Rock autoral amapaense: chega o álbum físico “Macacoari, Rio Triste”, o novo disco da banda stereovitrola

Em março de 2019, dissemos aqui neste site que a banda de rock autoral stereovitrola tinha disponibilizado três canções de seu novo CD, denominado “Macacoari, Rio Triste”. Pois é, ontem (23), o vocalista, guitarrista e líder do grupo, Patrick Oliveira, anunciou que o álbum físico, com sete faixas, chegará neste sábado (26). De acordo com o compositor e músico, o lançamento ocorrerá em dezembro.

O novo disco foi gravado na Zarolho Records, do Alan Flexa e masterizado em São Paulo, com o apoio financeiro da loja 2001 Eletrônica. Este é o quarto trabalho da stereovitrola. Segundo Patrick, a banda segue mantendo o experimentalismo e o rock não convencional como motivação.

“Estamos felizes com a chegada do álbum físico. Queremos lançar o disco em dezembro, com forte possibilidade de ser no Bar do Vila, e com participações de bandas que labutam no underground autoral rocker da city. O título do CD partiu do entendimento das insanidades mentais e pobreza gerada pelo processo de “gentrificação” dos interiores e cidades pequenas do Norte. Cantamos e tocamos o desespero pessoal do nortista. Estamos empolgados com este trabalho, que já está no YouTube. É uma forma de resiliência artística autoral, nessa cidade faminta de arte e cultura”, comentou Patrick Oliveira.

E pra quem quiser mais stereovitrola, esclareço que, para comemorar a chegada do disco físico, a banda fará uma live em sua página na rede social Facebook, às 19h deste sábado (26).

Sobre a stereovitrola

A banda existe há quase 15 anos. Lembro bem da primeira vez que vi uma apresentação do grupo, ainda com o “liguento” nos vocais e o Anderson na guitarra base. Foi no Lago do Rock, em 2004 (movimento criado por mim, Gabriela Dias e Arley Costa) e realizado na Praça Floriano Peixoto.

A stereovitrola é formada por Rubens (bateria), Marinho (contrabaixo), Wenderson-Matrix (sampler e sintetizadores) e Patrick Oliveira (guitarras, ruídos e vocais).

De lá pra cá, a stereo tocou em porrada de festivais dentro e fora do Amapá e hoje em dia promove festas em parceria com outras bandas que labutam no autoral amapaense.

A discografia da banda conta com três trabalhos 100% autorais, os discos “Cada Molécula de um Ser” (2006); “No Espaço Líquido” (2009) e “Simptomatosys” – 2013.

Saco a banda e gosto do som dos caras desde o início. Força sempre, stereo!

Elton Tavares

Ouça algumas faixas do novo disco aqui:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *