Cinema: hoje rola Mostras em Movimento no Centro Cultural Franco Amapaense

download (8)

Programação no Centro Cultural Franco Amapaense nesta terça-feira, 14 de abril, às 19h:

A BOCA DO ETERNO (80 min).

Vida e obra do intrépido jornalista Otávio Barros. Escritor e pesquisador, estabeleceu o paradigma da historiografia do Estado do Tocantins. Atuou toda a vida como um guerrilheiro das palavras. Em 2012. Anunciou a própria morte em seu jornal.

itineranciatexto2

ATITUDE (2 min).

É um filme que conta a história do ser humano e como ele reage a certas situações. Até aonde vai a fé de um homem, e não se tratando apenas de fé religiosa, e sim a fé em sua própria vida!

images

O QUE NÃO SE PODE TER (5 min).

De tudo aquilo que queremos, há uma parte que não nos cabe.

download (9)

RUA DOS BOBOS (7 min).

Uma mulher, presa a um ambiente que representa seu inconsciente, passa por um processo de desapego com relação ao espaço e aos objetos.

11060244_776777212390748_3185434154526811651_n

E QUE HAJA LUZ! (3 min).

O corpo se descobre através da tinta, descobrindo também o ser externo. O corpo se pinta e se revela.

10476007_776777489057387_3734128756237381697_n

HOMÔNIMO (7 min).

Homem vive os medos e angústias de uma vida solitária. Mas após uma profunda reflexão, percebe que não está tão só em sua vida.

10665901_776776255724177_5663608937049480808_n

1962 O ANO DO SAQUE (45 min).

Em 1962 as forças conservadoras contra o presidente Jango criavam um clima instabilidade no país. Além da crise política faltava aos brasileiros produtos elementares como o arroz, açúcar e feijão. Em meio a este cenário aconteceu, principalmente em Duque de Caxias, um dos maiores saques populares que se tem notícia na história do Brasil no século XX.

Fonte: Fim

Empório do Índio: Bar de Jornalistas (texto de @MarileiaMaciel – via blog do @AndersonFariasj)

 
Bar Empório do Índio agora é ponto preferido para encontro de jornalistas em Macapá. O espaço é considerado democrático e abriga todas as tribos e pensamentos, e quem passa o dia se enfrentado em redes sociais, sem olhar nos olhos, encontra um ambiente propício para um bom cumprimento, que às vezes é o primeiro depois de uma longa guerra virtual.
 
Cerveja gelada, música boa, com volume no limite, tira-gosto de charque e outros petiscos.  É o que atrai os que formam a imprensa do Amapá. Pelo jeito já pegou, e em época eleitoral muitas ideias devem sair de do Empório – Marieia Maciel – Jornalista e amiga querida deste blogueiro. 
 
 
Meu comentário: Escrevi sobre o bar há alguns anos, para o blog Eu Sou do Norte. Localizado no bairro Santa Rita, próximo ao Fórum de Macapá, o Empório possui um ótimo atendimento, cerva véu de noiva e tira-gostos saborosos, principalmente o charque. E o melhor: O preço é honesto. Virou mesmo um ponto de encontro de jornalistas  e de pessoas que gostam de boteco com cara de boteco. Só discordo da Léia no quesito música boa, pois nem sempre é. Gosto muito do estabelecimento e recomendo! 
 

Família da pioneira Natalina Costa prepara o Ciclo do Marabaixo da Favela de 2015

mara1

Sábado da Aleluia, 4 de abril, às 16h, iniciam os festejos do Ciclo do Marabaixo, na casa da pioneira Natalina Costa, realizado pela Associação Cultural Berço do Marabaixo da Favela, com uma extensa programação que se prolonga até o mês de junho. Na antiga favela, atualmente bairro Santa Rita, a homenagem é para a Santíssima Trindade, e as cores azul e branca predominam durante as festas religiosas e lúdicas, onde a cultura, tradição e memória são preservadas ao ritmo de caixas de marabaixo e louvores, intercalando as atividades religiosas com as lúdicas.

Este ano os festeiros responsáveis pela festa são Iracema Oliveira e José Maria Costa, descendentes de famílias tradicionais que seguem o ritual secular, herança deixada por antepassados que dançavam o marabaixo no centro de Macapá, de onde saíram para povoar os bairros Laguinho e Favela. O Ciclo do Marabaixo faz parte do calendário oficial de cultura do estado e é seguido nos dois bairros, com início na Semana Santa e encerramento no dia de Corpus Christi, com rodadas de marabaixo, missas, ladainhas e baile.

Na Favela o Ciclo inicia no Sábado da Aleluia com o Marabaixo da Aceitação, e continua com outras rodadas de marabaixo. No dia 9 de maio é o Sábado do Mastro, quando os grupos que realizam os festejos seguem para as matas do Quilombo do Curiaú, onde retiram os mastros, que na Favela será enfeitado no dia 24, o chamado Domingo da Murta, e levantado no dia seguinte, às 7h, ao som de caixas de marabaixo. O dia 31, é dedicado às crianças, que inicia com a missa e segue com tradicional Almoço dos Inocentes, seguida da tarde de brincadeiras.mara11

Valdinete Costa, neta de Gertrudes Saturnina, que na década de 40 trouxe a família para a Favela, explica que a tradição continua, porém algumas adaptações foram feitas para que se adequasse à realidade. “O Almoço dos Inocentes iniciou com uma promessa feita por vovó Gertrudes para que a mamãe, Natalina, engravidasse. Com a bênção alcançada, a promessa foi cumprida, e o almoço para 12 crianças, representando os apóstolos, continua até hoje”.

A urbanização do bairro obrigou às mudanças, como os fogos, que atualmente são estourados até 22h e o som que reproduz as caixas, que não ficam no limite máximo. A consciência ambiental é trabalhada com as crianças, e atualmente, apenas um mastro é retirado da mata, o outro é de acrílico. O que vem do Curiaú são mudas de plantas que as crianças plantam na vizinhança. O compromisso com a história também é importante na Favela, e no ano passado foi inaugurada a Biblioteca Gertrudes Saturnino, com obras literárias e de arte de artistas com trabalho voltado para a cultura afro.

Programação do Berço do Marabaixo da Favelamara1111

4 de abril
16h – Abertura do Ciclo do Marabaixo da Favela – Marabaixo da Aceitação

1º de maio
16h – Marabaixo do Trabalhador

9 de maio – Sábado do Mastro
8h – Buscar mastro no Curiaú

22 de maio
19h – Início da Novena da Santíssima Trindade
20h – Baile dos Sócios

De 22 à 30 de maio – 19hmara111
Novena da Santíssima Trindade

24 de maio – Domingo do Mastro
20h – Marabaixo da Murta – Amanhece para o dia 25, para levantar o mastro

31 de maio
7:30 – Missa na Igreja da Santíssima Trindade
9:00 – Café da manhã no barracão da Gertrudes
12:00 – Almoço dos Inocentes
14:00 – Início da tarde de lazer com as crianças da comunidade

4 de junho
Marabaixo de Corpus Christi

7 de junho
Encerramento do Ciclo do Marabaixo da Favela
Local: Barracão da Tia Gertrudes
Av: Duque de Caxias, entre Manoel Eudóxio e Professor Tostes

Mariléia Maciel
Assessoria de Comunicação
Fotos: Márcia do Carmo

ANTES QUE DESABE: Igreja Matriz será restaurada

igrejaFotoJorge

Uma campanha da prefeitura de Macapá, Diocese de Macapá, Confraria Tucuju e Memorial Amapá, pretende angariar recursos para a restauração do mais antigo patrimônio histórico de Macapá, a igreja Matriz de São José. Com 254 anos de história, a igreja enfrenta sérios problemas com goteiras, infiltração, ataque de cupins e rachaduras. A campanha foi definida nesta sexta-feira, 20, em reunião na biblioteca pública Elcy Lacerda. Segundo o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a igreja corre risco de desabamento, principalmente na parte da torre esquerda.

Hoje também foi publicado no Diário Oficial do Estado a Lei de tombamento da igreja Matriz pelo Executivo Estadual, o que aumenta a expectativa com relação a revitalização do patrimônio do povo católico. “Esperamos que ocorra também um tombamento municipal para alcançarmos forças e propormos o tombamento pelo Iphan. Esse monumento é a nossa história viva, precisamos preservar. Caso contrário, ele pode vir abaixo”, destacou a presidente da Confraria Tucuju, Telma Duarte.macapá2

A prefeitura de Macapá defende que o tombamento precisa ser feito pela UNESCO também, já que o monumento tem mais de 250 anos. “Vamos levar essa reivindicação ao Governo do Estado na próxima quarta-feira. A igreja é nosso bem mais precioso e precisa ser interditada imediatamente. É uma situação séria e imediata”, frisou o prefeito de Macapá, Clécio Luís.

Na reunião ficou acertado que a prefeitura fará o projeto de reforma emergencial do prédio. O combate aos cupins será prioridade agora. “É importante ressaltar que o Iphan quer esse tombamento. Sabemos que a Igreja passou por mudanças em relação ao projeto original, mas o tombamento irá disputar com outras igrejas que estão intactas há mais tempo. Porém, com a força da nossa bancada esse sonho pode ser mais rápido”, ressaltou Joana Morillos, presidente do Iphan no Amapá.igreja-em-1908-e-2015

A história

A Igreja de São José de Macapá foi iniciada em 1752, seis anos antes da criação oficial da Vila de São José de Macapá. A igreja Matriz foi inaugurada no dia 5 de março de 1761, sendo o padre Joaquim Pair o seu primeiro vigário. A imagem original do padroeiro São José, esculpida em madeira, tem 35 cm de altura, sendo considerada uma das relíquias sacras mais importantes do Estado. Nas paredes os quadros do padre Lino, retratam as belezas de passagens bíblicas. Do lado esquerdo de quem entra está Os Desterrados, ou fuga para o Egito; a direita de quem entra, São José Carpinteiro e Menino Jesus. Já houve um período em que a paróquia ficou sem vigário por 40 anos. Em 1904 o padre Francisco Hiller e o intendente coronel Teodoro Mendes restauraram a igreja.

Fonte: Seles Nafes.

Viva São José, o nosso padroeiro!

S_oJos_
São José de Macapá, em cima da Pedra do Guindaste – Foto: Márcia do Carmo

 

Hoje (19) São José de Nazaré, esposo de Maria, pai de Jesus Cristo e padroeiro do Amapá. Por conta da profissão do santo, hoje também é Dia do Carpinteiro e Dia do Marceneiro. São José, que também é padroeiro dos trabalhadores e padroeiro da Bélgica.

Amo o Amapá e Macapá. Nasci e me criei aqui. Por isso, peço a “São Jusa” que interceda contra a criminalidade e trânsito pirado, tudo em larga escala para uma capital tão pequena, entre outras mazelas que assolam essa terra.

São José não protege somente a nós, amapaenses, mas todos que para cá vem viver e contribuir para a melhoria de nossa terra. Pena que, como santo, ele não pune os que só sugam, saqueiam e ainda desdenham da nossa linda Macapá.

O feriado

Desde a criação de Macapá, São José sempre foi o padroeiro da capital amapaense, mas uma Lei Estadual de 2012 oficializou o santo padroeiro do Amapá, o que fez do dia 19 de março feriado em todo o Estado.

São José é o santo que nunca cansou de ficar de pé na Pedra do Guindaste, de frente para o Amazonas, sempre “vigiando” a nossa capital, contra maldades exteriores.

Enfim, não sou muito religioso, mas respeito a crença de todos. Como diz o poetinha Osmar Junior: “Ô São José da Beira Mar, protegei meu Macapá…”.

Viva o santo carpinteiro, valei-me meu São José!

Elton Tavares

Os 233 anos da Fortaleza de São José de Macapá (texto e fotos)

1969_014_Macap_Doca_da_Fortaleza

Hoje (19) a Fortaleza de São José de Macapá completa 233 anos de existência. Sua construção se estendeu por 18 anos. A fortificação foi inaugurada no ano de 1782.

A Fortaleza foi construída com o objetivo de assegurar a conquista de terras ao norte da colônia brasileira. Ela integra uma cadeia de fortificações históricas construídas por Portugal, que passou a ocupá-la após o Tratado de Utrecht. O forte foi edificado em alvenaria de pedra e cal na margem esquerda do rio Amazonas. A obra teve início em 1764.65280_416186625126186_1628296726_n

Após um longo período, a instituição voltou a ser ocupada pelo comando da Guarda Territorial do Amapá. O Governo Federal, em 22 de março de 1950, reconheceu a fortificação através de sua inscrição no livro do tombo histórico da Secretaria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Sphan), atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

Dúvidas

De acordo com relatos de macapaenses mais antigos, me pergunto:

Onde está a placa de bronze, de 1 metro de altura e 1,5 metro de largura, que continha informações sobre a construção da fortificação?

OnFortalezaJorgeJuniorde foi parar o velho farol do forte e alguns canhões que sumiram misteriosamente?

Qual o paradeiro de pedras preciosas e moedas antigas que ficavam expostas no museu da Fortaleza nos anos 60?

Enfim, o velho Forte de Macapá é a história viva do amapaense e o nosso maior monumento. Todas as vezes que passo por ele, dá vontade de fotografá-lo. Pena que muitos não dão o devido valor à Fortaleza de São José, que tanto embeleza e valoriza nossa capital.

Veja fotos legais da fortificação bicentenária:

10176066_854379211250958_7397529160636591301_n

71759_461427497243620_567377479_n

1014919_739965369412584_1801101697006043962_o

fortedecima-camila

10682431_740264412716013_1112027998930147625_o

10265630_747726591916221_2584814814508442435_o-1

fortalezaewrton2

fortalezaelisamajamile

10945499_892794160742796_6330090601329517488_o