Hoje é o Dia do Professor

Hoje (15) é o Dia do Professor. A origem da data é em razão que, no dia 15 de outubro de 1827, Pedro I, então Imperador do Brasil baixou um Decreto que criou o Ensino Elementar Nacional. De acordo com a resolução, “todas as cidades, vilas e lugarejos teriam que ter escolas de primeiras letras”. Foi assim.

A profissão é talvez a mais nobre de todas, afinal o professor é o norteador dos futuros profissionais em todas as áreas de atuação que existem. Tive dezenas de bons professores, como a saudosa Gorete Monteiro. Excelente educadora, lecionava Português na Escola Polivalente Tiradentes, foi com ela que comecei a escrever melhor.

Falando de nossa língua, também exalto a professora Catarina Moutinho, que me deu aula no Colégio Amapaense e que reencontrei no Seama, onde formei em Comunicação. Não posso deixar de falar do Carlos Magno, profissional brilhante, que abriu minhas idéias.

Ah, também homenageio aqueles que, além de bons professores, se tornaram meus amigos pessoais, caso do  Silvio Neto (professor universitário). Paulo e Patrick Bitencourt, meus irmãos da Cúpula do Trovão, Gabriela Dias, Marcelo Guido, Enilton Cardoso, Enilton Jr., Alzira Nogueira e Rita Barcessat, ambas da Unifap, entre outros. Pois tenho muitos brothers que lecionam e é impossível enumerá-los neste post.

Sou filho de uma professora e orientadora educacional, Maria Lúcia Vale Cardoso, que muito honrou a profissão. Minha mãe ralou pra caramba em salas de aula nos aos 80. Depois formou-se e seguiu contribuindo com a educação de centenas de pessoas, que hoje trabalham nas mais distintas áreas. A ela, em nome de todos os professores, minhas homenagens!

Maria Lúcia, minha mãe, a professora da minha vida.

Feliz Dia do Professor aos trabalhadores da nobre e tão pouco reconhecida profissão. Esse é o profissional dos profissionais, com toda a certeza, a profissão que mãe é de todas as outras.

Torço para que, um dia, o Brasil faça Justiça e valorizes seus educadores com condições de trabalho e salários dignos. Parabéns, mestres!

Elton Tavares

Rejane Melo gira a roda da vida. Feliz aniversário, querida amiga!

Hoje gira a roda da vida a médica, capitã do Corpo de Bombeiros Militar do Amapá (CBM/AP) e integrante do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), além de muito querida amiga deste editor, Rejane Melo. Ela sempre foi/é uma heroína, mas neste ano de 2020, a doutora broda se superou. Além de pacientes da impiedosa pandemia que enfrentamos neste difícil ano, a nossa fantástica aniversariante se desdobrou em duas (ou três) e também cuidou de amigos e familiares (dela e dos amigos).

Além de médica competentíssima, Rejane é a mãe amorosa e zelosa das lindas Beatriz e Isabella, filha dedicada, irmã da Rô, do Rafa e de outros que não conheço, boêmia do Laguinho, amante de boa música, carnaval, cervas enevoadas e bares com amigos.

Sou muito fã dela. Muito mesmo. Além disso, grato. Pois essa linda e louca (sim, fora do trampo e de suas atribuições como mãe, Rejane pira com os Brothers), assim como eu, adora gente doida, mas em uma conversa divertida, como de costume, a bonitona me disse: “me sinto a gerente do Manicômio” e rimos. Ela é Phoda!

Eu e Rejane nos conhecemos há mais de 26 anos. Sempre nos demos bem, mas a aproximação rolou de uns anos para cá. Ela é uma mulher honesta e trabalhadora, que consegue manter o equilíbrio entre a loucura de não ser convencional e a sabedoria de administrar a vida com serenidade e responsabilidade. A moça tem uma calma e um bom humor invejáveis (risos). Se tem uma pessoa “good vibes” que conheço, é essa mulher.

Rejane é uma queridona, uma mulher inteligente e gata. Louca por sua família, por seu trabalho e seus amigos, é dedicada em tudo que se propõe. Vive da maneira que lhe apraz, sempre malandramente sorridente. Além de sua paideguice, cinismo, sarcasmo, ótimas sacadas e papo bacana, ela também é prestativa.

É lindo observar como a Rejane vive. Nas noites insones do trabalho ou dos bares, sempre com amor pelos seus ou pelo seu ofício. Nunca vi a Rejane usar seu tempo para falar coisas ruins de alguém. Ela ri, faz piada, ri de novo, fala uma sacanagem ou escuta com atenção. Sejam bobagens ou problemas das pessoas que ama e dedica a elas toda a sua atenção e amizade.

Rejane, querida amiga, que sigas com essa sabedoria que lhe é peculiar. Que tua vida seja longa. Que teu novo ciclo seja ainda mais pai d’égua. Que sigas com essa garra e alegria que são marcas suas. Às vezes, estamos longe um do outro, mas sempre perto, dentro do coração mutuamente. Que sempre tenhas sucesso, saúde e tudo que caiba no seu conceito de felicidade chegue a você. Amo você! Parabéns pelo teu dia e feliz aniversário!

Elton Tavares

Pequena linda resenha sobre o livro “Crônicas de Rocha – Sobre Bênçãos e Canalhices Diárias” – Por Lorena Queiroz (@LorenaadvLorena)

Por Lorena Queiroz

É difícil fazer análise de uma leitura, escrita por pessoas que conhecemos a uma vida inteira. Digo isso porque corremos o risco de ser tendenciosos ou superficiais, pois podemos estar usando o véu da simpatia no nosso julgamento.

Semana passada, lendo o livro “Crônicas de Rocha – Sobre Bênçãos e Canalhices Diárias”, do Elton Tavares, concluí que não se trata disso. É um livro gostoso de ler. Uma leitura que rapidamente cria intimidade com o leitor. Não apenas pelos textos sobre o velho Penha (pai dele), bem como pela linguagem que sai diariamente das bocas de todos nós, mas pela sinceridade das emoções e como elas se expressam nos textos.

No título, “Em dias de chuva”, a gente consegue transitar pelas emoções, que foram comum à todos na infância. “As Mirandas” que encontramos na vida, quem nunca?. E, por fim, se você já ficou de bobeira no canto do Xodó, aprendeu a tomar um trago por ali, e não se encantou com o texto da página 45, então, meu amigo, é porque você não tem uma boa história p contar.

* Lorena Queiroz é minha prima, mas sempre foi muito mais minha irmã mais nova e amiga pra tudo. A gente vive longe um do outro (ela mora no Sul), mas tá sempre dentro do meu coração (Elton Tavares).

Gilvana Santos gira a roda da vida. Feliz aniversário, Gil!! – (@gilvana_ap)

Gira a roda da vida, neste sétimo dia de outubro, uma das grandes jornalistas do Amapá, radialista conceituada, excelente assessora de comunicação, mãe do André, irmã da querida Girlane (que também tá “de berço” hoje e a ela desejo todo o amor dessa vida) e filha da linda Juracy, pirata estilizada, vascaína persistente, remista convicta, amante do samba, do carnaval e do futebol, dona de uma das gargalhadas mais legais que conheço, minha colega de trampo (muito trampo) e  querida irmã de vida, Gilvana Santos.

A Gil consegue ser responsável, infalível e perspicaz. Inteligentíssima e competente, se garante no rádio, escrevendo, no vídeo e ainda escreve roteiros como poucos. Além de sua visão estratégica. A broda é senhora deste ofício que escolhemos e para mim, além de irmã, parceira, confidente, é uma espécie de luz na escuridão no cotidiano. Sim, ela só dá o papo certo no âmbito profissional. Agradeço sempre suas orientações.

Poucas pessoas participaram tanto da minha vida na última década. Gilvana foi uma dessas queridas pessoas que eu escolhi conviver e viver meus melhores momentos. Claro que, como faz parte quando estamos sempre perto de alguém, rolaram algumas brigas. Uma dessas rispas foi até bem feia e bem doído. Espero que nunca mais role, pois amo demais essa mulher. Graças à Deus nós voltamos ao nosso normal, que é a parceria e amor.

Gil, assim como eu, gosta de viver. Não comedidamente, mas sim com tudo que temos direito. Gostamos de rodas de amigos, de cervejas enevoadas e de boa música. Já choramos juntos, mas poucas vezes. Temos incontáveis histórias sensacionais que renderiam textos porretas de humor, aventura, “marcações” e vitórias. Sempre nos divertimos juntos. Ela é uma das pessoas que sempre gosto de ter por perto, por conta de sua aura boa, conversa gostosa e presença de espírito.

Já disse e repito, trata-se de um daqueles seres humanos ímpares, com carisma e bom humor invejáveis. Ela é uma mulher com um astral altíssimo, solidária com todos, zelosa com a família e fiel aos amigos. Às vezes é uma louca varrida e gosto disso. Afinal, a gente pira de vez em quando para não pirar de vez. Com seus inabaláveis valores éticos e morais, mas sem frescura ou preconceito, existe uma verdade absoluta sobre Gilvana Santos: é que ela é uma pessoa do bem.

Nesses 10 anos de amizade (mas devem ser uns milhares entre nossas diversas vidas), Gil se tornou uma das principais companheiras na jornada na minha trajetória e, sem dúvida, deixa a minha existência muito mais feliz. Aliás, graças a Deus que a Gil cruzou o meu caminho e ajudou na construção deste profissional e homem, pois a loira emana energia positiva; sempre tem um elogio, um conselho ou o ombro amigo.

Também repito (escrevi em outra oportunidade) que a Gilvana é só amor. Ama o filho, a mãe, os irmãos, os amigos e a profissão. A sua fé inabalável em dias melhores nos contagia. Sem falar na jovialidade e espirituosa gaiatice.

Gilvana, por tudo dito acima e muito mais coisas (algumas delas impublicáveis), agradeço pela tua existência orbitar a minha e vice-e-versa.  Que teu novo ciclo seja ainda mais paid’égua.  Que tenhas sempre saúde, mais sucesso, grana e que tudo que tu conceitues como felicidades se realize. Que Deus continue a te iluminar e que tu continues nessa longa e louca estrada de tijolos amarelos com essa alegria linda.  Te amo, Gil. Meus parabéns e feliz aniversário!

Elton Tavares

Lúcia Pimentel gira a roda da vida. Feliz aniversário, tia querida!

Existem pessoas que aparecem em nossas vidas e somem como uma nuvem de fumaça que se dissipa, sem deixar nada além de breve lembrança. Em alguns casos boas, noutros nem tanto. Com o tempo, delas tiramos somente o aprendizado – Ou o cinismo, como diria Cartola. E existem aquelas que chegam para ficar, marcam território e a gente nem sabe mais como viver sem esses afetos. É o caso de Lúcia Pimentel, que hoje gira a roda da vida pela 59ª vez, mas com corpo e rosto de ‘30’ e com toda a beleza de ser um ser humano ímpar neste planeta.

Lúcia é aquele tipo de pessoa indizível, que de narrar, a gente nem acredita que existe mesmo. É a dedicada mãe da linda Danielle, esposa e parceira do Pedro Aurélio, irmã apaixonada, advogada, zootecnista, fazendeira, servidora da Caesa, torcedora fervorosa do Clube Náutico Capibaribe, cuidadora de animais (principalmente cavalos), minha querida e linda tia “postiça” preferida e amiga que tanto amo.

A gente não pensa igual em muitos aspectos, mas faz parte e gosto de ter a Lúcia por perto. Já disse e repito: trata-se de uma pessoa de verdade, que não esconde imperfeições e derrama uma sinceridade cativante. Lúcia tem uma luz particular, que irradia e alcança verdadeiramente as nossas vidas, com seu afeto, que transparece por seus sorrisos, sotaque, conselhos, engraçadíssimas histórias de vida, cuidado e amor. Principalmente com seu marido, com nossa amada nonagenária, minha linda “vó Peró” e com os pequenos de nossa família. Sim, as crianças são loucas por ela. Não, na verdade, todos somos.

2020 não foi e ainda não está fácil para nenhum de nós. Mas para alguns, foi mais difícil. Lúcia teve um baita susto no início do ano, quando meu tio (e também amigo demais), seu marido, sofreu um acidente. Tudo acabou bem e, tanto ela quanto nós, agradecemos sempre. E a gratidão a ela é com ênfase, pois cuida do Pedrão como ninguém.

Outra coisa que não tem como não repetir, é que não lembro de nada, de nenhum episódio que desabone sua conduta desde que a Lúcia entrou para nossa família. O amor e respeito mútuo por todos nós é lindo de ver e de sentir. Sobretudo com a vovó e para com a tia Maria.

Inteligentíssima, bonita, honesta, trabalhadora, sincera, carismática, prestativa, desprovida de frescura, discreta e dona de uma positividade invejável, faz da Lúcia essa mulher fantástica.

De um tempo pra cá, Lúcia resolveu mudar alguns hábitos, e está levando uma vida mais saudável. E ela tenta me levar junto. Mas sou um gorducho de uma figa que odeia caminhar ou malhar, mas sei que a insistência é preocupação e amor. Agradeço por isso também.

Sinto que posso contar com a Lúcia para qualquer coisa. E é recíproco. E digo mais, nossa brodagem é inabalável e sem prazo de validade. Só se um de nós pirar e virar outra pessoa, o que é impossível.

Algumas pessoas são verdadeiras dádivas. Como a Lúcia! Querida doutora-tia-amiga, que tu tenhas sempre saúde, mais sucesso e felicidades em tudo que desejas realizar. Gordão aqui te ama. Aliás, nós te amamos. Parabéns pelo teu dia e feliz aniversário!

Elton Tavares

Rita Freire gira a roda da vida. Feliz aniversário, irmã!

Sabem, querido leitorado deste site, tenho a sorte de ter amigos longevos. São caras e meninas com quem dividi momentos felizes de minha existência. Uma entre estes afetos gira a roda da vida hoje, a Rita Freire.

A filha do Barata e da dona Maria José, irmã da Simone, Lourdes e Patrícia é uma pessoa linda, de grande coração e caráter e fé inabaláveis. Conheci a Rita em 1995 ou 1996, não consigo precisar. Mas essa data é só desta vida, pois o amor que sinto por ela é coisa de outra passagem.

Falando em outras vidas, a Rita é uma dessas pessoas iluminadas. Além de boa filha, ela coordena grupos de trabalho na União Espírita do Pará, ajuda uma porrada de gente.

Arquiteta apaixonada por gatos, boa gastronomia e Rock and Roll, ela é também minha confidente, conselheira e parceira. Pois mesmo ela morando há mais de 20 anos “em Belém do Pará Longe, longe, longe, aqui ao lado, nada nos separa”.

A Rita sempre me apoiou em tudo, mesmo distante. Com ela, vivi coisas totalmente impublicáveis, dos tempos que éramos doideira. A broda já segurou algumas de minhas barras mais pesadas. Enfim, trata-se de uma amiga de quem sempre sinto saudades do convívio e que está o tempo todo na minha memória afetiva e no meu coração.

No ano passado, Rita passou alguns dias em Macapá. Deu pra matar um pouquinho das saudades. A pandemia não permitiu que nos víssemos de uns meses para cá. Mas logo que eu pisar em Belém, vou matar essa falta que ela me faz e que a gente ameniza via internet.

Rita, querida amiga, tu és muito importante, perto ou longe. Agradeço sempre o fato da tua existência orbitar a minha e vice-versa.

Que tu tenhas sempre saúde, sucesso e sabedoria junto aos teus amores. Que tudo que caiba no teu conceito de felicidade se realize. Te amo, minha irmã!

Parabéns pelo teu dia e feliz aniversário!!

Elton Tavares

Márcia do Carmo gira a roda da vida. Feliz aniversário, Marcinha! – @carmomarcia

Ser jornalista fez com que eu conhecesse pessoas realmente fantásticas ao longo destes anos de trajetória. E tive a sorte de trabalhar com vários dos melhores profissionais do Amapá. Além de competentes, alguns se mostraram ser pessoas extremamente porretas. É o caso da fotógrafa Márcia do Carmo, que gira a roda da vida hoje.

Marcinha é uma filha zelosa, tia amorosa, amiga prestativa, melhor fotógrafa com quem já trabalhei, fotojornalista de olhar aguçado, cineasta, publicitária, empresária, trabalhadora e batalhadora, além de muito querida amiga deste editor.

Hiper competente, braba e intrépida, Marcinha é uma pessoa pequena, mas de um talento imenso e um coração gigante. Uma mulher honesta e de caráter, coisa que não podemos dizer de muitos. Ela é uma mulher do bem e uma das grandes amigas que fiz nessa profissão.

Minha amizade com Márcia do Carmo foi forjada debaixo de sol e chuva, durante anos de trampo. Já contei aqui e repito que: com ela já fiz viagens malucas em que cobrimos diversos tipos de pautas e em condições adversas. Nós caminhamos na lama, dividimos comida e cervejas pelas estradas e bares do Amapá. Dormimos em carros, barcos e hotéis de qualidade duvidosa. E acreditem, isso são lembranças lindas.

A gente se respeita, se gosta e se ajuda. Sei que posso contar a Marcinha, pois ela já deu provas disso diversas vezes. Essa “retrateira” boçal mora no coração deste gordo e acredito ser recíproco.

Do Carmo, tu sabes o quanto te admiro e respeito. Que tu sigas com saúde sempre e congelando momentos com esse teu feitiço fotográfico. Que a gente ria e beba muito juntos nessa vida, por pelo menos mais uns 50 anos. Tu és foda, considerada e amada.

Obrigado por tudo. Te amo (gosto de dizer isso muitas vezes para as pessoas que amo, de fato). Parabéns pelo teu dia e feliz aniversário!

Elton Tavares

Feliz Aniversário, papai! (Para jamais esquecermos do Zé Penha)

Eu, papai e Clara (sua namorada) em 1997.

No dia de hoje (17), se meu saudoso pai estivesse entre nós, faria 70 anos. Antes eu dizia “se estivesse vivo”, mas ele está, dentro de nós, por isso, ainda é seu aniversário. É difícil definir um modelo de vida, acredito que cada um vive da forma que lhe é aprazível. José Penha Tavares viveu tudo de forma intensa e foi um homem muito feliz. Eu sigo seu exemplo e sou muito feliz.

Meu irmão e papai, em 1996.

O mais legal é que ele nunca fez mal a ninguém, sempre tratou as pessoas com respeito e foi muito amoroso com os seus. Meu irmão costuma dizer que ele nos ensinou o segredo da vida: “ser gente boa” (apesar de alguns gatos pingados não comungarem desta opinião sobre mim).

Nós e o Zé Penha, em dezembro de 1997, no último natal dele conosco.

Quando o bicho pega, falo com ele. Uma espécie de monólogo, mas juro que sinto conforto em lhe contar meus raros problemas. Acredito que papai escuta e, de alguma forma, me ajuda. Devaneio? Não senhores e senhoras, é que aquele cara foi um grande pai, ah se foi. Portanto, deve mexer os pauzinhos lá por cima.

Zé Penha, uma figuraçã! Saudades sempre.

Ele partiu em 1998, faz e fará sempre falta. Sinto saudade todos os dias e penso nele sempre. Nosso amor vem das vidas passadas, atravessou esta e com certeza a próxima. Gostaria de lhe dar um abraço hoje, desejar feliz aniversário e tomar muitas cervas com o Penhão, como costumávamos fazer.

Essa montagem foi uma brincadeira do meu irmão, sobre tomarmos umas com o velho nos dias de hoje.

Republico este texto para o Zé Penha jamais ser esquecido. Não por mim, pelo meu irmão ou os irmãos e mãe dele, que nunca o esquecemos, mas sim pela legião de amigos que ele fez durante sua breve jornada por aqui. Faço minhas as palavras do poema Filtro Solar: “dedique-se a conhecer seus pais. É impossível prever quando eles terão ido embora, de vez”. Saudade, Penhão. Feliz aniversário, papai!

Elton Tavares

Aniversário do Elton Tavares: dia de celebrar este amigo/irmão – Por @BernadethFarias

Hoje é dia de escrever sobre o filho da Dona Maria Lúcia e do seu José Penha; neto da Nonagenária Peró, irmão do Emerson e tio da Maitê. Quem roda o calendário da vida é o jornalista, escritor, poeta, cinéfilo, amante de rock’n roll, encegueirado pelo Flamengo, degustador diário de cerveja (kkkkkkkkkk) e meu amigo/irmão Elton Tavares.

Elton é sinônimo de amizade e intensidade. Vive a vida como ninguém: trabalha intensamente, ama intensamente, curte intensamente, escreve intensamente, viaja intensamente. Não posso descrever as demais atividades intensas senão perco o amigo (brincadeira).

Nossa amizade surgiu há 9 anos. Mas, o que já vivemos juntos parece que tem 9 séculos (Hahahahahaha). Pois já foram muitos trabalhos, viagens para os congressos de assessores de comunicação (este por sinal merece uma crônica à parte, kkkkkkkkk), happy hour no Empório do Índio, João do Camarão e Lamaru.

Hoje, queria te dar e receber aquele super abraço, mas a pandemia nos afastou presencialmente, porém virtualmente receba todo meu carinho e amor, pois estamos firmes e fortes com nossa amizade, fofocas (ops, atualizações de notícias), risadas e memes lá no WhatsApp.

A você meu irmão de coração, como sou grata por sua amizade e irmandade. Que o Universo sempre conspire a teu favor, e eu estarei aqui na torcida para vibrar e comemorar contigo.

Que benção a minha tê-lo como amigo/irmão. Te desejo sempre o melhor desta vida, pois tão grande como seu tamanho é o seu coração tão generoso. Feliz Aniversário. Te amo!

Todo esse carinho por você é da nossa família: Berna, Job e Joab!

Bernadeth Farias

Hoje é o Dia do Irmão e eu tenho o melhor de todos os irmãos. Obrigado por tudo, Merson!

Este site possui a seção “Datas curiosas”. Para essa coluna, escrevo sobre curiosidades dos dias do ano. Pois bem, então vamos lá. Na cultura Nepali, a data de 5 de setembro (hoje) é o “Dia do Irmão”. A celebração faz parte de uma série de comemorações de festivais hindu. Lá, este é um dia de reconciliação, perdão e reencontro.

No Brasil, o dia surgiu por iniciativa da Igreja Católica, que homenageia o aniversário de morte da missionária Madre Teresa de Calcutá, desde 2007 – data que completou 11 anos de sua morte, também em 5 de setembro. No entanto, não há um registro que oficialize a data no país.

Sim, eu sei, todos os dias é dia do irmão. Além dos irmãos de sangue, grandes amigos, pessoas especiais, que também são como irmãos. Tenho a sorte e a bênção de ter muitos irmãos, companheiros de vida que me ajudam na caminhada. São tantos que não vou nomeá-los neste texto (faço isso nos aniversários de cada um deles), pra não correr o risco de cometer injustiças. Aos meus queridos, meu muito obrigado.

Passo então a escrever sobre meu irmão de fato, de sangue, alma e coração, o Emerson Tavares.

Admiro quem é bom irmão, mas a coisa é mais rara do que parece. São tantos casos de pilantragens, traições e falta de amor entre irmãos que, só de saber, lamento. Conheço muita gente que não dá valor aos seus e acho isso lamentável.

Eu tenho muita sorte de ser irmão de Emerson Tavares. O cara é gente boa, espirituoso, inteligente, bom caráter, bom pai, bom marido, bom filho, bom neto e irmão perfeito. Sim, perfeito pra mim. Tenho tanto orgulho dele que não cabe em mim.

Se alguém me perguntasse quem eu gostaria de ter ao meu lado para atravessar qualquer tipo de situação adversa, seria ele. Eu e Merson já enfrentamos muitas barras juntos e sempre vencemos tudo.

Emerson é o meu melhor amigo. Cara que sempre contei, conto e sempre contarei na vida. Ele me apóia, aconselha, ajuda, compra minha briga e, se preciso, me critica, para que eu possa melhorar. Ele é sensacional!

Deus foi muito bom comigo. Merson é um cara fantástico. Uma pessoa sensacional que irradia positividade. Ele e minha mãe são pessoas que sempre me apoiaram e sempre apoiarão nesta vida.

Li em algum lugar* que a palavra irmão, vem do Latim ‘germanus’, que quer dizer verdadeiro. Na linguagem do amor, essa que aprendi no dia a dia como meu irmão, ter um irmão é tudo isso e muito mais. Porque ele existe, porque é esse cara fantástico, eu sei que sou uma pessoa mais forte. Isso é verdadeiramente único na minha existência.

Se você não é tão amigo de seu irmão ou irmã, ainda é tempo de fazer essa relação virar um laço de amor, pois é para sempre.

A canção diz “o amor é um grande laço”. Entre irmãos, ele é mais forte e para sempre. Te amo, Merson! Obrigado por tudo, meu mais que maravilhoso irmão !

Seja legal com seus irmãos. Eles são a melhor ponte com o seu passado e certamente quem vai sempre te apoiar no futuro” – Trecho do poema Filtro Solar.

Elton Tavares

Eu lembro, pai. Muito obrigado! – Texto atualizado e republicado por motivo de saudades.

Lembro da minha infância com alegria. Eu e meu irmão fomos agraciados com excelentes pais, que nos proporcionaram tudo de melhor possível (e muitas vezes impossível, mas eles fizeram mesmo assim). Graças a Deus, minha mãe continua aqui e é meu anjo da guarda.

Lembro todos os dias do meu pai, José Penha Tavares. Ele faz muita falta. Não só hoje, que é Dia dos Pais, mas sempre. E sempre fará. Difícil compreender as indecifráveis razões de Deus para algumas despedidas.

Lembro que nós nunca fizemos a primeira comunhão, nem eu e nem Emerson, pois fugíamos das aulas de catecismo para ir com o papai pra AABB. Ele ia jogar bola e nós curtíamos a piscina. Apesar de não ter sido um frequentador de igrejas, Zé Penha tinha muito mais Deus no coração do que a maioria dos carolas que conheço.

Lembro-me de quando ele me levava para ver seus jogos de futebol. Era goleiro dos bons. Lembro quando tinha mais ou menos uns quatro anos ele me chamava de “Zôk”, apelido dado por causa da risada que eu dava quando ouvia o nome da moto Suzuki.

Lembro que sempre foi nosso herói, meu e do meu irmão Emerson. Depois, também virou ídolo de muitos amigos, por conta do nível caralístico de paideguice que ele tinha. Lembro que poucas vezes vi meu pai triste ou irritado.

Lembro-me das poucas broncas, de algumas porradas, de poucas discussões. Disso mais lembro de esquecer. Lembro muito mais das viagens, da parceria, da amizade, da proteção, da admiração que tinha e tenho por ele.

Lembro-me de papai nos levar para jogar bola, ao cinema, circo, arraial ou qualquer lugar em que ficássemos felizes. Éramos moleques exigentes, mas lembro que ele e mamãe sempre davam um jeito, mesmo com pouca grana. Lembro dos ensinamentos e sei que uma porção grande de bondade que trago em mim herdei de meu pai.

Lembro que conviver com meu pai era viver no paraíso. Lembro-me de como todos o amavam e até hoje, todos sentimos saudades. Lembro que já são 21 anos sem você. Lembro, Zé Penha, de o quanto fomos parceiros, confidentes e grandes amigos. Aliás, pai, fostes o melhor de todos. Lembro de como eras sensacional, cara. Incrível, mesmo!

Lembro de tudo amorosamente, pouquíssimas vezes com lágrimas nos olhos, mas a maioria com sorrisos. Pois o que mais lembro é que tu, pai, era a personificação da alegria e bom humor. Enfim, de vida. Lembro de ti, Zé Penha, todos os dias. E amo lembrar o que fostes e o que representas. Obrigado por todo o amor. Um beijo em ti. Estejas tu nas estrelas ou em qualquer lugar além do meu coração. Amo-te, pra sempre. Feliz Dia dos Pais!

Elton Tavares

*Texto atualizado e republicado por motivo de saudades.

Hoje é o Dia dos Pais – Minha homenagem aos que amam e zelam por seus filhos

Hoje (9) é o Dia dos Pais. A data tem origem na antiga Babilônia, há mais de 4 mil anos, por conta do jovem chamado Elmesu, que moldou em argila o primeiro cartão. Nele, o rapaz desejava sorte, saúde e longa vida a seu pai. Para alguns, é somente mais uma data inventada pelo comércio para promover suas vendas. Quem idealizou a data para o segundo domingo de agosto foi o jornalista Roberto Marinho, em 1953, justamente para aquecer as vendas do comércio e, consequentemente, o faturamento de seu jornal, O Globo.

O Dia dos Pais é muito mais que isso, é dia de reverenciar nossos heróis. A paternidade é uma dádiva, nem me imagino como pai, mas admiro quem cria, cuida, protege e educa sua prole. Sempre digo aos meus amigos: “cuidem e amem seus pais enquanto eles estão por aqui”. Ah, diga “eu te amo, pai!”. Acredite, esse é o melhor presente.

O dia de hoje mexe comigo, me traz muitas saudades do meu pai, José Penha Tavares, do patriarca de nossa família, meu avô João Espíndola Tavares e do meu tio, Itacimar Costa Simões (que também foi um pai para mim). Os três já partiram para outro plano, mas que fique registrado, eles foram homens valorosos, com quem aprendi coisas fundamentais para a vida como dignidade, honra e respeito às pessoas.

Dedico este texto a todos os meus amigos e parentes que foram abençoados com a paternidade, aos filhos que ainda tem o privilégio de terem seus pais por perto e aos pais que fazem tudo pelos seus filhos, cada um a sua maneira. Em especial ao meu irmão Emerson, meus primos Adriano Silva e Marcelo Tavares, meus tios Pedro Tavares e Paulo Tavares. Além dos meus muitos amigos que são grandes pais. Alguns são mais dedicados e amorosos, outros mais práticos e de poucos chamegos, mas o importante é o papel que vocês cumprem. Feliz Dia dos Pais!

Dedique-se a conhecer seus pais. É impossível prever quando eles terão ido embora, de vez” – Frase do poema Filtro Solar.

Elton Tavares

26 anos sem o Ita – Republicado por não esquecer do amigo

Na esquerda, nos anos 80, Ita comigo e meu irmão Emerson. No centro em Natal (RN), em 1990 e na direita, em 1994.

Convivi com muita gente porreta nessa vida. Entre essas pessoas fantásticas, o sensacional Itacimar costa Simões, o querido “Ita”. Ele era marido da minha tia Tatá, pai da Dayane (duas pessoas com quem tenho pouco convívio hoje em dia, mas sou grato a ambas) e um dos mais valiosos amigos que tive a honra de ter. Hoje completam 26 anos que o Ita embarcou na cauda do cometa e seguiu para outra existência.

Ita morreu em 29 de julho de 1994, vítima em um acidente automobilístico na estrada do Igarapé do Lago, no interior do Amapá. Era período eleitoral. Na época ele era candidato a deputado estadual. Ele foi um cara sempre foi alegre, prestativo, inteligentíssimo, igualmente competente. Além disso, aquele figura foi excelente pai, filho, irmão e marido.

Ita era professor de ofício, mas ocupou vários cargos administrativos no Governo do Amapá. Além disso, foi o melhor amigo do meu pai, Zé Penha, que também já fez a passagem. Ainda posso ouvir e ver papai e Ita tomando cerveja, jogando dominó ou somente falando adoráveis sacanagens.

Zé Penha (meu pai) e Itacimar Simões (meu tio). Eles eram grandes amigos por aqui e devem tomar umas lá do outro lado.

Impossível não lembrar de Itacimar no dia 29 de julho e não sentir saudades dele. Ao Ita, todo ano dedico este texto, minha eterna gratidão e amizade. Saudades, tio. Até a próxima vez!

Elton Tavares

Anderson Miranda gira a roda da vida pela 45ª vez. Feliz aniversário, “The Clash”!

Sabe, gosto de uma porrada de gente. Tenho muitos amigos, graças a Deus. E um bom punhado de inimigos pra ficar ligado – faz parte. Mas alguns desses companheiros são verdadeiros irmãos de jornada. Um deles gira a roda da vida hoje pela 45ª vez: o Anderson Miranda, nosso querido “The Clash”.

The Clash foi o apelido dado nos anos 90 pela galera que curtia “roquenrou” com o Anderson. Mas a gente começou a tomar cerveja na casa dele e descobrimos que seu apelido familiar é “Macaco”, portanto o chamamos pelo seu nome e mais essas duas alcunhas.

Bom, trata-se de um cara sensacional. Educado, inteligente e gente fina no nível hard. Anderson sempre foi um brother porreta para bater um papo sério ou pirar no sentido literal da palavra.

Quem não gosta do Macaco é doido ou não presta. Pois o figura possui o respeito, admiração e o amor de sua família e amigos.  Pois além de grande sacana, The Clash é um excelente filho, irmão, tio e brother.

Anderson é o filho mais velho da dona Sabá e do seu Waldemir, gerente da Caixa Econômica Federal, marido da querida Adê. Sofre por suas escolhas no futebol, já que é torcedor convicto do Vasco e do Remo. Entre outras muitas coisas legais que o figura é, ele é batuqueiro/tocador de tambor, amante de Rock and Roll, e o ateu mais cristão que conheço, pois pouca gente que convivo faz tanto o bem quanto ele.

Eu, Emerson e Patrick já viajamos muito juntos com o Anderson. Para ver shows de Rock fora do Amapá ou em viagens mais intimistas por aqui mesmo. The Clash é nosso comparsa, confidente, socorrista, enfim, parceiro de tudo que é coisa firme nessa vida e ainda podemos contar com ele se der merda em alguma coisa. Ele já me ajudou incontáveis vezes – e por motivos diversos. Sou sempre grato a este grande amigo.

Já disse e repito: com uma história de batalho e sucesso formidável, Anderson Miranda é um cara inspirador. Por sorte, conheci esse bicho há mais de 20 anos, lá no Colégio Amapaense. E tenho o prazer, sorte e orgulho de ter sua amizade há décadas.

O sacana às vezes me enche o saco, mas sei que é para o meu bem. Das poucas vezes em que fiquei puto com Anderson, nem lembro da maioria, de tão rápidas e sem importância. Lembro muito é de seus feitos por mim, pela sua família, pela galera, por estranhos.

Também é um figura contemporizador, boa praça, agradável. É sempre firmeza bater um papo com ele sobre qualquer assunto, desde as nossas bobagens ou conversas sobre política, cultura, entre outras coisas legais. Anderson Miranda é um cara safo, inteligente, incorruptível, bem-humorado e com um coração maior que ele.

Anderson é um mestre em cuidar da própria vida. Sério. Se o cara não te ajudar, ele não te atrapalha. Nem com comentários ou julgamentos quando estás fazendo merda.Ou seja, o Macaco é PHoda. Ele é, sobretudo, um homem de bem.

Macaco, mano velho, “tu saaaaaabes”. Que a Força sempre esteja contigo. E que tu sigas com toda essa saúde e sucesso por no mínimo mais uns 50 anos. A gente te ama, cara.

Meus parabéns e feliz aniversário!

Elton Tavares