica que ainda ecoa em nossos dias: 1984, de Orwell, Admirável mundo novo, de Aldous Huxley (1894 – 1963), e Fahrenheit 451, de Ray Bradbury (1920 – 2012). O que os três livros têm em comum? A criação de uma sociedade que despreza a linguagem e que suprime os livros. O jornalista Sérgio Augusto, em um brilhante ensaio escrito para a revista Quatro Cinco Um, relembra que a cultura é uma das paranoias do estado obscurantista.

O pragmatismo – para o qual tanto Bauman alertou – é o criador de uma sociedade mecanicista e desumanizada. Timothy é enfático ao aconselhar a relação pessoal, mas não invasiva, entre pessoas de diferentes vertentes de pensamento. De acordo com o escritor, é fundamental que o contato continue a acontecer de maneira educada e natural, sem apelar à dicotomia ou à segregação. Deve-se fugir do que o cineasta Spike Jonze retratou em Ela, uma espécie de “distopia romântica”, como nomeou Almir de Freitas.

Sobre a tirania é, no final das contas, um convite ao debate e ao pensamento democrático e real. Muito mais que defender um ponto de vista, o livro faz do pensamento de Voltaire (1694 – 1778) – resumido na frase escrita por Evelyn Beatrice Hall como tentativa de descrever o espírito de autor: “Posso não concordar com nenhuma palavra do que você disse, mas defenderei até a morte o seu direito de dizê-lo” – um importante exercício contemporâneo de paz e de sobrevivência.

Fonte: Blog do Simão Pessoa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *