Bairros da zona oeste de Macapá participam do Congresso do Povo


Mais de seiscentas pessoas compareceram à quarta plenária do Congresso do Povo, na noite de terça-feira, 4, reunindo moradores e lideranças comunitárias da zona oeste de Macapá (Marabaixo I, II, e III, Jardim América, Cabralzinho, Goiabal, distrito do Coração e comunidades de Ilha Redonda e Curralinho). Bairros que ajudaram ao estado, no decorrer do tempo, a estar em terceiro lugar no último censo do IBGE, em 2010, como um dos estados brasileiros com maior taxa de crescimento demográfico.

O Congresso do Povo, como processo de escuta popular, foi criado para marcar uma mudança na forma de encarar a cidade por meio de um instrumento legal, como é o Plano Plurianual, e assim desenvolver as ações municipais na busca de melhorias de certos aspectos da vida da população por meio de uma construção coletiva. Dos mais populosos, como o Marabaixo e Jardim América, as comunidades com menor quantitativo de moradores, a plenária discutiu inúmeras vezes os problemas que afligem a todos e, principalmente, o caminho para solucioná-las, que é a participação democrática junto ao poder municipal.

Mais onze conselheiros foram eleitos para serem os olhos e ouvidos da população, observando, de dentro da gestão, o arsenal administrativo para a solução das demandas apresentadas. Oportunidade de fazer parte integrante de um processo decisório para o futuro das 250 famílias residentes na Lagoa dos Índios, comunidade quilombola que sobrevive da cultura do açaí, foi o que motivou Danielson Padilha a participar pela primeira vez de uma plenária. “Trouxemos muitas demandas, entre elas a reforma do posto de saúde e iluminação pública. Sabemos das dificuldades do poder público, mas acreditamos que, com esse processo tão próximo da gente, seremos atendidos”, disse o presidente da Associação Quilombola da Lagoa dos Índios e agora também conselheiro do Congresso do Povo.

Para Nilda Oliveira, que viu nascer o congresso, foi uma experiência gratificante. “Acompanho desde o início ‘lutando’ por meu bairro [Jardim América]. Hoje vivemos uma realidade difícil por causa das vias em péssimas condições e dificuldade de transporte coletivo. Porém, o prefeito está sendo maravilhoso, ouvindo as nossas necessidades e se prontificando a nos atender dentro do possível. Aprendi que não dá para desistir nunca e, principalmente, a olhar com carinho para a dificuldade que enfrentamos juntos”.

Representante do Coração, Romilson Bastos foi para agradecer e buscar mais desenvolvimento para a área rural. “Recebemos tanto da prefeitura que me sinto gratificado. Com as ações do Município, muitas famílias permaneceram no campo, graças a Deus. Piscicultura, supervisão dos técnicos da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, cultivo de hortaliças em diversas comunidades, tudo foi crescendo e se organizando, mais do que esperávamos e acreditávamos. Hoje, vim mais forte ainda do que no primeiro congresso que participei”.

Pensar a cidade como uma grande casa tem sido o conceito do prefeito Clécio Luís, que enfatiza a ideia sempre que se refere à participação popular. “Asfalto, ônibus, iluminação pública, apoio à agricultura familiar. São demandas que procuramos atender com os recursos que temos. O que não der entrará no PPA, mas, principalmente, trabalharemos juntos porque faremos o que é prioridade para a população. É ela quem dita o que é a prioridade das prioridades e o fundamental é trabalharmos juntos por essa grande casa, que é Macapá”.

Ruth Helena Carrera
Assessora de comunicação/Secsub
Fotos: Max Renê e Rui Brandão

Compartilhe isso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*