Hoje é o Dia Internacional contra a Homofobia – Preconceito não!

DiaContraHomofobia

Hoje é o Dia Internacional contra a Homofobia. A data foi escolhida para lembrar a exclusão da Homossexualidade da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID) da Organização Mundial da Saúde (OMS), em 17 de maio de 1990, oficialmente declarada em 1992. Isso mesmo, ser gay era sinônimo de enfermidade. Um despautério sem tamanho.

Homofobia é ‘’coisa de veado’’, loucura pura. É muito mais que burrice, é falta de caráter. Ser homofóbico é ser otário, pois tal linha de pensamento é de uma miséria espiritual e canalhice tremenda.

Tenho poucos preconceitos na vida. Como aporrinhação para que eu siga uma determinada religião ou com música que acho escrota (boa para quem as curte).

Tenho orgulho de ter muitos amigos homossexuais, pessoas íntegras e inteligentes, que pagam suas contas e contribuem para o bem da sociedade. A maioria deles é gente fina.

Vivemos em tempos onde o esclarecimento sobre o assunto é voraz, mas “Apesar de termos feito tudo, tudo, tudo o que fizemos, nós ainda somos os mesmos e vivemos como nossos pais”. Ou pelo menos a maioria com mente homofóbica. Portanto, parem de frescura e abram suas cabeças.

Se duas pessoas do mesmo sexo se gostam, se amam ou só resolvem transar, a vida delas É DELAS. Relações não podem ser classificadas, somos todos seres humanos, cada um em busca de sua felicidade, das várias formas que ela se apresenta a cada um.

E se isso for um problema para alguém, este sim é o doente. É isso!

Elton Tavares

Feliz aniversário, Anderson Favacho! – @alfavacho

Com o Anderson em 2012 (esquerda) e o brother cantando em 2013.

Tenho alguns companheiros (brothers) com quem mantenho uma relação de amizade e respeito, mesmo a gente com pouco contato. É o caso do advogado Anderson Favacho. Hoje é aniversário do cara, que gira a roda da vida pela 41ª vez (ele é mais novo que eu um ano e meio).

Os anos 90 foram muito, mas muito loucos. Apesar de morar em Macapá, longe demais das capitais, a juventude da época pirava valendo. Naquele tempo fiz boas amizades. É o caso do aniversariante.

Doutor Anderson é um pai dedicado e amoroso do Luiz, Marco, Laura e Júlia , marido apaixonado da Keli, amante de Rock And Roll, boa gastronomia, cervejas enevoadas, Poperô e Mid Back, maluco das antigas e velho “Gordo Louco”.

Com o Anderson na Galeria do Rock (SP), acho que em 2017.

Quem não conheceu o Anderson naqueles tempos (de violência) nem imagina o que a gente já aprontou nessa vida. Quem andou naquele Chevette Ret em meados de 1994 e 1995 sabe do que falo. Agora a gente virou gente (risos).

Além disso, é DJ de final de semana na república do Cabralzinho e faz cover porreta do Roberth Smith. Lembro bem da noite em que o cara cantou ‘A Forest’ (do The Cure), caralisticamente. Ele também é leitor deste site e agradeço seus acessos.

Favacho, mano velho, que sigas com saúde e sucesso. Qualquer noite dessas a gente se encontra e molha a palavra. Meus parabéns pelo teu dia e feliz aniversário!

Elton Tavares

Feliz aniversário, Nira Rocha!

Com a Nira em 2016.

Graças à Deus ou qualquer que seja o nome da força que rege tudo, muita gente já me ajudou na vida profissional. Uma dessas pessoas foi a Nira Rocha. Hoje ela completa 62 anos, com cara de 50 e jeito de menina, pois pensem numa mulher porreta!

Mãe dedicada de três caras, avó amorosa de duas lindas meninas, fã de Belchior, servidora da Justiça Eleitoral, Jacenira Rocha, a “Nira”, é uma mulher guerreira, profissional competente, educada, prestativa, bem humorada, honesta e responsável e querida amiga minha.

No início de 2013, comecei a trabalhar na assessoria de comunicação do TRE. Cheguei com muita vontade de fazer valer a então grande oportunidade profissional da minha carreira. Nira me recebeu de braços abertos. Ela foi uma das pessoas que me ajudaram naquela jornada. Ela e José Seixas, outro amigo lá da Justiça Eleitoral, foram faróis na tempestade.

Com a Nira (e menos gordo), em 2014.

Na maioria dos dias, trabalhamos muito, até a noite. Ela sempre riu das minhas doidices, do fato de eu ir trabalhar de ressaca com frequência e de dar conta do recado.

Ela é espirituosa, alegre, engraçada, conselheira, sorridente e de altíssimo astral, tudo que deixa o cotidiano mais leve. Daquelas pessoas que tornam o ambiente mais bacana somente com sua presença.

Saí do TRE no início de 2017, quando fui trabalhar na comunicação do Senado Federal e não encontrava a Nira desde então. Há mais ou menos um mês, fui em uma reunião de trabalho lá na sede da Justiça Eleitoral e reencontrei vários amigos, entre eles, essa lindeza de pessoa que ela é. Fiquei feliz e ela também.

Eu e Nira – Março – 2019

Nira, tu moras no coração deste gordo. Amizade não se agradece, mas muito obrigado por tudo. Que Deus continue a lhe dar saúde, pois do resto tu dá conta fácil.

Meus parabéns pelo teu dia e feliz aniversário!

Elton Tavares

Hoje é o Dia das Mães – Meu texto sobre a data e sobre minha maravilhosa mãe

Hoje é o Dia das Mães. Em 1932, o então presidente Getúlio Vargas, a pedido das feministas da Federação Brasileira pelo Progresso Feminino, oficializou a data no segundo domingo de maio. A iniciativa objetivou a valorização das mulheres na sociedade, animadas com as perspectivas que se abriram a partir da conquista do direito de votar, em fevereiro do mesmo ano.

Minha mãe é trabalhadora, honesta e amorosa. Certamente o maior entre meus amores. A verdade é que Maria Lúcia, a professora, orientadora, filha da Cacilda, avó da Maitê, irmã e amiga fiel aos seus sempre foi mais que tudo isso, mãe. Não, supermãe! Eu e Emerson talvez não seríamos caras corretos, trabalhadores e todo o resto de coisas legais que nos tornamos se não fosse por conta dela.

Tá, também somos caras que botam pra quebrar, mas isso também é mérito dela, que nos ensinou a botar quente.

A vida é meio desatinada em alguns momentos. Tanto eu, quanto o mano tivemos nossos momentos fora de rota, mas Maria Lúcia sempre conseguiu que voltássemos para a estrada de tijolos amarelos.

Ela avisou muito sobre os perigos da vida, as más companhias (se bem que sempre fomos isso para os outros), os falsos amigos, etecetera. A gente nem sempre ouviu e, é claro, quebramos a cara. Mãe é mãe. Maria Lúcia, a minha, é mais que mãe: é amiga. Pois como disse o jornalista Régis Sanches em outro texto sobre genitoras: “Sim. Porque existem mães inimigas”.

É arrepiante pensar no que seria de nós sem ela. Certamente, nada. Até hoje, eu com 42 e o Emerson com 39, ela se preocupa. Coisa de mãe. Às vezes eu a chateio, noutras até decepciono, mas a amo incalculavelmente. Aliás, nós a amamos, pois neste assunto, posso falar também em nome do meu irmão caçula (único, mas o melhor).

A verdade é que nossa Maria Lúcia sempre foi, é e sempre será amor em estado bruto por nós. Ela é a soma de tudo que somos de melhor (menos a boêmia e gaiatice, isso aprendemos com nosso velho e saudoso Penha, o pai).

Minha relação com minha mãe é a melhor possível. A do Emerson também. Realmente tivemos muita sorte na mais importante loteria da vida, a dos pais.

Ah, também parabenizo aqui outras mães da minha vida: minha avó Perolina Penha Tavares, a “vó Peró” e minha tia Maria Conceição Penha Tavares. A vó Cacilda Neves, mãe de minha mãe e a querida cunhada Andresa Ferreira, mãe da nossa princesa Maitê. Além de minhas tias, primas, colegas e amigas. Vocês são guerreiras!

Elton Tavares e Emerson Tavares (escrevo e assino por nós dois mesmo. Coisa de irmão mais velho, rs).

Hoje é o Dia do Internacional do Enfermeiro (parabéns aos profissionais)

31293848f6_wmX-800x563x4-5370dee7b3989cc10012e7115ad06ca95143882365f24

Hoje é o Dia do Internacional do Enfermeiro. A data é comemorada em 12 de maio por conta do nascimento de Florence Nightmcdonald-continuumingale, em 1820. Ela foi uma enfermeira britânica que ficou famosa por ser pioneira no tratamento a feridos de guerra, durante a Guerra da Crimeia, em 1853.

Florence Nightingale foi considerada “mãe” da enfermagem moderna. No Brasil, a data já era comemorada desde 1.938, quando o presidente Getúlio Vargas assinou o decreto 2.956.

O ofício de enfermeiro é milenar. A profissão é nobre, pois eles cuidam de doentes, idosos e deficientes. Alguns enfermeiros são insensíveis, parecem não se importar com a dor ou desespero alheio. Deve ser por conta do drama dos outros fazer parte do cotidiano destes profissionais. Também existem os que erram a veia do paciente 10 vezes antes de conseguir acertar a injeção. Acho que faz parte. Só quem sabe a barra que é trabalhar em um hospital pode definir a pressão. Mas a maioria são profissionais comprometidos com a saúde e o bem-estar do 13179323_1300240753339381_5116152332080594999_nser humano.

Lembro muito do Sr. Izídio Bandeira, enfermeiro competente, cuidadoso e experiente, que sempre nos remendava ou nos aplicava injeções. Eu e Emerson (meu irmão) tínhamos pavor dele. Hoje em dia, sou grato pelo cuidado que aquele senhor teve conosco quando éramos crianças.

Também recordo da Angélica, enfermeira amiga de minha tia, que tantas vezes nos socorreu em casa.

enfermeirasConheço muitos amigos que atuam na enfermagem, portanto é difícil nomear todos aqui. Mas deixo registado minhas homenagens à todos esses profissionais essenciais e nobres na missão de assistir aos seus semelhantes. Meus parabéns, enfermeiros e enfermeiras do Brasil.

Em muitas ocasiões, os enfermeiros são injustiçados, sobretudo em suas condições de trabalho e remuneração muito baixa diante de seu ofício fundamental. Devemos muito a eles. Enfim, parabéns a todos os profissionais se dedicam a cuidar de vidas, que lutam diariamente pela saúde das pessoas, que fizeram de suas vidas instrumentos de solidariedade!

Elton Tavares

Feliz aniversário, Mariléia Maciel! – @MarileiaMaciel

Também aniversaria neste décimo primeiro dia de maio a avó da Elis, mãe do Yan e do Caio boemista, a competente jornalista e assessora de comunicação, incansável militante cultural, amante e principal divulgadora do Marabaixo, apaixonada por carnaval e cronista engenhosa, a branca mais negra do Laguinho, entre uma porrada de coisas admiráveis que ela é, Mariléia Maciel.

Minha amizade, respeito e admiração por Mariléia possui tantas razões que é difícil de sintetizar. Ela é minha parceira de trampo e querida amiga. É verdade que, em muitos momentos, ficamos muito putos um com o outro e até nos decepcionamos mutuamente. Mas faz parte.

Aprendeu com os pais o valor pelo trabalho e a ser uma boa pessoa. Ela é uma cidadã trabalhadora, competente, inteligente, divertidíssima, fiel aos seus e, sobretudo, uma mulher do bem.

Já disse e repito: Léia é uma profissional diferenciada e fora de série. Ela se vira, mas faz tudo acontecer. Apaga incêndio, torna interessante o que parece não ter brilho. Acreditem, já vi a mulher operar verdadeiros milagres quando trabalhamos juntos. E não é somente pelo seu alto nível de competência, mas também pelo trato que tem com todos. Mariléia é uma pessoa do bem e muito benquista no Amapá.

Em 2011, a Léia apareceu na minha vida profissional. Por minha culpa, tivemos alguns embates. Ela transformou aquele jornalista arrogante e brigão em um profissional melhor, com mais cuidado, menos ranço e ensinou as vantagens de ser querido pelos colegas. Aprendi muito com ela.

Mariléia e eu trabalhamos juntos por três anos, dois deles no Governo do Amapá e um na Prefeitura de Macapá. Nos encontramos novamente e somos colegas de trabalho no Ministério Público do Estado do Amapá. Com a Léia, é bom dividir essa grande redação chamada vida, caminhando juntos, sempre mais rindo que chorando.

Léia e eu, apesar de trabalharmos juntos, andamos um tanto quanto afastados. É bem verdade que já não somos tão grudados quanto antes (mas nada de desunidos), mas nossa amizade foi forjada no perrengue e regada a muita cerveja. Serei sempre grato por tudo que Mariléia Maciel já fez por mim.

Meus parabéns pelo seu dia, Léia. Feliz aniversário!

Elton Tavares

Meus parabéns, Pat Andrade!

Sempre digo que gosto de parabenizar amigos em seus natalícios, pois declarações públicas de amor, amizade e carinho são importantes pra mim. Quem gira a roda da vida neste sábado é a Patrícia Andrade. Tenho uma porrada de amigos. Alguns são bem próximos sempre. Outros não estão sempre comigo, mas também são do coração. É o caso da Pat.

Pat, Artur e eu, em 2016.

Pat é a mãe viradaça do Artur, um pequeno gênio que ainda vai botar pra quebrar. Ela também é artista plástica, minha revisora, escritora, poetisa, discotequeira (Vinil-DJ), colaboradora deste site (na seção “Caleidoscópio da Pat”), produtora de vídeo, ativista cultural e velha amiga deste jornalista.

Conheci a Pat logo que aqui chegou, lá no final dos anos 90. Ela tinha chegado ao Amapá e Macapá fervia. Nós éramos todos fervorosos hedonistas e ela sempre foi uma figura. É humanista, maluca rock’n’roll, leitora voraz, poeta sagaz. Quem a saca, manja que a menina é gente boa pra caramba. Sempre pelos bares e eventos culturais da cidade, ela marca presença e espalha sua veia artística.

Patrícia é uma espécie de maga da poesia, que faz um recorte do belo e o versa, para a nossa sorte. Com toda a certeza, Pat Andrade é um ser que respira e pulsa pela arte. Às vezes bucolicamente, noutras bukowescamente, mas sempre de forma autêntica.

Que neste novo ciclo, tu tenhas ainda mais motivos para sorrir. Que role muita coisa porreta na tua vida, que tenhas sucesso e saúde junto aos seus amores e que sigas pisando forte em busca dos teus objetivos.

Pat, a intrépida, meus parabéns pelo teu dia, mana. Que essa data se repita por pelos menos mais 48 maios chuvosos. Feliz aniversário, querida amiga!

Elton Tavares

Hoje é Dia Nacional do Reggae (em homenagem à Bob Marley , que partiu em 11 de maio de 1981)

13177153_1077685318970924_5362958685860281075_n

Hoje é Dia Nacional do Reggae e como temos uma sessão chamada “datas curiosas”, é claro que não deixamos passar batido. A data foi instituída oficialmente, pela presidente Dilma Rousseff , no dia 15 de maio de 2012. É uma homenagem ao cantor jamaicano Robert Nesta Marley ou Bob Marley, que faleceu no mesmo dia, há 38 anos atrás, aos 36 anos de idade em um hospital de Miami, nos Estados Unidos.

Se vivo, Bob Marley teria 74 anos, completados em 6 de fevereiro deste ano. Apesar de não ser fã de Reggae, gosto dos clássicos. E nada é mais clássico em Reggae do que as canções do extraordinário artista jamaicano.

A música do cantor e compositor foi influenciada pelas questões sociais de sua terra natal. Ele deu visibilidade política e cultural a Jamaica, muitas vezes cantando seus problemas, angústias ou em protesto.

Bob foi brilhante. Uma daquelas almas iluminadas que marcaram presença, deixaram uma mensagem e seguiram a luz. Não somente na música, mas também como figura política. Marley saiu de um país pobre e ganhou o mundo ao cantar a paz, o amor e ideais do rastafári. A sua imagem e a sua música com letras contra a opressão e a injustiça são influencia direta no comportamento das pessoas de bem ao redor do planeta.

Marley foi uma das figuras mais importantes da música mundial, considerado internacionalmente um dos melhores compositores do século XX, comparado a nomes como Bob Dylan e Lennon/McCartney. Ele morreu no dia 11 de maio de 1981, vitima de câncer. O cara deixou um legado musical fantástico e uma mensagem de amor eterna.

Portanto, viva Marley, viva o Reggae e sua mensagem de paz.

“Emancipem-se da escravidão mental. Ninguém além de nós mesmos pode libertar nossa mente” – Bob Marley, na canção Redemption Song.

Elton Tavares

Neste sábado (11), Mega-Sena paga prêmio de R$ 275 milhões

Hoje (11), às 20h, a Mega-Sena sorteará um prêmio de R$ 275.000.000,00 (duzentos e setenta e cinco milhões de reais), com transmissão ao vivo pelos principais canais de televisão.

Foto: Everton Silveira/Agência Freelancer/Folhapress

As apostas na Mega da Virada podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília) deste sábado (11) , em qualquer lotérica do Brasil. A aposta simples custa R$ 3,50 e pode ser feita tanto nos volantes comuns da Mega-Sena.

A Mega-Sena paga milhões para o acertador dos 6 números sorteados. Ainda é possível ganhar prêmios ao acertar 4 ou 5 números dentre os 60 disponíveis

O que eu faria com uma grana dessas?

Com essa fortuna, ajudaria um monte de gente. Primeiro os meus, claro. Depois as pessoas carentes. Talvez abrisse um jornal ou uma agência de comunicação, pois não me imagino sem trabalhar por muito tempo. Seria empresário, mas nunca deixaria de ser jornalista.

Certamente, além de ajudar as pessoas, faria muita onda. Organizaria caravanas com amigos para ver shows e festivais de rock ao redor do mundo. Assistiria aos jogos do Flamengo com o meu irmão no Maraca ou em qualquer outro estádio do Brasil sempre que quisesse. Compraria de tudo e para todos.

Ah, compraria outro fígado, uma outra vida (se fosse possível). Enfim, viveria da forma mais foda possível. Ou impossível, sei lá.

Mas só ganha quem joga e desta vez, arrisquei a sorte. Vai lpa que seja dessa vez. “Discunjuro”, mas quem me dera!

Elton Tavares

Não deu pra escrever algo legal. Então vamos beber, pois é sexta-feira!

Mesmo que minha vontade grite em meus ouvidos: “escreva, escreva”, a força criativa não está muito inventiva nesta sexta-feira. Mesmo assim, resolvi tentar atender tais sussurros.

Você, meu caro leitor, sabe que gosto de devanear/crônicar sobre tudo. Escrevo sobre o que dá na telha e tals. Só que hoje não. Pensei em escrever uma lista de clássicos do Rock and Roll, shows das grandes bandas que assisti, uma lista de meus filmes preferidos; quem sabe redigir sobre futebol (pênalti perdido pelo Roberto Baggio em 1994, que me fez beber pra cacete), carnaval, amor (amor?) ou política, mas apesar da inquietação, nada flui. É, tudo pareceu tão óbvio, repetitivo e desinteressante este momento. Foda!

Quem dera ser um grande contista ou cronista. Ser escritor, de verdade, deve ser legal. Não falo de pitacos e devaneios em um sitezinho, sem nenhum tipo de ironia barata. E sim de caras que possuem livros publicados, bibliotecas na cabeça, bagagem cultural e não pseudo-enciclopédias, que só leram passagens ou escutaram fulanos contarem sobre obras literárias lidas. Talvez, um dia, eu chegue lá. Quem sabe?

Mesmo que seja sobre uma bobagem, precisa-se de merda engraçada, porreta de se ler. Às vezes escrevo assim, de qualquer jeito. Por quê? Dá muito trabalho contar uma história ou estória de forma bem escrita, oras. Quem dera pensar: agora vou me “Drummonizar” e voilà, escrever um textaço. Não, não é assim. Já ri muito de alguns velhos posts pirentos por conta disso.

Por fim, vos digo: textos ruins parecem cerveja quente em copo de plástico, ou seja, não rola. Já uma boa crônica parece mais uma daquelas cervas véu de noiva de garrafas enevoadas, na taça, claro. E já que não deu pra escrever algo caralhento, vamos beber, pois é sexta-feira! Bom final de semana pra todos nós!

Elton Tavares

Como hoje é sexta, sempre lembro do velho Liverpool Rock Bar (Nostalgia Rocker e tals).

Hoje é sexta-feira e toda sexta lembro do velho Liverpool Rock Bar, que foi um dos celeiros do rock amapaense. Fundado no final 2004, pelo seu Nelson e sua filha Vânia, o bar, mesmo sem estrutura, fez sucesso entre os amapaenses que gostam de rock and roll.

O Liver foi, até o final de 2009, o refúgio do underground amapaense. Um bar simples, entretanto, frequentado pelas pessoas mais descoladas da cidade. Na categoria “rocker”, foi o bar de rock mais duradouro da história de Macapá.

O Liverpool tinha mesas de bilhar adoradas por 90% dos frequentadores, bandas legais e tínhamos a certeza que íamos encontrar os amigos por lá.

No Liver iam músicos, skatistas, jornalistas, boêmios, malucos, caretas, homossexuais e heterossexuais. Era um local democrático, muito longe de uma “vibe” ou “point”. Alguns, mais exigentes, apelidaram o local de “Liverpalha”, mas viviam por lá.

Hoje temos locais melhores para curtir som, muito mais estruturados, refrigerados e tals, mas todos nós lembraremos do charme sujo que o Liver possuía. A gente quebrava tudo por lá (às vezes, literalmente). Saudades daquela bodega!

“O Rock é energia, o desejo ardente, as exultações inexplicáveis, um senso ocasional de invencibilidade, a esperança que queima como ácido” – Nick Horby – Romancista inglês.

Elton Tavares

Hoje é o Dia Nacional da Matemática – Crônica de calendário de hoje

Dia Nacional da Matemática

Hoje, 6 de maio, é o Dia Nacional da Matemática e dos matemáticos. Lei aprovada pelo congresso brasileiro em 2004, a data é celebrada por conta do nascimento de Malba Tahan, pseudônimo do professor de matemática Júlio César de Mello, em 1895. Ele é o autor de um dos maiores sucessos literários do assunto no nosso país, inclusive o romance “O Homem que Calculava”, já traduzido para 12 idiomas.

Segundo o conceito: “A matemática é a ciência do raciocínio lógico e abstrato. Ela matemática estuda quantidades, medidas, espaços, estruturas e variações. Um trabalho matemático consiste em procurar por padrões, formular conjecturas e, por meio de deduções rigorosas a partir de axiomas e definições, estabelecer novos resultados. A matemática vem sendo construída ao longo de muitos anos. Resultados e teorias milenares se mantêm válidos e úteis e, ainda assim, a matemática continua a desenvolver-se permanentemente”. Enfim, ninguém vive sem a Matemática, os números e tals.

Mas, além de encher linguiça para a sessão “datas curiosas” deste site, este post é pra contar uma coisa: odeio matemática. Sempre odiei. Aliás, fui reprovado algumas vezes e nas outras passei raspando, isso na recuperação.

É, foi um longo Ensino Médio, que na época chamávamos de Segundo Grau. Sem falar nas dificuldades de molequinho. Me achava o burro dos burros. Nem as aulas particulares com o professor Edésio (gostava muito daquele coroa) e Gurjão (outro amigo que não vejo há tempos) fizeram com que este jornalista aprendesse a fazer contas direitinho.

Além de gostar de escrever, a Matemática Financeira foi um incentivo e tanto para eu largar o curso de Administração e Marketing. Graças a Deus, tudo deu certo. Afinal, a vida não é, como a Matemática, uma ciência exata. Nós é que sabemos o que soma e o que nos subtrai. É isso!

Elton Tavares

Hoje é Dia do Trabalhador

Hoje, 1º de maio, é o Dia do Trabalhador. A data é comemorada desde o final do século XIX, em homenagem aos oito líderes trabalhistas norte-americanos que morreram enforcados em Chicago (EUA), em 1886. Eles foram presos e julgados sumariamente por dirigirem manifestações que tiveram início justamente no dia 1º de maio daquele ano.

No Brasil, a data é comemorada desde 1895 e virou feriado nacional em setembro de 1925 por um decreto do presidente Artur Bernardes. Aponta-se que o caráter massificador do Dia do Trabalhador, no Brasil, se expressa especialmente pelo costume que os governos têm de anunciar neste dia o aumento anual do salário mínimo. Outro ponto muito importante atribuído ao dia do trabalhador foi a criação da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, em 01 de maio de 1943.

Vale ressaltar que os direitos dos trabalhares estão ameaçados pelas reformas do Governo Federal. Portanto, é preciso união para resistir e derrubar essa administração do mal.

Hoje parabenizo minha mãe, que trabalhou muito, muito mesmo para nos criar com conforto e segurança, além de ajudar sua mãe e irmãos. Também aos que trabalham com afinco e possuem uma história de sucesso. Homenageio também os amigos que batalham para viver com dignidade.

Parabéns aos perseverantes que trabalham com afinco e crença que o amanhã será melhor. Congratulações a todos nós, trabalhadores honestos, muitas vezes taxados de burros por não aceitarmos nada além do que é nosso.

Enfim, feliz Dia do Trabalhador a todos que fazem valer o suor, que podem andar de cabeça erguida e dormir sem o peso da culpa. Parabéns para nós, que trabalhamos muito e honestamente.

Elton Tavares

Quando eu gosto, gosto. Mas quando odeio, odeio…*Republicado

Sabem, mesmo ao conhecer a Doutrina Espírita e o lance do Karma, baseado na ação e reação que ecoa durante as existências, não consigo me libertar de certos sentimentos ruins. Vou explicar.

Tento fazer o bem para todos, tanto aos meus, quanto aos estranhos. Tento mais ainda não fazer mal a ninguém, pois como diz um velho ditado: “muito ajuda quem não atrapalha”.

O problema é quando pego raiva, ódio ou nojo de alguém….sobretudo de pessoas que me sacanearam sem eu ter feito nada a elas. Sou um sujeito que assume erros e muitos desafetos tem razão em suas antipatias para comigo. Mas porra, quando tô inocente na parada e vem filha da puta tentar armar arapucas para este gordo, aí é foda.

Até quando não gosto, deixo quieto, pois prejudicar alguém é muita canalhice e não luto com essas armas. Quando precisam de mim, tento sempre resolver os problemas das pessoas. Se for um familiar ou amigo querido, resolvo de qualquer jeito.

Mas quando nutro antipatia, forte ou fraca, por uma criatura, não a quero por perto, pois somente sua presença me incomoda. Ajudá-la em algo então, nem pensar. Meu espírito não alcançou tal grau de evolução. Somente tento ignorar a praga e sem dar chances de aproximação.

No caso de ex-amigos, faço como Jorge Amado e seu “cemitério particular: “possuo um cemitério meu, pessoal, eu o construí e inaugurei há alguns anos, quando a vida me amadureceu o sentimento. Nele enterro aqueles que matei, ou seja, aqueles que para mim deixaram de existir, morreram: os que um dia tiveram a minha estima e perderam”.

Assim mesmo! Volto a dizer, não faço nada contra ninguém, a não ser que estes filhos da puta insistam em me sacanear. Aí, sim. Terão o inferno, pois sou um bom e terno amigo, mas um inimigo focado em devastar quem ameaça minha paz.

Portanto, se gostam de mim, não me peçam para ser falso ou dissimulado para com os desafetos. Não consigo, pois sou verdadeiro demais. Os que amo sabem que os amo. Igualmente os que odeio ou desprezo. É isso.

Elton Tavares

*Republicado por conta de situação parecida, com pessoas diferentes. É foda!