Poema de agora: FERIDA – Pat Andrade

FERIDA

esse corte profundo
na carne da gente
não sangra não dói
e nem se sente

é feito com faca
fina de ponta
que fura fácil
que rasga rente

é talho largo
no lombo sujo
que queima e arde
como lava quente

é uma velha cicatriz
que não sara
não cura não fecha
te deixa doente

Pat Andrade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *