Espetáculo “Cristo Por Elas” é narrado pelas mulheres que acompanharam a vida de Jesus

O Movimento Cultural Desclassificáveis apresenta o espetáculo “Cristo Por Elas”, a versão contada por mulheres que passaram pela vida de Jesus. O espetáculo será apresentado no Barracão da Tia Gertrudes, como parte da programação do Ciclo do Marabaixo, no sábado (20) de aleluia, às 19h30.

O enredo vai desde os tempos antigos, da adoração a Deusa da fertilidade Ostara, o diálogo sobre humanidade e teologia com a jovem Samaritana ao oferecer-lhe água até o relato do sofrimento silencioso de Maria, mãe do filho de Deus e Maria Madalena com o discurso íntimo sobre seu amor e sua devoção a Jesus.

Cristo Por Elas vão apresentar também os conflitos de fé, vida e morte das irmãs de Lázaro: Marta e Maria de Betânia.

A história sempre foi contada por homens, e a encenação busca o olhar feminino. Quais foram as grandes mulheres que acompanharam Cristo em sua trajetória e qual a importância que elas tiveram?

“A época da Páscoa é um momento de refletir não somente sobre a morte de Cristo, mas também as atitudes do ser humano perante suas virtudes e deficiências”, destaca o diretor da peça, Paulo Alfaia.

A dramaturgia é assinada por Junior Storck, no elenco estão as atrizes Andreia Lopes, Joseanne Karla, Kássia Modesto, Hayam Chandra, Renilda Navegante, Rosa Rente. A iluminação e fotografia é de Nil Costa, sonoplastia está com Thiago Klinghoffer. A maquiagem e adereços são de Jubson Blada. O contra-regra é Luciano Melo, o designer é assinado por Jessyca Santos. A produção é do Movimento Cultural Desclassificáveis e tem como parceiros: Berço do Marabaixo da Favela, Associação Amapaense de Folclore e Cultura popular (AAFCP) e Secretaria Estadual de Cultura (Secult).

A história sempre foi contada por homens, e a encenação busca o olhar feminino – Foto: Mil Costa

Arte Cênica e Cultura Popular

De acordo com o diretor Paulo Alfaia, a parceria com o Berço do Marabaixo vem dando certo, e pelo segundo ano realiza a apresentação da peça durante a maior expressividade cultural do Estado e busca formar uma nova plateia e fortalecer a tradição popular.

“Estamos fazendo esse namoro entre a arte cênica com a cultura popular, as histórias daquele espaço, estamos com nosso bunker no barracão, fazemos saraus, peças e outras apresentações. Há 8 anos realizamos espetáculos na semana santa, e esse é o segundo no barracão”, finalizou.

Serviços:

Espetáculo: “Cristo por Elas”
QUANDO: 20/04 (Sábado da Aleluia)
ONDE: Bunker Desclassificáveis, localizado na Avenida Duque de Caxias, 1203, no Bairro Santa Rita (Barracão da Tia Gertrudes).
HORÁRIO: 19h30
CONTATOS: 991730955

Fonte: Café com Notícias

Peça ‘Uma Cruz para Jesus’ completa 40 anos de exibição na Semana Santa em Macapá

Atores participam de ensaio da peça ‘Uma Cruz para Jesus’, que completa 40 anos em Macapá — Foto: Allan Oliveira/Arquivo Pessoal

Por Ugor Feio

A peça teatral “Uma Cruz Para Jesus” completa 40 anos de apresentações em Macapá durante a Semana Santa de 2019. O espetáculo, exibido gratuitamente, acontecerá no anfiteatro da Fortaleza de São José, na orla da cidade, na quinta-feira (18) e na Sexta-feira da Paixão (19). O espetáculo é considerado um dos maiores a céu aberto do Amapá.

Realizada pela Companhia Teatro de Arena, a peça é gratuita, tem duração de pouco mais de uma hora e conta com a participação voluntária de 120 atores, músicos e produtores. A encenação conta a história desde a criação do mundo – segundo a visão cristã – até a paixão de Jesus Cristo.

Encenação da peça ‘Uma Cruz para Jesus’: um dos momentos mais esperados é a crucificação de Cristo — Foto: Ascom/PMM

Um dos momentos mais esperados é a cena da crucificação de Jesus Cristo, interpretado por Allan Oliveira. Ator veterano encerando o papel pelo décimo ano seguido, ele se despede do espetáculo em 2019.

“A Fortaleza é linda por si própria, já temos o cenário natural que faz o personagem crescer dentro da gente. A própria plateia consegue voltar no tempo e viver a emoção junto com os atores, dessa linda história”, comentou.

Allan Oliveira, que interpreta Cristo, no ensaio da peça ‘Uma Cruz para Jesus’, em Macapá — Foto: Allan Oliveira/Arquivo Pessoal

Outra atriz veterana que já participou do elenco, a professora Socorro Souza, foi conferir um dos ensaios e se emocionou. Ela foi a primeira mulher a interpretar na peça Maria, a mãe de Jesus. Ela se diz agradecida pelo sucesso do espetáculo, porque foi nos bastidores que ela conheceu o marido, o produtor do espetáculo, Amadeu Lobato.

“Estou muito emocionada, meu coração está disparado de alegria. Jesus é tudo na minha vida. Foi na peça que conheci meu primeiro amor. A peça tem o objetivo de mostrar Jesus, porque ele não morre nunca em nosso coração”, disse, emocionada.

Peça começou a ser exibida no fim da década de 1970, em Macapá — Foto: Amadeu Lobato/Arquivo Pessoal

Os ensaios com os atores voluntários e produção do espetáculo acontecem diariamente, abertos ao público, até o dia da primeira exibição, na quinta-feira. Eles ensaios os vários atos da peça já na área externa da fortaleza.

Serviço:

Espetáculo “Uma Cruz Para Jesus”
Dias: 18 e 19 de abril (quinta-feira e sexta-feira)
Hora: 20h
Local: anfiteatro da Fortaleza de São José
Entrada gratuita

Fonte: G1 Amapá

Pelo quarto ano, festival no AP vai premiar o melhor espetáculo curto de teatro com R$ 3 mil

Experimento cênico ‘Nós entre Nós’ foi o vencedor do 3º Festival Curta Teatro — Foto: Captta/Divulgação

Por Carlos Alberto Jr

Já é tradição. Pelo quarto ano consecutivo vai acontecer no Amapá o Festival Curta Teatro, uma mostra competitiva que premia, com R$ 3 mil, o melhor espetáculo curto inédito de teatro, além de outras categorias que têm produções do estado. As inscrições, ao preço de R$ 50 por produção, estão abertas e seguem até 31 de março, na sede do Conselho Estadual de Cultura ou pelo e-mail [email protected].

As produções de companhias, coletivos, produtores e artistas independentes serão apresentadas no palco no Teatro das Bacabeiras, em Macapá, entre os dias 23 e 27 de abril. Mesmo com a proposta de ser uma programação para estimular o teatro local, artistas de todo o país também podem se inscrever na competição.

Em 2018, a “Cia de Artes Tucuju” venceu o concurso, com a peça “Nós Entre Nós”. Organizado pela Cia. Ói Nóiz Akí. O festival em 2019 também terá a apresentação de espetáculos convidados, de debates, seminários, mesas redondas e oficinas livres.

Curta teatral “Entre Seres”, da Cia. Trecos InMundos concorre no Festival Curta Teatro, no Amapá — Foto: Festival Curta Teatro/Divulgação

Podem participar da mostra competitiva produções autorais inéditas de curta duração, entre 10 e 15 minutos, de qualquer linguagem cênica.

O 4º Festival Curta Teatro também vai premiar os melhores em processo cênico, direção, concepção sonora, caracterização, dramaturgia, ator, atriz, ator coadjuvante e atriz coadjuvante. Os vencedores levam o Troféu Creuza Bordalo, mais certificado.

Outras informações sobre a mostra competitiva e a ficha de inscrição podem ser encontradas no regulamento do 4º Festival Curta Teatro.

Serviço:

4º Festival Curta Teatro
Dias: de 23 a 27 de abril
Inscrições: até 31 de março
Local de inscrições: Conselho Estadual de Cultura do Amapá (Avenida Cora de Carvalho, nº 1842, bairro Santa Rita), em horário comercial.

Fonte: G1 Amapá

Em parceria com Lu de Oliveira e Núcleo Âmago, AGIR Produções Artísticas apresenta dois saraus neste fim de semana.

 


O grupo AGIR Produções Artísticas, idealizado por Allan Gomes e Ingrid Ranna vem apresentando desde o começo do ano o Sarau de “Janeiro a Dezembro” em diferentes bairros da cidade com o intuito de difundir, despertar e valorizar a arte local, vivenciando “um ano” repleto de poesias, histórias, encontros e celebração. Neste fim haverá duas realizações deste evento literário.

No sábado o sarau acontecerá no Quintal Encantado, espaço cultural da artista contadora de histórias Lu de Oliveira e terá a participação do grupo literário Paneiro de palavras, do grupo circense Circo Roda Ciranda, do artista visual Afrane Távora e da cantora Isabelle Brandão.

No domingo será no Núcleo Âmago, sede do grupo Âmago de Dança e Experimentação Corporal e contará com a participação dos alunos.

Artistas que queiram mostrar sua arte, aqueles quer só querem prestigiar, pessoas que nunca viram uma apresentação artística, são todos bem vindos!

Serviços:

Data: 13 de abril (sábado)
Horário: 19h
Local: Avenida José Ferreira do Amaral, nº 60 – São Lázaro
Colaboração: Pague quanto puder

Data: 14 de abril (domingo)
Horário: 19h
Local: Rua General Rondon nº 145 – Laguinho
Colaboração: Pague quanto puder
Informações: 99101-7831 (AGIR Produções Artísticas)

Assessoria de comunicação da AGIR Produções Artísticas

Hoje=> Turnê “Alegria de Náufragos: Rotas pelo Norte” chega ao Amapá

O grupo paraibano Ser Tão Teatro realiza, em abril, a turnê “Alegria de Náufragos: Rotas pelo Norte”, patrocinada pelo Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2017/2018, em que passa por quatro Estados da Região Norte, contemplando nove cidades. A primeira parada da circulação é o Amapá. A Companhia apresenta em Macapá, no domingo, 07 de abril, o espetáculo “Alegria de Náufragos”, às 20h, no CEU das Artes. Além disso, promove na segunda-feira, 08 de abril, um intercâmbio cultural com o grupo local Casa Circo e a oficina Improvisar é preciso – Construindo a cena com o Ser Tão, das 14h às 18h, no CEU das Artes, com inscrições online através do link https://forms.gle/bGeciEam3Ly2AExw6.

Em todas as etapas, o Ser Tão Teatro realiza apresentações do espetáculo “Alegria de Náufragos” e ações formativas como bate-papo após as encenações, intercâmbio com grupos locais e a oficina Improvisar é preciso – Construindo a cena com o Ser Tão. Todas as atividades são gratuitas e a classificação indicativa da peça é para maiores de 12 anos de idade. A circulação contempla a capital do Amapá; as cidades de Manaus e Itacoatiara, no Amazonas; Rio Branco, Senador Guiomard e Xapuri, no Acre; e Porto Velho, Ariquemes e Ji Paraná, em Rondônia.

Pela primeira vez, o Ser Tão Teatro garante a acessibilidade em duas plataformas durante as apresentações, através da audiodescrição, por meio da distribuição de 20 fones de ouvido, permitindo a inclusão de pessoas com deficiência visual, e da presença em cena de uma intérprete de Libras – Língua Brasileira de Sinais -, garantindo a integração de pessoas com deficiência auditiva.

“Alegria de Náufragos” possui texto livremente inspirado no conto Uma história enfadonha – das memórias de um homem idoso, do escritor russo Anton Tchekhov, e estreou em março de 2016, em João Pessoa, com montagem financiada pelo Fundo Municipal de Cultura – FMC. Com dramaturgia de Giordano Castro, César Ferrário e Ser Tão Teatro, o espetáculo traz em cena os intérpretes Thardelly Lima, Rafael Guedes e Cely Farias. A direção musical é de Marco França, a iluminação e produção é de José Hilton Souza, e operação de som é de Polly Barros. A intérprete de Libras é Janái Érica Santos da Silva e a de audiodescrição é Larissa Hobi Martins.

O espetáculo já foi apresentado em diversos Festivais como, na capital paraibana: Aldeia Sesc 2016, Mostra Ser Tão Paralelo, e Interatos – Funesc; Pernambuco: Pague o Quanto Puder, em Recife, e Cultural Risadinha, em Camaragibe; Ceará: Festival Nordestino de Teatro de Guaramiranga 2017; e Argentina: 12 ° Festival Escenico de Bahía Blanca. Em 2017/ 2018, o Grupo realizou a circulação “Alegria de Náufragos: Rotas pelo Nordeste”, patrocinada pelo BNB de Cultura 2017, em quatro Estados nordestinos.

Sinopse: Alegria de Náufragos traz em seu centro o emérito professor Nicolai Stepianovitch de Tal, que se depara ao final da sua existência, com uma inevitável análise de si mesmo. Apesar de seu currículo impecável, de ter constituído família e de ser um “homem feliz”, ele gradativamente é submetido a um doloroso processo de falência interior e começa a adquirir clareza sobre o lado patético da sociedade e de suas instituições.

A montagem é fruto de um livre diálogo do coletivo com a obra de Anton Tchekhov, Uma História Enfadonha, na tentativa de estabelecer pontes entre esse discurso literário de mais de um século e meio com contundentes questões da nossa própria época. Aos préstimos desses olhos enfadonhos e desesperançosos de Nicolai, os atores incidem sem concessões sobre o presente e a geografia, não livrando nem a si mesmos deste crivo, com doses generosas de acidez e humor.

OFICINA: Improvisar é preciso – Construindo a cena com o Ser Tão

A oficina irá expor a metodologia de trabalho do Ser Tão Teatro, possibilitando ao participante vivenciar jogos teatrais, improvisações, composição de cenas curtas, experimentação de objetos em cena, e princípios básicos da música para a cena. É voltada para atores e não atores que desejam conhecer o processo criativo utilizado pelo Grupo. A faixa etária exigida é para maiores de 14 anos e um número de participantes de, no máximo, 25 pessoas.

Currículo do Ser Tão Teatro

O Ser Tão Teatro é um grupo de pesquisa que surgiu, em 2007, na cidade de João Pessoa, a partir da reunião de alunos e profissionais das artes cênicas do Departamento de Teatro da Universidade Federal da Paraíba. O grupo vem se destacando no cenário artístico há doze anos com uma pesquisa especialmente voltada para o trabalho do ator, musicalidade e treinamento físico/energético.

Ao longo de sua trajetória, foram montados os espetáculos: “Vereda da Salvação” (2007), “Farsa da Boa Preguiça” (com o grupo de teatro potiguar Clowns de Shakespeare – 2010), “Coronel de Macambira – experimento” (2010), “Flor de Macambira” (2011), “Farsa da Boa Preguiça” (remontagem com elenco exclusivo do grupo – 2012) e “Alegria de Náufragos” (2016). Desde 2008, o grupo já realizou seis edições da Mostra de Teatro de Grupo, em João Pessoa, evento que tem sido um espaço de intercâmbio artístico entre grupos brasileiros.

Projetos em destaque: Programa Eletrobrás de Cultura 2010 com uma circulação que contemplou as dez principais cidades banhadas pelo Rio São Francisco; Programa BR Distribuidora de Cultura 2013 com uma circulação pelos sete Estados da Região Norte; Prêmio FUNARTE Artes Cênicas na Rua com uma circulação pelas cidades de Curitiba/PR, Florianópolis/SC e Porto Alegre/RS; e uma circulação pelo Projeto Palco Giratório – SESC, por 41 cidades de 14 estados brasileiros.

“Reses, ou a arte de escapar com ferimentos leves” é o quinto espetáculo do Grupo Ser Tão Teatro e estreou no fim do ano passado. O trabalho utiliza a imagem sangrenta do coletivo de gado para engendrar as brutais relações trabalhistas do Brasil atual. A pesquisa teve como disparadores iniciais a palavra “carne” e o texto “A Santa Joana dos matadouros” de Bertolt Brecht, além de episódios recentes da política nacional.

SERVIÇO

Espetáculo “Alegria de Náufragos”
Dia: 07 de abril (domingo)
Horário: 20h
Local: CEU das Artes Macapá – Centro de Artes e Esportes Unificados
Av. Carlos Lins Côrtes, s/n. Bairro Infraero II
Entrada Gratuita
A classificação indicativa é de 12 anos de idade.
Assessoria de Imprensa: Vanessa Queiroga – (83) 98886-7030
[email protected]
Produção Geral: Zé Hilton – (83) 98853-9533
Produção Local / Divulgação: Paulo Rocha – (96) 98412-4600

Inauguração do ponto de cultura Imagem e Cia com o Sarau de janeiro a Dezembro na zona norte de Macapá

Neste domingo dia (31) acontecerá a inauguração do ponto de cultura do grupo Imagem e Cia no bairro Renascer com o Sarau de janeiro a dezembro e uma vasta programação.

O ponto de cultura idealizado por Inácio Sena e Débora Bararuá, membros do Imagem e Cia, será importante para a difusão e o fortalecimento cultural na zona norte da cidade em um cenário onde a maioria dos eventos culturais acontecem no centro da cidade.

O grupo AGIR Produções Artísticas terá a honra de apresentar o Sarau de Janeiro a Dezembro no evento juntamente com os artistas convidados de variados segmentos artísticos. A programação conta com grafitagem com Afrane Távora, música com Mayara Braga, contação de histórias com Lu de Oliveira e Inácio Sena, voz e violão com Adilson Chaves, declamação com Luana Luanny, louvor gospel com Nilcilea Câmara, exposição de pequenas esculturas com Jansem Rafael e espetáculo teatral Florescer-me-ei do Imagem e Cia.

Serviço:

Data: 31 de março (domingo)
Horário: 19h
Local: Av. Metecos 194, Renascer 1
Informações: 99101-7831 (Allan Gomes)
98127-3442 (Inácio Sena)
Entrada gratuita

Assessoria de comunicação do AGIR Produções Artísticas

OFICINA “O CORPO ESTRANGEIRO E SUA DANÇA PESSOAL”

O Frêmito Teatro, companhia de teatro amapaense promove na cidade de Macapá a oficina “O corpo estrangeiro e sua dança pessoal” do ator, diretor e preparador corporal Tomaz de Aquino, de Fortaleza (CE).

A oficina é voltada para atores/atrizes, bailarinos/bailarinas e demais profissionais interessados em pesquisas voltadas para o estudo do corpo e sua expressividade. Tomaz de Aquino, atualmente é professor do Instituto Federal do Ceará, integrante do grupo MiMo Teatro e possui uma vasta experiência em pesquisas e direção de espetáculos que exploram o corpo como centro da potência criativa e expressiva do ator.

Em paralelo ao seu trabalho no teatro, Tomaz já foi produtor de casting do longa metragem “Tatuagem” e preparador de elenco do média “Sonhos de Papel”, foi ator nos filmes “As mães de Chico Xavier”, “Cine Holliúdy 1” e atualmente está atuando também no “Cine Holliúdy 2” que teve sua estreia nacional neste mês de março.

Na oficina “O corpo estrangeiro e sua dança pessoal”, ele propõe um diálogo com o Butoh (dança teatro japonesa surgida após a Segunda Guerra Mundial), o treinamento expressivo-poético e a meditação para inserir o participante dentro do universo de um corpo desconhecido, tendo o seu corpo como matéria-prima de construção de qualidades de energias e emoções e não como um instrumento que porta e coleciona técnicas.

As experiências práticas da oficina, segundo Tomaz “são uma viagem ao vazio criativo por meio de um espaço laboratorial onde o participante é o centro da cena, cartografa o seu corpo, conhece-o intimamente, sabe as possibilidades do seu organismo e tem fôlego para ir além nesse trabalho sobre si, debruçando-se, em seus encontros e descobertas, sobre sua parte mais íntima para ser capaz de extrair a menor partícula de vida e verdade, enfatizando, assim, a sua potência criadora. O participante perceberá ao longo desta investigação sensível que é do seu corpo que partem as questões e a pulsão criativa para uma possível dramaturgia corporal no espaço”.

A oficina ocorrerá no período de 01 a 05 de abril de 2019, de 18h30 às 21h30, no Espaço Garden in Cena, situado no primeiro piso do Amapá Garden Shopping. O investimento é de R$ 50,00 por participante com emissão de certificado ao final da oficina. As inscrições podem ser feitas pelo fone/whatsapp (96) 98107-1972 ou pelo e-mail [email protected]

Assessoria de comunicação da Frêmito Teatro

II Semana Amapaense de Teatro – II Campanha de popularização da Arte Teatral!

O Coletivo de Artistas, Produtores e Técnicos de Teatro do Amapá – CAPTTA, realiza a II Semana Amapaense de Teatro que tem como foco a campanha de Popularização da Arte Teatral no Estado.

Em comemoração ao Dia do Teatro, dia 27/03, o CAPTTA irá realizar a segunda edição da Semana Amapaense de Teatro que trás como tema principal a II Campanha de Valorização do Teatro no Amapá.

Em uma cidade ainda carente de um calendário cultural consistente, nada melhor do que termos uma semana inteira voltada para ações artísticas e culturais. E o melhor, com entrada a preços super acessíveis, o público amapaense poderá assistir a uma apresentação teatral pagando apenas R$2,00.

Fotos: Glauber Khan, Paulo Rocha e Nascimento Amapá Fotos

“O valor é simbólico e não é a questão principal desta iniciativa, o que queremos de fato é a presença das pessoas. O que almejamos é realizar uma aproximação entre o público amapaense e os grupos e trabalhos artísticos. Temos uma cadeia expressiva de produtores da arte teatral e nos últimos anos progredimos bastante no que diz respeito à formação desses trabalhadores, porém, como em todo o território nacional, vivemos um momento de declínio em relação a eventos e ações de incentivo às artes e principalmente, um distanciamento das pessoas para com essas atividades”, afirma o Ator e Produtor Cultural da Companhia de Artes Tucuju, Jhou Santos, um dos coordenadores do evento.

A Semana Amapaense de Teatro acontecerá no período de 25 a 29 de março atingindo espaços das zonas norte, central e sul da capital do Estado e contará com apresentações teatrais bem como atividades formativas como palestras e oficinas.

O evento é realizado pelo Coletivo de Artistas, Produtores e Técnicos do Teatro Amapaense (CAPTTA) em parceria com grupos de teatro e com o Colegiado do Curso de Teatro da UNIFAP.

PROGRAMAÇÃO:

– PALESTRAS/OFICINAS


Assessoria de comunicação do CAPTTA
Mais informações: Jhou Santos – Coordenador – (96) 99100-6230
Fanpage do CAPTTA: https://www.facebook.com/Capttaap/

Reunião do segmento de Teatro, no Conselho Estadual de Cultura do Amapá

A Comissão Eleitoral do Segmento de Teatro do CEPC/AP para o biênio 2019/2021, convida os artistas, produtores e técnicos de teatro a participar da reunião para aprovação do Regimento Interno da eleição do Segmento das Artes Cênicas.

Comissão Eleitoral escolhida na reunião do último dia 13 de março traz os nomes:

Alan Douglas Rodrigues de Barros

Ângelo Rafael Lacerda Barbosa

Raulian Pacheco dos Santos

Rosângela Rente Dimas

Solange Simit Tenório

Integra também a Comissão como observador no processo eleitoral, o conselheiro de Cultura Tiago de Oliveira Quingosta Souza.

Serviço:

Reunião para aprovação do Regimento Interno da eleição do Segmento das Artes Cênicas.
Local: Conselho Estadual de Cultura
Endereço: Av. Professora Cora de Carvalho, 1842 – Centro (em frente à CEA)
Data: 22 de março de 2019
Hora: 18h

Fonte: blog da Mary Paes

Pelo quarto ano, festival no AP vai premiar o melhor espetáculo curto de teatro com R$ 3 mil

Experimento cênico ‘Nós entre Nós’ foi o vencedor do 3º Festival Curta Teatro — Foto: Captta/Divulgação

Por Carlos Alberto Jr

Já é tradição. Pelo quarto ano consecutivo vai acontecer no Amapá o Festival Curta Teatro, uma mostra competitiva que premia, com R$ 3 mil, o melhor espetáculo curto inédito de teatro, além de outras categorias que têm produções do estado. As inscrições, ao preço de R$ 50 por produção, estão abertas e seguem até 31 de março, na sede do Conselho Estadual de Cultura ou pelo e-mail [email protected]

As produções de companhias, coletivos, produtores e artistas independentes serão apresentadas no palco no Teatro das Bacabeiras, em Macapá, entre os dias 23 e 27 de abril. Mesmo com a proposta de ser uma programação para estimular o teatro local, artistas de todo o país também podem se inscrever na competição.

Em 2018, a “Cia de Artes Tucuju” venceu o concurso, com a peça “Nós Entre Nós”. Organizado pela Cia. Ói Nóiz Akí. O festival em 2019 também terá a apresentação de espetáculos convidados, de debates, seminários, mesas redondas e oficinas livres.

Curta teatral “Entre Seres”, da Cia. Trecos InMundos concorre no Festival Curta Teatro, no Amapá — Foto: Festival Curta Teatro/Divulgação

Podem participar da mostra competitiva produções autorais inéditas de curta duração, entre 10 e 15 minutos, de qualquer linguagem cênica.

O 4º Festival Curta Teatro também vai premiar os melhores em processo cênico, direção, concepção sonora, caracterização, dramaturgia, ator, atriz, ator coadjuvante e atriz coadjuvante. Os vencedores levam o Troféu Creuza Bordalo, mais certificado.

Outras informações sobre a mostra competitiva e a ficha de inscrição podem ser encontradas no regulamento do 4º Festival Curta Teatro.

Serviço:

4º Festival Curta Teatro
Dias: de 23 a 27 de abril
Inscrições: até 31 de março
Local de inscrições: Conselho Estadual de Cultura do Amapá (Avenida Cora de Carvalho, nº 1842, bairro Santa Rita), em horário comercial.

Fonte: G1 Amapá

O RISO DO CIRCO – O RISCO DO CICLO (Por Jhou Santos)

Por Jhou Santos

Muitas vezes somos vistos ou até mesmo considerados como “Rostos Confusos”…

Um sorriso desenhado no rosto não necessariamente quer dizer que estejamos felizes, bem como sua ausência em nossa face não deva significar a inexistência da própria felicidade.

É preciso esclarecer que estamos firmes em nossos sorrisos. Assim sendo eles: desenhados em nossos rostos, estampados através do brilho de nossos olhos ou até mesmo representados internamente em nossos estados de
espírito.

Não precisamos necessariamente sermos fortes só pelo enrijecimento de nossos músculos ou sequer pela falta de um sorriso em nossa face.
Nosso olhar aqui diz muito a respeito de nossa força. Porém, é necessário saber que isso não simboliza um rótulo ou algo extremamente fechado, há brechas para nossas fraquezas e não precisamos nos negar a isso.

Precisamos do caos na medida em que precisamos da sutileza!

Negamos demais a entender que ainda somos ‘‘muito’’ crianças perto desse “mundão” todo repleto de fatos e mistérios. E que talvez seja isso que realmente precisamos entender e fielmente nos aceitar enquanto crianças da vida.

É preciso que estejamos cientes de nossos medos, de nossas alegrias, de nossas aventuras e principalmente de nossa coragem. Isto nos tornará mais combustíveis e consequentemente mais alimentados.
Tempos bons e ruins permeiam nossas vidas o “tempo todo” e “no mundo todo” porque são necessários. E é preciso que saibamos disso porque muita das vezes nos deixamos enganar e acabamos não percebendo.

São ciclos! São círculos! São circos!

Tendo este entendimento estaremos nos fortalecendo cada vez mais e estaremos mais cientes desse (re)inventar para (re)existir e (re)viver!

É o constante entrelaçamento entre o ontem, o hoje e o amanhã que nos exige cada vez mais cultivar laços… Dividir experiências… Circularizar saberes… Partilhar e compartilhar momentos de criação…

Entender o ciclo é entender que esse círculo não necessariamente significa uma bolha! E se por um acaso vier a ser, estarmos atentos que precisaremos de nossa coragem para rompe-la. Então tornemo-nos inquietos com o que se torna vicioso e tendencioso.

Entender o CICLO é aceitar o RISCO! É entender o CIRCO e provocar o RISO! Pois somos fortes o suficiente para sorrirmos e chorarmos da felicidade ou da infelicidade de se viver!

Mais do que nunca é preciso arriscar, riscar e rabiscar novos rascunhos e desenhos de momentos, experiências e sorrisos. Estando sempre ciente de que como nesta imagem, necessitamos de inspirações para nossa arte e para nossa vida…

Mais uma vez e provavelmente sempre, é o momento de estarmos mais próximos. É o momento de nos encontrarmos e reencontrarmos mais.

Mais uma vez estamos em um momento delicado servindo de prova para um tempo que talvez não seja tão momentâneo assim. É preciso estarmos cientes que somos artistas da arte e da vida dos encontros. Infelizmente é um momento de morrer bem como felizmente é um momento de se viver, pois, dependendo da situação precisamos de muito ou precisamos de pouco.

Me parece óbvio, porém, bem objetivo, de que conseguimos fazer muito com muito, com pouco ou com muito pouco. Este, é o tempo do pouco na medida em que muitos caminhos diminuem e muitas portas são fechadas, mas também é o momento de juntarmos o pouco que temos e o pouco ou muito que somos para nos multiplicar! Para nos tornarmos do tamanho que almejamos ser e para que tenhamos a força que queremos ter! Para assim então, construirmos atalhos, caminhos, portas e janelas para este nosso tempo, para este nosso mundo.

Se parece fácil na medida em que se parece difícil. Porém, é possível fazer circo debaixo de uma lona bem como é possível fazer circo debaixo de uma árvore. Sendo assim, possível de se fazer com uma grande estrutura bem como praticável de se fazer em meio a escassez também.

Mas do que nunca este é um momento de movimento, de não parar, de não ceder, de não deixar para trás as nossas conquistas e os nossos direitos. Momento de não nos distanciarmos de nossa arte e de não nos acomodarmos com o nosso fazer!

Por mais que algumas vezes pareçam que estejamos distantes, e mesmo que estejamos, devemos mostrar que a distância e os momentos em questão podem tornar-se um estratégico motivo para a aproximação e para o fortalecimento. É preciso nos encontrarmos novamente com nossa essência, pois, mais do que nunca precisamos desse rosto de rostos e desse corpo de corpos!

É preciso arriscar, riscar e rabiscar novos rascunhos e desenhos de momentos, de experiências e de sorrisos. Estando sempre cientes de que como nesta imagem, necessitamos de inspirações para nossa arte e para nossa vida…

* Jhou Santos é ator, produtor cultural, diretor de teatro e coordenador da Cortejo – Produções Artísticas

Hoje: AGIR Produções Artísticas leva ao bairro Congós o Sarau “De Janeiro a Dezembro”

Em um ano acontece muita coisa. Muitas datas comemorativas. Eventos importantes do nosso patrimônio cultural. Em um ano vivemos muitas aventuras e emoções. São doze meses que passam rápido, especialmente em “De Janeiro a Dezembro”, sarau criado pelo AGIR Produções Artísticas, onde é possível vivenciar um ano repleto de poesias e histórias. Criado em 2018 por Allan Gomes e Ingrid Ranna, o trabalho literário homenageia importantes datas do calendário brasileiro usando textos de Paulo Master, Clarice Falcão, Giuseppe Ghiaroni, Juarês Alencar Pereira, Júlia Nicolau, lendas indígenas e textos autorais próprios. São doze momentos peculiares, que mesclam a declamação com o uso de uma diversidade de elementos cênicos simbólicos, como flores, confetes, máscaras, tecidos, projetor de desenho, entre outros. Neste evento todos são bem-vindos e podem ficar a vontade para mostrar seu talento.

Serviço:

Dia: 20/01/2019
Horário: 18:30
Ingresso: 2 reais
Local: Av. Francisco Torquato de Araújo (Décima do Congós), nº 1151
Centro de Atividades Socias na Perferia – CASP
Contato: 99101-7831

https://www.instagram.com/agir.producoes.artisticas/
Facebook: @Agirproducoesartisticas

Assessoria de comunicação da AGIR Produções Artísticas

Espetáculo Novo Amapá volta aos palcos do Teatro das Bacabeiras neste sábado,12.


A Companhia Supernova apresenta o espetáculo Novo Amapá. O mesmo será apresentado no Teatro das Bacabeiras neste sábado, 12, as 20h. O ingresso custará R$ 10,00 ( estudante paga meia). Estará disponível no dia da peça na bilheteria.

A peça é o olhar artístico sobre o maior naufrágio fluvial da história brasileira. O acidente ocorreu no dia 6 de janeiro de 1981 no Rio Cajarí (proximidades da fronteira entre o Estado do Amapá e Pará) quando o barco Novo Amapá naufragou deixando cerca de 600 vítimas.

A montagem é inspirada no texto “Triste Janeiro”, do ator e dramaturgo Joca Monteiro, que através de poemas faz homenagens aos envolvidos no acidente.

Além da teatralidade, o espetáculo inclui performances e instalações visuais, a multilinguagem chama a atenção ao passo que o enredo de emociona o público, mesmo sem se utilizar de cenas fortes, sinistras ou trágicas. O contexto histórico funesto é transformado numa encenação poética e lírica permitindo assim um espetáculo muito mais suave aos olhos do público.

O espetáculo

No espetáculo, além da poesia, o trabalho tem influências do teatro físico, conta ainda com inserção de vídeos e foi construída por meio de diversos processos de experimentações artísticas coletivas. O público é levado a viajar nos sonhos e encantos da infância, onde o “puc puc puc” dos barquinhos dão ao homem o prazer da libertação e as águas tornam-se a porta para descobertas e anseios de “palmo a palmo” conquistar mundo.

Na luta por este sonho, o homem se torna coisa, carga, engrenagem de um sistema mecânico que o explora de todas as formas e nos acontecimentos mais corriqueiros. Apesar de condicionado à exploração, o homem não perde a sua essência humana, sofre os amores e as perdas, mas não submerge a esperança por dias melhores.

Serviço:

Espetáculo “Novo Amapá”
Local: Teatro das Bacabeiras
Dia: 12 de Janeiro
Horário: 20h
Classificação: Livre

*Adryany Magalhães/ Assessoria de Comunicação Cia SuperNova *
Contato: 99144-5442

O Auto da Paixão 2019 – Direção Geral será assinada pelo jovem artista Jhou Santos

Depois das apresentações de final de ano com seu auto de natal, a Cia de Teatro Cristão Art’s Sacra Amapá começa as articulações e a produção de seu espetáculo alusivo ao período quaresmal. Trata-se da quinta versão d’o Auto da Paixão que para este ano conta com o retorno de Jhou Santos que assinará a direção geral.

O jovem ator e diretor foi o primeiro artista a dirigir o projeto no ano de 2015 na estreia do Auto da Paixão e da Cia Arts sacra Amapá no cenário cultural amapaense.

Retornar ao projeto é muito simbólico, tudo está passando tão rápido, as lutas , as conquistas, já são 5 anos do Auto da Paixão e o que prometemos é um belo e grandioso espetáculo de artes integradas, assim como fizemos na primeira edição, creio que quem assistiu gostou, vai ter teatro, musica, dança, circo e ainda terá espaço para a cultura popular. Gosto de trabalhar com bastante espetacularidade, efeitos, inovações e principalmente emoção!”, pontuou Jhou Santos.

A produção geral é assinada por Marcio Ayres, presidente da companhia e coordenador do projeto. Algumas parcerias de anos anteriores continuarão, por tanto a direção musical ainda ficará por conta de Franciney Santos e a direção de coreografias sob responsabilidade de Katiane Souza do Ministério de Dança Flores de Maria.

Temos orgulho desses 5 anos de trabalho pois o evento mantém sua tradição de projeto coletivo onde envolve diversos segmentos da cultura amapaense, faremos um grandioso e belo espetáculo este ano para comemorar essa data “, destacou Márcio.

A grande apresentação do espetáculo acontecerá na sexta feira santa 19 de abril ás 20h no Anfiteatro da praça Chico Noé. O projeto abre chamada para interessados em somar no elenco enquanto atores e atrizes, técnicos, parceiros, apoiadores e patrocinadores.

Mais informações: (96) 99112-9879 ou pela fanpage O Auto da Paixão