Na minha volta ao Zerão sai como campeão – Crônica de Marcelo Guido

Crônica de Marcelo Guido

Noite de segunda-feira agradável, temperatura boa, nenhum sinal de chuva, tudo ocorre bem para um excelente espetáculo futebolístico.

Neste contexto, saio às 19h. O jogo marcado para as 20 e poucos, dá tempo de sobra para chegar, uma atmosfera vencedora toma conta de mim, dessa vez vai dar certo.

No cardápio, final do campeonato amapaense, Trem e Independente prometiam um bom jogo, digno de uma final, sem surpresas os dois melhores escretes da competição, nada mais justo que chegassem bem para realizar a segunda e derradeira partida, promessa de muitos tentos, jogadas inesquecíveis e muita festa.

Entro no estádio, minha relação com Zerão vem de longe, fui no jogo inaugural, Zico tabelou com Collor, então presidente em um jogo festivo da seleção de másters. Mas meu afastamento daquele singular templo do futebol é grande, acredito que a última vez que tinha entrado lá para ver um jogo fora em 2005, um Remo x São José.

Meu afastamento do estádio tem dia, ano e responsável, o campeonato de 92. Aquele sim foi um senhor campeonato, lembro como se fosse hoje o timaço do Ypiranga com Edgar (craque do ano) Jorginho Macapá, Tiago, Rodolfo, Miranda treinados pelo folclórico tri campeão mundial Dadá Maravilha, sou torcedor do Trem, mas reconheço que aquele time era bom.

Foram 4 partidas seguidas, a final do segundo turno o time do Trem ciceroneado por nomes como Jorge Periquito, Mario Sergio (fenomenal), Jorge Silva, Edmilson Borçal, Roberto Foguete e um endiabrado Edilson Bala derrotou o todo poderoso negro anil por 4 a 2 e forçou as finais, ate aquele jogo, o Ypiranga não tinha perdido um jogo, e seus únicos pontos perdidos tinha sido justamente para o Trem em um 0x0 no Glicério Marques.

Três partidas, 1×1, 0x0 e terceira, um sonoro 3×0 com direito a gol do Fantástico e tudo. Naquele dia eu saí triste.

Trinta anos depois eu estou no mesmo local, mais uma final com o Trem. Não que meu clube não tenha ganho nada, pelo contrário estava defendendo um título. A dívida era minha, eu tinha que ver, sentir, testemunhar a conquista, ver a história ser escrita.

Começa o jogo, lembro do meu Pai que sempre dizia “O Trem tem que começar atacando a favor do vento”, meu pai é um cara que sabe das coisas. Reparei que o campo escolhido para iniciar foi o certo.

Bola rolando, os dois times apresentando um bom futebol, vistoso, aguerrido, com muita vontade não a toa chegaram a final.

Falta para o Trem, cobrança de Tharcio, o vento ajuda a bola no fundo da rede. Vibrei como não vibrava a muito tempo, estava dando certo.

Chuva cai, não chuva um dilúvio que se Noé estivesse presente diria “eu tenho a arca” um verdadeiro toró, raios pra todo lado nesta hora eu torci para os mesmo ficarem longe de nossos transformadores. Volta o jogo, fim do primeiro tempo.

Segundo tempo o Independente começa melhor, bem melhor o carcará tem qualidade e time pra isso, a locomotiva equilibra, mas em jogada trabalhada Joilson empata, lance que gera reclamação dos atletas rubro negros , mas não tem VAR, bola ao centro. Os jogadores sentem o momento, um gol acaba tudo, mas o tempo não para como já dizia Agenor e fim de papo. Pênaltis.

Pênalti no futebol é quase um resumo da própria vida, tiro livre, um homem contra o outro, a bola. Um apito dá o sinal, dali só irá surgir heróis e vilões.

Confesso que não sou muito de ganhar nos pênaltis, na boa ganhei uma Copa, a de 94, mas perdi um mundial em 2000 e realmente meus medos vieram a tona, não pode acontecer.

Cinco cobranças, 4 no fundo da rede. Cobranças Alternadas. Ai sim, a emoção vem a tona e surge o herói. Dida, nome de craque, semblante serio um senhor arqueiro, converteu o seu e defendeu o outro cobrado pelo outro arqueiro.

Festa garantida, Dida o herói da conquista e finalmente depois de 30 anos eu pude comemorar o Zerão. Fiz as pazes com o estádio, olhei para o gramado, vi a festa. Liguei pro meu pai, que não estava lá. Agradeci por me ensinar a amar o clube e que aquele título era nosso, estava guardado, já estava escrito.

Este foi o quinto título do Trem no campeonato profissional, o mais importante, porque eu estava lá.

Menção mais que honrosa para a torcida verde e branca do Independente, vocês são fodas, para que a turma do Trem tomem cuidado com essa taça.

Com chuva, raios e trovões o TREM É CAMPEÃO.

Dida é o melhor goleiro do mundo.

*Errata: no texto do primeiro jogo, por erro de digitação coloquei o placar de 1×1 o correto é 2×2.
**Marcelo Guido é Jornalista, pai da Lanna e do Bento e maridão da Bia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.