Pedro Aurélio Júnior gira a roda da vida. Parabéns, prim0. Te amo! – @P_Aureli0

Gira a roda da vida, neste segundo dia de março, um cara porreta, brother mesmo. Parceiro de noites etílicas, Pedro Aurélio Tavares Júnior é meu primo, amigo querido e uma espécie de irmão mais novo. Ao Pedrinho, rendo homenagens hoje

Bacharel e Direito e colaborador da Cunha & Tavares Consultoria, Pedro, neto mais novo da vó Peró, irmão do Marcelo, são-paulino sofredor persistente, amante de Rock and Roll, música eletrônica e cervejas especiais e esportista (já foi praticante de artes marciais, jogou bola, tênis e foi corredor de rua, hoje dia tira a cana do corpo em academias).

Sempre digo que eu já era adulto quando ele e Ana (nossa prima de mesma idade dele) chegaram e trouxeram ainda mais alegria pra nossa família. E foi assim mesmo. Amo os dois, que são tão diferentes, mas igualmente importantes para mim.

Pedro Júnior se tornou um companheiro de vida nos últimos anos. Me preocupo com o sacana e sempre uso o velho adágio popula com ele: “faça o que digo, mas não o que faço”, mas ele é “maluvido” e segue junto na doideira.

Primo, sabes que te amo. Às vezes, ficamos putos da vida um com o outro, mas isso também faz parte da coisa.

Que tu sigas esse cara bacana, prestativo e brother que és. Que sempre encontres o equilíbrio entre a loucura e a responsa e que Deus sempre ilumine o teu caminho. Que tenhas sempre saúde e muito sucesso. A tua jornada apenas começou e que teu novo ciclo iniciado hoje seja muito porreta.

Que a gente ainda beba, ria e pire muito juntos. Por pelo menos mais umas duas décadas (se eu der conta). Sabes que podes contar comigo. Te amo!

Parabéns pelo teu dia e feliz aniversário!

Elton Tavares

Feliz aniversário, Maria Penha Tavares. Te amo, tia!

Gira a roda da vida, nesse domingo de carnaval (23), uma das primeiras pessoas que me amou e uma das grandes amigas que tenho na vida. Maria Penha Conceição Tavares troca de idade (com mais de 60 invernos amazônicos e com aparência de 50 aninhos), e a ela rendo homenagens.

Difícil escrever sobre alguém tão especial, mas sempre tento. A tia Maria é a filha mais dedicada, irmã preferida do meu pai (que encerrou sua jornada por aqui) e filha preferida da Peró e vô João (que também já seguiu para as estrelas).

Maria vive duas vidas: a dela e a da nossa matriarca, minha amada avó Peró. Quem conhece essa linda história sabe da nobreza e total compromisso da titia para com sua mãe. Tia também foi uma competente bancária durante décadas, é contadora e ex colaboradora da Cunha & Tavares Consultoria. Ela sempre foi empenhada, responsável e dedicada em tudo que se propôs e se propõe a fazer.

Não consigo enumerar quantas vezes ela me ajudou com conselhos, dinheiro, orações, puxões de orelha. Se alguém nesta vida cumpriu e cumpre tão bem suas missões familiares como filha, irmã e tia, é a nossa Maria.

Titia é íntegra, honesta, inteligente, batalhadora, e decente. Maria sempre foi um dos faróis (assim como mamãe e vovó Peró) na tempestade que sou, sempre foi umas das luzes do meu caminho. João Espíndola e Perolina tiverem a sorte de ter uma filha como ela. Assim todo os resto de nós, os Tavares.

Ela sempre esteve lá quando precisei, desde 1976. E nestes quase 44 anos da minha vida, agradeço por ela ter me apoiado tanto e ter aceitado minha forma anticonvencional de viver. Sim, me ama, louco e torto, gordo e explosivo, ausente ou presente, incondicionalmente. E sou tão grato por isso que não consigo nem expressar totalmente.

De acordo com o Tratado sobre Gratidão de São Tomás de Aquino, existem três níveis de gratidão: superficial, intermediário e profundo. O primeiro, pelo reconhecimento. O segundo, pelo agradecimento, do dar graças a alguém por aquilo que esse alguém fez por nós. E o terceiro e mais poderoso é o do vínculo, é o nível do sentirmos vinculados e comprometidos com essas pessoas.Agradeço à Maria Conceição Penha Tavares no segundo e terceiro níveis, por tudo que fez e faz por mim.

Já disse e repito: Maria foi minha amiga desde o início e seu um dia eu for pra Maitê a metade do tio que ela foi e é pra mim, a missão estará cumprida com sucesso. Costumo contar que Maria Penha foi a pessoa que me educou musicalmente. Graças a ela, gosto de música boa. Ela sempre foi uma espécie de mãe, madrinha, amiga, apoiadora, conselheira, parceira, entre outras tantas coisas maravilhosas que essa pessoa sensacional representa na minha existência.

Por ser essa pessoa lindeza de ser humano e um dos amores da minha vida, festejo hoje mais um ano contigo, Maria. Te amo demais. Obrigado por tudo e parabéns pelo teu dia. Feliz aniversário!

Elton Tavares (mas falo pelo Emerson Tavares também).

Elton Tavares

Feliz aniversário, Adriano Siqueira!

Hoje gira a roda da vida o contador, cervejeiro convicto, pai, filho, irmão e marido exemplar, cozinheiro, além de amigo pra todas as horas, José Adriano Siqueira da Silva.

Sabe, dou valor em muita gente. Amo muito os meus familiares (não todos) e amigos de verdade. E afirmo com toda a certeza: Zé Adriano é um dos melhores seres humanos que tenho a honra de chamar de primo (ele é marido da minha prima Silvana, mas é mais meu primo que muitos deles).

Conheci o Zé Adriano em 1993, no apartamento da tia Sanzinha. Ele era namorado da minha Silvaninha, com quem é casado há mais de duas décadas. Eu não imaginava que, naquele momento, tava diante de um baita cara porreta!

O “porco alemão”, apelido dado ao Adriano por sua turma de Belém (PA), é o pai amoroso do Felipe, marido apaixonado da Silvaninha, um filho sempre dedicado, um dos remistas mais remistas que conheço, além de botafoguense conformado (ele torce para esses dois timinhos, mas o importante é ter saúde).

Amante de cerveja, boa música, dedicado ao máximo à sua família e um amigo com quem posso contar desde que o conheço, (afirmo isso com veemência, pois o cara já me ajudou e muito nessa vida), Adriano é uma figura que faz a diferença.

Zé Adriano foi um dos grandes amigos que meu saudoso pai Zé Penha teve, e certamente é um dos que posso me orgulhar de ter amizade. Apesar da gente não ter tantos encontros como antes, sei que posso contar com ele – e é recíproco.

Em resumo, Adriano é um homem de bem.

Zé, mano velho, que tua vida seja longa e com muito mais saúde e sucesso. Sou feliz por sua existência orbitar a minha e vice-versa. Que tu vivas feliz por mais 54 fevereiros. Tu és do coração, irmão. Te amo!

Parabéns pelo teu dia e feliz aniversário!

Elton Tavares

Maria Lúcia gira a roda da vida. Feliz aniversário, mãe!

Neste terceiro dia de fevereiro, aniversaria o meu primeiro e um dos maiores amores. A pessoa que foi, é e sempre será meu anjo da guarda, uma espécie de Deus particular, que sempre me protege, orienta, ajuda, cuida e, se for preciso, briga por mim. Maria Lúcia, minha mais que maravilhosa mãe, gira a roda da vida pela 66ª vez graças à Deus. A ela, rendo homenagens.

Eu, mamãe e Emerson – Fotos da bolsa de Maria Lúcia há deca das.

Maria Lúcia é a filha mais dedicada da vovó Cacilda, vó coruja da pequena Maitê e também maravilhosa mãe do Emerson, além de esposa do Enilton. Sempre empenhada em ser feliz e fazer-nos felizes, com uma força de caráter e de espírito que impressionam,“Lucinha” é uma mulher admirável.

Orientadora educacional e professora aposentada, mamãe foi uma exemplar profissional e contribuiu muito para a Educação no Amapá. Aliás, sempre trabalhou muito, desde bem novinha, para melhorar sua condição de vida. Ela conseguiu e batalhou muito para dar o melhor para seus filhos, sua mãe e seus irmãos.

Mamãe é íntegra, honesta, inteligente, batalhadora, e decente. Lucinha sempre foi a luz do meu caminho e o amor que sempre zelou por mim. Eu e meu irmão, Emerson Tavares, temos a honra e muuuuuita sorte de sermos seus filhos, pois a amamos e somos correspondidos desde o início desta jornada (no meu caso, há 43 anos).

Dela, herdamos atitude, força e firmeza. Eu e Emerson talvez não fossemos caras trabalhadores e todo o resto de coisas legais que nos tornamos se não fosse por conta da Lucinha.

Dançarina de fim de semana, melhor cozinheira do mundo (aprendeu com a vovó Peró, que é a melhor do universo), minha conselheira e benzedeira, mamãe é multifacetada, hiper talentosa, inteligente e sábia. Ela é, sempre foi e sempre será minha melhor amiga.

Maria Lúcia, que Deus continue a lhe dar saúde, sabedoria e dias felizes. Que sua vida seja longa. És nosso exemplo e porto seguro. Te amamos. Parabéns pelo teu dia. Feliz aniversário!

Elton Tavares e Emerson Tavares (pois como irmão mais velho, posso falar pelo Merson)

Feliz aniversário, Rebecca Braga! (@rebeccabraga)

Tenho amigos das antigas, do tempo que a gente não tinha noção ou planos. Uma época de doideiras, amanhecidas, diversão e tudo ao mesmo tempo. Uma dessas pessoas gira a roda da vida hoje. Trata-se da filha mais velha do Braga e Filomena, mãe da linda Sofia, esposa do Giancarlo, cantora, compositora, instrumentista, ativista cultural, feminista atuante, cronista, professora de inglês e membro do Duo Musical Malabarista Flor, Rebecca Braga.

Já escrevi alguns textos de aniversário para a Rebecca. E muito escrevi sobre suas apresentações em Macapá, que eu sempre tentava comparecer. Às vezes, até resenhava sobre seus shows. Aliás, sempre foram cheios de boas energias e alegria. A “Bel”, como a chamo, sempre foi artista em sua essência.

Filha dos professores Braga e Filomena, Bel foi criada para pensar e ter olhar crítico do mundo. Assim ela foi moldada, junto à arte e personalidade invejável. Rebecca é inteligente, safa, malandra, bonita, tem atitude e caráter. Tenho orgulho dela. Foi assim que ela criou a Sofi, que se tornou uma moça linda e sabidona.

Rebecca Braca e Giancarlo Frabetti, o Duo Musical Malabarista Flor.

Rebecca sempre esteve dentro da cena. Podia ser cover, autoral, ganhando ou cantando de graça. Ela sempre correu atrás, puxou a fila, fez acontecer. Ela nunca parou. Foi servidora pública, deu aula, mas a música sempre transbordou de dentro dela. Aí ela se apaixonou pelo professor universitário Giancarlo Frabetti e foi ser feliz em Belém (PA). Como o cara também é músico e “sonhos não envelhecem”, ambos fazem sucesso com o Malabarista Flor, que aliás já ganhou os prêmios de Produção e Difusão Artística da Fundação de Cultura do Estado do Pará e Programa de Incentivo e fomento à arte e à cultura – SEIVA 2017.

Já disse e repito: Rebecca é talentosona, inteligente, dramática, amiga, sarcástica, sensível, depressiva, efusiva, nostálgica, questionadora, perspicaz, defensora e porta voz dos malucos. Em certos momentos, é invejavelmente politicamente incorreta, pois é capaz de atos transloucados e das mais nobres atitudes, entre outras tantas coisas legais e uma minoriazinha chata (nenhum de nós é perfeito e os velhos amigos sabem disso. Eu que o diga).

Não lembro quando eu e Bel nos tornamos irmãos. Tá, a gente brigou muito e ficamos putaços um com o outro em vários momentos, mas eu e Rebecca Braga nos amamos. Já vivemos muitas vidas nesta vida e sabemos que, mesmo distantes, um mora no coração do outro.

Rebecca, que tu tenhas sempre saúde, ainda mais sucesso e…“tu saaaaabes, Patinhas…”. Te amo! Parabéns pelo teu dia e feliz aniversário!

Elton Tavares

*Texto republicado, mas de coração. 

**Vou tá em Belém semana que vem e quero te ver. 

Hoje é o Dia da Saudade

Hoje, 30 de janeiro, é “comemorado” o Dia da Saudade. Não encontrei o porquê de hoje ser destinado à falta de alguém ou um lugar. Só sei que todo dia é dia de sentir saudade. O conceito diz: “Saudade: Substantivo feminino – Lembrança nostálgica e, ao mesmo tempo, suave, de pessoas ou coisas distantes ou extintas, acompanhada do desejo de tornar a vê-las ou possuí-las; nostalgia”.

De origem latina, saudade é uma transformação da palavra solidão, que na língua escreve-se “solitatem”. Com o passar dos anos, assim como outras palavras se transformam de acordo com as variações da pronúncia, solitatem passou a ser solidade, depois soldade e, finalmente, saudade. Palavra que só existe na língua portuguesa.

eu-e-papai2Bom, eu sou um cara saudoso de tanta coisa. Sinto saudades absurdas do meu pai. Grande saudade do meu avô paterno, de alguns parentes e amigos que partiram para outra vida (ou plano, como quiserem) como meu tio Itacimar (Ita).

Tenho saudade diárias do meu irmão, que reside em Belém (PA) e amigos que moram longe. Também sinto falta de todos aqueles que marcaram minha história positivamente e hoje em dia não fazem mais parte da minha vida.

O escritor Charles Baudelaire disse: “Aos olhos da saudade, como o mundo é pequeno”.

Quem dera ser tãeueav_so simples. Já o poeta Paulo Leminski frisou “Haja hoje para tanto ontem”. Só que o Raul Seixas, o mais maluco dos compositores, foi mais enfático ainda ao dizer: “A saudade é um parafuso que, quando a rosca cai só entra se for torcendo, porque batendo não vai,mas quando enferruja dentro, nem distorcendo não sai”. Perfeito!

Sinto saudade da minha infância, da falta de responsabilidade e dos dengos da minha avó Peró. Saudade dos tempos do Colégio Amapaense, das memoráveis festas de rock, amanhecidas, dos bons tempos com ex amigos, da velha equipe de comunicação e até das boas brigas. É, a gente botava pra quebrar!

Sinto saudades do jornalista e amigo querido Tãgaha Luz, que nos deixou e seguiu para a redação celestial. Que saudades desse cara!

Deus, graças a ele, sobrevivi aos anos 90. Era tudo tão surreal, tão perfeito, tão legal, doce ilusão. Saudades daqueles anos vividos intensamente! Sinto saudades até de ter saudades de alguns que foram tão importantes e agora não passam de mais um rosto na multidão.

Sinto saudades de tanta coisa. Mas, como tudo na vida, há saudades justificáveis.

Também sinto saudades da época que era inocente, que não era tão duro, tão egoísta, tão cético e cínico. A saudade é alimentada pelas ternas lembranças guardadas na memória e no coração. E é tanta coisa que nem dá pra listar aqui. Isso acontece todos os dias e não somente hoje.

Li em algum lugar que, se sentimos saudades, é porque valeu a pena. Vida que segue. E graças a Deus, segue feliz, mesmo com minhas saudades. É isso!

Elton Tavares

Cai dentro, 2020. Feliz ano novo! (meus votos para todos nós, pois o futuro está ali, dobrando a esquina)

2020 está ali, dobrando a esquina. Que todos nós, eu, você e demais pessoas que estão lendo este texto, assim como nossos amores, sigamos saudáveis e sejamos felizes no ano que chegará logo. A vida boa e lôca. Só é feliz quem arrisca. Vamo com toda a força no novo ciclo.

Mesmo com todos os desafios, injustiças de toda ordem, homens e mulheres que xingam em nome de Deus e são obscuros adoradores de armas, sobrevivemos ao difícil 2019.

Sou grato aos meus companheiros de jornada, tanto os familiares, amigos e colegas de trabalho, quanto aos que me ajudaram e não estão inclusos em nenhum destes grupos citados. Fomos felizes em 2019, apesar de TUDO. A vida que construí e os momentos que compartilhei com pessoas que amo são tudo para mim. Agradeço de coração aos meus e, como diz o jornalista Luiz Melo: “obrigado por gostar de mim, apesar de mim”.

Que tenhamos luz e sabedoria para encarar as adversidades e os desalmados que certamente aparecerão no novo ciclo. E que nos esforcemos para sermos pessoas melhores que em 2020. Esse “vinte, vinte”, como disse uma amiga, será desafiador.

Que em 2020 tenhamos muito boa vontade, forças positivas, disposição e autoconfiança para corrermos atrás de tudo o que desejamos alcançar. Tenho certeza de que muita alegria nos espera no ano vindouro. Pelo menos a esperança nisso não é pouca.

Viverei 2020 como se fosse o último ano de minha vida, podem apostar (sempre faço isso). O ano novo promete. Que ele se cumpra então, que seja mágico/fabuloso e sem muitas aporrinhações. E quando fraquejarmos, que ainda haja amor e força para recomeçar.

Tomara que eu e você sigamos lutando por uma vida digna, menos ordinária, no combate a dias e noites tediosas, e cheia de amor. Ou paixões. Afinal, tudo depende de você. E se possível, sem “muitas fingidades”, como dizia Guimarães Rosa. E isso sempre contou pra caralho. E continuará contando sempre!

A todos os que fazem parte da minha vida e aos leitores do De Rocha, desejo um ano novo transbordante de amor e paz. Na hora em que os fogos explodirem no céu e o Ano Novo chegar, desejo que vocês estejam felizes, com boa comida, boa bebida e pessoas que amam.

O escritor Rubem Alves, no livro de crônicas intitulado “Pimentas”, disse: “a gente fala as palavras sem pensar em seu sentido. ‘Benção vem de bendição’. Que vem de ‘dizer o bem ou bem dizer’. De bem dizer nasce ‘Benzer’. Quem bem diz é feiticeiro ou mágico. Vive no mundo do encantamento, onde as palavras são poderosas. Lá, basta dizer a palavra para que ela aconteça”. Então, que Deus continue nos abençoando!

Boas energias, muita saúde e prosperidade. “Difícil de ver. Sempre em movimento está o futuro”, disse uma vez o mestre Yoda. 2020, vem com tudo, cai dentro! Feliz ano novo!

Elton Tavares

Hoje Lorena Queiroz gira a roda da vida. Feliz aniversário, prima. Te amo! – @LorenaadvLorena

Gira a roda da vida nesta quarta-feira a mãe das lindas Marina e Olívia, esposa do Rodrigo Petrocchi, advogada, amante de MPB, Rock and Roll e Reggae, maior fã de Bukowski que conheço, apreciadora de cinema, literatura e cervejas tuíras, bons vinhos, entre outros adoráveis venenos que amamos, Lorena Queiroz. Além de minha prima, uma amiga de verdade que tenho nesta jornada.

Malandramente sorridente, dona de uma tenacidade, colocações viscerais, humor negro e ácido e comportamento irreverente, Lorena é uma espécie de Gregory House (no corpo de mulher), do seriado de mesmo nome. Ah, a “Loloca” também se tornou uma mãe de dar orgulho, pois acompanho sua vida de longe, pelas redes e pelos papos que levamos vez ou outra.

Com ela, vivi muita coisa. A gente bebeu além da conta, pirou demais (lembra daquela vez na carroceria da pick-up cantando “Vamos fugir”?). Nossas conversas nunca foram chatas. Pelo contrário, a gente ria de tudo. Até de nós mesmos. Sim, nos divertimos a valer. Foram muitas vidas em uma. Sinto tanta falta disso, Loloca. Tu nem imaginas o quanto.

Ela está presente em boa parte da minha memória afetiva. Seja na infância feliz ou na juventude doideira. Lorena sabe quem sou de verdade e eu o mesmo sobre ela. Claro que hoje em dia somos pessoas diferentes, mas acredito que melhoramos e muito nossas visões de mundo, pessoas e situações. Vira e mexe, falamos sobre isso e agradecemos não ter seguido por uma vida ordinária como muitos que conviveram conosco.

Fomos amigos inseparáveis. Pensei seria capaz de tudo para proteger a Lorena. Nem sempre fui. Chegamos a nos afastar, mas em algum lugar de um passado recente, com uma mensagem que dizia: “cara, não sei quando eu ou você irá morrer. Por isso, estou fazendo minha parte e entro em contato”, voltamos a nos falar. Naquela noite me deu um suor de alegria nos olhos.

Sinto falta da convivência constante, das incursões boêmias pelas ruas, dos papos legais e ilegais, até do estranho tremer dos olhos castanhos. Loloca é um daqueles afetos para sempre. Uma áspera irmã de quem lembro sempre. A saudade dessa doida varrida só ameniza pelo fato dela estar muito feliz, com seus sonhos se materializando a cada dia. E eu fico aqui, orgulhosão da sacana.

Lorena, tu já dissestes que só a gente entende essa nossa história. Boto fé. Sabes que te amo pra caralho (leia-se intensidade). Que tua vida seja longa. Que teu novo ciclo seja ainda mais iluminado. Que Deus lhe mantenha sempre com saúde para caminhar com harmonia para a prosperidade junto dessa família linda que tens. Todo amor pra ti sempre. Meus parabéns pelo teu dia. Feliz aniversário!

Elton Tavares

*Texto republicado por conta da correria do trampo, mas de coração.

Feliz aniversário, Adê Belém!!

Hoje também é o dia de Adê Belém. Uma pessoa que tenho a honra de ser amigo há quase duas décadas.

Servidora da Embrapa-AP, bibliotecária, paraense torcedora do Paysandu, esposa do Anderson Miranda (The Clash), cristã que alia a fé à prática do bem, companheira de viagens inesquecíveis, Adê é mais que uma amiga. É uma irmã na vida. Já disse e repito: ela é uma das melhores pessoas que conheci nesta existência.

Adê é honesta, estudiosa, trabalhadora e persistente. Ela tem o respeito e admiração dos colegas de trabalho, da família e dos amigos. Aliás, nós não nos tornamos amigos da Adê. A gente simplesmente se apaixona por ela.

Para mim, Adê sempre foi uma confidente, excelente conselheira e ouvinte. Um verdadeiro anjo sem asas, mas que voa alto quando dança, quando ri, quando faz rir, quando nos orienta, nos acalma, quando derrama sua calma e sensatez sobre nossa maluquês crônica. Além de tudo isso, concordo com o Patrick: ela é “a menina mais elegante que conheço” .

Querida Adê, estamos com pouco contato nos últimos tempos, mas torço para que seja um período curto. Tu és do coração. Todo o amor dessa vida pra ti. Que teu novo ciclo seja ainda mais iluminado, produtivo e que tudo que caiba no teu querer se concretize. A gente te ama, de verdade.

Que tenhas sempre saúde e sucesso junto aos seus amores. Meus parabéns pelo teu dia. Feliz aniversário!

Elton Tavares

*Texto republicado por conta da correria do trampo, mas de coração.

Emerson Tavares chega aos 40 anos. Feliz aniversário, meu irmão. Te amo!

Chegar aos 40 com estabilidade emocional e financeira, uma bela família, realização profissional e pessoal e, ainda, querido por quase todo mundo, é algo admirável. Meu irmão caçula (e único, mais de um desse naipe seria muita onda, rs) e melhor amigo da vida toda, Emerson Tavares, completa quatro décadas de vida nesta terça-feira (10). Trata-se de um cara PHO – DA, de quem tenho muita sorte e orgulho de ter o mesmo sangue.

Merson é um baita paizão para a nossa pequena Maitê, princesa da família. E marido apaixonado pela Andresa Ferreira. O filho mais novo da Lucinha é um cara e tanto. Mano é um figura alegre, de bem com a vida, a personificação da alegria, bom-humor, sagacidade e atitude. Sobretudo, um homem de bem.

Emerson Tavares é um cara que respeito e escuto. Ele coloca um pouco de ordem no caos. Quando moleque, o mano sempre foi corajoso, atentado , destaque no meio dos outros. A gente aprendeu tudo de bom e de ruim juntos.Tê-lo por perto é certeza de alegria em larga escala e paz no coração. Com o Merson, sou invencível. Juntos, a gente nunca perde, só ganha (ganhamos mais vida, mais momentos memoráveis juntos aos nossos amores).

Acredito que uns 70 ou 80 por cento das coisas lindas e incríveis que fiz na vida foi ao lado do meu irmão. Espirituoso e gente fina, amo tá com ele em qualquer lugar. A gente é companheiro de jornada nessa existência e tenho certeza que de outras antes dessa. É muito amor só pra 40 anos dele e 43 meus.

Já disse e repito: é uma lindeza ver a forma apaixonada como o Emerson vive, o seu amor pela filha, esposa, mamãe, a mim, à vó e aos amigos é um lance diferente e muito foda. Ele é um cara despudoradamente de bem com a vida e de uma energia positiva que irradia.

A gente dá e recebe amor de forma recíproca. Seja dividindo cervejas, pirando num show de rock, torcendo pelo flamengo, amando a Maitê, trocando conselhos e pérolas do cotidiano vivido via whatsapp, vivendo longe, mas sempre juntos. Emerson é meu orgulho, um dos meus maiores amores e meu herói vivo, que torna possível cada desejo para uma vida feliz.

Porra, mano. Tu sabes, cara. Agradeço tudo que já fizestes por mim. O que não foi pouco. Sou muito sortudo pela existência do Merson orbitar a minha e vice-versa. Tomara que esses 40 virem 120 anos. Sempre com saúde, pois falar que fazes sucesso é até redundante. Que tu sigas com essa luz própria que ilumina qualquer ambiente onde estás e esse jeito engraçado e porreta que contagia à todos que te cercam. Te amo demais.

Parabéns pelo teu dia. Feliz aniversário!

Elton Tavares

Hoje a Cíntia Souza gira a roda da vida. Feliz aniversário, @hccintia !

Meu amigo Fernando Canto escreveu uma vez: “Lembrar também é celebrar. E quando se celebra se rememora, ou seja, se re-memora num tudojunto inebriante, pois o coração aguenta. E ao coração, como sabes , era atribuído o lugar da memória – re-cordis“. Pois é. Lembro de tudo de bom que vivi ao lado de figuras incríveis. Uma delas inicia um novo ciclo neste domingo, 8 de dezembro. Trata-se da cintilante Cíntia Souza.

Cíntia é a mãe amorosa do Hector e Zaion, diretora-proprietária da Agência Crível Comunicação e Cultura, jornalista, especialista em Comunicação e Marketing em Mídias Digitais, cineasta, produtora, radialista, fotógrafa, redatora, editora, cronista, documentarista, roteirista (Ufa! Ela é Phoda mesmo), amante do rock and roll e broda do coração deste gordo, Cíntia Souza.

Já disse e repito: a Cíntia é uma mulher inteligente. Assim como eu, é movida por paixões. Louca por sua família e trampo. É dedicada e caprichosa em tudo que se propõe, sejam trabalhos, desafios ou amores. Ela tem um gênio forte e é safa. A menina manja das malandragens, mas ainda assim consegue ser doce. Adoramos os venenos mais fortes, os papos legais e ilegais. Também trabalhamos em uma mesma equipe há alguns anos.

Minha história com a Cíntia é cheia de encontros, desencontros e furos, não jornalísticos, mas dela comigo e da minha parte para com essa lindona . Nosso lance é amizade e amor, mesmo quando passamos uma temporada longe um do outro. A gente se gosta assim mesmo, de maneira desorganizada e nos entendemos, pois vivemos na vera, com tudo, de rocha!

Ela me lembra uma frase da saudosa Fernanda Young: “Acho sim, que, às vezes, dou trabalho. Mas é como ter um Rolls Royce. Se você não quiser ter que pagar o preço da manutenção, mude para um Passat“. Assim é a Cíntia Souza.

O nosso papo sempre fluiu sobre tudo. Seja atitude, música, artes, cinema, os outros ou agente, sempre com em comunicação entre as ondas cerebrais e o coração, e por aí vai. O que tento dizer neste texto é que a Cíntia é uma daquelas pessoas que faz a diferença. Ela têm algo de especial que é difícil definir.

Cíntia, “tu saaaaabes”. Que tu sigas desse jeito cintilante de ser. Que tenhas sempre saúde e sucesso junto aos teus amores. E que tu novo ciclo seja ainda mais produtivo e aprazível. Te amo!

Parabéns pelo teu dia. Feliz aniversário!

Elton Tavares

Marcelle Nunes incia seu novo ciclo. Feliz aniversário, Celle! – @cellenunes

Todos têm (ou deveriam ter) aqueles amigos ou um só, que sabe tudo de ti. Com quem tu não precisas ser convencional, forçar barra alguma, porque ele tá ali, sempre disposto a te ajudar ou simplesmente não tão simples assim, a te escutar…Tenho a sorte de ter vários. Entre eles, a Marcelle Nunes.

Conheço a Celle há somente oito anos. Mas para mim, são 80. Reafirmo aqui que ela é uma das grandes amigas que tenho na vida. Celle é como eu, pirada, mas “workaholic” (gíria em inglês que significa alguém viciado em trabalho).

Marcelle Nunes é uma filha, irmã e amiga amorosa e dedicada. Uma mulher justa, competente e brilhante. Celle manja de jornalismo, de assessoria de imprensa, de aconselhamento, de acalmar o meu “eltontavarismo-agudo-visceral”. Vira e mexe, se torna a minha psicóloga em consultórios disfarçados de mesas de bar.

Somos capazes de nos divertir em qualquer lugar. Lembro que quando eu morei sozinho, Celle sempre ia ao supermercado comigo. A gente ria muito comprando gordices legais ou rodando horas escutando The Smiths em uma noite do Dia dos Namorados, simplesmente pelo fato de não namorarmos ninguém e decidirmos encher a cara em algum lugar tranquilo (o que foi um desafio e tanto).

A gente conversa todo dia. Alguns bem pouco, noutros muito. Mas nossas noites sempre são intensas, felizes, daqueles encontros que põem a vida em movimento.

Sempre damos boas risadas das nossas vitórias, das nossas derrotas e de nossas muitas (muitas mesmo) merdinhas feitas com sucesso na estrada da vida. Afinal, eu e Celle vivemos valendo! Não estamos aqui nessa existência somente cumprindo expediente.

Eu e Marcelle Nunes temos um caso de amor astral. A gente é brother no sentido literal de irmandade. Quando bate uma tristeza de leve, o antídoto do veneno é uma cerveja com ela. Logo que nos encontramos, a atmosfera já muda pra melhor. E isso, minha gente, não é um exagero.

Ah, a gente gosta nas segundas-feiras, pois não somos todo mundo. Celle é realmente uma personagem cinematográfica na minha existência e sou grato ao criador por isso. A gente bebe até alta madrugada, mas damos conta de trampar cedinho no dia seguinte e sem fazer merda. Outra similaridade nossa é o excesso. A gente gosta de tudo muito. Seja comidas gostosas, cervejas geladas, paixões ou nossos famosos falsos amores.

A menina edita jornal, cobre futebol, faz roteiro, manja de redes sociais, de tudo que é vertente de comunicação. Ah, ela revisou meu livro (que deveria ter sido lançado, mas vai rolar no início de 2020) e também sou grato por isso. Mas, realmente se eu for enumerar tudo que a Celle fez e faz por mim, esse texto de aniversário vira outra coisa.

Já disse e repito que Marcelle é culta, impetuosa, tenaz, safa ( às vezes besta para oportunistas de sua boa vontade), prestativa, leal aos seus e pessoa que muito me honra ter a amizade, pois ela possui uma alma sensível. Paralelo a isso, é doida varrida, amalucada e parceira. Enfim, este registro é um escrito de felicitações, mas também uma grande pavulagem minha, pois estou aqui me gabando de ter um ser dessa grandeza entre os minhas grandes e preciosas amizades.

Claro que às vezes a gente até se chateia um pouco um com o outro. Tudo bem. Eu sei quem ela é. Ela sabe quem sou. Em resumo, se é que dá pra resumi-la, Celle é incrível. Marcelle, que tua vida seja longa (que esses 33 se tornem pelo menos 99, no mínimo), feliz e cheia de realizações. Que tu sigas pisando forte, com essa áurea boa, mente brilhante e humor inabalável. Te amo pra caralho (como dizia Millor: “qual expressão traduz melhor a ideia de intensidade do que “do caralho”?)!

Meus parabéns e feliz aniversário!

Elton Tavares

Sal Lima gira a roda da vida hoje. Feliz aniversário, irmão!

O meu pai saudoso pai dizia que temos que dizer aos que amamos que os amamos sempre. Declarações de amor, amizade, respeito, gratidão ou elogios públicos são importantes para mim. As críticas são muitas e os críticos na mesma proporção. Por isso escrevo felicitações aos meus nos seus respectivos natalícios.

Um dos meus irmãos de vida gira a roda da vida neste sábado (23). Ele é um dos caras mais porretas com quem tive a honra de trabalhar e me tornar amigo, no sentido literal da palavra. Trata-se do marido da Ruth, pai de quatro caras, meio maranhense, meio tocantinense, pescador, boleiro, flamenguista, bicolor, amante de rock and roll e maluco das antigas, Manoel Lima de França, o “Sal”. O cara é uma grande figura humana, sei da sorte de ser amigo dele.

Conheci o Sal em 2010, quando fui trabalhar na Assessoria de Comunicação do Governo do Amapá. Ele fotógrafo experiente e eu um assessor novato na equipe. Aliás, ele é um profissional ético, competente, experiente e franco. Sal possui senso crítico, inteligência, lealdade, sinceridade e honestidade em alta escala. Ele é malandro, mas não pilantra. É gente fina, mas não otário.

Com toda a certeza, Manoel Lima de França não é “Mané”. Logo nos tornamos amigos e depois, irmãos. Sim, é isso que esse doido é pra mim. Um cara justo, prestativo e fiel aos seus como pouquíssimos. Uma figura porreta e um homem de bem.

Já disse e repito: não tenho uma única memória infeliz ou lembrança de marcada do cara para comigo. Pelo contrário. Devo incontáveis favores a ele. Mesmo com a grande lista de desafetos, a minha quantidade de amigos continua extensa e o Sal é um dos mais valorosos.

Sal, mano velho, eu poderia escrever uma porrada de coisas legais sobre você e sobre a nossa amizade, mas o texto não conseguiria expressar tudo. Sabes que te amo. Que tu sigas pisando firme por pelo menos mais 50 anos. Não é qualquer um que completa meia década de vida curtindo a vida como é o nosso modelo (risos).

Que tenhas, pelos menos, mais uns 50 vinte e três de novembro repletos de felicidade, saúde e amor dos teus. Obrigado pela parceria de sempre.

Parabéns pelo teu dia e feliz aniversário, irmão!

Elton Tavares

Fernandinho Bedran gira a roda da vida hoje (13). Feliz aniversário, irmão!

Gira a roda da vida, nesta quarta-feira (13), o marido apaixonado da Elainy Alfaia (outra que é um lindeza de pessoa), libanês da Cidade Velha, Rosa-Cruz, degustador de heinekens tuíras, presidente da Divisão Internacional da Vida Alheia (D.I.V.A.) no Amapá, recordista intergalático de gentebonisse, mestre em paidéguice boêmia, fabricante e sócio-diretor da PimentArte do Brimo, administrador comercial, fã dos quadrinhos (principalmente de Asterix), amante de boa música, locutor e DJ da Rádio Fuleiragem, ilustre morador de Santana e do Amapá há 22 anos, melhor papo de bar que conheço (onde ele é também meu providencial conselheiro), além de querido irmão de vida, Fernando Bedran.

Conheci Bedran há mais ou menos 20 anos, em uma reunião de amigos. Quando entrei na festa, ele arranhava um violão e cantava Sessão das 10, do Raul Seixas. Foi empatia na hora, pois aquele bicho animava o ambiente, como é de seu feitio. De lá pra cá, fortalecemos a amizade e bebemos juntos (às vezes bem e noutras mal acompanhados) uns dois rios amazonas de cerveja.

O Bedran é um cara ímpar. Sério, não é clichê, pois nunca conheci um figura igual a ele. Trata-se de um cara paid’égua à máxima potência multiplicado ao cubo. Além de sábio, dono de vasta cultura geral e extremamente inteligente, ele é um homem de bem. Fernandinho é daqueles que não falam mal de ninguém. A não ser dos filhos da puta, pois estes ele combate em tempo integral, assim como todos deveríamos fazer.

Longe da larga e comprida esteira dos “Maria vai com as outras”, Bedran é um cidadão tenaz, coerente, instigado, de visão crítica e justa, que promove a reflexão nos que lhe cercam. A gente admira o sacana. Paralelo a isso, é um doidão que não cultiva mágoas ou rancores. Só dispara contra pessoas sórdidas ou hipócritas (só uns 2%, pois nos outros 98 o cara é só alegria).

Já disse e repito: Bedran é uma das pessoas que mais gosto de ter por perto, por conta da energia boa e positividade que o figura irradia. Um figura que usa o hemisfério esquerdo do cérebro para o bem dele e de quem o cerca.

Fernando Bedran não é jornalista, poeta ou escritor por pura falta de vontade, pois ele tem talento, senso crítico, ins-piração e conhecimento demais. Certamente seria caralhento em qualquer uma dessas atividades (ou em todas). Só para vocês terem uma ideia, o Fernando Canto escreveu o conto Mama-Guga (que nomeia seu livro de mesmo nome), realismo fantástico de primeira linha, inspirado em papos com o Fernandinho. Avalie!!

Meio bruxo, meio alquimista, parece que o maluco veio enviado de outra dimensão para disseminar alegria, disparar sacadas geniais, sarcasmo boêmio, ironia fina e pérolas da boa sacanagem (ao som da sua inconfundível gargalhada). Outra coisa que sempre repito é a frase do meu irmão, Emerson Tavares: “Bedran é melhor para tomar cerveja do que tira-gosto de charque”. E é mesmo!

Fernandinho, meu irmão, que tenhas sempre saúde e sucesso. Que Deus siga a iluminar teu caminho no qual sempre segues a luz. Tu és um cara Phoda demais. Te admiro muito. Que tua vida seja longa. Meus parabéns e feliz aniversário!

Elton Tavares

*Texto republicado por motivos de eu estar em Belém, com pouco tempo para o site, mas de coração.