Feliz aniversário, Orlando Júnior! – @Orlando_Fla_Jr


Hoje é aniversário do professor universitário, bacharel em Direito, titular da Secretaria Judiciária do Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (Sejud/TRE-AP), remista enjoado, flamenguista fervoroso, fã de Rock and Roll, pai e marido dedicado, além de meu brother, Orlando Júnior.

No início de 2013, comecei a trabalhar na assessoria de comunicação do TRE. Cheguei com muita vontade de fazer valer a grande oportunidade profissional em 8 anos de jornalismo (na época). Orlando foi a primeira pessoa que entrevistei. Ele me ajudou muito na minha passagem pela Justiça Eleitoral.

Sempre sério no Tribunal, o cara é um gozador fora de lá. Gente boa pra caramba e com afinidades descobertas, nos tornamos amigos. Ele está no grupo de amigos que fiz nos quatro anos que trampei no TRE.

Com o Orlando, já passei perrengues de trampo em Macapá e no interior. Viajamos juntos algumas vezes e ele sempre foi parceiro. O baixinho, que é invocado quando preciso, vive me chamando de gordo. Ambos os apelidos apropriados (risos). Além de inteligente, o cara é malandramente safo, pois “manja das paradas”, por assim dizer.

Enfim, este texto de felicitações é somente um registro público da consideração, respeito e amizade que tenho pelo figura. Orlando, sacana, que sigas tenhas sempre saúde e sucesso junto aos seus amores. Parabéns pelo teu dia e feliz aniversário!

Elton Tavares

Meus parabéns, Zeca!! (felicitações ao Edmar Campos, um irmão de vida, pelo seu aniversário)

Com o Zeca. A gente aprontou muito nessa vida.

Hoje aniversaria o do pai da Duda, marido da Eva, servidor público, administrador socioambiental, colaborador da Igreja de Nossa Senhora de Fátima, filho caçula da dona Osvaldina, corredor de rua e meu irmão de coração, Edmar Campos Santos, o popular “Zeca”. Eu e ele já passamos por muita coisa juntos. Sim, a gente aprontou muito nesta vida. Nos conhecemos no Colégio Amapaense, em 1990. Mas nos tornamos parceiros mesmo em 1994.

O Zeca era um dos caras mais safos da nossa época de Colégio. Parecia sacar de tudo um pouco. Edmar já era politizado pra idade e me abriu os olhos para muita coisa.

Eu e Zeca “gazetávamos” aula e íamos beber no Xodó. Escutávamos todas as histórias que Albino contava, ouvíamos suas músicas antigas, ríamos quando ele cortejava as garotas e fingíamos surpresa a cada vez que ele nos mostrava seu diploma em “couro de carneiro”. Nós adorávamos aquele saudoso coroa. Ele era divertido.

Com o Edmar, comemorei títulos do Flamengo (assistindo juntos, nunca perdemos uma final); dei porrada em babacas; curtimos carnavais e festas de Rock e Samba. Já bebemos mais cervejas juntos do que posso contabilizar, já tivemos um bar, já saímos no braço, já discutimos muito e, em várias situações complicadas, nos apoiamos. Nunca enfrentei tantos perigos com outro figura quanto com ele.

Edmar correndo; com a Duda e com Eva e filhota.

Edmar também foi um dos amigos que me deu apoio na época da morte de meu pai, em 1998. Sou muito grato por isso.

Assim como eu, Zeca é um cara genioso, mas de bom caráter. Ele é um daqueles amigos que sei que posso contar e é recíproco. É bom olhar pra trás e não nos arrependermos de todas as cagadas que nos metemos juntos, pois estamos bem.

Hoje em dia, o Zeca não bebe mais e está feliz com a família dele. Agradeço a Deus por isso. A gente tem pouco contato, mas esse sacana é do coração e este parabéns público é para mostrar minha consideração, amizade e respeito por ele.

Eu e Edmar – 2016

Zeca, mano velho, que tenhas sempre saúde e sucesso junto aos seus amores. Que tua vida seja longa. Pelo menos por mais 45 fevereiros. Parabéns pelo seu dia. Feliz aniversário!

Elton Tavares

Minha amiga Júlia Canto casou e seu pai, o também querido Fernando Canto, escreveu esse textaço como votos de felicidade

Qualquer um de nós deseja felicidades aos nossos entes queridos de um jeito. Gosto de escrever para os meus, mas queria mesmo era redigir votos como o Fernando Canto, que escreveu esse texto lindão para a Júlia, sua filha e assim como ele, amiga minha. Leiam a lindeza (Elton Tavares):

Hoje é o casamento de minha filha Júlia Martins Canto com Jerry Max Hilder em Denver, Colorado- EUA. Parabéns, filha. Seja muito feliz.

Querida filha, você me pediu um poema para o seu casamento. Entendi que seu desejo talvez fosse um texto que falasse do amor, de um amor maduro, feito de areia, cimento e água, para ser modelado segundo a sua vontade. Um amor que misturou o tempo e a realidade, o sonho e o espaço nas andanças que você fez apreendendo geografias e paisagens nos seus olhos.

E certamente você andou. Você viu além das suas janelas de criança um Atlântico azul, visualizou os mistérios da Amazônia diante das águas do maior rio do mundo, sob o sol claro na linha do equador. Você sentiu na pele o vento gelado e o manto branco da neve do Colorado e de outros lugares do planeta que carregou na memória até hoje.

E agora, em frente a seu marido, fará uma promessa sob a beleza de um ritual de milênios, onde se consagra um sentimento para a continuação da humanidade.

Querida Júlia, o antes vem agora em reais aplicativos que não se compram na internet, pois é um estado de permanente mudança que idealizamos e aceitamos até mesmo quando não queremos. E nenhuma vontade expressa deve subjugar o sonho do outro no caminhar de duas pessoas que se amam.

Olhe, o amor tem ponto de partida e uma longa caminhada quando os olhos miram outro ponto no horizonte. O amor mais verdadeiro é um iate que precisa de hábil condução dentro das tempestades ou na calmaria dos mares, quando procuramos portos para abastecê-lo e consertá-lo para seguir as novas rotas que se impõem ao sabor das estações.

Talvez o mar seja o amor. E o barco a vela a lâmina cortante das ondas inevitáveis. Talvez o céu seja o amor e o avião um lírico objeto das nuvens irreais que mudam de figura quando o vento sopra em seu interior. Ah, mas este mar me parece um sonho desenhado sobre uma guitarra que toca um rock com o som de Jimmy Hendrix. O amor suporta tímpanos, ouvidos suportam o amor e as mãos sinceras aplaudem cada gesto, pois o amor é silêncio e barulho, é água e fogo, é ação humana na estação dos deuses.

Às vezes corta a pele e o coração, mas cura suas feridas e se tatua sobre as próprias cicatrizes.

Querida filha Júlia, seja muito feliz no seu casamento, com seu marido que um dia espero conhecê-lo. Te amo.

Fernando Canto
21 de fevereiro de 2019

Feliz aniversário, Hanna! – @hanna_paulino

Hoje é aniversário da mãe da Lohanna, vocalista das bandas Drusa, Voxx Voyage e Hidrah,  além de querida amiga deste jornalista, Hanna Paulino.

A moça é inteligente, muuuito gente boa, possui alto astral e bom humor invejável, além de bem resolvida. É, a Hanna emana positividade. Ela é uma mulher muito trabalhadora e talentosa. Uma moça jovem, mas muito responsável com seu trabalho e querida por seus amigos.

Com toda certeza, Hanna é a melhor cantora de Rock and Roll do Amapá. A menina é uma verdadeira estrela e tenho o prazer de ser seu amigo, além de fã.

Hanna, queridona, desejo que você siga com todo esse sucesso e que tenhas saúde pra usufruir dele, sempre. Meus parabéns e feliz aniversário!

Elton Tavares

*Texto republicado, mas de coração. 

Feliz aniversário, Ana Paula! – @anaatvres

Aniversaria nesta segunda-feira (25) a minha prima Ana Paula Cunha Tavares. A nossa amada “Aninha”. Uma pessoa que amo e admiro por sua inteligência, determinação em estudar e trabalhar, além do amor dela pela família, principalmente com nossa avó, Peró.

Arquiteta talentosa, sócia-proprietária da Tapl Arquitetura, Aninha é filha do Paulo e Daci e noiva do Elder (com quem se casará em maio deste ano e todos estamos felizes por eles). Além disso é uma irmã, prima, sobrinha, neta e amiga muito amada por todos nós, o Tavares e seus amigos.

“Nada de imitar seja lá quem for. Temos de ser nós mesmos. Ser núcleo de cometa, não cauda. Puxar fila, não seguir”, disse Monteiro Lobato. Aninha é uma dessas pessoas que puxa a fila.

Ana ama o que faz, tanto que o resultado de seus projetos são verdadeiras obras de arte. Ela também gosta de música legal, de tomar uma cerveja de vez em quando e ainda é dança bem pra caramba. Adoro quando ela está por perto, pois a Aninha é gente fina e tem excelente papo.

Eu já era adulto quando Ana e Pedro (nosso primo da mesma idade dela) chagaram e trouxeram muita alegria pra nossa família. E isso já tem 24 anos, mas lembro como se fosse ontem.

Ana, tu sabes que sempre torci e sempre torcerei pela sua felicidade. Prima, que tenhas sempre saúde, sucesso e amor na tua vida. Te amo. Parabéns pelo teu dia e feliz aniversário!

Elton Tavares

Minha tia preferida gira a roda da vida hoje. Feliz aniversário, Maria Penha Tavares!

Sempre digo que, “graças a Deus tenho uma sorte dos diabos”. Sim, sou um cara abençoado por ter pessoas incríveis ao meu redor. E melhor, que nutrem amor por mim em uma relação recíproca. Um destes afetos, dos de primeira linha, gira a roda da vida hoje. Maria Conceição Penha Tavares completa 67 fevereiros (apesar de parecer no máximo uns 50). Ela é minha tia preferida, uma pessoa que amo de forma desmedida.

Entre as várias facetas de tia Maria, como competente bancária durante décadas, contadora e colaboradora da Cunha & Tavares Consultoria, tia e irmã amorosa, certamente a de filha é a sua maior marca. Não desmerecendo seu lado profissional, onde ela sempre foi extremamente comprometida e eficaz, mas é que a nossa Maria vive duas vidas: a dela e a da nossa matriarca, minha amada avó Peró. Quem conhece essa linda história sabe da nobreza e total compromisso da titia para com sua mãe. A gente só agradece.

Mas este é um texto de aniversário. Pois bem. Antes de felicitar, preciso contar histórias sobre minha relação com Maria Penha (Conceição para alguns ou só Penha para outros).

Ela sempre esteve lá. “Que esse desespero é moda em 76”, cantou Belchior em “A Palo Seco”, mas o desespero não foi tão desesperante assim, a tia estava lá. É que nasci naquele ano e mamãe teve um problema de saúde. Tive que ficar com meus avós e tia Maria. Nunca mais sai da casa deles. Meu coração vive lá.

Tia Maria foi minha amiga desde o início, e seu um dia eu for pra Maitê a metade do tio que ela foi e é pra mim, a missão estará cumprida com sucesso. Costumo contar que Maria Penha foi a pessoa que me educou musicalmente. Graças a ela, gosto de música boa.

Já disse e repito, ela sempre foi uma espécie de mãe, madrinha, amiga, apoiadora, conselheira, parceira, entre outras tantas coisas maravilhosas que essa pessoa sensacional representa na minha existência.

Com Maria, ao longo destes meus 42 anos, vivemos muitas vidas nesta vida. Fomos colegas de trabalho, quando ela me orientava sempre, somos parceiros de cerveja, papo e som. Ela é sempre minha companheira quando precisamos ficar no hospital com a vó (ainda bem que há tempos não temos essa necessidade) e acima de tudo, ela é uma grande amiga que tenho nessa jornada. E desconfio que também foi assim em outras passagens por aqui.

Por ser essa pessoa fantástica que ela é, todos nós a amamos. Eu mais que alguns, certamente (risos). Sou grato à Deus pela existência de Maria orbitar a minha vida e vice-versa. A gente nem sempre concorda, mas nos apoiamos sempre.

Tia, tu sabes o quanto te admiro e respeito. Que tu sigas com saúde sempre. Do resto você sempre deu conta. Obrigado por tudo e parabéns pelo teu dia. Feliz aniversário!

Elton Tavares (mas falo pelo Emerson Tavares também). 

Feliz aniversário, Villas! – @VillasboasAP

Hoje aniversaria o servidor do Ministério Público do Amapá (MP-AP), gerente do MP Comunitário, humanista, agente político sempre engajado em causas nobres e querido amigo meu José Villas Boas.

O Villas é um cara inteligente, trabalhador, competente, articulado, temporizador, marido e pai amoroso e amigo parceiro, entre outras tantas paideguices que ele possui. Sobretudo, um homem de bem.

Sempre bem-humorado, perspicaz, educado, brincalhão e prestativo, Villas é umas daquelas figuras que a gente gosta de ter por perto.

Villas, este registro é só pra ressaltar o meu respeito, admiração e amizade por ti. Que tenhas sempre sucesso e saúde junto aos teus amores. Parabéns pelo seu dia. Feliz aniversário!

Elton Tavares

Feliz aniversário, Obdias Araújo!

Hoje é aniversário do guarda territorial do Amapá, poeta, escritor, pai amoroso, flautista, pirata da batucada, doido de pedra, guardião da Fortaleza de São José de Macapá e querido amigo deste jornalista, Obdias Araújo.

Entre as coisas das quais me gabo, está o fato de ser amigo de músicos, escritores, poetas e artistas em geral. Vários malucos geniais como Obdias Araújo.

O Fernando Canto diz que “OB” é um “velho militante da literatura amapaense, irmão de outros bons poetas, primo de loucos-varridos-da-porta-da-igreja e parente de punha-mesas”. Faço minhas as palavras do “Barba”.

Obdias é um cara talentoso, que tive a sorte de conhecer numa noite quente de Projeto Botequim. Fui apresentado a ele pelo também gênio Ronaldo Rodrigues. Ambos são uma mistura de Quincas Berro D’Água e Charles Bukowski tucuju.

Além das poesias, gostos dos diálogos com OB e do escracho brilhante do cara. Obdias Araújo é dono de uma sagacidade, bom humor e sacanagem ímpar. Além de ser um representante um grande da cultura literária amapaense.

Por tudo isso, desejo vida longa ao poeta maluco. Obdias, que Deus siga a lhe dar saúde e sucesso. Meus parabéns e feliz aniversário!

Elton Tavares

Feliz aniversário, Clícia Di Miceli!

Hoje inicia o novo ciclo da professora, servidora pública, mestra (não jedi, mas poderia), mãe da Flor, esposa do Enrico Di Miceli, competente produtora cultural, proprietária da Bacabeira Produções, umas das idealizadoras do Banzeiro Brilho-de-Fogo e velha broda deste jornalista, Clicia Di Miceli.

Sempre conto que estudei com a Clicia em 1989, na Escola Polivalente Tiradentes. Ela era uma praguinha. Um tanto quanto inquieta, sagaz e eu um moleque abestado e quieto. A gente se dava muito bem. De lá pra cá, cada qual tomou um rumo, a gente até se esbarrava por aí, mas sem muito contato. Depois de uns anos, retomamos a brodagem. Ainda bem, pois gosto dessa figura.

Com caráter inabalável e amor pela cultura, aliado a um talento ímpar, Clicia é uma daquelas pessoas que puxa a fila, que inova, movimenta, faz acontecer. Não à toa, tem o respeito e admiração da classe artística do Amapá e de muitos dessa nobre área Brasil afora.

Este textinho é só pra deixar registrada a minha amizade e consideração com essa mulher admirável.

Clicia, que tenhas sempre saúde, sucesso e sabedoria na jornada. E que tu sigas pisando forte e fazendo valer. Parabéns pelo teu dia e feliz aniversário!

Elton Tavares

Meus parabéns, Adriano Siqueira!

Dou valor em muita gente. Hoje em dia, nem tenho tanto contato com algumas dessas pessoas. É o caso do José Adriano Siqueira da Silva. Conheci o Zé Adriano em 1993, no apartamento da tia Sanzinha. Ele era namorado da minha querida prima Silvana Sena, com quem é casado há mais de duas décadas. Hoje é aniversário do cara. Aliás, um baita cara!

O “porco alemão”, apelido dado ao Adriano por sua turma de Belém (PA), é o pai amoroso do Felipe, marido apaixonado da Silvaninha, um filho sempre dedicado, um dos remistas mais remistas que conheço, além de botafoguense conformado (ele torce para esses dois timinhos, mas o importante é ter saúde).

O brother também é um cervejeiro convicto, amante de boa música, irmão exemplar e amigo pra todas as horas (afirmo isso com veemência, pois o cara já me ajudou e muito nessa vida).

Zé Adriano foi um dos grandes amigos que meu saudoso pai Zé Penha teve, e certamente é um dos que posso me orgulhar de ter amizade. Apesar da gente não ter tantos encontros como antes, sei que posso contar com ele e é recíproco.

Em resumo, Zé Adriano é um homem de bem e com toda a certeza, um dos melhores seres humanos que conheci nessa vida (e talvez nas outras). “Germany Pig”, que tua vida seja longa e com muito mais saúde e sucesso. Que tua jornada atinja no mínimo mais 53 fevereiros chuvosos. Tu és do coração, mano velho.

Parabéns pelo teu dia e feliz aniversário!

Elton Tavares

Alcinéa Cavalcante gira a roda da vida e eu desejo felicidades à amiga querida! – @alcinea

Quem gira a roda da vida neste décimo nono dia de fevereiro é a brilhante jornalista, escritora inventiva, uma das maiores poetas amapaenses, ativa militante cultural, respeitada blogueira, fotógrafa, experiente e perspicaz repórter (aí sabe apurar um fato), imortal da Academia Amapaense de Letras (AAL), membro da Maracatu da Favela (pávula quando o assunto é a verde rosa), esposa do gentil Soeiro, mãe do meu amigo Márcio Spot, avó amorosa da Alice, amante de carnaval, apreciadora de Chandon e minha querida amiga, Alcinéa Cavalcante.

A poesia de Alcinéa se espalhou pelo Amapá, Brasil e mundo, pois ela é reconhecida e premiada nacional e internacionalmente. Eu a admiro um bocado como poeta, jornalista, escritora e, sobretudo, como pessoa. A Néa é fiel aos seus e me orgulho de ser seu amigo.

Seu site, homônimo a ela, sempre com fontes quentes, serviu de inspiração para o De Rocha. Néa se gaba de “ser chato ser bem informado” e é mesmo. Além disso, tem o respeito de todas as classes . É, contra fatos não existem argumentos, ela manja muito dessa doideira de jornalismo e realmente saca de apuração de fatos como poucos.

Já escrevi alguns textos sobre Alcinéa Cavalcante e sempre repito que Néa é um misto de doçura e acidez. Quando jornalista, suas colocações inteligentes, pontos diferenciados, leve humor negro e abordagem refinada sobre qualquer tema, fascina leitores. Quando poeta, desperta as melhores sensações em quem lê ou escuta seus lindos poemas.

No meu caso, sou um sortudo por ter sua amizade, respeito e consideração. A ela, rendo homenagens hoje e sempre pela sua contribuição cultural ao Amapá e pelo mix de amiga-conselheira-protetora-confidente que ela é para mim.

Alcinéa, a gente te ama. Que teu novo ciclo seja repleto de luz, saúde, harmonia e paz. Que tua vida seja longa e que tudo que couber no seu conceito de felicidade, se concretize.

Parabéns pelo seu dia e feliz aniversário!

Elton Tavares

*Obs: sei que estou sumido da tua casa, mas tu sempre estás no meu coração.

O trombone invisível – Conto de Fernando Canto para Obdias Araújo.

 

Conto de Fernando Canto para o poeta Obdias Araújo.

Ainda era muito cedo.

O rapaz de uns vinte e cinco anos vinha no meio da rua tocando um trombone de vara, marchando alegre e sem medo de ser atropelado pelos veículos pesados que se movimentavam para pegar a rodovia JK. Ele soprava e punha a mão na boca do instrumento, ajustando-o. O tipo de música executada se assemelhava a um dobrado, já que seus passos seguiam em perfeita cadência rítmica, como se desfilasse numa parada escolar. Devia puxar o pelotão de uma banda musical que talvez lhe seguisse após a desobstrução da via. De vez em quando olhava para trás, mas sem parar de marchar.

Dobrei meu caminhão para o acostamento e esperei que passasse por mim. Eu disse:

– Ei, amigo, não estou ouvindo direito essa música.

Ele me olhou meio de esguelha, com certo ar de desprezo e apontou o dedo para a boca do instrumento, lamentando minha ignorância, querendo dizer que tocava com a surdina, pensei.

Deixei-o passar e o acompanhei pelo retrovisor. Seguia cadencioso no meio da rua esburacada, naquela manhã de abril, sob um céu plástico e chuvoso do equador. Eu já ia embora quando ouvi o som nervoso da buzina de uma carreta atrás de mim e o baque surdo de um corpo caindo ao chão. O moço, seminu, trajava apenas uma cueca branca e rota. Não havia trombone, não havia banda, não havia música.

Os pássaros madrugadores da cidade pousados nos fios de alta tensão da Eletronorte assustaram-se e fugiram desesperados com o som da morte, para descrever no céu as notas de um réquiem ao trombonista atropelado.

Inter Amazônias: uma Fronteira Musical: Clicia Di Micelli agora é Mestra e quem ganha com isso é a Cultura do Amapá

Foto: Márcia do Carmo

Durante dois anos, a professora, servidora pública e produtora cultural, Clicia Vieira Di Miceli, esteve mergulhada em pesquisas, estudos e viagens. O empenho e dedicação dela, que é apaixonada pela música e cultura do Amapá, resultou na aprovação de sua dissertação para mestrado, anteontem (16), na Universidade Federal do Amapá (Unifap), por meio do Mestrado Profissional em Estudos de Fronteira.

A Banca avaliadora, hiper-qualificada, foi formada pelo professores Jodival Maurício (orientador), da Unifap; Lucas Panitz, da Universidade do Rio Grande do Sul; Marie-Françoise Pindard, da Universidade da Guiana Francesa e Joseph Handerson, da Universidade Federal do Amapá.

Foto: Márcia do Carmo

Sim, a querida amiga agora é Mestra e seu trabalho resultou num belíssimo resultado da pesquisa, e um documentário sobre a relação musical entre Amapá e Platô das Guianas.

Denominado “Inter Amazônias: uma Fronteira Musical”, o doc discorre sobre a música tradicional e contemporânea do Amapá e Guianas. Entre os pontos do documentário, que focou na geografia musical da Amazônia (um elo perdido com o Brasil do outro lado do rio Amazonas), estão as origens da musicalidade, vasto acervo de canções e artistas, produção de instrumentos e indumentárias dos povos da floresta não só cantam, mas que dançam e completam esse arcabouço cultural.

Foto: Márcia do Carmo

Os aspectos da riqueza musical, que Clicia pontou, explicam o quanto a Amazônia amapaense tem parte de sua base sonora nas Guianas. As semelhanças dos ritmos musicais do Amapá e do Platô das Guianas é incrível.

Tudo no documentário é lindo. Desde sua abordagem, trilha sonora, riqueza de conteúdo e edição (palmas para o amigo André Cantuária).

Foto: Márcia do Carmo

Outra coisa muito legal foi ver todos os entrevistados lá na plateia, torcendo pela defesa. Um grupo de pessoas formado pelos maiores nomes da música do Amapá. Coisa linda mesmo.

Nossa (e deles) fantástica sonoridade ritualística aliada a imagens sensacionais fazem de “Inter Amazônias: uma Fronteira Musical”, um documentário essencial, não somente para a comunidade acadêmica, mas para nossa sociedade.

Foto: Márcia do Carmo

Como em tudo que se propõe a produzir (seu amor pela música e arte em geral a fez ativista da causa), a pesquisa de Clícia resultou em um material audiovisual e textual que consegue elucidar o quanto diferentes culturas e de matrizes religiosas variadas se entrelaçam musicalmente. Pois sua diversidade e clareza sobre o intercâmbio entre povos é de grande valia para a memória do nosso patrimônio imaterial. Um trabalho que se tornou um filme cheio de tradição, folclore e amor. A nós só resta aplaudir de pé.

Foto: Márcia do Carmo

“Os fatos folclóricos só são autênticos quando feitos pelo povo” – Hélio Pennafort.

Claro que depois a gente festejou a vitória de Clicia!

Elton Tavares – Jornalista que conheceu Clicia em 1989, quando ambos estudaram juntos e está orgulhoso da amiga.

Bingo em prol da saúde do jornalista Edson Cardozo – @edsoncardozo_ap

Eu e Edson Cardozo. Além de excelente jornalista, um amigo querido.

Amigos e familiares do jornalista, Edson Cardozo, promoverão hoje (17), a partir das 10h, no Clube dos Subtenentes e Sargentos da Polícia Militar do Amapá (CSS -PM/AP), um bingo em prol da saúde do jornalista. A iniciativa visa arrecadar fundos para o tratamento de saúde do nosso querido amigo. A cartela do sorteio, que contará com vários prêmios, custa somente R$ 5,00.

A iniciativa é do Sindicato dos Jornalistas do Amapá (Sindjor/AP), familiares e amigos de Edson. Aliás, Cardozo é meu amigo. Conheci o cara no curso de jornalismo da Faculdade Seama, onde nos graduamos. Depois, quando eu era foca (iniciante), tive contato com o cara na Redação da TV Amapá. Ele é um baita cara porreta!

Senhor do seu ofício, Edson é um cara PHoda. Profissional respeitado e querido pela imprensa amapaense, pois já atuou como produtor de TV, assessor de comunicação, editor e revisor. Ele não ajudou somente a mim, mas muitos que tiveram a honra de dividir uma redação com Cardozo.

Prêmios: 

A amizade que nutrimos por Edson Cardozo nos une neste momento em que o amigo enfrenta o câncer. Se Deus quiser, logo, logo, ele fica legal. Contamos com o apoio de todos. Lembre-se que boas ações trazem paz ao coração e produzem sonhos felizes.

 

Serviço:

Valor da cartela: R$ 5,00
Data: 17/02/2019
Hora: das 10h às 18h
Local: Clube dos Sargentos e Subtenentes da PM (CSS), na Rodovia JK (ao lado da sede do Sinsepeap)
Locais de venda: Sorveteria Jesus de Nazaré, KIT Fotos, Palácio dos Esportes, Academia Oxigênio (Marabaixo I), Secom e SETE.

Elton Tavares