Macapá recebe duas esculturas de mestres da Educação e incentivadores da cultura: professor Munhoz e professora Zaide estão no Largo dos Inocentes

Ontem, 31 de dezembro, a Prefeitura de Macapá presta uma homenagem a dois grandes educadores Professor Munhoz e Professora Zaide Soledade, a escultura/monumento está no Largo dos Inocentes, atrás da igreja São José de Macapá, do lado da Biblioteca Pública Elcy Lacerda, é uma escultura feita pelo grupo Urucum, com os artistas Josaphat, Dekko Matos e J. Márcio. Este projeto foi fomentado pela Fundação Municipal de Cultura.

“As esculturas e os locais em que foram colocadas simbolizam um conceito de territorialidade da cultura tradicional na zona Urbana da nossa cidade do qual do Largo dos Inocentes faz parte, nosso “Formigueiro”, local onde os dois gostavam e viviam”, informa a diretora-presidente da Fumcult, Marina Beckman.

Professora Zaide Soledade

Ela nasceu em Óbidos – PA em 1934 e chegou ao Amapá com 16 anos. Trabalhou inicialmente na Casa Leão do Norte, dos irmãos Zagury, o maior estabelecimento comercial da época na cidade. Em 1958 ingressou na área da educação e cultura do Governo do Território e nunca mais parou. Foi Diretora da Escola de Arte Cândido Portinari, diretora do Departamento de Cultura da Prefeitura Municipal de Macapá, ex-coralista do Coral Oscar Santos, conselheira do Conselho Municipal de Educação de Macapá, diretora do Teatro das Bacabeiras, conselheira do Conselho Estadual de Cultura por duas vezes e membro da diretoria da Confraria Tucuju. Zaide Soledade, que é atriz da primeira novela do norte e nordeste feita só com artistas locais e de filmes publicitários, se revelou uma autêntica defensora da cultura de nosso estado. A professora Zaide faleceu no dia 5 de agosto de 2015.

Professor Munhoz

Filho de José Ayres Lopes e Izabel Munhoz Lopes, o professor Munhoz nasceu em Belém, estado do Pará, no dia 10 de fevereiro de 1932. Se tornou bacharel em direito, e veio morar no Amapá em 1959, quando ingressou no serviço público do ex-território como delegado de polícia. Ele também se formou em letras, curso que lhe permitiu lecionar em escolas como o Colégio Amapaense, Escola de Arte Cândido Portinari, Universidade Língua Latina e a atuar no Conservatório Amapaense de Música.

Munhoz também fez parte do Conselho de Cultura do Amapá entre 1985 e 1989 e era membro da Academia Amapaense de Letras. Em 2012, quando completou 80 anos, ele descreveu no blog Porta-Retrato um pouco da vida que levou em Macapá.

Secretaria de Comunicação de Macapá
Pérola Pedrosa
Assessora de comunicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *