Poema de agora: PORQUE TE AMO – Fernando Canto

PORQUE TE AMO

O fixo amor não morre
Enquanto ebulível soro

Que alimenta o avesso
Da mulher que me acompanha

Eu te amo por princípio
Por luz, escola e ofício

Em geometria de trapézios
E a corda bamba do circo

Eu te amo adstringente
Por ser tenaz este escopo

Eu te amo como amo
O vento que desvanece

Quando um segredo nasce
Na hora de todo início.

Fernando Canto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *