Poema de agora: Vento forte do Norte – @ManoelFabricio1

Vento forte do Norte

o vento de forte, soprou
soprou, soprou, soprou
parecia caminhar pelos telhados
assoviando por todos os lados
a memória da morena
me assombrou quando percebi, estava arrepiado
fui lá fora ver toda essa confusão
o vizinho que não conheço acenou
– o vento tá forte, né meu chegado?
entendi a pergunta, no seu acenar…
enquanto olhei para o lado


o telhado voava, parecia uma folha de papel
dos panfletos jogados ao léo
placas voando, tampas de caixas d´águas
espalhadas pelo céu
tudo que estava em pé
caiu!
ninguém tem tanta sustentação assim
lembrei-me da ação e disse: vento leva!
a memória que está armazenada no hipocampo
meu irmão!


o vento desobediente não levou nem porra
levou só o que não tinha sustentação
tudo o que precisava ser levado
para que o ciclo fosse renovado

Manoel Fabrício

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *