Problemas com fornecimento de água tratada: PGJ do MP-AP recebe demanda de moradores do distrito de Curiaú

O procurador-geral de Justiça do Ministério Público do Amapá (MP-AP), Márcio Alves, acompanhado do assessor técnico da Promotoria do Meio Ambiente, Conflitos Agrários, Habitação e Urbanismo (PRODEMAC), Alcione Cavalcante, esteve nesta terça-feira (29), no Distrito de Curiaú, às margens da Rodovia AP-070, a 8 km de Macapá.

Durante a visita, o PGJ ouviu um dos líderes da comunidade, o autônomo Sebastião Menezes. Na ocasião, o morador do local pediu ajuda do MP-AP para que o fornecimento de água tratada pela Companhia de Água e Esgoto do Amapá (CAESA) seja melhorado.

Conforme o relato de Sebastião Menezes, além da subestação da CAESA não ter capacidade suficiente para suprir a necessidade da comunidade, a água ainda chega suja e com limo às residências, pois segundo o morador, a caixa d’água não recebe sequer limpeza. Até o entorno do local está tomado pelo mato.

“Esse sistema de abastecimento tem mais de 20 anos. A caixa d’água foi construída na gestão do governador Barcellos para atender 50 famílias e naquela época, um funcionário da CAESA cuidava do fornecimento de água. Entretanto, nos anos seguintes não houve mais o controle e número de moradores aumentou. Já somos quase 300 famílias. Além de não atender a nossa demanda, a água ainda cai suja na torneira, algumas vezes com limo”, destacou Sebastião Menezes.

Após ouvir o líder comunitário, o PGJ afirmou que conversará com o governador do Amapá, Waldez Góes, e CAESA, para que a situação no Curiaú seja resolvida.

“Conversarei com o Governador para levar esse assunto ao seu conhecimento. Chamaremos a CAESA e dialogaremos juntos com a comunidade para buscarmos uma solução para esse transtorno”, pontuou o PGJ.

Também presentes na visita o chefe do Gabinete Militar do MP-AP, coronel Jackson Silva e a assessora técnica, Alzira Nogueira.

Curiaú

Na década de 90, o Curiaú tornou-se a primeira comunidade remanescente de quilombo do Amapá certificada pela Fundação Cultural Palmares. No local residem cerca de 3.500 pessoas.

SERVIÇO:

Elton Tavares
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá
Contato: (96) 3198-1616
E-mail: [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *