Paulão do atabaque – Por Humberto Moreira (Contribuição de Fernando Canto)

Por Humberto Moreira

Vez em quando, para não perder o hábito, costumo fazer uma releitura de alguns livros, que guardo com carinho na minha pequena biblioteca. Lá estão livros do meu compadre Fernando Canto, alguns de Milan Kundera, livros sobre jornalismo, Fernando Gabeira, livros sobre a saga de Ernesto Che Guevara e outros mais simples. Como aquele que fala sobre um amigo que partiu a bastante tempo.

Foi numa certa madrugada em que eu acabara de chegar de mais uma apresentação musical. Nariz, o Augusto Wanderley Aragão, ligou pra minha casa informando a morte do Paulão do atabaque. Perdi o sono e passei a rememorar as muitas viagens ao Amapá, junto com o Paulão e o Newton. Os dois a bordo de um Opala Cupê, apelidado de General Lee. Eu geralmente ia no meu carro, para poder retornar quando bem entendesse.

Paulão era daqueles que topava qualquer parada. Num sábado de sol, como este a gente já estava com tudo traçado. Se não desse pra ir à fazendinha, junto com o Zeca Sebastião, podia dar pé na estrada rumo ao Amapá, para uma festa no clube dos pescadores. No outro dia, uma esticada até a cachoeira grande e a volta pra casa no final da tarde.

À certa altura, Paulão foi para o Recife, aperfeiçoar seus conhecimentos de pesca. Na volta começou a transportar pesca para a cooperativa, num caminhão. Quase toda a semana lá ia eu, encarapitado na boléia do caminhão, rumo ao Pracuuba. Era uma viagem sensacional. Vez em quando, uma parada para um banho, ali pelo Tartarugal. Na fase final da concretagem da hidrelétrica do Paredão, havia um pessoal que gostava muito de seresta. Só tinha para a gente. Eu, Nonato Leal, Sebastião e Paulão. Era violão, voz e atabaque a noite inteira.

De repente ficamos desfalcados. Paulão foi embora, deixando um vazio danado. Ainda hoje quando encontro o Newton, a gente se lembra dele. Um cara pra quem tudo sempre estava bem. Pra ele não havia dificuldade, nem tempo ruim.

Ainda hoje quando viajo pela BR-156, principalmente naquele trecho que vai do Tracajatuba ao Tartarugalzinho, lembro do meu amigo, ao volante do caminhão, contando piada desde a hora que a gente saia de Macapá até chegar ao nosso destino. Um sujeito descontraído que sempre esteve de bem com a vida. Como explicar sua morte prematura. Não há explicação. Quem sabe lá em cima estava precisando de um cara bom de atabaque, para fazer parte de um grupo musical da pesada.

Em homenagem ao Paulão do Atabaque, o Grupo Pilão, gravou uma canção que diz (uma pena que não a encontrei no Youtube): “Morre o homem fica a fama no coração de quem ama”(Fernando Canto).

*Publicado no Jornal do Dia
**Contribuição de Fernando Canto.
***Fotos: 1-Tica Lemos, Brenna Paula Tavares e Memorial Amapá; 2, 3 e 4: Blog Porta Retrato.

Os 49 anos do disco “Imagine”

Em 9 de setembro de 1971, há exatos 49 anos, John Lennon lançou “Imagine”. Foi o segundo álbum solo de estúdio do ex-Beatle e gênio da música mundial. Produzido por Phil Spector, o disco é um dos trabalhos mais belos e intimistas do sensacional artista. A produção da música contou com a participação de Yoko Ono e de George Harrison nas guitarras.

A canção homônima ao disco estourou e tornou-se a mais tocada nas rádios da época. E virou o hino da geração hippie, que pregava a paz e o amor nos anos 1970.

John Lennon foi um músico, compositor e cantor brilhante, além de um ativista fervoroso. Um artista original, que fazia questão de expressar o que pensava e sentia, ainda que várias vezes caísse em contradição ou criasse confusão com isso. O cara foi, além de talentosíssimo, muito polêmico.

“Imagine”, a faixa-título, mostra o ativismo político e social de Lennon. O disco foi seu maior e mais importante trabalho solo. Apesar de quase cinco décadas depois de seu lançamento, a música-título segue atual, pois o mundo está necessitado demais de paz e de amor.

Sim, o velho Lennon sabia das coisas.

Em 14 de novembro de 2015, a banda Pearl Jam fez um show no Estádio do Morumbi, em São Paulo. Eu tava lá. O grupo americano homenageou, de uma só vez, os mortos nos atentados terroristas em Paris (FRA), ocorridos na noite anterior ao show, e John Lennon (o falecido Beatle completaria 75 anos em 2015). O Pearl Jam tocou “Imagine” e todos no estádio do Morumbi acenderam seus celulares, pois a luz da esperança nunca apaga. Foi emocionante e lindo!

A vida é o que te acontece enquanto você está ocupado fazendo outros planos” – John Lennon

Fonte: Revistas, filmes, discos, livros, sites, amigos e minha imensa admiração por John Lennon.

Elton Tavares

Sobre Palafitas e a Maré de ser gente – Conto de Jaci Rocha

Foto: Manoel Raimundo Fonseca.

Conto de Jaci Rocha

Era um dia ensolarado, daqueles de doer nos olhos, quando o sol está no ‘cio’, aqui pelo Equador. A beira do rio, à foz da fortaleza, o Amazonas ardia e brilhava, a ponto de encandear o olhar.

Meu pai pescava com meus irmãos, em uma canoa embaixo de uma ponte, que unia as estradas entre Macapá e Santana.

Foto: Floriano Lima

Eu – a pequena que não conseguia parar quieta e em silêncio – fiquei ‘na terra’, brincando com a filha do vizinho, sob o olhar de meu pai. Brincávamos sobre as palafitas que encobriam a superfície, pois em tempo de maré baixa, abaixo das palafitas, o mundo era feito de argila, barro que adquiria um brilho dourado e espelhado. Gostava de contemplar aquele chão.

Foto: Floriano Lima

E nesse contemplar, tudo era belo e descoberta. Um peixinho em uma poça de água que a maré havia ‘deixado’, uma plantinha desconhecida…e foi assim que, por sobre as frestas da palafita, entre bonecas e panelinhas, meu olhar enxergou uma nota de um ‘alto’ valor – ao menos, para minha tenra infância, – repousada sobre o barro.

Foto: Manoel Raimundo Fonseca.

Eram tempos da moeda ‘cruzado’. Empolgada, iniciei uma grande expedição de resgate do ‘pequeno tesouro’. Planejei milimetricamente, fui até o início da palafita e, esgueirando o corpo – absolutamente longe dos olhos de meu pai – mergulhei naquele mar de lama. Peguei a tão sonhada nota e voltei, triunfante e suja até os cabelos.

Foto: Manoel Raimundo Fonseca.

Tomei banho e aguardei o pescador voltar com os frutos dos trabalhos do dia. Ele veio sorridente. Eu estava banhada e de cabelos trançados, balançando a nota, sorridente. A maré do Amazonas começava a subir e um vento brincava com o vestido rosa claro que usava. Eu estava feliz e orgulhosa da ‘conquista’.

Foto: Manoel Raimundo Fonseca.

Aqueles olhos que chegaram brilhando fecharam o tempo. Perguntaram onde encontrei a nota. Respondi que foi embaixo das palafitas. Ele disse: ” E por que você pegou? não é seu. Devolva”. Com a inocência de uma criança de sete anos, corri na direção da palafita e, entre as frestas, ensaiei jogar a nota de volta à lama.

Meu pai, interrompeu o ato e perguntou “Filha, mas foi assim que você pegou?”. Inocentemente (e até bastante empolgada e orgulhosa), contei-lhe os detalhes da grande aventura. Meu pai, na sua sabedoria filosófica, falou: “Agora, tenha o mesmo trabalho para devolver, meu bem”.

Foto: Manoel Raimundo Fonseca.

Entendi o que ele esperava, meio perplexa. Sob um sol que caía aterrorizante, vestida naquele vestido rosa clarinho, vergonhosamente em silêncio, mergulhei novamente por debaixo das palafitas, e vi a maré de perto, chegar e misturar à lama, à beleza do vestido, recém-perdida, ao estranho sentimento de que devia mesmo fazer aquilo. Assim, devolvi a nota, no mesmo exato lugar em que a peguei.

Ao voltar para casa, meu pai explicou o que eu precisava aprender, ao fazer aquilo: Que tudo que você subtrai de alguém, ainda que esta pessoa não saiba ou veja, faz com que você mergulhe na sujeira. E devolver é mergulhar nesta mesma lama, pedir desculpas e retornar, inteira. Tenho certeza que esta foi a minha primeira lição sobre integridade.

Foto: Floriano Lima

Ah! Antes de retornar, tomamos um banho gostoso naquele rio lindo. E lá, fui ensinada a lavar o dia e aperfeiçoar o aprendizado, em um rio limpo e abençoado, com as dádivas de Deus e as coisas todas minhas, que nada poderia comprar: como o riso de meu pai, que algum tempo depois, naquela mesma paisagem, me ensinou a nadar e a andar pelas palafitas da vida com meu próprio tamanho. A descobrir os espaços, com meu coração e sob os próprios pés.

Lúcio Flávio Pinto e Mestre Sacaca serão homenageados pela Unifap

Lúcio Flávio Pinto retratado por Paulo Santos (Acervo H)

Por Izabel Santos

Lúcio Flávio Pinto, um dos jornalistas mais prestigiados do Brasil e colaborador da agência Amazônia Real, receberá o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal do Amapá (Unifap). A honraria é um reconhecimento do meio acadêmico ao também sociólogo e pesquisador que há décadas dá voz aos povos tradicionais, seja denunciando os crimes ambientais, seja por seus estudos e pelo profundo conhecimento da região amazônica. Receberá a mesma homenagem, de maneira póstuma, Mestre Sacaca, como era conhecido Raimundo dos Santos Souza, um dos maiores conhecedores da medicina tradicional da Amazônia.

O combativo jornalista Lúcio Flávio Pinto nunca poupou as autoridades de críticas, o que lhe rendeu perseguições políticas e imbróglios judiciais desde a época da ditadura militar, nos anos 1960 e 1970. Ele segue no mesmo tom em suas colunas atuais publicadas pela Amazônia Real, onde escreve desde novembro de 2016. Em um momento em que o País flerta com o passado sombrio, no qual o governo se coloca contra a preservação da floresta amazônica e a favor do negacionismo da ciência, o título concedido se reveste de mais simbolismo. “Como foi espontâneo, significa que há ainda altivez e independência na comunidade universitária, apesar das ameaças e perseguições do poder central”, diz.

Esta é a primeira vez que a Unifap concede o título de Doutor Honoris Causa. A iniciativa faz parte das comemorações dos 30 anos da instituição, que é uma espécie de irmã acadêmica da Universidade Federal do Pará (UFPA), pois foi criada quando o Amapá ainda era um território federal ligado ao Pará. “Tudo está no seu tempo e chegou o momento de a universidade fazer concessões e honrarias”, comentou o secretário-geral do Conselho Superior Universitário da Unifap, Rafael Saldanha.

“Recebi com surpresa e alegria”, comentou Lúcio Flávio ao saber da notícia, sem deixar de cutucar uma desfeita passada. “Anos atrás, os professores Jean Hébette e Raul Navegantes propuseram ao conselho da Universidade Federal do Pará que me concedesse o título de notório saber em Amazônia. Um dos conselheiros foi contra e o título não saiu. De lá para cá, a comunidade acadêmica da UFPA me transformou numa bête noire“, revelou. Bête noire é uma expressão francesa que pode ser traduzida como “assombração”.

Com vasta experiência no chamado jornalismo tradicional, Lúcio Flávio sempre demonstrou apreço pelo jornalismo alternativo e ao longo da sua carreira contribuiu com publicações como os jornais Opinião, Movimento, Bandeira 3 e Informe Amazônico. O mais simbólico deles é Jornal Pessoal, publicado quinzenalmente em Belém, desde 1987. A publicação, escrita por ele e seu irmão, Luiz Pinto, não traz nenhum tipo de publicidade e incomoda muitos políticos e empresários da região. Ele mantém ainda a Agenda Amazônica.

Nascido em Santarém (PA), em 23 de setembro de 1949, Lúcio Flávio começou a trabalhar na área de comunicação muito cedo. Aos 15 anos, já apresentava um programa de rádio e, aos 16, foi repórter no jornal A Província do Pará, em Belém. Dois anos depois, mudou-se para o Sudeste, onde em 1973 se formou em Ciências Sociais pela Escola de Sociologia e Política da Universidade de São Paulo (USP). Desde então, entre São Paulo e Belém, trabalhou em publicações como Correio da Manhã, Diário da Noite, Diário de São Paulo, Jornal da República, Jornal da Tarde, O Estado de S. Paulo, O Liberal, rádio BBC News, e revistas IstoÉ e Veja, entre outros.

Quando voltou à Amazônia, foi professor visitante do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, entre 1981 e 1982, e do curso de Jornalismo no Departamento de Comunicação Social da UFPA. Nos dois anos seguintes, foi professor visitante do Centro de Estudos Latino-Americanos da Universidade da Flórida em Gainesville, nos Estados Unidos. Já publicou 21 livros sobre meio ambiente e Amazônia, entre os quais se destacam Amazônia do Rastro do Saque, Jari: toda a verdade sobre o Projeto de Ludwig e Carajás, o ataque ao Coração da Amazônia.

“Ainda tenho muitos projetos em andamento, que podem resultar em novos livros. Um desses projetos é publicar mais dois volumes sobre a [Revolta da] Cabanagem, dando continuidade ao primeiro, que revelou os 1.953 presos pelas forças militares do império”, contou à Amazônia Real. O jornalista é o único representante do Brasil na lista dos 100 mais importantes da ONG Repórteres sem Fronteiras.

Mestre Sacaca — Foto do Blog Porta Retrato do Amapá

Doutor da medicina tradicional da Amazônia

Nascido em 21 de agosto de 1926, em Macapá, o futuro Doutor Honoris Causa Mestre Sacaca, homenageado com Lúcio Flávio Pinto, ficou internacionalmente conhecido por usar conhecimentos tradicionais sobre plantas medicinais para tratar males e curar doenças. Em novembro de 2018, foi condecorado pela Divine Academie Française des Arts Lettres et Culture com o título Póstumo e Honorífico, uma das mais altas insígnias da instituição pelos relevantes serviços prestados à Humanidade.

O oitavo dos 14 filhos de Mestre Sacaca o advogado e suboficial da Marinha aposentado José Antônio da Silva Sousa, conversou com a reportagem da Amazônia Real por telefone e faz questão de destacar que o pai “é negro” e que, para a família, ele não morreu, “pois continua vivo através do legado que vai além do conhecimento sobre plantas, pelo exemplo de humanidade, doação e respeito ao próximo”. “Para mim meu pai não morreu, ele continua vivo no nosso coração”, diz José.

José conta que, até hoje, mais de 20 anos após a morte do pai, pessoas que ele não conhece o reconhecem como filho do Mestre Sacaca. “É um tipo de fardo muito positivo esse que carregamos. Tenho muito orgulho do meu pai e procuro sempre respeitar e tratar as pessoas bem pela memória dele. Ficamos muito felizes com essa comenda. Soube pelo reitor da Unifap, que é biólogo, e me chamou a universidade para me dar a notícia”, revela.

“Nossa família recebeu essa notícia da outorga do título de Doutor Honoris Causa com muita satisfação e alegria. Essa homenagem nos faz crer que Sacaca ainda é vivo. O legado, é a presença dele e o faz fortemente vivo. O que ele produziu para a humanidade através das plantas foi, principalmente, para ajudar as pessoas em uma época em que era difícil o acesso a uma farmácia. Então ele fazia os seus unguentos, as suas garrafadas, chás e tudo o mais para ajudar essas pessoas”, diz emocionado José.

Mestre Sacaca também era envolvido com o cenário cultural do Amapá. “Ele foi o primeiro rei Momo de Macapá. Além disso, inspirou várias pessoas no estado como cantores e escritores. Para a nossa felicidade, em 2017, o Boi Garantido de Parintins fez uma homenagem a ele como o ‘Caboco Sacaca’, e venceu o Festival de Parintins naquele ano”, diz entre risos e afirmando que torce para o boi vermelho.

José, que é presidente da Comissão de Cultura OAB-AP, também conta que a família “enxerga o título como um grande agradecimento da sociedade amapaense, da Amazônia e do Brasil como um todo.”. “Perguntei a Madalena, minha mãe, que tem 88 anos, ‘mamãe, e esse título? O que a gente faz se o papai já morreu? A quem vamos dedicar esse título?’ e ela respondeu ‘às pessoas que de alguma forma ajudaram o seu pai nessa caminhada’”.

Ele também conta que no dia do enterro do pai, a família teve dificuldade de chegar perto do caixão por causa da quantidade de pessoas que queriam se despedir do curador. “Aquilo foi uma demonstração de carinho do povo do Amapá”, falou com a voz embargada.

A notoriedade do curador também motivou a criação do Museu Mestre Sacaca, na capital do estado amapaense, que abriga mostras sobre o modo de vida de comunidades tradicionais da Amazônia no Amapá e pesquisas sobre a produção de medicamentos fitoterápicos. “O conhecimento do Mestre Sacaca veio da convivência com ribeirinhos, de pessoas que vivem na floresta e que vivem do que a floresta dá, como os peixes, os saberes tradicionais e o modo de vida tradicional. São pessoas que usam os rios como um organismo vivo. A mata ao redor do rio é a fonte de soluções”, destaca o secretário-geral do conselho universitário.

Mestre Sacaca popularizou os conhecimentos sobre a medicina da floresta amazônica na década de 1990 como radialista da Rádio Difusora de Macapá no programa “A Hora do Campo”. Ele também publicou três livros sobre o assunto. Ele foi casado com a primeira miss Amapá, Madalena Souza, com quem teve 14 filhos, e morreu em 1999.

O título de Doutor Honoris Causa é concedido por universidades a personalidades que tenham se distinguido pelo saber e pela atuação em prol das artes, das ciências, da filosofia, das letras ou do melhor entendimento entre os povos.

Lúcio Flávio Pinto em seu escritório, em Belém (Foto: Paulo Santos/Acervo H)

A sugestão dos nomes de Lúcio Flávio Pinto e de Mestre Sacaca veio do colegiado do programa de pós-graduação em Biodiversidade Tropical da Unifap, que foi encaminhado à reitoria e então ao conselho universitário. Uma comissão, composta pelos professores Luiz Carlos Tavares, presidente da comissão e docente titular da Unifap, Edna Castro, do Núcleo de Altos Estudos da Amazônia da UFPA, e José Maria Cardoso da Silva, da Universidade de Miami, entregará até outubro um parecer sobre a concessão dos títulos. Esse texto trará toda a trajetória, a contribuição e a relevância dos trabalhos das personalidades. A previsão da Unifap é que a concessão pública de outorga do título de Doutor Honoris Causa aos dois homenageados ocorra até dezembro.

Segundo Rafael Saldanha, paraense e técnico em assuntos educacionais, a Unifap não definiu se a cerimônia será realizada online, ainda neste ano, ou presencial, já em 2021, por conta da pandemia de Covid-19. “Fazer a cerimônia por vídeo não teria a mesma grandiosidade, o mesmo impacto de ser presencialmente”, afirma. Ele destaca que no caso do Mestre Sacaca, um representante receberá o título. Mas no caso de Lúcio Flávio membros da comunidade amapaense gostariam de felicitá-lo pessoalmente. “Ele tem amigos aqui, pessoas que trabalharam com ele, que deram aula com ele. Acho que, neste momento, todo mundo gostaria de estar junto, de abraçá-lo, parabenizá-lo.”

Estátua do Mestre Sacaca em Macapá (Foto: Governo do Amapá)

O jornalista Lúcio Flávio, na conversa com a reportagem da Amazônia Real, não deixa de fazer o que sempre fez em suas andanças amazônicas: compartilhar conhecimento. “O grande desafio do jornalismo na Amazônia é aproximar o tempo da realidade do tempo da percepção. Há um fosso imenso que separa os acontecimentos do dia a dia do que eles significam, do entrelaçamento que têm com fatos quase invisíveis, distantes, desconhecidos, na teia de conexões nacionais e internacionais da Amazônia. Com as antenas ligadas no cotidiano local e no noticiário internacional, os jornalistas poderão tentar evitar esse gap, atualizando o habitante da Amazônia e lhe dando condições de escrever sua própria história, ao invés de ser apenas reprodutor da informação que baixa do poder e ser manipulado”, ensina.

Fonte: Amazônia Real.

Valeu, Lula. Até a próxima vez!

Eu e Lula, em 2015

Hoje perdi um velho e querido amigo. O cantor, compositor e instrumentista, pai de dois caras (um deles muito meu brother, o Brunão), Lula Jerônimo, partiu para as estrelas. O “cabra da peste” bruto, muitas vezes ranzinza e sincero ao extremo e “Painho” dos malucos, boêmios e músicos de Macapá, descansou neste primeiro dia de setembro aos 74 anos.

Lula, nos anos 80 e 90. Fotos encontradas nas páginas de Facebook do Thomé Azevedo e Pat Andrade

O velho marinheiro tocador pintou aqui há mais de 30 anos, com a viola nas costas e música nas mãos. Logo conquistou a admiração e respeito do povo daqui. Mas somente este ano, no último dia 4 de fevereiro, ganhou o título de Cidadão Macapaense, concedido pela Câmara Municipal ao velho cancioneiro. Só que o Lula, que nasceu em Recife (PE), já era daqui do meio do mundo há tempos, em nossos corações.

Lula em 2018, antes de adoecer. Foto: Sal Lima

Sempre guerreiro, Lula lutou muito pela vida. Em dezembro de 2018, ele foi vítima de um Acidente Vascular Cerebral (AVC). De lá pra cá, com a ajuda de sua família e amigos, fez tudo para se recuperar. Até teve uma melhora por um tempo, mas segundo o Brunão, seu filho, de uns tempos para cá, piorou bastante. E em decorrência dessa enfermidade, hoje pela manhã, virou saudade.

Niver do Lula na casa dele. Na foto estão: eu, Sal Lima, Chico Terra, Lula e Bruno Jerônimo, em 2018.

Lula era/é “cabra brabo” e muito gente boa. Humanista, militante de causas sociais e crítico visceral. Foi baita cara legal, trabalhador e guerreiro. Pernambucano de nascimento, ex-marinheiro e amapaense de coração, o artista escolheu Macapá como lar e por aqui viveu por décadas. E que vida!

Jerônimo foi também foi parceiro de boemia do meu falecido pai, José Penha Tavares. Papai nos apresentou em alguma farra do no início dos anos 90, quando comecei a frequentar a noite amapaense. Se duvidar, os caras formam lá do outro lado.

Eu e Lula, quando eu cobria um evento no Sebrae/AP, em 2019.

Me deu um certo arrependimento de não ter ido visitar o Lula em 2020. Mesmo antes da pandemia, não fui. Ele sempre me dava um esculacho por eu estar porrudo de gordo, mas depois voltava a ser o cara carinhoso que sempre foi comigo. A última vez que nos encontramos foi em 2019. E foi muito bom.

Lula com os filhos. Foto: Patrícia Andrade

Ao Bruno e seu irmão Felipe, minhas condolências. Desejo que Deus conforte seus corações. Ao músico da velha guarda que subiu hoje, minha homenagem e agradecimento.

Com o Lula, no bar e restaurante Norte das Águas, no início dos anos 2000

Mestre Lula, valeu pelas cervejas, pelas cantorias e tocadas. Pelos ralhos e pela amizade. Vamos sentir saudades. Eu e esse bando de doidos que te amam. Até a próxima vez, amigo!

Elton Tavares

Hoje é o Dia Internacional do Gamer

Como os leitores deste site sabem, temos uma seção “Datas Curiosas”. Portanto, vamos ao inusitado do calendário deste vigésimo nono dia do mês oito. Hoje, 29 de agosto, é o Dia Internacional do Gamer. Em 29 de agosto de 2008, um grupo de revistas espanholas especializadas em games criou a data para parabenizar todos os aficionados por jogos eletrônicos. E olha que tem gente à beça que curte os diversos tipos de videogames.

A data é bastante democrática, pois independentemente do console, plataforma ou qualquer tipo, amamos games. Seja como pilotos de prova, corridas, aviões ou espaçonaves; lutadores, soldados, jogadores de futebol; no combate hordas à de aliens, indo de castelo em castelo em busca de uma princesa, atirando nos barris vermelhos para explodir tudo, assassinando todo o panteão do Olimpo ou pulando de estruturas extremamente altas esperando que um monte de palha amorteça a queda.

Para ser um gamer basta curtir jogos eletrônicos; esse passatempo fantástico. Tanto faz se em frente à televisão, monitor do PC ou celular, a gente ama jogar. Uns mais que os outros, é verdade. Alguns defendem a tese de que os jogos estimulam habilidades intelectuais. Será? Pode ser, se aliada a leitura e demais formas da construção cultural do ser humano.

De jogo em jogo, desde os tempos das fichas de fliperama, Atari, Mega-Drive, Super-Nitendo, Playstation 1,2,3, etc…aprendi muito. Aliado a um tufão de sentimentos que vão desde a satisfação da vitória ou de zerar o jogo, até a frustração da derrota ou perda de várias vidas em uma única fase.

Hoje em dia, sou um gamer casual, apesar de todos os dias jogar pelo menos meia hora no celular. Mas tenho muitos amigos viciadíssimos, como o Fausto Suzuki e o Cid Nascimento.

Portanto, este é um dia de celebração para essa sensacional cultura midiática do entretenimento.

Agora, convenhamos, o mundo dos videogames é mesmo fascinante. Sabe lá Deus quantos livros e filmes legais deixei de ler ou assistir por conta deste vício.

Certa vez, em 2010, escrevi a crônica “Até quando jogaremos videogame?”. Tenho certeza que a resposta é “forever”.

Parabéns aos mais de 1,2 bilhões de gamers de todo mundo. Vocês transformam esta indústria na mais lucrativa do ramo de entretenimento. Em segundo lugar vem o cinema.

Fontes: EuroGamer, PlayStationBlog e History.

Elton Tavares

2020 – Pequena crônica de Ronaldo Rodrigues

Pequena crônica de Ronaldo Rodrigues

Estive pensando sobre este ano que, em vez de passar, está a nos atravessar. Antes de 2019 chegar ao fim (lembram dele? Inocentes, nem desconfiávamos do que viria), comentei com um amigo designer gráfico que o número 2020 é legal de trabalhar. Dá pra fazer um selo ou uma vinheta com esse número redondo. E redondo duas vezes: 20 e 20.

Outra coisa que sempre falo a cada ano que chega, com uma certa carga de tédio, é que lá vamos nós repetir tudo. E lá vem Carnaval, Páscoa, São João… Para tudo se repetir no próximo ano e no próximo e no próximo. Aí chega 2020, só deixando o Carnaval e cancelando ou adiando todo o nosso calendário. O restante a gente foi e está levando do jeito que dá, né? Houve uma interrupção que foi muito além do meu desejo de que as coisas não se repetissem.

Ironia do destino: o que eu achei que seria um número redondo, bom para virar uma peça gráfica, me enganou redondamente. E agora virou um ano já marcado pelo coronavírus, alimentado por outros vírus tão letais quanto, como a sabotagem às medidas de segurança, o negacionismo da pandemia, a minimização da importância do combate ao coronavírus, o aproveitamento da situação para desvio de dinheiro público etc. Ainda bem que, para contrabalançar, tem gente empenhada em diminuir o impacto, fazendo trabalhos voluntários em que a solidariedade se faz presente num mundo em que o amor pelo próximo está tão ausente.

Tomara que a gente aprenda alguma coisa. Por exemplo: que os pais e mães, que entenderam que a rotina dos professores não é moleza, passem a respeitar e valorizar esses profissionais quando a vida retomar seu curso (quase) normal. Eu mantenho minha esperança no ser humano, mesmo sabendo que a maioria das pessoas não vai aprender nem a lavar a mão.

É, 2020! Não leva a mal, creio que não tenhas culpa. Digamos que seja apenas uma coincidência nefasta. Tá vendo só? Nem consegui fazer uma crônica legal. Mas para não terminar de baixo astral, ainda aguardo uma virada de mesa, lá pelo apagar das luzes, na dobrada para o próximo ano. Já vejo até as felicitações para 2021:

– Feliz Ano Novo! Feliz mesmo, hein!

Os sete pecados capitais- Parte I – Invidia – Crônica de Rebecca Braga (@rebeccabraga)

Crônica de Rebecca Braga

A inveja por definição, uma delas pelo menos, é a sensação ou vontade indomável de possuir o que pertence à outra pessoa. Pecado capital, tipificado como vício, figura como num tratado para seguir os preceitos cristãos dos Dez Mandamentos. Não se pode desejar o que o outro tem, aquilo que lhe falta, aquilo que você não alcança. A inveja é personificada como demônio através do Leviatã, que por vezes aparece na figura de um peixe, um crocodilo, um dragão marinho, uma serpente, um kraken.

Dito tudo isso, preciso admitir que sou uma pessoa invejosa. Eu simplesmente morro de inveja de quem dorme. Não, não é de quem tem sono. Sono eu tenho muito. O tempo todo. Tenho inveja dos que dormem.

Aquela gente que deita pra ver um filme e de repente dorme. Aquela gente que dorme no ônibus de tão cansado voltando do trabalho, que dorme a sesta da tarde, aquela gente que dorme suada depois de fazer amor.

Tenho inveja de quem estende o corpo em uma espreguiçadeira na beira da praia e acorda vermelho queimado de sol. Bem verdade é que, em tempos de pandemia, eu tenho inveja de qualquer pessoa que durma na beira da praia, igarapé, cachoeira, piscina. Mas só dos que estão longe das aglomerações, caso contrário, meu pecado capital é a Ira. Mas dessa, falemos em outro momento.

Esse demônio que me habita, tem inveja de quem dorme oito horas seguidas, de quem tem a consciência pesada e põe a cabeça no travesseiro e mesmo assim dorme tranquilo e leve, de quem não deseja desesperadamente pelo dia seguinte.

Tenho inveja de quem não tem a cabeça a mil rotações por minuto e não precisa levantar de madrugada para fazer aquilo que pode esperar o amanhã. Inveja de quem não se consome pela ansiedade.

Já me receitaram de tudo. Chá de camomila, leite morno, esquecer o celular, marijuana, alprazolam (e tantos outros medicamentos do tipo), uma taça de vinho, um livro. Mas dormir pra mim continua sendo um artigo de luxo, digno de loja de antiguidades ou de hospital particular.

Leviatã deve estar em algum lugar me vendo de noite revirando na cama e rindo da minha cara. Cada um com os seus demônios. O meu é esse, entre tantos outros.

Tenho uma amiga que sempre chegava em casa depois do almoço dizendo:

-Amiga, vou dar uma deitada no teu quarto cinco minutinhos…

Deitava e roncava enquanto eu olhava pra ela como quem olha pra algum achado absurdo.

Ela levantava depois de vinte ou trinta minutos de sono, acordava sem despertador com a cara de nova em folha e voltava para o trabalho.

Vai se foder! Dormir devia pertencer a todo mundo.

Programa “Conhecendo o Artista”: hoje Kássia Modesto entrevista o cartunista, chargista, quadrinhista, ilustrador e artista plástico, Ronaldo Rony e o redator publicitário, cronista, contista, poeta e letrista, Ronaldo Rodrigues

Por Kassia Modesto

Hoje é dia de… Cartum… no Conhecendo o Artista. Aliás, não apenas Cartum, hoje recebemos Ronaldo Augusto Moreira Rodrigues, Ronaldo Rony, cartunista, chargista, quadrinhista, ilustrador, artista plástico, redator publicitário, cronista, contista, poeta e letrista. Nascido no Pará em Curuçá, criado em Belém, mas se considera amaparaense. Como bem se denomina, Ronaldo é cartunista para viver e redator publicitário para sobreviver, porque não vive de arte, no sentido de se sustentar financeiramente, dela. É o trabalho como redator que paga as contas. Mas, sem arte, não dá pra viver.

Ronaldo Rony & Ronaldo Rodrigues – Foto: arquivo pessoal do artista.

Ronaldo desenha desde muito cedo, sempre atraído pelas histórias em quadrinhos, era de se esperar, Inclusive, que ele viesse a aprender a ler através de um gibi. De tantas viagens pelas heroicas aventuras Ronaldo criou personagens que variavam de caubói a herói espacial, passando por craque de futebol e troglodita, repetindo o caminho da maioria dos desenhistas iniciais: de copiar as histórias e personagens, como Batman e Homem-Aranha, tentando desenhar dentro do mais profundo realismo, com perspectiva, os caras musculosos e tal.

Foto: Gabriel Flores

Aos poucos, novas fazes foram somando a trajetória de composições do artista e Ronaldo se identificou com o gênero do humor, criando cartum, charge e fazendo quadrinhos de humor. O criador do icônico Capitão Açaí, um super herói nortista de gostos peculiares, que reforça seus poderes com uma cuia de açaí com farinha, com isso, vem uma superforça, acompanhada de um supersono, que faz ele dormir e deixar de atender quem precisa de sua ajuda. No fim das histórias, tudo dá certo e ele, mesmo atrapalhado e preguiçoso, acaba resolvendo as situações.

Bem do jeito de ser, do povo daqui. O Capitão Açaí tem sido lançado regularmente, em formato de fanzine tradicional, uma revista feita sem auxílio de computador, desenhada direto no papel e reproduzida com impressão xerográfica.

Ilustração de Ronaldo Rony na crônica “O Capitão Caverna, o meu super- herói favorito”, do livro “Crônicas De Rocha, do escritor Elton Tavares.

O fenômeno que tomou gosto pela criançada precisou de mais atenção ainda do artista, com relação as histórias e a preocupação de deixar alguma mensagem positiva, de respeito, de cidadania, de solidariedade, uma vez que, originalmente, não era um conteúdo voltado para o público infantil. O fato, é que todos amaram esse herói do norte.

Criatura e seu criador, o cartunista Ronaldo Rony com a nova revista do Capitão Açaí .

Dentre as referências que marcaram a sua história, Ronaldo cita; Henfil, cartunista mineiro já falecido, que tinha um traço bem particular e original que atuou durante o período da ditadura militar e fez uma resistência bem lúcida à censura e à falta de liberdade que existia na época, Glauco, Laerte, Angeli, Nani, Jaguar e Ziraldo. Os argentinos, Quino e Mordillo e o estaduninense Gary Larson. Era leitor assíduo da revista Mad, que trazia muitos desenhos satíricos e influenciou várias gerações de cartunistas. Nessa revista, teve contato com a arte de Don Martin e Sérgio Aragonés, por exemplo.

Ronaldo Rony participou do coletivo AP Quadrinhos, que chegou a lançar revista. Hoje, faz parte do coletivo Cartunistas Amapá, que tenta levantar a bandeira do desenho de humor, a duras penas, pois a muita dispersão para com o gênero. Com o coletivo, tem feito exposições e eventos como oficinas, encontros, bate-papo etc.

Cartum selecionado no Salão de Humor de Volta Redonda de uns sete anos atrás

SALÕES DE HUMOR

Salões de humor são concursos em que o cartunista se inscreve e, caso selecionado, tem seu desenho exposto no evento, além de concorrer a prêmios. Já participou de salões de humor de Piracicaba (o mais tradicional do Brasil), Rio de Janeiro, Ceará, Pernambuco, Belém e vários outros. Fora do Brasil, Ronaldo participou de salões na Sérvia e no Uruguai. Ganhando o prêmio de primeiro lugar no Salão Ri… Guamá, em Belém (1992), e o Salão de Humor de Bragança/PA (2004), ambos prêmios em dinheiro.

Seus livros, lançados, somam; Ícaro, Liberdade Ainda Que Nunca! (história em quadrinhos); A Chave da Porta da Poesia (literatura infantil em parceria com a poeta paraense Roseli Sousa) e Papo Casal (cartuns sobre relações amorosas). E os fanzines; Em Belém: Pai d’Égua!, Humor Sapiens e PUM! Em Macapá: Identidade Marginal, Feliz Natal é o Caralho!, Mixtureba Comix (publicação do coletivo AP Quadrinhos) e as revistas do Capitão Açaí.

Foto: Gabriel Flores

Como Ronaldo descreve sua relação com a arte.

Creio que não deve ser diferente de mim para a maioria dos que produzem arte, seja em qual modalidade for. Somos compulsivos, somos meio (ou totalmente) malucos, pois nos propomos a nos expressar como parte vital da nossa sobrevivência, mesmo que corramos o risco de ser incompreendidos. Eu sou envolvido com arte desde sempre: em Belém, participando de movimentos culturais no bairro da Marambaia; em Macapá, participando de coletivos, de intervenções artísticas, de eventos multiculturais, em grupos ou individualmente. Creio que eu não seria completo sem arte e vou insistir nela até o fim, mesmo porque eu não sei ser de outra forma. Vou findar com uma frase de minha autoria da qual gosto muito quando perguntado se dá pra viver de arte. Eu digo que, no meu caso, não dá pra viver de arte. Mas também não dá pra viver sem arte. É isso. Obrigado.”

E esse grande artista estará conosco hoje, às 21h no insta @srta.modesto na Live Programa “Conhecendo o Artista” que recebe às quintas e sábados diversos artistas para juntos falarmos sobre seus processos criativos, trabalhos e suas vidas em quarentena.

Apresentadora: Kássia Modesto
Roteiro: Marcelo Luz
Produção: Wanderson Viana
Arte: Rafael Maciel
Artista Convidado: Ronaldo Rony

Sucesso, Marcelo de Sá!

Com Marcelo de Sá, durante visita dele ao meu trampo, em 2019.

No final de junho passado, o prefeito interino de Oiapoque, Erlis Karipunas, nomeou o guia de turismo e tecnólogo em gestão ambiental, Marcelo de Sá Gomes, para o cargo de secretário adjunto de Meio Ambiente daquele Município. O novo titular da pasta na cidade transfronteiriça ao extremo norte do Amapá é um defensor do meio ambiente, humanista, militante cultural e da causa ambiental. Ou seja, profissional experiente na área.

Turistas durante viagem à Floresta Nacional do Amapá — Foto: Marcelo Sá/Arquivo Pessoal

Marcelo é articulado, inteligente e sempre aberto ao diálogo; um trabalhador e batalhador do turismo amapaense, ainda que com todas as dificuldades. Ele está sempre antenado com o que acontece neste setor.

Mesmo sendo nascido e criado em Macapá, Marcelo conhece todo o Estado. Em Oiapoque, desde o Parque Nacional Amazônico da Guiana Francesa, a foz do rio Oiapoque, Saint George e Camopi.

Marcelo chega na nova função com destreza, credibilidade, trajetória respeitada e muita vontade de trabalhar. Sá é um velho e querido amigo. Sou conhecedor do seu amor pelo Amapá, por sua riqueza natural, tradições e cultura. Sempre que posso, divulgo seus projetos e informes.

Sobre Marcelo de Sá

Marcelo de Sá possui história na militância ambiental, é estudante do Curso Técnico em Guia de Turismo Regional Pará, Brasil e América do Sul, no Senac Pará

Área de atuação: Turismo, Gestão Ambiental e Cultura Popular. É técnico em Turismo, Gestão do Meio Ambiente e em Pesca e Aquicultura . Cursou Gestão Ambiental na Faculdade de Macapá /FAMA.

É colaborador da Universidade Federal do Amapá (Unifap) na área de pesquisa em Políticas Territoriais para o Desenvolvimento do Ecoturismo e da Valorização Ambiental na Fronteira Franco-Brasileira e do Observatório das Fronteiras do Platô das Guianas (OBFRON). Palestrou em seminários na área do Meio Ambiente e Turismo no Amapá e fora do Estado.

É membro do Sindicato de Guias de Turismo do Amapá e guarda-parque voluntário na Área de Proteção Ambiental da Fazendinha. Integra como voluntário a ong Instituto Sea Shepherd Brasil (ISSB)/ Guardiões do Mar:

Participou do Conselho consultivos das Unidades de Conservação Federais do do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), representando o Sindicato de Guias de Turismo do Estado do Amapá. Esse colegioado trata de questões relacionadas ao Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque e Floresta Nacional do Amapá

Também é associado a Rede Brasileira de Jardins Botânicos. Ativista do Fórum de Acompanhamento dos Conflitos Agrários e Desenvolvimento do Amapá (FACADE).

Além de coordenador de Meio ambiente e turismo da Associação Amapaense de Folclore e Cultura Popular (AAFCP) e membro fundador da Associação Brasileira de Guarda-Parques. Entre mais uma porrada de coisas contidas em seu extenso currículo, que o habilitou para o novo desafio profissional.

Sucesso, Marcelo. Continue pisando forte por esses campos, mano velho!

Elton Tavares

*Mais sobre Marcelo AQUI .

Lançamento do Livro Digital “Rock História The Silver Boys”

Por Jean Kelson Costa do Carmo

Rock História The Silver Boys – 1992 a 2018 de Jean Kelson Costa do Carmo (Jean Carmo) é um livro escrito no gênero textual relatório onde apresenta o registro da carreira musical de uma das bandas de Rock de Macapá/AP mais longevas.

Neste livro registro o leitor poderá encontrar as informações registradas em arquivos pessoais e publicações em vários meios de comunicação sobre as datas de shows, locais e seus produtores, entrevistas e apresentadores, bem como outros artistas que fizeram parte desta estrada ao longo de 26 anos na história do Rock Amapaense.

Sobre Jean do Carmo

Além de escritor, Jean Carmo é cantor, instrumentista e compositor amapaense. Começou seu trabalho musical aos 13 anos de idade, tocando em igrejas. Depois integrou a banda Silver boys. Após um longo período tocando covers de bandas como The Beatles, Nirvana, Ramones, Pink Floyd entre outras.

Iniciou sua carreira autoral em 2012, com canções direcionadas para temática regional como valorização cultural e histórica do povo amapaense, mitologia amazônica e a preservação ambiental. Jean tem estilo próprio, combinando o blues, o rock e o funk dos anos 60 e 70, com ritmos regionais como o Marabaixo. Suas canções tratam de temas conhecidos na cultura e região amazônica

Em 2016 o artista lançou seu primeiro disco, denominado “Amazônidas” e em novembro de 2018, gravou o EP intitulado Outras Canções.

Apesar do viés autoral, Jean nunca parou de tocar e cantar o bom e velho Rock and Roll e é a soma de sua longa experiência musical que ele apresenta no show de hoje.

Para adquirir a obra, acesse os sites:

Rock História The Silver Boys

Banca Rio’s Beer funciona a todo vapor com atendimento delivery, retirada e com kit’s personalizados para presente

Em meio a tudo o que vivemos, sabemos de uma coisa: uma hora tudo isso vai passar. Nesse intervalo de tempo, a Banca Rio’s Beer não parou e, para continuar a atander seus clientes da melhor forma, inovou seus serviços de entrega, com Delivery e Drive Thru, desde às 18h até à meia-noite. Aliás, a loja já se prepara para melhor receber quem aprecia bons chopps, cervejas artesanais e cervas especiais, em nova localização na Avenida Mendonça Furtado, nº 1773, no bairro Santa Rita.

Enquanto isso, não se preocupe, porque você não vai ficar com sede até lá. Durante a quarentena, a Banca Rio’s Beer mantém os serviços de entrega e retirada, onde o cliente pode receber em casa ou vir na loja buscar. E aproveita pra dar um olho no novo local (contatos para tal ao final deste informe). Com o cardápio on-line, dá pra conhecer a variedade de produtos e fazer o seu pedido. Dá só uma olhada: https://app.menudino.com/bancariosbeer.

Kit’s para presentes

Na hora de presentear um familiar, um amigo ou uma pessoa querida que aprecia uma boa cerveja, a Banca também tem uma excelente opção com os kit’s personalizados. Muito paid’égua, os conjuntos têm embalagens reaproveitáveis, feitas artesanalmente pela querida Rita, que manja muito e capricha no preparo do material. Ela entra em contato com você e deixa a lembrança com a cara da pessoa que você quer homenagear.

Em casa, curtindo as melhores cervas graças ao delivery da Banca

Quem me conhece sabe: sou chegado numa boa cerveja e cliente fiel da Banca – que considero o setor ideal pra tomar umas com estilo. Lá você encontra marcas como Weiss’s, IPA’s, Pilsen’s, Stout’s, Porter’s, Witbier’s, entre tantas outras disponíveis na carta diversificada da loja. São os melhores chopps e mais de 50 rótulos de cervejas nacionais e importadas. Eu peço sempre. E recomendo!

Mais informações:

Igor Maneschy: 96 98117-8839
Rita Barcessat: 96 98133-4223
Austy Maneschy: 91 98509-2293

Redes sociais da Banca:
Instagram: @bancariosbeer
Facebook: https://www.facebook.com/bancariosbeer/?fref=ts

Elton Tavares – Jornalista, cervejeiro e cliente da Banca Rios Beer desde 2016.

Sobre a Origem do Rock e do Dia Mundial do Rock #DiaMundialDoRock

Amamos Rock and Roll e hoje (13) é o Dia Mundial do Rock. No dia 13 de julho de 1985, o produtor Bob Geldof organizou o “Live Aid”, um show histórico e simultâneo, realizado em Londres (ING) e na Filadélfia (EUA). O objetivo era o fim da fome na Etiópia. Lá se vão 35 anos do show que mudou a história do rock.

Em 2005, Bob Geldof organizou o Live 8, para pressionar os líderes do G8 a perdoar a dívida externa dos países mais pobres Desde então, o dia 13 de julho passou a ser conhecido como Dia Mundial do Rock. Vamos resumir a ópera (tudo bem, é um resumão, mas vocês vão curtir):

Sr. Jazz e Sra. Blues

Há cerca de 70 anos, um casal de velhinhos, casados desde o fim da segunda guerra, ambos de pele escura, donos de vozes graves e um jeito simpaticíssimo, risonhos e alegres, que adoram “mexer as cadeiras”, como eles mesmos dizem, brigavam com uma vizinha, a Senhora Música Clássica. É, o Sr. Jazz e Sra. Blues não eram fracos.

Reza a lenda que quando eles saiam por aí juntos, ninguém era de ninguém, e por isso, até hoje é difícil saber quem são os verdadeiros pais dos quatro garotos que brotaram dessa relação tão moderna. O Rockabilly, Rock Progressivo, Hard rock e Rock Pop.

Rockabilly

Rockabilly, o irmão mais velho, herdou dos pais a incansável vontade de dançar. Na adolescência andou muito com um dos seus irmãos, o Rock Pop. Usava calça boca de sino, topete e óculos escuros, mesmo quando não fazia sol. Fez um tremendo sucesso entre as garotas quando jovem, mas se tornou um velho gordo.

Rock Pop

O Rock Pop está sempre na moda, mas quando quer dizer algo, se perde em suas contínuas mudanças de opinião. Já andou com todos os seus irmãos, mas sempre teve problemas com o Rock Progressivo. O que se sabe, é que ele está sempre montado na grana e quem anda com ele, sempre se dá bem financeiramente. Rock Pop é viciado em dinheiro e se vende por qualquer coisa. É normal ouvir falar por aí que ele é um enganador, mas nunca ninguém conseguiu uma prova concreta.

Rock Progressivo

O Rock Progressivo, por sua vez, está na cara, no corpo e no jeito de ser de um legítimo filho do Sr. Jazz e Sra. Blues. É um cara exibicionista, adora se “amostrar”, fazendo inúmeras loucuras. Às vezes, fica chato por demorar muito tempo em suas loucuras, só porque é difícil de fazer. Isso causa irritação em muitas pessoas, mas no fundo, é um cara bacana.

Hard Rock

O Hard Rock é o mais revoltado da família. Às vezes, no meio da diversão se torna meio dançante. Cabeludo, adora usar lenço na cabeça, maquiagem e vive fazendo poses homossexuais. Alguns o chamam de gay, outros dizem que ele só se comporta assim para causar impacto. O que se sabe é que na adolescência, ele era ninfomaníaco e usou e abusou das drogas. Mas logo casou e teve dois filhos. O primogênito Heavy Metal e o caçula Punk Rock.

Heavy Metal
Punk Rock

No meio disso tudo, a vizinhança comenta que o Sr. Blues teve um namoro sério com uma ativista política, e dessa relação surgiu o Rock, simples assim. Um rapaz afoito, naturalista e espontâneo. Nunca teve papas na língua e dizia exatamente aquilo que pensava. Às vezes era muito relaxado, tentou ser igual ao pai, mas não teve sucesso nessa tentativa e se frustrou. Surgindo daí um sentimento de revolta meio contido, que só era observado nas entrelinhas.

Dependendo do seu humor, ele não tá nem aí para nada. Fala de igualdade e exalta idéias comunistas. Este teve dois filhos com uma namorada linda e problemática. O Grunge e o Hard Core.

O Hard Core adora andar de skate pela casa, quebrando tudo, porém é um cara organizado, gosta de filmes de surf e tem o corpo todo tatuado. Às vezes fica meio EMOtivo e reclama muito da vida, mas todos sabem que é por causa da namorada que o trai o tempo todo.

Grunge

O Grunge é melancólico por natureza, também reclama muito da vida. Está na puberdade e por isso a sua voz desafina constantemente. Ele costumava levar a vida de uma forma suicida, anda dizendo para todo lado que nada importa…nevermind!!

Heavy

O Heavy Metal é um alcoólatra fortão, cheio de tatuagem de caveira pelo corpo. Adora andar a toda velocidade na sua Harley Davidson. É uma aficionado pela Mitologia Nórdica, Ocultismo e odeia a Igreja Católica. Alguns dizem que ele tem um pacto com o Diabo. Pois tem uma voz grave, mas quando grita, fica tão aguda que é capaz de quebrar os vidros do espelho. Tem fama de malvado, mas na verdade, não é. Trata-se de um cara gente boa, que se dá bem com todo mundo. Ele teve vários filhos: Thrash , Melódico, Prog Metal, Death, Black, Doom, Gothic, todos são muito unidos.

E isso aí, demos uma viajada, mas o que importa é que amamos o Rock and Roll. O estilo é fundamental para nós e nossos amigos. Costumamos comparar o Rock com o Universo. Os dois estão em constante expansão e em alta velocidade. Dizem por aí que o Rock morreu, ele nunca morre, só está em constante mudança, assim como nossas vidas.

É o velho lance de superar momentos difíceis, voltar com força total. Assim Raul, o pai do rock nacional, inventou o termo “metamorfose ambulante”. Ele se descreveu como pessoa e usou isso para explicar o rock and roll. O rock é imortal, ele nos salva da mesmice, basta protegê-lo de mãos erradas. Enfim, viva o rock and roll!

*Texto escrito há oito anos a quatro mãos por mim, Elton Tavares e André Mont’Alverne, nosso antigo colaborador.