Ninguém lê! – Crônica de Lulih Rojanski

Crônica de Lulih Rojanski

O que você está lendo? Qual foi o último livro que leu? Onde está o último livro que comprou? Quando o comprou? Onde está o último livro de cujo lançamento participou? Na estante, intacto, ignorado? Eu sinto muito por tudo isso. Honestamente, sinto muito, porque conheço as verdadeiras respostas a estas perguntas, por mais que nas redes sociais a maioria prefira dizer orgulhosa que está atolada em leituras, que tem dormido com Honoré de Balzac debaixo do travesseiro, que gastou em livros boa parte do décimo terceiro salário, que não vive sem Fernando Pessoa… Livros estão ficando no tempo do era uma vez. Editoras estão fechando as portas. Editores estão negociando selos com distribuidoras de literatura vendável e meia-boca. Escritores estão morrendo de desilusão com a cara enfiada na poeira de velhos livros, em arcaicas bibliotecas.

O grande leitor está morrendo. Ele sabe que só é importante para uma geração que está se extinguindo, vagando espaço para os grandes leitores de palavras abreviadas e emoticons sorridentes. Poesia é uma coisa de que o grande leitor de agora ouviu falar mas não sabe exatamente o que significa, como funciona, em que botão se aperta. Conto e crônica são coisas que um professor mencionou, mas ele não se lembra se foi na aula de geografia ou no último filme que baixou no computador. Ele pensa que romance é apenas uma anacrônica história de amor, mais desusada que um rádio de pilhas.

Estou contrariada. Não pertenço a este tempo em que redes sociais influenciam mentes mais do que os livros…

Eu não me preocupo com quem vai se ofender com o que digo. Os ofendidos estão de carapuça. Os que não estão compartilham da minha dor.

Fonte: Para-raio

EU TENHO TANTO PRA LHE FALAR – Por Orlando Júnior (@Orlando_Fla_Jr)

Fiquei, em princípio, pensando qual linguagem usar: culta ou coloquial (sendo que coloquial já é culta). Resolvi escrever o que me inspirasse (ou que me viesse à cabeça, para quem é culto ou para quem gosta da linguagem coloquial).

Hoje o termo da moda é “tanto faz”, porque poucos notaram que no segundo parênteses utilizei a ordem de ideias ao contrário (mania de ser culto).

Tanto faz se você paga mais ou menos impostos.

Tanto faz se você foi ludibriado com a ideia de que tirando a “sapatão” o BRAZIL ia mudar.

Tanto faz se foi um golpe orquestrado por uma mídia que se vale da miséria diária de milhões.

A segunda expressão modinha é “tem que ser”, como se depois nada mais estaria errado.

Tanto faz quem tá levando o país pro lixo agora que o barbudo (ou sem dedo para os sádicos) tem que ser preso.

Tanto faz se quem tá no poder está respondendo processo por crime, sem a estrela vermelha (dos comunistas) o BRAZIL vai “pogredir”.

O que move você, e eu, é a vontade de mudar, e nisso o Brasil do Lula mudou, apesar de você não lembrar, pois o seu ódio lhe cegou.

Não sou PT (ralha, para os haters), não apoio movimentos “populares” infestados de aproveitadores como são os MS’s da vida e a maioria das igrejas (de qualquer culto).

Sou um “NEO-CAPITAL-LIBERAL-SOCIALISTA”, para você que gosta de rotular.

O que isso significa?

Significa que você, e o resto do mundo, está certo em reclamar.

Reclamar contra os governos.

Reclamar contra os parlamentares.

Reclamar contra grande parcela dos servidores públicos (geralmente esquecendo que você é um).

Mas, sem reclamar dos grandes empresários, das grandes mídias que te iludem com novelas, realityes shows e afins.

Sem ter coragem de dizer que quer reclamar.

Você esqueceu o que é ditadura.

É só um mito do século passado, aliás, de qual século? Afinal você pouco sabe de história, matéria decorativa e fácil de passar, diferente de matemática que até hoje você, também, não sabe para que serve.

Você é filho da ignorância.

Não sua. Minha.

Pois eu não fui capaz de lhe mostrar que os poetas relataram e cantaram que há “sujeira pra todo lado” e “ninguém respeita a Constituição, mas todos acreditam no futuro da nação”.

Foi difícil eu te ensinar que Chico, Caetano e Gil saíram daqui porque iam morrer, afinal, você não sabe uma música deles.

Você conhece Roberto, o rei, mas não consegui lhe mostrar que ele também teve medo de morrer e se rendeu a músicas românticas para poder viver em seu país, ainda assim, cantou “Debaixo dos Caracóis” para Caetano.

Sofri quando vi, não você, mas a maioria de vocês, indo pra rua seguir um pato e bater panelas, sendo que até hoje você não sabe sequer usá-las.

Hoje você diz que não tem político de estimação, pra se eximir da culpa inconsciente que lhe perturba.

Hoje você grita veementemente que o barbudo já foi e os outros não vão demorar a ser presos também, se iludindo sabendo que o golpe dado foi consumado e que você novamente foi a “classe média” de manobra.

Você detesta a elite que se encastela no poder e acha que dando meia dúzia de roupas velhas por ano vai garantir seu lugar no céu.

Você se acha diferente por ter filho em escola particular e fica horrorizado com a violência nas escolas públicas, sendo que você estudou em uma. Na sua vã ilusão seu filho vai ser melhor que o do vizinho, mas esquece que as melhores universidades são públicas.

Ainda assim, você acha um absurdo professor fazer greve, isso é “coisa de vagabundo”, esquecendo que você só está lendo esse texto por causa do grevista.

Eu queria poder te pegar e dar uma surra de cinto, pois você acha que isso é uma forma de correção válida.

Eu queria poder fazer tanta coisa, e escrever, para fazer você acreditar no que eu acredito.

Eu queria apenas que você escutasse e não odiasse.

E quando você escutasse, parasse e pensasse, e assim, libertar-se.

Eu e Orlando Júnior – 2016.

*Dr. Orlando Ribeiro Júnior é professor universitário, bacharel em Direito e titular da Secretaria Judiciária do Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (Sejud/TRE-AP). 

Considerações sobre a intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro.

Morei no Rio de Janeiro minha vida toda antes de escolher o Amapá. Como verdadeiro Carioca, vivi as praias, os morros, o subúrbio (que é diferente dos morros) e participei ativamente do samba e de tudo que implica existir no Rio. Saí de lá, a mais de 11 anos, por achar que havia muita violência. De lá para cá, só piorou.

Observamos hoje a intervenção federal na área de segurança no Rio de Janeiro como medida necessária. Alguns alertam que não é o Estado mais violento, que outros também deveriam ter esse “privilégio”; uns informam que a intervenção é de aspecto puramente oportunista e eleitoreiro; outros esclarecem que o Rio contribui demasiadamente para a economia nacional; mas estes pontos, todos eles relevantes, pouco importam para as considerações a seguir.

Sem ser profeta do caos, algumas notícias dessa semana preocuparam demasiadamente. O Interventor anunciou parte de seu planejamento, mas não indicou seus assessores – novos Secretários Estaduais, inclusive. Está agindo cautelosamente, diferente de vacilante, aparentemente está se baseando em serviços de inteligência. Se somarem a inteligência das Forças Armadas com as das Polícia Civil e Militar do Rio de Janeiro, acredito que pode ter jeito a situação.

Essa cautela se verifica na ação dos comandados pela intervenção, que apreenderam muitas armas nessa semana (e drogas também), seja por terra, por ar ou por mar. Essas apreensões evidenciam que as inteligências estão agindo em conjunto e que vão “sufocar” o crime no Rio. Esse crime está com menos dinheiro e drogas, pois pagou para elas chegarem e foram interceptadas.

De outro lado, vê-se que a quantidade de armamento apreendida somente nessa semana (25.2 a 4.3) foi altíssima. Essa apreensões não servem para demonstrar um histórico de “importações” de armas e munições para o Rio. Em verdade, ela comprova que tão logo o crime organizado soube da intervenção, tratou de negociar a compra de suas armas e munições.

Já temos anúncio oficial de colaboração interestadual para fechamento das fronteiras do Rio de Janeiro. Agora temos o anúncio não oficial de que o crime busca se equipar “até os dentes”.

A guerra está anunciada. Se eu não tivesse saído antes, estaria saindo agora. Peço desculpa a esse desserviço ao Rio, que pode ser entendido como propaganda contra o turismo e os negócios de lá, mas me importa mais as vidas que se perderam em meio a esse combate. O crime sem dinheiro e drogas para vender vai buscar esses recursos aonde?

De um lado há os que vivem do crime, estes não vão se render só pela presença das Forças Armadas, vão lutar pelo seu “trabalho”. Se do outro lado temos militares que não vão aceitar resolver pela metade o problema – são sérios, fui militar por 5 anos –, é porque haverá combate.. Se realmente eu fosse ficar no Rio, sairia por um tempo, até as coisas se acalmarem.

Por Vladimir Belmino de Almeida, membro fundador da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político, membro da Academia de Letras Jurídicas do Amapá e membro da Academia Amapaense Maçônica de Letras.

O “Superior Tribunal de Fofocas” (texto de Vladimir Belmino)

Desde que as sessões dos Tribunais Superiores começaram a ser transmitidas, houve um incremento na qualidade da percepção do que ocorre neles. Mais por culpa das vaidades postas a público do que pelas discussões jurídicas.

Nunca houve nesse país uma transparência tão alta das cortes supremas, nunca os encastelados se desnudaram tanto.

O povo, tido por ignóbil perto daquelas majestosas celebridades mentais, pode observar bate-bocas lindos e elegantes, com eufemismos que tentam manter a áurea do local, mas que revelam as conturbadas e indizíveis relações internas e externas das Cortes.

Cada qual tem uma tese e/ou doutrina para chamar de sua, conforme a conveniência do momento. A coerência se perde “ao vivo e em cores”, as desmesuras vem em sinal digital, as (des)virtudes só não se mostram maiores do que os egos, as interpretações dignas de Oscar estão despidas de ensaios, são reais e incomuns, é a novela mexicana do Direito.

Ouso dizer que o Estado Democrático de Direito virou o Estado Democrático Jurídico. Onde Estado continua sendo Estado; o Democrático agora é todo mundo, sem a noção de igualdade quanto aos direitos, mas com sentido das opiniões serem verdades indiscutíveis; o Jurídico é porque todo mundo é jurista. E quanto mais poder tem o emissor da opinião, mais esta se impõe, independente do Direito ou da Constituição.

Vale a crítica ácida do jurista – de verdade – e meu colega na ABRADEP, Dr Luiz Felipe da Silva Andrade, de que “doravante o Mark Zuckerberg está fornecendo diploma de bacharel em direito a todos aqueles que estejam cadastrados nas suas redes sociais”.

Talvez por isso não estejamos tão bem no futebol, não somos mais um país onde cada cidadão é um técnico, mas em breve, certamente, saberemos reconhecer e saborear bem melhor a justiça.

Por Vladimir Belmino de Almeida, membro fundador da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político, membro da Academia Amapaense Maçônica de Letras e da Academia Amapaense de Letras Jurídicas.

 

Lição do saudoso jornalista Corrêa Neto

CorreaNeto

Certa vez, lá em 2012, li no site do lendário jornalista Corrêa Neto:

“Faz muita falta uma oposição inteligente em qualquer sociedade. A oposição inteligente constrói, a burra nem consegue destruir, a menos que o poder seja ocupado por gente tão burra quanto ela. A oposição inteligente enlouquece quem não está preparado para o exercício do poder, porque sua preocupação não é a mesquinharia, nem a insignificância. Seu alvo está mais adiante: é a qualidade de vida de todos. A partir daí sua argumentação passa ser irrefutável, e só aceita ações positivas como resposta“.

Atemporal, não acham?

Cansaço – Por @Cortezolli


Pois é cansada que digito devagar…

Minha fadiga mental se dá em virtude das tempestades de tutoriais de “como viver melhor”, das “dicas infalíveis” e dos incansáveis “métodos revolucionários de como fazer isso ou aquilo”, sem mencionar os livros que chovem com textos publicitários miseráveis, escritos por pessoas de índole execrável, que crêem incitar o consumo, com o que julgam ser irresistíveis interjeições: “Hein?!”, “só vem”, “me convida?”. Não, não são todos os profissionais que têm caráter duvidoso. Contudo a parcela que poluiu se diz “famosinha”.

O dilúvio de inópia lava os mais diversos meios. Fechemos os olhos ao sairmos de nossas casas, tampemos os ouvidos aos menores ruídos de soluções imediatas.

A vida apenas se arrasta. Quando a solução parecer fácil demais, desconfie.

O imediatismo está na avalanche de informação. Abandonar o bombardeio ao qual somos submetidos por metro quadrado, ou a cada segundo, é morrer de fome. Alimentemos-nos das mais diversas fontes, que quase não nos saciam. E queremos mais. E, nos intoxicamos.

Cansei dos textos escritos por gente como eu… Carregados do que trazemos conosco.

Decepciono-me facilmente, porque minhas expectativas são sempre altas. As baixezas… Deixo-as para os rasteiros, que citam até trechos do que houver de mais sagrado, para as mais pulhas afirmações. E, não se trata de ficção? Quem escreveu?

Enfadei.

E de agora em diante, meu silêncio.

Tchau.

Hellen Cortezolli

Sempre levo comigo a Frase que meu professor de Sociologia fala: “Um povo educado é muito perigoso”

Por Nádia Launé

Quando um país entra em crise, tudo tende a ficar mais caro para suprir o que tá faltando, o governo AQUI no Brasil passa a cobrar mais em impostos e é cortar as verbas destinadas a população

Em países desenvolvidos, a crise é o momento perfeito pra inovar, buscar soluções e alternativas e assim surgem boas ideias. Um exemplo disso é uma professora que ministra a matéria de Gestão e empreendimento nos ensina como ousar… Ela nos ensina como usar vários objetos para vender.

Países de primeiro mundo tem como uma das características, criarem soluções criativas e inovadoras pra fugir da crise. Porém O Brasil não, os governantes cortam gastos públicos e aumentam impostos, ai começa uma espécie de bola de neve pois essas supostas “soluções” não ajudam a parar a crise, e sim a aumenta como se fosse secando os bolsos de todo mundo aos poucos .

Aumentar a passagem de ônibus não é uma solução para nada, aumentar a passagem de ônibus não vai pagar dívida pública ou tirar o país da crise. O que vai acontecer é que vai fazer crianças, adolescentes, jovens a não conseguirem ir pra escola e pessoas a terem que comer menos para se locomover para determinados lugares.

Os trabalhadores que vivem em situações desfavoráveis a passar por mais dificuldades por conta de tirar do bolso um dinheiro a mais para a passagem de ônibus sendo que pode ser usado em várias outras coisas…

Eu gostaria de saber de coração, como vocês governantes querem fazer esse aumento, sendo que são os primeiros a falar sobre a crise que o Brasil sofre?

Porque não cortar gastos com determinados cargos, viagens, motoristas etc. Que são usados por vossas excelências, quer dizer que o certo é logo aumentar os impostos para as pessoas que vivem em situações difíceis?

É bom pensar em nós eleitores que colocamos vocês para nos representar em todas essas questões…Somos nós que vivenciamos essas situações precárias do dia-dia com o serviço público. E eu falo com convicção, como estudante da rede pública federal, como a que usa o transporte público de segunda a sexta. A super lotação nos ônibus, também alguns micro-ônibus que usam de motorista como contador. Estamos sujeitos a acidentes, pois duas coisas para uma pessoa só? Sendo que tem horários de “pico”…

As condições precárias dos ônibus também, estamos sujeitos a assaltos, eu saio de casa e ao pegar ônibus creio que Deus me proteja, meu pai deixa eu ir de ônibus porém tem uma preocupação, Macapá está ficando perigosa. Isso é complicado, pois ficamos com traumas e isso resulta em medo de sair de casa, andar de ônibus…

Outra realidade que vivenciamos, No instituto federal do Amapá- IFAP, não temos parada de ônibus, sendo que descemos em uma BR onde o fluxo de carro é alta e com uma velocidade mais alta. Estamos correndo risco, mesmo que tenha faixa de pedestre, tem motoristas imprudentes que acabam não respeitando as sinalizações de transito.

Será que tudo isto só será providenciado quando acontecer uma tragédia? Não podemos prevenir tudo isto?

Sempre levo comigo a Frase que meu professor de Sociologia fala: “ Um povo educado é muito perigoso”

Gente vamos lutar a favor nossos direitos, não podemos ficar calados com situações que piora a vida da nossa população.

* Nádia Launé cursa o no Instituto Federal do Amapá (IFAP).

O princípio da continuidade no serviço público e o umbigo – Por @maiarapires

cartoons_82_de-quem-e-o-mandato-1

Por Maiara Pires

Em época de transição de mandato, o que não faltam são orientações dos órgãos de controle como o Tribunal de Contas, sobre os procedimentos administrativos de um gestor público. Os conselheiros dos TCEs tentam de várias formas colocar na cabeça dos novos mandatários os princípios constitucionais da administração pública, entre eles, o da Continuidade do Serviço Público. Tudo para não prejudicar o atendimento à população.

Mas, tá pra nascer um indivíduo que não seja do mesmo partido ou aliado, ‘pegar o bonde andando’ e continuar o percurso do roteiro inicial… Nunca no Brasil que ele faz isso. Quando este um não para o serviço, ele ‘reformula’ a ação e só muda de nome pra ficar com a ‘cara dele’. E haja auditoria nas licitações e contratos com fornecedores até conseguir romper com todos eles pra colocar os “seus”.

Agora, quando o cidadão é do mesmo partido ou da mesma base aliada, o que não deve faltar na mesa de trabalho e em casa é óleo de peroba pra passar na senhora sua cara de pau, pra dizer pra deus e o mundo que tudo está legal e que “vamos continuar com o que está dando certo”.

Onde é que está o problema em continuar com um serviço que está dando resultado para a população? Já sei. O problema está em reconhecer o bom trabalho realizado em alguma área. Perguntar não ofende: qual foi a parte que Vossa Excelência não entendeu que SERVIÇO PÚBLICO significa SERVIR O PÚBLICO ou SERVIR A POPULAÇÃO e, que, o (a) senhor (a) foi eleito (a) pra prestar um bom serviço para o contribuinte? Hein?!

Mandato eletivo não é disputa de ego não. A função de Vossa Excelência é executar ações que melhorem a qualidade de vida em sociedade, não é deixar um legado para o (a) senhor (a) deixar o seu nome escrito nos anais da vida pública. Porque, infelizmente, é isso que o que a maioria dos mandatários faz. Eles querem ser ovacionados. Ao invés de servir, eles querem ser servidos. E o jogo de vaidade vai ganhando corpo no “eu fiz isso”, “eu fiz aquilo”. Deixa só eu lhe lembrar de uma coisinha: não faz mais do que obrigação.

Não faça nada buscando reconhecimento de ninguém. Trabalhe com a sua consciência tranquila e em paz, que é mais negócio. Faça o que tem que ser feito sem se importar com o adversário porque é ao povo que o (a) senhor (a) deve satisfação. E se o povo não reconhecer o seu trabalho, fica triste não. É melhor estar em paz do que estar certo. Não se bata.

Mendigos emocionais – Por @Cortezolli

14720400_1167229310020620_4869010888379443218_n
Há tempos não escrevia nada, sequer uma linha. Cogitei a possibilidade de fazê-lo à moda antiga, papel e caneta, mas a memória remota das pontas dos meus dedos tocando o teclado nevrálgicamente, me foi mais sedutora.

tumblr_mh12mikpk41qkrs02o1_500

Submergi num daqueles mergulhos em mim mesma, quase suicida, não esperava por salvação, mas também não acreditava num retorno, apenas me afundava no que considerei ser uma síndrome de autoconhecimento inadiável.

tumblr_n49lpxmbs41r7bwaro1_500

Perdi aquela certeza na hora de concatenar as ideias, porque por mais que minhas opiniões se transformem de acordo com minhas experiências mais recentes, é necessária aquela cegueira provisória na construção dos argumentos, mesmo que frágeis. Mas, isso mudou…

por-que-as-mulheres-criam-expectativas-30-881

Lembrei do quanto me cobro e por isso não espero menos das outras pessoas, contudo, em algum instante me veio à mente, que as pessoas não são responsáveis por nossas expectativas, mesmo que eu me recuse a baixar as minhas. Se você não abandonou o meu raciocínio até aqui, é porque se identifica com essas questões.

1bfd44967fca95af7a66329af0447d34

Então, se torna uma sensação lancinante, análises sobre todos os tipos de relacionamentos interpessoais, e vai desde a amizade longa, amores efêmeros, paixões doentias, até o atendimento ao cliente numa farmácia ou padaria. Você ou eu, nem sempre sabemos o que queremos, mas criamos ilusões em torno do que não sabemos, criamos muralhas de medo ou, por vezes, preferimos chamar de cautela. Entretanto, surge uma vivacidade, não se sabe de onde e meio que sai pelos poros, onde cremos que somos capazes de nos jogarmos cegamente em queda livre, pelo simples prazer de sentir o vento, a velocidade, sem nos preocuparmos com a queda.

226378_401171089932864_1425976635_n

Porém, se formos pensar friamente sobre as expectativas, devemos nos ater ao fato dessa onda comportamental, de sei lá, uns vinte anos que antecedem o agora. Essa geração da qual, fazemos parte, independentemente da idade fisiológica, onde todos estão carentes, de chapéu nas mãos.

espantalhos-para-centro-de-mesa

Façamos um exercício de fechar os olhos e nos imaginarmos como espantalhos, preenchidos com espuma ou palha, no aguardo de um coração bater no peito, pode ser remendado, não tem problema, parece patético não é? Mas, não é muito diferente de como nos comportamos.

tumblr_n48ywmxluz1sdn26po1_1280

Talvez porque as paixões sejam elas pelo que fazemos ou por pessoas nas quais depositamos nossas esperanças ou sonhos. A verdade rasa, curta e grossa é que queremos a sensação de quando estamos apaixonados, não necessariamente por alguém real ou pelo que fazemos. Construímos isso em nossas mentes… Deveríamos pensar em nos apaixonarmos por nós mesmos, sem esperarmos por migalhas de aplausos, curtidas e comentários, todavia, esperamos. Lembre-se de que fazemos parte desse contexto imediatista, a era do mimimi e que estamos carentes de crenças, de amores, de qualquer coisa.

inteligencia-emocional

Queremos sempre mais… Só não sabemos exatamente, do quê. Acredite até a dor é desejada, apenas para sabermos como é não senti-la mais.

cortezolli1
Com Hellen Cortezolli – 2010 – Saudades

Hellen Cortezolli – Jornalista, fotógrafa, cronista e minha amiga querida que mora no Sul, após nossa conversa sobre amores e dores. 

Há exatamente um ano: Interpol e Smashing Pumpkins arrebentaram no Lollapalooza Brasil 2015

interpol2
Interpol – Foto: Elton Tavares

Há exatamente um ano, as bandas Interpol e Smashing Pumpkins arrebentaram no Lollapalooza Brasil 2015. Assim como outras quatro vezes, fui à Sampa para assistir shows de Rock and Roll, segunda no Festival Lollapalooza Brasil.

Na verdade, o festival do ano passado contou com atrações mais dançantes do que pesadas, mas atingi meu objetivo: ver as apresentações das bandas Interpol e Smashing Pumpkins. Ambas com performances perfeitas.

Era um domingo frio e cinzento. Quando o Interpol subiu ao palco Skol. O grupo tocou de 15h30 às 17h debaixo da garoa dos paulistas, o nosso “chuvisco”. Logo a banda nova-iorquina aqueceu o coração e alma dos fãs que estavam no autódromo de Interlagos.

Eu não sabia se pulava, fotografava ou cantava (com meu pobre inglês) as canções da banda indie. A força do Rock and Roll fez aqueles caras levantarem a multidão de fãs. Foi lindo!

Smashing1
Smashing – Foto: Elton Tavares

O Smashing Pumpkins fechou o festival no palco Onix do Lollapalooza Brasil 2015. Billy Corgan, compositor, líder, único membro da formação original do grupo e dono da bola mandou muito bem. Ele veio acompanhado do guitarrista Jeff Schroeder (na banda desde 2007), pelo baixista Mark Stoermer (The Killers) e baterista Brad Wilk (Rage Against the Machine).

Eu aguardava um show do Smashing Pumpkins desde os anos 90. Eles levaram sons como “Tonight, Tonight”, “Ava Adore, Bullet With Butterfly Wings”, “Disarm”, “Cherub Rock”, Today, 1979, a nova “Being Beige”.

O público estava hipnotizado com a apresentação, muita gente, como eu foi às lágrimas. Como não chorar? O careca antipático do rock cantou com o coração e a banda tocou de forma perfeita.

Essa foi mais uma aventura rocker sensacional e emocionante. Já faz um ano, mas parece que foi ontem. Entrou para a história Rock and Roll da minha vida. É isso!

Elton Tavares

E se… (Por Silvio Neto)

download

E se o tal “golpe” der certo e a nossa democracia for por água abaixo? E se o tempo, depois de tanto tempo andando pra frente, de repente resolveu retroceder e o pesadelo dos anos de chumbo bater com seu pé pesado, revestido num coturno, em nossa porta e invadir novamente as nossa vidas? O que pode mudar em nosso cotidiano?

1743749_873222216034831_2027967290046238939_nE por falar em “Cotidiano”, será que o Chico Buarque e todos os seus “comparsas” da mesma geração voltarão a cantar os mesmos versos “subversivos” de outrora? Ou será que eles permanecerão num eterno estado de “Cálice”?

Eu, particularmente, não acredito (ou prefiro não acreditar) que o Brasil será novamente governado por uma intervenção das nossas Forças Armadas. Até porque nossas forças não estão tão bem armadas assim – basta comparar as sucatas do Exército Brasileiro com o arsenal poderoso dos traficantes do Rio de Janeiro. Se fosse só pelas armas, estes sim até poderiam governar logo de uma vez…

maxresdefaultMas caso essa intervenção militar ocorra, o que realmente pode mudar em nossas vidas? O que, de fato, nós, o povo brasileiro, iremos ganhar? Eu não consigo pensar em outra resposta senão “NADA”!

Depois das últimas eleições presidenciais de 2014, o Brasil se dividiu em duas classes que dão nojo: os “coxinhas” e os “petralhas”. Estes, defendem com unhas e dentes todo um idealismo de esquerda que funcionava muito bem nos discursos do Lula, nos tempos de suas barbas negras, mas que hoje perdeu completamente o sentido diante dessa política petista que ninguém sabe se é socialismo, neoliberalismo ou puro “corruptismo”. Já aqueles, são o mais fiel retrato do conservadorismo brasileiro disfarçado de patriotas.

images (2)A verdade é que ambos estão mais perdidos que filho de puta em Dia dos Pais, pois não enxergam a manipulação a qual são submetidos e se julgam experts em política nacional, reproduzindo sempre os mesmos discursos prontos da mídia. E aí vale tudo, de Raquel “Cheirazeda” a Jean do BBB, passando por “Bolsotário” (que agora virou “mito”). E agora basta abrir as redes sociais pra assistir ao circo de horrores (ou de idiotices).

O ano de 2016 já está chegando e eu fico apreensivo quanto ao nosso futuro. Pois se os “petralhas” ganharem a luta (“pero sin perder la ternura jamás”), continuaremos nadando numa lama pior que a da Samarco. Se os “coxinhas” saírem vitoriosos, aí é que estamos perdidos mesmo, pois nem artistas cantando músicas de protesto nós teremos, para animar nossas passeatas por mais uma “Diretas Já” daqui uns vinte anos.

caminho-do-meioPor isso, assim como Buda, eu prefiro seguir o “caminho do meio”, por já ser meio caminho andado. Vou exercer meu direito de me abster e de me abstrair desta triste e cruel realidade ilusória pela qual passa o nosso país. E se a coisa ficar mesmo feia, posso fazer que nem o Lobão, só que ao invés de ir embora pros EUA, prefiro ficar numa boa, molhando os pés no Amazonas ou voltar pro marzão azul da minha Paraíba, e ficar só comendo um peixinho frito, assistindo a banda passar, tocando coisas de amor…

*Silvio Neto é jornalista, bancário, músico e maçom.download (1)

Meu comentário: o texto, muito bem escrito, é a opinião do amigo Silvio. Já a minha é pela moralização. Sou contra o golpe militar, mas a favor do impeachment. Assim como sou a favor da cassação de Cunha e de todos os canalhas que tiram nossas esperanças de um Brasil melhor.

Sobre “malhar o cérebro”

malhaçãocerebral1

Li em um jornal local um conselho: “malhar o cérebro”. Quem me conhece sabe, estou muito acima do peso. Obeso, na verdade. E sei que, cedo ou tarde, precisarei tomar uma atitude sobre isso (em muitas falhei vergonhosamente). Mas o miolo tá “cunsca”!

Vou explicar, sigo o tal conselho há tempos. Leio livros, artigos interessantes na internet, costumo me manter antenado sobre o que acontece na minha terra, país e mundo. Até mesmo na galáxia pra ser mais taxativo. É a velha máxima de ler para ser.download (4)

Mas malhar o cérebro não se trata somente de música, arte, viagens e literatura. Gosto de conversar com gente sabida e da “velha guarda”. Ouvir e aprender. Seja numa reunião familiar – graças a Deus os meus parentes são safos – ou numa mesa de bar.

Até agora consegui me ddownload (3)ar bem com essa prática e, aos poucos, mais ouvir do que falar/escrever sem conhecimento de causa. E isso não vale só pra jornalistas, não; a apuração deve ser feita por todos os que não querem passar vergonha. Seja num papo casual ou formal.

Afinal, com o advento da internet, recebemos muita informação ao longo do dia, mas tudo muito superficial. Por isso tanta gente fala besteiras. É igual que ler só orelha de livro. Portanto, minha gecarteles-humor-desmotivaciones-105nte, é como dizem por aí: fica a dica, malhem o cérebro (só para alguns, claro).

Sei que ainda preciso aprender a malhar o resto todo (risos), mas, até aqui, ser um gordão meio sabido deu mais resultado que um sarado burraldo, como vários que conheço. Então, é isso!

Elton Tavares

Uma realidade aparente (texto crítica do jornalista Adnoel Pinheiro)


Estamos cansados de presenciar arbitrariedades na imprensa brasileira, mas a que pretendo me debruçar é sobre a Amapaense, especificamente o meio de comunicação de massa mais eficaz: a TV. O objetivo aqui é questionar as atitudes amadoras e moralistas de alguns programas “policiais” que preenchem as telas dos telespectadores tucujus, que por sinal são vários, na maioria, feito aos “trancos e barrancos” e muitos “jornalistas” esquecem preceitos básicos como; entrevistar várias fontes, ter boa oralidade e agir com interesse, reflexo muitas vezes, de falta de formação acadêmica.

Além da linguagem informal, técnicas de filmagens amadoras e profissionais muitas vezes sem formação, parece existir por parte dos apresentadores uma explicita “razão autoritária”, um moralismo sistêmico que constitui uma relação do programa com seus telespectadores, estes anestesiados por uma “agulha hipodérmica” e  enxurrada de tragédias, contaminados pelo “jornalismo espreme que sai sangue”. 

Sem dúvidas há uma finalidade última de pontificar os acontecimentos acima do bem e do mal, uma razão até mesmo acima da constituição, que afirma que “ninguém será julgado até decisão judicial transitada em julgado” (art.5º inc. LVII CF), ferindo também o código de ética dos jornalistas na qual afirma que o jornalista não pode divulgar informações “de caráter mórbido, sensacionalista ou contrário aos valores humanos, especialmente em cobertura de crimes ou acidentes”. (art. 11, paragrafo II).

Quanto a nós, jornalistas e formadores de opinião, será que temos perdido algumas das melhores oportunidades para discutir e colocar em pauta um pouco mais sobre o funcionamento desses desencontros e arbitrariedades? Temos deixado de acumular reflexão a respeito da imprensa, de seu autoritarismo e da maneira equivocada e sem questionamentos que as pessoas têm encontrado de reagir a tudo isso. 

Adnoel Pinheiro, jornalista (e amigo deste blogueiro).