Roda de conversa com segmento de mulheres visa intensificar diálogo do MP-AP com movimentos sociais

Com o objetivo estratégico de intensificar o diálogo interinstitucional e a atuação junto à comunidade, o Ministério Público do Amapá (MP-AP) realizou a I Roda de Conversa com o segmento de mulheres, na manhã desta segunda-feira, 26, no auditório da Procuradoria-Geral de Justiça – Promotor Haroldo Franco, no Araxá. Esta é a primeira de uma série prevista para acontecer até o final do ano com vários outros grupos representativos da sociedade civil, dentre eles os movimentos negros, LGBTI e de juventude.

O procurador-geral de Justiça, Márcio Augusto Alves, e a promotora de Justiça Alessandra Moro, titular da Promotoria de Justiça de Defesa da Mulher e coordenadora do Centro de Apoio Operacional da Mulher (CAOP Mulher), deram boas-vindas aos participantes, destacando que a intenção do MP-AP é construir um espaço adequado ao diálogo sobre a mulher, para a construção coletiva de políticas igualitárias.

“Quero parabenizar a Procuradoria-Geral de Justiça pela realização deste lindo evento que vai proporcionar além da integração, um momento de reflexão trazendo em discussão assuntos tão relevantes como a violência contra a mulher. O Ministério Público, através da Promotoria de Defesa da Mulher, vem desenvolvendo um árduo trabalho no combate à essa violência e a cultura patriarcal que foi construída na nossa sociedade, impondo uma ideia de subordinação ao homem. Esse encontro aqui é importante para que a gente discuta a tão manifesta discriminação de gênero existente em nossa sociedade”.

A questão de gênero e a desigualdade social enfrentada ainda hoje pelas mulheres também foram enfatizadas nos discursos dos procuradores de Justiça Jayme Ferreira e Estela Sá, respectivamente ouvidor e corregedora-geral do MP-AP, bem como da coordenadora-geral do Centro de Apoio Operacional da Infância, Juventude e Educação (CAOP-IJE), procuradora de Justiça Judith Teles. Na mesma linha e ainda dando enfoque às dificuldades das mulheres no mercado de trabalho, manifestou a procuradora do Ministério Público do Trabalho no Amapá, Ana Lúcia González.

A assistente social da instituição, Alzira Nogueira, explicou a metodologia de trabalho e informou que esta ação com as mulheres é preparatória na execução do projeto estratégico: I Encontro do Ministério Público do Estado do Amapá, previsto para acontecer em setembro, e que tem como gerente o PGJ.

“O intuito desta roda de conversa é aproximar o Ministério Público da realidade das mulheres, superar distâncias, enfrentar juntos essa sociedade patriarcal e machista. Só vamos superar tudo com o diálogo, olho no olho, reconhecendo nossos erros para construir uma política de igualdade efetiva, entre homens e mulheres”, manifestou o PGJ, Márcio Alves.

Várias representantes dos movimentos de mulheres participaram da Roda de Conversa, assinalando diferentes situações de violência, fazendo críticas e propondo alternativas para o enfrentamento ao problema das desigualdades de gênero. Ao final, avaliaram a iniciativa como muito boa e válida para, no futuro, gerar bons frutos.

SERVIÇO:

Gilvana Santos
Ascom MP-AP


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *