Poema de agora: Construção – Maria Ester

Construção

Enquanto houver flores
passarinhos pelo mundo,
hei de estar feliz.
Uma flor
um poema
uma janela

A casa era bonita
espaçosa e o poema-mor se sentia feliz ali,
entre as marias faladeiras,
os passarinhos madrugadores e
aquele farfalhar de flores.

A casa, na verdade, estava pra ser demolida
o telhado tinha goteiras terríveis, e seu pé direito bambeava,
não estava bem alicerçada.
Quando o tal poema veio recriando a vida…
O poema é meu tijolo,
faço versos de argamassa
sentimentos com cimento branco
e um belo telhado colorido
para as manhãs de sol.

Entorno da casa areia seixo com a grama verdíssima
enfeitam o jardim cheinho
de girassóis amarelinhos.
Todo final de tarde estão repletas de chuva de colibris.

Coisa linda, meu Deus!

Dia sim, dia não, visito o poema da janela, e
derramo luz, amor e carinho
para que este sonho poesia
nunca mais se sinta abandonado.

Construção: É cuidar do coração.

Maria Ester

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *